Os fundadores de Israel eram “ladrões”, diz historiador israelense

Nos ajude a espalhar a palavra:

Os primeiros colonos judeus na Palestina “saquearam propriedades árabes”, disse um novo livro de um historiador israelense Adam Raz, acrescentando que “as autoridades fecharam os olhos”.

Na obra descrita como o “primeiro estudo abrangente” pelo historiador, ele descreve “até que ponto os judeus saquearam propriedades árabes” durante o ataque de gangues judias em 1948 contra os palestinos e suas casas, e explica por que Ben-Gurion disse que “a maioria dos judeus são ladrões.”

A crítica do livro, escrita por Ofer Aderet no Haaretz teve o título: “Soldados e civis judeus saquearam em massa as propriedades dos vizinhos árabes em 48. As autoridades fecharam os olhos. ”

Outro escritor sênior do Haaretz, Gideon Levy, comentou que as palavras “a maioria dos judeus são ladrões”, “não foram pronunciadas por um líder antissemita, um odiador de judeus ou um neonazista, mas pelo fundador do Estado de Israel, dois meses após sua fundação”

Levy disse que as autoridades israelenses “fecharam os olhos e, portanto, encorajaram o saque, apesar de todas as denúncias, pretextos e alguns julgamentos ridículos”.

“O saque serviu a um propósito nacional: completar rapidamente a limpeza étnica da maior parte do país e fazer com que 700.000 refugiados jamais imaginassem retornar para suas casas”, ele explicou.

“Mesmo antes de Israel conseguir destruir a maior parte das casas e varrer da face da terra mais de 400 aldeias, veio esse saque em massa para esvaziá-las, para que os refugiados não tivessem motivo para voltar”, escreveu.

Levy também disse que os saqueadores “foram motivados não apenas pela ganância feia de possuir propriedade roubada logo após o fim da guerra, propriedade pertencente em alguns casos a pessoas que eram seus vizinhos no dia anterior, e não apenas pelo desejo de enriquecer rapidamente ao saquear utensílios domésticos e ornamentos, alguns deles muito caros…, mas serviram, consciente ou inconscientemente, ao projeto de limpeza étnica que Israel tentou em vão negar ao longo dos anos”.

LEIA MAIS

“Quase todos participaram” do saque, acrescentou ele, afirmando que “foi o pequeno saque, aquele que provou, pelo menos por um momento, que ‘a maioria dos judeus são ladrões’, como disse o pai fundador. Mas isso foi um mini saque em comparação com o saque institucionalizado de propriedades, casas, vilas e cidades – o saque da terra”.

“Negação e repressão” foram parte das razões pelas quais chefes da comunidade judaica permitiram o saque de propriedades árabes na Palestina. “A sede de vingança e a embriaguez com a vitória após a difícil guerra talvez expliquem, ainda que parcialmente, a participação de tantos”, disse o articulista.

“A pilhagem reflete não apenas a fraqueza humana momentânea, mas visa servir a um objetivo estratégico claro – purificar o país de seus habitantes – que as palavras enganam”.

Concluindo seu artigo, Levy disse: “Qualquer um que acredita que uma solução será encontrada para o conflito sem a devida expiação e compensação por esses atos, está vivendo em uma ilusão”.

Ele pediu a Israel que “pensasse nos sentimentos dos descendentes, os árabes de Israel e os refugiados palestinos, que vivem conosco e ao nosso lado. Eles veem as fotos e leem essas coisas – o que passa por suas cabeças?”

“Eles nunca serão capazes de ver as aldeias de seus ancestrais: Israel demoliu a maioria delas, para não deixar um fragmento”, observando que “uma pequena lembrança roubada de uma casa que foi perdida pode causar uma lágrima”, frisou o jornalista.

E comparou: “Basta perguntar aos judeus furiosos com qualquer propriedade judia roubada.”


Fonte: Monitor do Oriente

Publicado originalmente em 6 de outubro de 2020


VISITE A LIVRARIA SENTINELA

Sentinela Mídia Independente
siga em
Nos ajude a espalhar a palavra:
Gostou do artigo? Você pode contribuir para o site com uma doação:

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.