Igualdade: uma justificativa de privilégio, opressão e desumanidade

Nos ajude a espalhar a palavra:

É um clichê em nossa sociedade liberal de esquerda que todos devemos permanecer vigilantes contra qualquer ideologia que rejeite a igualdade como um objetivo moralmente desejável, porque, se essa ideologia atingir poder político, logo nos encontraremos de volta à ladeira escorregadia que começa com uma justificativa de racismo e termina com as câmaras de gás em Auschwitz-Birkenau.[1]

Tanto os liberais quanto seus críticos marxistas se apresentam como forças de libertação e emancipação, e sua historiografia retrata o tempo antes de seu advento como o de privilégio, opressão e desumanidade.

No entanto, a história dos últimos cem anos tem mostrado que, contrariamente à presunção dos liberais e da esquerda e contrária à boa retórica que emana de seu campo, a lógica moral do igualitarismo também justifica privilégio, opressão e desumanidade, exatamente os mesmos males que ela reivindica ter se oposto.

Privilégio

Uma suposição-chave entre os igualitários é que a igualdade de oportunidades deve produzir igualdade de resultados e que, quando os resultados são desiguais, é porque um indivíduo ou grupo de indivíduos desfruta de uma vantagem injusta. Os igualitaristas têm uma visão de mundo materialista, de modo que a vantagem injusta é sempre redutível às condições materiais, que, na sua opinião e no sentido mais amplo possível, são o principal determinante dos resultados. Essa vantagem injusta é chamada de “privilégio”. Para combater os privilégios, a principal estratégia do igualitarismo é a redistribuição: aqueles pensados ter desfrutado de vantagens injustas são submetidos à extração e o “excesso” extraído é transferido para aqueles pensados ter sofrido desvantagens injustas.

LEIA MAIS

Certamente, é verdade que indivíduos ou grupos de indivíduos às vezes desfrutam de vantagens injustas, mas resultados desiguais nem sempre são o resultado de oportunidades desiguais resultantes do “privilégio”. A igualdade de oportunidades pode resultar, e o tempo todo, em resultados desiguais. Os igualitaristas resistem à causa (desigualdade humana inerente) porque acreditam que uma sociedade desigual é imoral. A desigualdade é para eles sempre e necessariamente uma injustiça.

O problema é que eles efetivamente “corrigem” uma injustiça percebida com uma real. Onde não tem havido vantagem injusta, mas resultado desigual, a redistribuição tira do merecido a fim de dar aos que não merecem. Com efeito, isso cria uma classe privilegiada de indivíduos que desfrutam de vantagens não merecidas e, portanto, injustas, às custas daqueles que obtiveram pelo trabalho, justo e honesto, aquilo que lhes foi tirado. O igualitarismo, portanto, simplesmente transfere privilégios de uma classe para outra – não o elimina.

Opressão

Alguns críticos da direita disseram que devemos distinguir “boa igualdade” de “má igualdade”, citando a igualdade perante a lei como um exemplo de “boa igualdade”.

Receba nossas postagens por e-mail

A igualdade pode fazer sentido em certos contextos, na condição prevista que seja tratada como uma questão prática. Quando é tratada como um imperativo moral, contudo, torna-se impossível justificar a oposição às sociedades multirraciais que agora temos no Ocidente, onde os indígenas {neste contexto os residentes locais} não devem ser considerados especiais e onde os níveis de imigrantes geneticamente distantes são determinados puramente por considerações econômicas.

As sociedades multiculturais resultantes são inerentemente instáveis, porque não podem mais ser governadas sob um conjunto compartilhado de suposições, valores e costumes, e porque a identificação racial e étnica entre vários grupos os coloca na competição mútua por poder e recursos. Escusado será dizer que a competição entre diferentes grupos também ocorre em sociedades racialmente homogêneas, mas o multiracialismo adiciona camadas de complexidade totalmente desnecessárias, exigindo níveis totalmente novos de envolvimento do Estado. Como o experimento multicultural mostrou no Ocidente, o crescimento do multiculturalismo em um cenário de moralidade igualitária fomenta o crescimento de políticas de igualdade, regulamentação, legislação, policiamento, fiscalização, burocracias e programas sociais, projetados para impedir que os indígenas {neste contexto os residentes locais} desenvolvam estratégias de exclusão contra os grupos exógenos sempre crescentes. A garantia liberal da liberdade de expressão é progressivamente encurtada a fim evitar ofender algum grupo ou outro. A liberdade de associação é progressivamente encurtada a fim de garantir que nenhum grupo seja excluído com base na diferença. A liberdade de representação é progressivamente reduzida a fim de impedir os indígenas {neste contexto os residentes locais} de organizarem uma oposição política. A liberdade econômica é progressivamente encurtada – por exemplo, através do sistema tributário – a fim de equalizar os resultados e financiar o aparato do estado da igualdade. O último, é claro, cresce continuamente, tornando-se cada vez mais intrusivo, invasivo, caro e opressivo. No Ocidente, chegamos ao estágio em que expressar uma opinião no Twitter, com menos de 140 caracteres, pode resultar em uma condenação com uma sentença de custódia.

Existem outros efeitos também, que também contribuem para uma atmosfera opressora. Provou-se que as sociedades multirraciais sofrem níveis mais altos de criminalidade e níveis mais baixos de confiança [2], os quais destroem o espírito da comunidade, menor qualidade de vida e incentivam os cidadãos a recuar para lares com alarmes, com janelas gradeadas, às vezes atrás de comunidades fechadas com patrulhas de segurança armadas. Mesmo estes não oferecem garantia, então os cidadãos vivem com medo constante; medo de ofender alguém; medo de expressar certas opiniões; medo de espaços públicos; medo de certos concidadãos; medo de estar associado a certos partidos políticos; e, no caso dos indígenas {neste contexto os residentes locais}, também temem se opor à sua própria desapropriação e retirada de privilégios, mesmo que no final não haja mais lugar para fugir. Mais uma vez, todos os itens acima, exceto o último, existem em sociedades homogêneas, mas sob o multiculturalismo igualitário as fontes de medo se multiplicam, porque as variáveis se multiplicaram.

Desumanidade

Como demonstrei em um artigo anterior [3], a crença na bondade moral da igualdade despe a vida do significado, porque o significado vem da diferença ou da desigualdade. No processo, tira tudo o que torna a vida boa e digna de ser vivida, pois esta é dependente do significado e de várias formas de diferença.

Associada à moral igualitária está a noção de direitos humanos. Na ideologia liberal, os seres humanos são considerados de igual valor em dignidade e direitos. No entanto, esse não é realmente o caso, pois se aplica apenas àqueles que acreditam na bondade moral da igualdade.

Humanos são comiserados ter direitos simplesmente pela virtude de serem humanos. Ao mesmo tempo, é considerado uma indicação da humanidade de uma pessoa reconhecer os direitos humanos. O tratamento de outros seres humanos que desrespeita os direitos humanos é descrito como “desumano”, bestial, demoníaco. Uma descrição mais branda é “bárbara”, a qual conota uma humanidade menor.

Mas não é preciso tortura ou assassinato horrível ou assassinato em massa para se tornar, pelo menos do ponto de vista liberal, um animal ou um demônio, porque simplesmente rejeitar a noção de que a igualdade é um bem moral absoluto tem o mesmo efeito. O racismo, por exemplo, implica essa rejeição. Portanto, somente se tome alguém sendo considerado “racista” para que alguém seja tratado como dotado de uma humanidade menor. A animalização e demonização do recém-identificado “racista” marca sua mudança de status.

A razão é simples: se o igualitarismo é moral e se uma capacidade de moralidade é o que nos torna humanos, o desigualitário é automaticamente desumano e, portanto, uma besta ou um demônio.

No entanto, a observação confirma que a regra não é aplicada uniformemente: a acusação de “racismo” é muito mais desumanizante para os brancos do que para outros. Um homem negro no Ocidente pode se envolver em um comportamento claramente racista sem ter sua humanidade questionada. Por outro lado, um homem branco no Ocidente é sustentado por um padrão muito mais rigoroso: leva muito menos para ele ser rotulado de “racista” e os efeitos do rótulo são para ele muito mais severos. Isso poderia potencialmente indicar uma suposição tácita entre os liberais de que os negros são de uma humanidade menor e que os brancos são de uma humanidade superior, pois isso explicaria a indulgência em relação ao primeiro e a severidade em relação ao segundo, mas isso está além do escopo deste ensaio. O fato é que, uma vez considerada “racista”, a besta ou demônio branco não goza mais dos mesmos direitos e privilégios que os “não-racistas”. Sua liberdade de expressão e associação pode ser pervertida, restringida ou negada; sua propriedade e produção criativa podem ser vandalizadas, apreendidas ou destruídas; e sua liberdade e meios de sobrevivência podem ser tirados dele, às vezes sem explicação – tudo com completa impunidade e aprovação universal. Pior ainda, aos olhos de amigos e parentes, aquele que é rotulado de “racista” deixa de ser uma pessoa, e qualquer tipo de abuso direcionado a ele é um jogo justo. É, de fato, visto como certeiro e plenamente justificado.

Essa pode ser uma das várias razões pelas quais as sociedades comunistas, que viviam sob um sistema de igualitarismo radical, viram o pior tratamento e os piores assassinatos em massa de seres humanos na história. Isto pode também ser o porquê que tantos perderam suas cabeças sob a bandeira de “liberté, egalité, fraternité”. Como eu argumentei em outro lugar [4], a busca pela igualdade implica a destruição de valor e torna toda a vida humana equivalente e substituível [5]. Se, no alto da situação, adicionamos uma lógica moral que desumaniza aqueles que rejeitam essa lógica, terminamos em uma situação que se começa chamando alguém de “racista”, “reacionário” ou “burguês” e termina na guilhotina ou no gulag siberiano.

Conclusão

Talvez nós devêssemos permanecer vigilantes contra qualquer ideologia que apresente a igualdade como um objetivo moralmente desejável, em vez de uma solução prática que possa ser um expediente em alguns contextos, porque vimos o que acontece quando uma ideologia moralmente igualitária alcança o poder político.


Fonte: Counter-Currents Publishing – Books Against Time

Autor: Alex Kurtagić, publicado originalmente em 26 de fevereiro de 2013

Tradução e palavras entre chaves por Mykel Alexander via World Traditional Front


Notas

[1] Nota do tradutor: Sobre a distorção histórica que falsificou os campos de concentração da Alemanha de Hitler em campos de extermínio ver os seguintes artigos fundamentais:

[2] Nota do tradutor: Leia o artigo Raça e Crime na América – Por Ron Keeva Unz

[3] Nota do tradutor: Leia o artigo Igualdade: o caminho para uma vida sem sentido – por Alex Kurtagić

[4] Nota do tradutor:  Idem

[5] Nota do tradutor: Leia o artigo Migrantes: intervenções “humanitárias” geralmente fazem as coisas piores – Entrevista com Alain de Benoist


CONFIRA NA LIVRARIA SENTINELA

Sentinela Mídia Independente
siga em
Nos ajude a espalhar a palavra:
Gostou do artigo? Você pode contribuir para o site com uma doação:

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.