YouTube remove canais do ensaísta Alain Soral

Nos ajude a espalhar a palavra:

A multinacional estadunidense decidiu excluir os dois canais por “violações repetidas nas [suas] condições de uso”. É isso que informou no domingo o jornal francês, Le Monde. Mais um caso de censura nos meios de comunicação mundial 

Uma semana depois do canal do artista e ativista anti-sionismo Dieudonné, o YouTube excluiu, na segunda-feira 6 de julho, os do ensaísta Alain Soral, condenados no passado por “contestar a existência” do Holocausto… sim, em países como a França, uma mera crítica sobre esse assunto é passível de pena legal. E ainda mais, não satisfeitos, o tribunal francês acusou Soral condenou Soral na época por “insulto e incitação ao ódio racial”.

Assim, “ERTV oficial” (‘Égalité et Réconciliation‘, em português ‘Igualdade e Reconciliação’ o nome do site), tinha até segunda-feira mais de 1.200 vídeos e 185.000 assinantes. Ele acumulou mais de 80 milhões de visualizações desde a sua criação em 2010. O segundo, “ERTV International” (15 vídeos, 3.200 inscritos, 260.000 visualizações), ativo desde março, também é excluído, anuncia o YouTube. A plataforma de propriedade do Google indica que esses canais foram excluídos por: “violações repetidas das [suas] condições de uso”. Em vez do canal principal, agora podemos ler esta mensagem única: “Esta conta foi encerrada após violações sérias ou repetidas das regras do YouTube que proíbem o uso de conteúdo odioso”.

LEIA MAIS

As regras da plataforma estadunidense mudaram em junho de 2019, tornando-a “mais intransigente” , em suas próprias palavras, em relação ao que eles consideram em sua linguagem, “discurso de ódio”, ou seja, tudo que foge ao politicamente correto como temáticas nacionalistas, anti-sionistas e anti-sistema. Segundo a declaração dos diretores, o YouTube baniu “vídeos que alegam que um grupo é superior para justificar discriminação, segregação ou exclusão com base em qualidades como idade, sexo, raça, casta, religião, orientação sexual ou status de veterano ”. Desde então, a multinacional de vídeos multiplicou exclusões de canais no segmento de sua agenda contra a informação livre e pela controlada. O YouTube alega ter removido – de forma unilateral e intransigente – mais de 25.000 pelo que eles próprios definem “incitação à violência ou extremismo violento” em pouco mais de um ano.

Receba nossas postagens por e-mail

Como dito sobre Diedoné, em 30 de junho, o YouTube fechou o canal do artista e ativista francês contrariando a preferência de 450.000 assinantes, apresentando os mesmos motivos genéricos da remoção dos canais de Alain Soral.

Assim como Varg Vikernes e Dieudonné, Alain Soral não poderá mais retornar ao YouTube, mesmo com um novo canal, “garante” o YouTube. No entanto, os vídeos em que aparece ainda podem ser visíveis se não violarem as condições de uso da multinacional de propriedade da onipotente e onisciente Google. “ERTV oficial” já havia sido excluído em junho de 2018 . O YouTube já estava avançando no “não cumprimento das políticas da comunidade” para explicar essa remoção.

Alain Soral e Dieudonné M´Bala M´Bala. Créditos: Nuovelobs.com

Ao contrário do que os conservadores liberais modernos pensam, o papel da agenda das multinacionais de informação e outras, como o caso do Youtube e da Google, cumpre exatamente a tarefa de alegria do progressismo de esquerda moderno… e não, não podem essas gigantes se rosto e oniscientes serem encaixadas como “comunistas”, se não num quadro de uma ditadura global que atende os preceitos sócio-culturais das mega-finanças… Prova disso? Na época do primeiro banimento (2018), o delegado interministerial para a luta contra o racismo, o anti-semitismo e o ódio anti-LGBT, Frédéric Potier, ficou encantado: “É o fim da impunidade e complacência com o odeio mensagens na Internet.”

Alain Soral então apelou da decisão. Dois dias depois, a plataforma reverteu sua decisão… Agora, o YouTube indicou que Alain Soral tocou em uma “área cinzenta”, afirma o Le Monde,  dos regulamentos então em vigor e um domínio perfeito para que seu canal fosse restabelecido. “Voltamos a um dos três avisos”, disse um lado da plataforma. Alain Soral sabia, no entanto, que ele estava suspenso. Logo após o restabelecimento de seu canal, ele se perguntou no Twitter “quanto tempo” isso duraria.


CONFIRA NA LIVRARIA SENTINELA

Sentinela Mídia Independente
siga em
Nos ajude a espalhar a palavra:
Gostou do artigo? Você pode contribuir para o site com uma doação:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

9 + 10 =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.