Oriente Médio: Síria e Israel chegam a acordo sobre retirada do Irã das fronteiras

Nos ajude a espalhar a palavra:

Israel permitiu a presença de tropas do governo da Síria junto das suas fronteiras do norte. O acordo foi firmado com a mediação da Rússia, segundo informou a mídia local.

“Ele [o acordo] estipula que o exército de Assad ocupará as posições na fronteira com Israel e, em contrapartida, os russos asseguram que não haverá a presença do Irã e do Hezbollah”, diz a mensagem. A região próxima da linha de demarcação que separa o território sírio do israelense faz parte da zona de desescalação formada em 2017 pelo acordo entre a Rússia, os EUA e a Cisjordânia.

No dia anterior, o ministro das Relações Exteriores, Sergei Lavrov, declarou que apenas as forças governamentais do país devem permanecer na fronteira sul da Síria.

Israel demonstra preocupação com a existência de bases militares iranianas perto de sua fronteira com a Síria e realiza frequentes ações para aniquilar as instalações relevantes.

Um dos episódios ocorreu em 8 de maio. Na noite desse dia os militares israelenses detectaram “atividade incomum” das forças iranianas na Síria. As Forças de Defesa de Israel (IDF, sigla em inglês) consideraram que havia preparativos para um possível ataque.

Os militares afirmaram que estavam prontos para “vários cenários” e determinados a dar “uma resposta decisiva a qualquer agressão”. Além disso, iniciou-se uma mobilização limitada de reservistas. Algum tempo depois, Israel bombardeou os territórios ao sul de Damasco.

Na noite de 10 de maio, Israel comunicou que as forças iranianas na Síria haviam alegadamente disparado em direção às Colinas de Golã, o que levou à retaliação.

Entretanto os detalhes são incerto, na mídia vão desde meras “retaliações” a ataques aéreos nas bases militares iranianas. Alguns especialistas militares admitem que o apoio de Israel por parte dos Estados Unidos pode levar a um verdadeiro conflito militar.

Apoio norte-americano e Colinas do Golã

O deputado israelense, Yoav Kish, apelou aos EUA para que reconhecessem as Colinas de Golã como território israelense. Em uma carta ao embaixador norte-americano em Israel, ele definiu que tal medida será uma continuação natural da política atual de Washington, numa clara situação onde Tel Aviv se aproveita da situação, concorda Abdulaziz Alghashian, especialista em Oriente Médio e pesquisador da Universidade de Essex (Reino Unido), tenta aproveitar o máximo possível da situação atual.

Receba nossas postagens por e-mail

“Acho que Israel está sentindo que pode ganhar muito mais com a administração de Trump agora, muito mais do que podia ter ganhado com qualquer outra administração antes. Em Israel entendem que mais atenção está sendo dada a eles e tentam aproveitar dessa situação ao máximo”, disse o analista.

Alghashian também acrescenta que a decisão dos EUA de transferir sua embaixada de Tel Aviv para Jerusalém encorajou Israel ainda mais do que a saída de Washington do acordo nuclear, pois os israelenses entendem que têm uma grande influência sobre a política americana no Oriente Médio.

Para entender até onde levará esta situação, o especialista acha necessário levar em consideração que a ocupação e anexação das Colinas de Golã por Israel são ilegais. Então, o reconhecimento das Colinas de Golã será um ato ilegal segundo a lei internacional e a resolução 497 da ONU, sublinha Alghashian.

“Se esta anexação ilegal for legitimada, haverá críticas significativas vindas do mundo árabe, mas estas críticas não serão unanimes nem solidárias pois… os países árabes agora não confiam muito uns nos outros”, afirmou.

Mesmo assim, o analista discerne que o reconhecimento das Colinas de Golã como território israelense provocará uma resposta conjunta que exige a implementação da Iniciativa de Paz Árabe de 2002, que reivindica o retorno do território disputado à Síria para regular as relações com Israel.

Em qualquer caso, opina Alghashian, o possível reconhecimento das Colinas de Golã não será um processo fácil.

“Acho que a administração e conselheiros de Trump lhe aconselham dizer o seguinte: ‘Ouçam, vocês já deram um grande passo ao transferir a embaixada para Jerusalém, isso está provocando muita reação anti-israelense e antiamericana, acho que será demais se vocês anexarem as Colinas de Golã também… Mas, se chegar à oficialização das Colinas de Golã como território israelense, acredito que isso levará muito tempo, não penso que isso aconteça em breve”, ressaltou o especialista.

Falando da possível resposta da comunidade internacional, o cientista político opina que esta será sem dúvidas muito crítica, colocando Tel Aviv e Washington “em uma situação muito difícil”, já que perderam reputação de mediadores imparciais e honestos, concluiu.

Israel se apropriou das Colinas de Golã na Guerra dos Seis Dias de 1967 e, em seguida, anexou-as unilateralmente em 1981. Desde então, a soberania sobre a área tem sido tema em discussões sobre os direitos territoriais de Israel na região. Antes da guerra, a área pertencia à Síria e a ONU a considera “território ocupado”, enquanto Israel a define como “território disputado”.


Fonte: Sputnik News

Publicado originalmente em 29 de maio de 2018.


CONFIRA NA LIVRARIA SENTINELA

Sentinela Mídia Independente
siga em
Nos ajude a espalhar a palavra:
Gostou do artigo? Você pode contribuir para o site com uma doação:

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.