A Guerra dos Seis Dias: O mito de um David israelense versus um Golias árabe

Nos ajude a espalhar a palavra:

Filho de um general israelense, Miko Peled reflete sobre a intenção nefasta por trás do que foi apresentado ao mundo como o triunfo heroico de um Israel superior aos seus agressivos vizinhos árabes.

Em 2 de junho de 1967, foi um dia tenso na sede do exército israelense em Tel Aviv. Durante semanas, os generais das IDF [sigla em inglês para ‘Forças de Defesa de Israel’] pressionavam o governo para iniciar uma guerra e a atmosfera era tensa. O primeiro-ministro de Israel, Levi Eshkol, que também atuou como Ministro da Defesa, foi ver os generais no centro de comando das IDF. Todos os generais que compunham o alto comando da IDF estavam presentes. Esta reunião ficou conhecida como “o confronto”. Anos depois, alguns até acusariam o exército de uma tentativa de golpe de estado.

Uma fraude

Uma das maiores fraudes cometidas pelos militares israelenses é a alegação de que a Guerra dos Seis Dias [1] foi iniciada por Israel devido a uma ameaça existencial. A realidade, porém, é que, em 1967, o exército israelense enfrentou um governo civil eleito que estava menos animado com as perspectivas de guerra do que os generais. Então, como é claramente visto nas atas das reuniões entre generais da IDF daqueles dias, atas que estão disponíveis nos arquivos da IDF, visto que o governo estava hesitante, os militares decidiram semear o medo, e fizeram isso com muita eficácia, alegando que o Estado judeu enfrentava uma ameaça existencial e que o exército deve agir decisivamente.

A decepção funcionou e, nos três dias seguintes, Eshkol foi forçado a ceder. Ele renunciou ao cargo de Ministro da Defesa e o entregou ao Chefe do Estado Maior do Exército, general Moshe Dayan. Os generais da IDF conseguiram a guerra que tanto desejavam. Eles iniciaram um ataque maciço contra o Egito, reduzindo o exército egípcio a cinzas e tomando conta de toda a Península do Sinai. Como resultado, a IDF conseguiu capturar o maior estoque de material militar fabricado na Rússia fora da União Soviética. Israel faria bom uso do conhecimento que veio com esse saque.

Levi Eshkol Shkolnik (1895 – 1969), de família judaico-ucraniana, foi o terceiro primeiro-ministro de Israel desde 1963, sucedendo a David Ben-Gurion, até à sua morte de ataque de coração em 1969. Como primeiro-ministro, Eshkol trabalhou para estreitar relações externas, estabelecendo diplomacia com a República Federal Alemã em 1965 e laços culturais com a União Soviética, o que permitiu que alguns judeus soviéticos pudessem emigrar para Israel. Ele desempenhou um papel de significativo na Guerra dos Seis Dias de junho de 1967. Durante esse período, Eshkol estabeleceu um Governo de Unidade Nacional, com a liderança militar no comando de Moshe Dayan. De volta ao governo civil, Eshkol destacou-se pela implementação do plano nacional de canalização. Créditos: Gabinete de Imprensa do Governo de Israel.

Também capturou milhares de soldados egípcios que estavam estacionados no deserto do Sinai e apanhados despreparados. Segundo os testemunhos dos oficiais israelenses, pelo menos dois mil prisioneiros de guerra egípcios foram executados ali mesmo e enterrados nas dunas.

Mas os generais não estavam satisfeitos. Eles aproveitaram a oportunidade que receberam e decidiram se aproveitar ao máximo. Sem nenhuma discussão, muito menos a aprovação do governo civil eleito, o exército passou a tomar a Faixa de Gaza, a Cisjordânia e algo que os generais vinham mastigando há poucos anos, as férteis colinas sírias de Golã, ricas em água, triplicar o tamanho do Estado de Israel. Eles finalmente haviam completado a conquista da Palestina e empurrado a fronteira oriental de Israel até o rio Jordão.

Os militares se moveram como um trator, destruindo cidades e vilarejos, tanto nas colinas de Golã quanto na Cisjordânia. Como resultado, inúmeros sírios que viviam nas colinas de Golã e centenas de milhares de residentes palestinos da Cisjordânia e Jerusalém Oriental tornaram-se refugiados.

O mito da ameaça

Como os próprios generais declararam durante suas reuniões anteriores à guerra, todo o caso consistia em aproveitar a oportunidade para iniciar uma guerra que eles sabiam que venceriam, e não em evitar alguma ameaça existencial. De fato, a palavra “oportunidade” é mencionada várias vezes em suas discussões e a palavra “ameaça” não é mencionada.

Unidades israelenses ocupam as colinas que cercam a Cidade Velha de Jerusalém durante a Guerra dos Seis Dias em 1967 Government Press Office/Reuters

Um general que esteve presente na reunião de 2 de junho foi meu pai, general Matti Peled. Segundo relatos de alguns de seus camaradas que estavam lá, relatos que mais tarde verifiquei lendo as atas das reuniões, ele se levantou e disse ao primeiro-ministro Eshkol que o exército egípcio era um exército mal preparado e, portanto, Israel deve aproveitar a oportunidade para destruí-lo. Ele afirmou que o exército egípcio, que na época estava se recuperando de uma guerra no Iêmen, precisaria de pelo menos um ano e meio a dois anos antes de estar preparado para a guerra. Os outros generais concordaram. Meu pai foi mais longe e disse que o comando da IDF “exige saber por que esse exército que nunca perdeu uma batalha” está sendo retido. Ele não disse uma palavra sobre uma ameaça.

Mais das atas da reunião geral estão incluídas no meu livro “The General’s Son” [2], mas é claro que Israel iniciou a guerra, não por preocupação com a segurança de Israel, mas por desejo de demonstrar seu poder e usá-lo para obter ganhos territoriais. Para quem prestou atenção, o resultado da guerra provou que não poderia haver uma ameaça militar para Israel. No entanto, as pessoas ficaram tão comovidas com a história do pequeno David se defendendo do ataque do mal Golias que se deixaram levar pela fraude.

Intervenção divina

Há uma história que ouvi do rabino Moishe Beck, um rabino ultra ortodoxo reverenciado que morava em Jerusalém e se mudou para Nova Iorque. Perguntei-lhe por que ele decidiu partir depois da Guerra dos Seis Dias. Ele me disse que estava sentado em um abrigo antiaéreo no bairro Me’a Sha’arim, em Jerusalém, e havia um som de bombardeios não muito longe dali. A certa altura, as pessoas podiam ouvir os aviões da Força Aérea de Israel voando acima e começaram a se referir aos sucessos das IDF como um sinal de intervenção divina. Ele achou abominável que as pessoas veriam a força militar estatal sionista, que ele considerava criminosa, como intervenção divina. Assim que conseguiu, ele levou sua família e com muito poucos meios, deixou Jerusalém. Ele não queria que seus filhos crescessem em uma atmosfera que idolatrasse os militares israelenses, ou quaisquer militares nesse sentido.

Aviões israelenses sobrevoam o Sinai, na fronteira com o Egito em 5 de junho de 1967. Créditos: AFP/Arquivos

Muitos anos depois, enquanto estava sentado com amigos ultra ortodoxos em Nova Iorque, perguntaram-me se era verdade que a vitória de 1967 era tão imprevisível que até mesmo as pessoas seculares a viam como intervenção divina. Não havia nada de divino no ataque israelense e no roubo de terras árabes. Não em 1967 e em nenhum outro momento. O exército israelense estava bem preparado, bem armado e bem treinado, e os generais sabiam que a vitória era inevitável.

A escrita na parede

De fato, Israel pretendia ocupar a Cisjordânia e as Colinas de Golã muitos anos antes de 1967 e a guerra apresentava a oportunidade perfeita. Nas memórias do segundo primeiro-ministro de Israel, Moshe Sharet, ele descreve uma reunião que ocorreu em Jerusalém em 1953, na qual estavam presentes dignitários de todo o mundo. O primeiro ministro de Israel, David Ben-Gurion, também esteve presente.

Uma das apresentações feitas neste encontro foi por meu pai, então um jovem e promissor oficial da IDF. Ele deu a palestra em inglês, que falava bem e, entre outras coisas, afirmou em termos inequívocos que a IDF estava preparada para o momento em que seria dada a ordem para “empurrar a fronteira oriental de Israel para seu lugar natural, o rio Jordão.” Em outras palavras, pegue a Cisjordânia e complete a conquista da histórica Palestina.

Hoje sabemos que Israel tinha planos para ocupar e impor seu próprio regime militar na Cisjordânia no início de 1964. Também é sabido que Israel iniciou escaramuças com o exército sírio durante o início da década de 1960, na esperança de que a Síria iniciasse uma guerra.

O USS Liberty

Na manhã de 8 de junho de 1967, no meio da guerra, o USS Liberty estava a cerca de 27 quilômetros da costa de Gaza, em águas internacionais. Sendo um navio de coleta de informações, não possuía capacidade de batalha e estava armado apenas com quatro metralhadoras de calibre .50 para afastar pessoas indesejadas. Por várias horas, durante todo o dia, aviões de reconhecimento da Força Aérea de Israel estavam sobrevoando o Liberty no que pareciam tentativas de identificá-lo. A tripulação não sentiu nenhuma ameaça – pelo contrário, Israel era um aliado dos EUA.

Então, às 14:00 horas (horário local) e sem nenhum aviso, os caças israelenses lançaram um ataque ao USS Liberty. O ataque incluiu foguetes, tiros de canhões e até napalm, uma combinação tóxica e inflamável de gel e petróleo que gruda na pele e causa queimaduras graves. [3]

O ataque terminou com 34 marinheiros estadunidenses mortos e 174 feridos, muitos deles gravemente. Enquanto os feridos estavam sendo evacuados, um oficial do Gabinete de Inteligência Naval instruiu os homens a não falar com a imprensa sobre sua provação.

USS Liberty após o ataque – Reprodução

Três semanas após o ataque, a Marinha divulgou um relatório de 700 páginas exonerando os israelenses, alegando que o ataque havia sido acidental e que os israelenses recuaram assim que perceberam seu erro. O secretário de Defesa Robert McNamara sugeriu que todo o caso deveria ser esquecido. “Esses erros ocorrem”, concluiu McNamara. O desejo dos EUA de ver as armas soviéticas que Israel possuía tinha algo a ver com a facilidade com que o Pentágono varreu esse caso para debaixo do tapete.

Em 2003, quase quarenta anos após o fato, a “Comissão Moorer”, uma comissão independente presidida pelo almirante aposentado Thomas H. Moorer, da Marinha dos Estados Unidos, foi criada para investigar o ataque. A comissão incluía um ex-presidente do Estado-Maior Conjunto, um ex-comandante assistente do Corpo de Fuzileiros Navais, almirantes aposentados e um ex-embaixador. Entre suas descobertas estão as seguintes:

“Os barcos torpedeiros israelenses metralharam os bombeiros, as macas e os botes salva-vidas do Liberty, que foram jogados na água para resgatar os feridos mais graves.”

“Por temer conflito com Israel, a Casa Branca impediu deliberadamente a Marinha dos EUA de defender a USS Liberty, revocando o apoio de resgate militar da 6ª Frota enquanto o navio estava sob ataque […] nunca antes na história naval dos Estados Unidos uma missão de resgate foi cancelada quando um navio estadunidense estava sob ataque.”

“Que os tripulantes sobreviventes foram ameaçados com “corte marcial, prisão ou coisa pior” se expusessem a verdade.”

“Isso devido à pressão contínua do lobby pró-Israel nos Estados Unidos, esse ataque continua sendo o único incidente naval sério que nunca foi completamente investigado pelo Congresso.”

“Em cinco dias acabou. A guerra terminou como esperado, com uma vitória maciça de Israel. As IDF destruíram os exércitos dos países árabes ao seu redor. O número de mortos foi de 18.000 soldados árabes e 700 soldados israelenses.”

Em retrospecto, seria bom parar de chamar o que ocorreu em junho de 1967 de guerra, mas sim um ataque israelense aos países vizinhos. O nome Guerra dos Seis Dias não foi coincidência. Israel tomou o nome das escrituras judaicas, mais especificamente do livro de orações, onde se vê referência após referência à criação divina ou Os Seis Dias da criação.


Escrito por Miko Peled; autor e ativista de direitos humanos israelense nascido em Jerusalém. Ele é o autor de The General’s Son: Journey of an Israeli in Palestine” e “Injustice: The Story of the Holy Land Foundation Five“.

Artigo retirado de Global Research. Originalmente publicado em 5 de junho de 2020

Tradução de Leonardo Campos


Notas

[1] Esquema geral da Guerra dos Seis Dias (1967):

Créditos: Nicolas Eynaud / Own work / Wikimedia Commons

[2] Nota da edição: PELED, Miko. The General’s Son: Journey of an Israeli in Palestine. ‎2ª. ed. atual. [S. l.]: Just World Books, 2016. 272 p. ISBN 978-1682570012.

[3] Nota da edição: Além desse incidente com os estadunidenses, é interessante narrar um episódio envolvendo militares do Exército do Brasil, soldos e oficiais disponível na Revista Sociedade Militar postado em 1 de setembro do ano passado.

Poucos brasileiros sabem que em meio ao intenso combate entre Israel e a coalizão formada entre Egito, Iraque, Síria e outros países havia de militares brasileiros. O deputado Federal Pompeo de Mattos (PDT), membro da comissão que estuda o projeto de lei 1645/2019, que fazer justiça aos militares abandonados pelo Brasil em meio a um conflito que não lhes pertencia relata que no dia 14 de maio de 1967, o presidente do Egito, intencionado em atacar Israel, pediu a retirada imediata de seu território da Força de Emergência das Nações Unidas, da qual fazia parte os 427 brasileiros e, no dia 19 de maio o Secretário Geral da ONU tornou extinta a 1ª Força de Emergência das Nações Unidas. Cabia a cada governo a responsabilidade de evacuar, imediatamente seus efetivos militares da área.

O governo brasileiro, em falha inaceitável, preferindo acreditar na promessa feita pelos Estados Unidos de que não haveria rupturas no processo de paz, não considerou o “Ato de Extinção da Força de Emergência” já oficializado pelo Secretário Geral da ONU e não retirou suas tropas, expondo os brasileiros ao sacrifício inútil de suas vidas. Nem mesmo a intervenção dos embaixadores brasileiros no Líbano e no Cairo, clamando pela evacuação de seus soldados, fez com que ocorresse o resgate imediato dos militares. Quase vinte dias depois, no dia 5 de junho de 1967 eclodiu a Guerra dos Seis Dias entre Israel e os países da coalizão árabe Egito, Jordânia, Síria e Iraque. O ataque de Israel matou, feriu ou inutilizou diversos soldados. Ao serem resgatados apenas no dia 13 daquele mês, ao voltarem para o Brasil, foram desmobilizados sem nenhum acompanhamento, direitos ou garantias.

Leia na integral em:

Sociedade Militar. Militares brasileiros atacados por ISRAEL na guerra dos SEIS DIAS podem ser indenizados com 300 mil reais caso EMENDA ao PL 1645 seja aceita pela comissão. Revista Sociedade Militar, Forças Armadas. 1 de setembro de 2019. Disponível em: https://www.sociedademilitar.com.br/wp/2019/09/militares-brasileiros-atacados-por-israel-na-guerra-dos-seis-dias-podem-ser-indenizados-com-300-mil-reais-caso-emenda-ao-pl-1645-seja-aceita-pela-comissao.html. Acesso em 20 de junho de 2020.


CONFIRA NA LIVRARIA SENTINELA

Sentinela Mídia Independente
siga em
Últimos posts por Sentinela Mídia Independente (exibir todos)
Nos ajude a espalhar a palavra:
Gostou do artigo? Você pode contribuir para o site com uma doação:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

oito − dois =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.