Por trás da Declaração de Balfour – A penhora britânica da Grande Guerra ao Lord Rothschild (Parte IV)

Nos ajude a espalhar a palavra:

Este presente artigo é uma continuação das primeiras duas partes. Caso não tenha lido-as, sugerimos a leitura anterior para melhor compreensão do assunto.

Wilson e a Guerra

Se o contrato com a judiaria era trazer os Estados Unidos para a Grande Guerra em troca da promessa da Palestina, eles de fato entregaram, através de Brandeis ou qualquer outra pessoa mais?

Para os príncipes financistas germânico-judeus da bolsa nos Estados Unidos, as evidências apontam mais para a revolução russa sendo o fator de maior peso na determinação da atitude deles.

Foram a retomada do bloqueio submarino da Alemanha, o naufrágio do Laconia, o telegrama Zimmerman, os quais realmente influenciaram Wilson para a guerra? Foi o conselho sionista de Brandeis? Em um estudo cuidadoso, Prof. Alex M. Arnett mostrou em 1937 que Wilson havia decidido colocar os Estados Unidos na guerra ao lado dos Aliados muitos meses antes da retomada da guerra de submarinos pela Alemanha, o qual foi promovido como uma suficiente razão. [182]

Na batalha de propaganda pela opinião pública norte-americana entre Grã-Bretanha e Alemanha, a primeira tinha a vantagem da língua, e ao fato de que, em 05 de agosto de 1914 eles tinham cortado os cabos submarinos internacionais que ligam a Alemanha e os Estados Unidos, eliminando, assim, a comunicação rápida entre os dois países e dando às “notícias” britânicas a margem na formação da opinião pública.

Os sucessos dos métodos de propaganda britânicos foram reconhecidos por um soldado alemão da época em que ele ditou suas memórias, Mein Kampf, em 1925: “Na Inglaterra a propaganda foi considerada como uma arma de primeira ordem, enquanto que para nós representava a última esperança para um meio de vida para os nossos políticos desempregados e um trabalho bem instalado confortável para malandro do tipo heroico modesto. Levando tudo em conta, seus resultados foram negativos.”

A propaganda britânica retratou a guerra como apenas uma defesa contra um agressor bárbaro semelhante às hordas de Genghis Khan, que eram estupradores de freiras, mutiladores de crianças, liderada pelo Kaiser – retratado como uma besta em forma humana, um lunático, monstro deformado, Judas moderno, e monarca criminal.

Estórias que os soldados alemães cortavam as mãos de crianças belgas e prisioneiros eram crucificados e perpetrados todos os tipos de outras atrocidades que afirmaram terem sido praticadas na Bélgica, foram distribuídas o mais amplamente possível. A história sobre a sua fabricação de glicerina e sabão a partir de corpos não apareceram até o final de abril de 1917, quando novas histórias foram criadas pelos propagandistas americanos. Uma, um livro chamado Christine, por “Alice Cholmondeley”, uma coleção de cartas que supostamente foram escritas por uma estudante de música adolescente para a mãe na Grã-Bretanha até a sua morte em 1914, misturava um catálogo condenatório de alegadas falhas de caráter alemão com sentimentos emocionais para com a sua fictícia mãe e música. Especialistas em propaganda avaliam altamente este trabalho. [183]

O cabeça da seção americana do escritório de propaganda britânica, Sir Gilbert Parker, foi capaz de apresentar um relatório sobre o seu sucesso no envio de seu secreto American Press Review de 11 de outubro de 1916 antes da eleição presidencial: “Esta semana supre evidências satisfatórias da permeação da imprensa americana por influência britânica.”

Os homens de ascendência britânica ainda dominavam a poderosa infraestrutura da economia, preenchiam posições superiores no Departamento de Estado, nas universidades influentes do leste, e nas comunicações e mídia culturais. Grã-Bretanha e França eram mais identificadas com a democracia e liberdade, e as Potências Centrais com autocracia militarista imperial. A partir de Oyster Bay {Long Island}, o ex-presidente Theodore Roosevelt, ganhador do Prêmio Nobel da Paz, realizava um contundente jogo de guerra de palavras em apoio à beligerância.

Mas na convenção Democrata, e na campanha seguinte, foi William Jennings Bryan e seus oradores aliados que criaram o tema e slogan: “Ele nos manteve fora da guerra.”

Bryan tinha resignado ao cargo de secretário de Estado em junho 1915 porque acreditava que Wilson estava colocando em risco a neutralidade americana e mostrando parcialidade para com a Inglaterra. Em sua última entrevista, ele disse a Wilson amargamente “o coronel House tem sido o Secretário de Estado, e não eu, e eu nunca tive a sua confiança total.”

House, um adulador secreto e sutil que havia realizado serviços relacionados ao Federal Reserve Bank e a legislação monetária para Jacob W. Schiff e Paul Warburg, era tido por Wilson como o “amigo que tão meticulosa e completamente me entende”, “minha segunda personalidade… o meu eu independente. Seus pensamentos e os meus são um.”

Bryan tinha querido ir em missão de paz para a Europa no início de 1915, mas o Presidente enviou House em seu lugar. House tinha realmente embarcado no navio britânico Lusitania e quando se aproximava da costa irlandesa em 5 de fevereiro, o capitão ordenou que a bandeira americana fosse hasteada.

Os The Intimate Papers of Colonel registram que na manhã de 7 de Maio de 1915, ele e o secretário de Relações Exteriores britânico Grey dirigiram-se até Kew. “Falamos sobre a probabilidade de um transatlântico ser afundado”, registrou House, “e eu disse-lhe se isso fosse feito, uma chama de indignação varreria toda a América, o que, por si só, provavelmente, levar-nos-ia para a guerra.” Uma hora mais tarde, House estava com o rei George no Palácio de Buckingham. “Nós acabamos falando, muito estranhamente”, o Coronel escreveu naquela noite, “da probabilidade da Alemanha afundar um navio transatlântico…” Ele disse, “Suponha que eles devessem afundar o Lusitania com passageiros americanos a bordo…”

Naquela noite House jantou na embaixada americana. A expedição chegou, declarando que às duas da tarde, um submarino alemão tinha torpedeado e afundado o Lusitania ao largo da costa sul da Irlanda. 1.200 vidas foram perdidas, incluindo 128 americanos. Demorou 60 anos para a verdade sobre a sua carga ser confirmada; que vinha carregando munições que explodiram quando o torpedo atingiu. Mas o secretário de Estado Bryan comentou com sua esposa, “Eu me pergunto se aquele navio transportava munições de guerra…. Se ele de fato carregava, isso põe uma cara totalmente diferente sobre o assunto inteiro! Inglaterra vem utilizando os nossos cidadãos para proteger suas munições.”

Em um telegrama ao presidente Wilson da Inglaterra em 9 de Maio de 1915, House disse acreditar que uma demanda imediata deveria ser feita para a Alemanha para a garantia contra um incidente similar.

“Devo informar-lhe que do nosso Governo espera-se tomar medidas… para garantir a segurança dos cidadãos americanos.

Se a guerra segue, não será uma nova guerra, mas um esforço para acabar mais rapidamente uma antiga. A nossa intervenção irá poupar, em vez de aumentar a perda de vida. Não podemos mais ser espectadores neutros.”

Em outro telegrama, em 25 de maio, ele notou que ele havia recebido do embaixador Gerard um telegrama que a Alemanha não está em necessidade de alimentos. “Isso elimina para fora a afirmação deles de que a fome da Alemanha justificara a política de submarinos deles.”

No dia seguinte, House almoçou com Sir Edward Grey {Secretário de Estado de Relações Exteriores da Grã-Bretanha} e leu-lhe todos os telegramas que tinham passado entre o Presidente, Gerard e ele próprio, desde que eles tinham se encontrado. E ele escreveu em 30 de maio de 1915, “Eu tenho concluído que a guerra com a Alemanha é inevitável, e esta tarde às seis horas eu decidi ir para casa no SS St. Paul, no sábado. Enviei uma mensagem à cabo para o Presidente sobre este efeito”. Depois de sua chegada nos Estados Unidos, ele escreveu ao Presidente a partir de Rosslyn, Long Island, em 16 de junho de 1915, uma longa carta a qual incluiu o parágrafo:

“Não necessito dizer-lhe que, se os Aliados falharem em vencer, isso deve necessariamente significar uma reversão de nossa política inteira.

Eu acho que nós nos encontraremos à deriva rumo a uma guerra com a Alemanha… Lamentável como isso seria, haveria compensações. A guerra seria mais rapidamente terminada, e nós estaríamos em uma posição forte para ajudar as outras grandes democracias em transformar o mundo para os caminhos certos. É algo que temos de enfrentar com coragem, sendo consolado pelo pensamento de que não importa os sacrifícios que fizermos, o final vai justificá-los. Carinhosamente seu, E. M. House.”

São estas as referências em relação ao sionismo ou à Palestina? Acho que não. Talvez o indício é que, imediatamente após a eleição de Wilson, House tinha publicado anonimamente um romance de política intitulado Philip Dru: Administrator. Dru lidera uma revolta e se torna um ditador em Washington, onde ele formula uma nova constituição americana e traz acerca um agrupamento internacional ou liga dos Poderes.

Edward Mandell House (1858-1938), homem de confiança do presidente americano Woodrow Wilson, assumiu a articulação da política americana durante os decisivos anos dos EUA na formação da Federal Reserve (um dos fundamentos da economia do Ocidente), na entrada dos EUA na Primeira Guerra Mundial e na entrega da Palestina aos interesses do sionismo. Foto: Granger/Fine Art America

Vamos olhar para o outro lado do oceano novamente em 1916, um ano depois.

Cerca de um mês antes da reunião de Malcolm com Sir Mark Sykes, Lloyd George deu uma entrevista ao presidente do United Press Association of America, na qual ele disse “que a Grã-Bretanha tinha somente agora alcançado seu passo largo em seu esforço de guerra, e era justificadamente suspeito de qualquer sugestão que o presidente Wilson escolhesse este momento para ‘amanteigar’ com uma proposta para parar a guerra antes que nós poderíamos alcançar a vitória.”

“O mundo inteiro… deve saber que não pode haver interferência externa neste estágio. A Grã-Bretanha pediu nenhuma intervenção, quando ela estava despreparada para lutar. Ela não vai tolerar nada, agora que ela está preparada, até que o despotismo militar prussiano esteja quebrado para além do reparo…. O mote dos Aliados era ‘Never Again!’” E isso fez valer a pena os sacrifícios até agora, bem como aqueles necessários para terminar a guerra com vitória. [184]

Grey escreveu para ele no dia 29 de setembro, que estava apreensivo sobre o efeito “do aviso para Wilson em sua entrevista…. Tem sempre sido minha visão que até os Aliados estarem certos da vitória a porta deveria ficar aberta para mediação de Wilson.”

Mas no mês seguinte, em uma das reuniões regulares formais com o Chefe do Estado-Maior imperial, quando Lloyd George recebeu as respostas familiares conforme o curso da guerra – as perdas alemãs eram maiores do que a dos Aliados, que os alemães estavam gradualmente sendo desgastados, e sua moral abalada pelas constantes derrotas e retiradas – ele perguntou a Sir W. Robertson {1860-1933, o Chefe do Estado-Maior imperial} sobre os seus pontos de vista de “como este conflito sanguinário era para ser levado ao fim para se ter um bom sucesso… Ele apenas resmungou algo sobre ‘atrito’.”

Lloyd George, então, pediu um memorando formal sobre o assunto. Isso não era encorajador, e disse que um fim não poderia ser esperado “antes do verão de 1918. Quanto tempo isso pode ainda seguir eu não posso sequer supor.”

Os fatos estavam longe de ser rosados, mas estavam as esperanças da Grã-Bretanha realmente penduradas na entrada dos Estados Unidos na guerra? Haviam dois outros possíveis cursos.

Um foi sugerido pelo Marquês de Landsdowne, um membro do Conselho de Ministros e um estadista de posição considerável como o autor da Entente Cordiale {a qual foi uma série de acordos assinados entre o Reino Unido e a França [*o]} em 1904. Estava contido num Memorandum Respecting a Peace Settlement, circulando no Conselho de Ministros com o consentimento do Primeiro Ministro. Landsdowne sugeriu dúvidas quanto à possibilidade de vitória dentro de um espaço de tempo razoável.

“O que o prolongamento da guerra significa? As nossas próprias vítimas já somam mais de 1.100.000. Nós tínhamos tido 15.000 oficiais mortos, não incluindo aqueles que estão desaparecidos. Não há razão para supor que, com o aumento das forças na frente dos diferentes teatros de guerra, as pessoas mortas ou feridas em uma guerra ou acidente, crescerão numa taxa mais baixa. Nós estamos lenta, mas seguramente, matando o melhor da população masculina destas ilhas. Os números que representam as vítimas dos nossos aliados não estão na minha frente. O total deve ser apavorante.” [185]

Os outros membros do Conselho de Ministros e o Chefe do Conselho de Ministros repudiaram paz sem vitória.

O outro curso foi aquele adotado: a impelir de modo direcionado mais homens e dinheiro para o holocausto (definido como um sacrifício ou destruição por ‘atacado’). O que seria agora chamado de encontros militares e políticos de cúpula foram então realizados na França para planejá-lo. Eles começaram em 15 de novembro, 1916.

Nas apresentações políticas, a única referência a América parece ter sido oferecida por Lloyd George:

“As dificuldades que nós temos experimentado em fazer o pagamento para os nossas compras no exterior devem estar tão presentes nas mentes dos estadistas franceses como em nós mesmos. Nossa dependência da América por alimentos, matérias-primas e munições é crescente. Estamos esgotando rapidamente os títulos negociáveis na América. Se a vitória brilhasse sobre as nossas bandeiras, nossas dificuldades desapareceriam. [Asquith {Herbert Henry Asquith, então Primeiro Ministro da Grã-Bretanha} apagou a próxima frase, que lia]. Sucesso significa crédito: financiadores nunca hesitam em emprestar para envolvimentos prósperos: mas o negócio o qual é embaraçadamente pesado e em meio a grandes dificuldades, que não está fazendo nenhum direcionamento à diante, apesar de um enorme gasto, vai encontrar os bancos gradualmente fechando as suas cadernetas de crédito contra ele.”

Esta referência aos problemas Aliados em obter mais crédito dos banqueiros nos Estados Unidos, que eram predominantemente judaico-alemães, elucidam o acordo de Schiff para providenciar crédito para a Grã-Bretanha através do banqueiro judeu Cassel – eles não estavam esperando por uma Declaração Balfour, eles estavam esperando pela Revolução Russa! [*p]

No lado militar, houve um acordo geral na conferência de cúpula de que o que era necessário era um “golpe de nocaute”, e foi decidido que o plano de campanha 1917 seria uma ofensiva em todas as frentes, incluindo a Palestina, com a Frente Ocidental como a principal delas.

Em 7 de dezembro, o governo Asquith caiu e Lloyd George, que estava comprometido com um prosseguimento mais vigoroso da guerra, assumiu o Governo. Cinco dias depois, a Alemanha e os seus aliados colocaram adiante notas nas quais eles declararam a sua disponibilidade para considerar a paz por compromisso e negociações.

A primeira das batalhas abriu em 9 de abril de 1917, anunciada por um bombardeio de 2.700.000 bombas. Outro ataque foi lançado pelos franceses, nove dias depois, o que resultou em cerca de um milhão de mortos e feridos de ambos os lados. O exército francês se amotinou, e o general Petain foi posto no comando.

Neste momento os dois eventos que estavam a virar o mundo para uma nova forma estavam ocorrendo, a Revolução Russa e a entrada Americana na guerra.

O governo francês queria postergar por um tempo todas as operações ofensivas até que a assistência americana se tornasse disponível, mas os generais pensavam o contrário. O Major-General J.F.C. Fuller, que eu conheci, uma das poucas mentes político-militares brilhantes neste século, nos diz que Haig {o Marechal de Campo Douglas Haig, 1861-1928} “tinha preparado o seu coração para uma batalha decisiva em Flandres, e ele estava tão obcecado por ela, que ele acreditava que ele pudesse vencer os alemães sozinho, e antes que os americanos chagassem para dentro.” Eu não acho que as pessoas que não viveram nos grandes dias do Império Britânico possam ter um sentido da hybris [*q] de um Haig, a menos que se aprenda a partir da literatura clássica. Talvez hoje ele seria encontrado na cabeça do Banco Mundial, do qual nós, os contribuintes, como os soldados comuns daquela época, somos tão distanciados! Houve, na verdade, o ressentimento na Inglaterra de minha infância sobre as alegações dos americanos terem desempenhado qualquer papel significativo na luta da Grande Guerra.

O que saiu para fora da grandiosidade dos generais e políticos foi a custosa campanha de Flanders durante o verão e outono. O dia 7 de junho, foi aberto pela limitada e bem-sucedida Batalha de Messines, a qual foi precedida pelo lançamento de 3.500.000 bombas por 17 dias, e iniciada pela explosão de dezenove minas embaladas com meio milhão de quilos de altos explosivos.

O 31 de julho foi seguido pela Terceira Batalha de Ypres, pela qual a maior força de artilharia jamais vista na história britânica foi montada. Ao todo, o bombardeio preliminar durou 19 dias, e durante ele 4.300.000 bombas, algumas pesando 107.000 toneladas foram arremessadas contra as prospectivas trincheiras do campo de batalha. Toda a sua superfície foi levantada; todos os drenos, diques, bueiros e estradas foram destruídos, e um pântano quase intransponível criado, em que a infantaria chafurdou-se por três meses e meio. Quando, no dia 10 de novembro, a batalha terminou, os alemães tinham sido empurrados para trás uma distância máxima de oito quilômetros duma frente de 16 quilômetros, a um custo de um pouco menos de 200 mil homens para eles mesmos, e, a estimativa mais baixa, de 300 mil para seus inimigos.

Assim terminou a última das grandes batalhas de artilharia de atrito na Frente Ocidental, e quando, em retrospecto, elas são vistas, torna-se compreensível por que os políticos estavam tão ávidos para escapar delas.

A Grande Guerra era como uma versão magnificada da destruição mútua dos homens nobres no Niebelungenlied {Canção dos Nibelungos}. Colocados um contra o outro pela vaidade e falta de visão de seus governantes, quanto mais eles lutavam, mais havia para vingar, até a morte livrar-lhes das suas necessidades. “Ao pôr-do-sol e na parte da manhã,” nós deveríamos aprender lição deles.


Tradução e palavras entre chaves por Mykel Alexander via World Traditional Front

Fonte: Journal of Historical Review, Inverno 1985-6 (Volume. 6, Nº 4), páginas 389-450, 498. Este trabalho foi apresentado pela primeira vez pelo autor na V Conferência do IHR, de 1983. Ele também foi a base para o livreto, Behind the Balfour Declaration: The Hidden Origin of Today’s Mideast Crisis, publicado pelo Institute for Historical Review em 1988. Disponível na web em: http://www.ihr.org/jhr/v06/v06p389_John.html


Notas

[182] Nota de Robert John: Alex M. Arnett, Claude Kitchen and the Wilson War Policies, 1937, reimpressão de 1971, Russel.

[183] Nota de Robert John: Knightley, Phillip, The First Casualty (N.Y.: Harcourt Brace, 1975), página 122.

[184] Nota de Robert John: War Memoirs of David Lloyd George (Boston: Little, Brown, 1933), páginas 280-3.

[*o] Nota de Mykel Alexander: Para uma visão pró-Grã-Bretanha segue a colocação abaixo.

“Entente Cordiale, (8 de abril de 1904), acordo anglo-francês que, ao estabelecer uma série de questões controversas, pôs fim aos antagonismos entre a Grã-Bretanha e a França e abriu caminho para sua cooperação diplomática contra as pressões alemãs na década anterior à Primeira Guerra Mundial (1914–18). O acordo em nenhum sentido criou uma aliança e não envolveu a Grã-Bretanha com um compromisso francês com a Rússia (1894).”

“O crédito pelo sucesso da negociação pertence principalmente a Paul Cambon, embaixador da França em Londres, e ao secretário de Relações Exteriores britânico, Lord Lansdowne {…}”

“Consequentemente, o acordo incomodou a Alemanha, cuja política há muito era contar com o antagonismo franco-britânico.”

– Encyclopardia Britannica, entrada Entente Cordiale, autoria dos editores da Encyclopaedia Britannica.
https://www.britannica.com/event/Entente-Cordiale

Para uma visão germanista ver os antecedentes da Primeira Guerra Mundial presente no artigo abaixo:

– The Origins of the Second World War, por Georg Franz-Willing, em The Journal of Historical Review, primavera de 1986 (Vol. 7, nº 1), páginas 95-114. Este artigo foi apresentado pela primeira vez pelo autor na Sétima Conferência do IHR, em fevereiro de 1986. http://www.ihr.org/jhr/v07/v07p-95_franz-willing.html

Traduzido ao português por Mykel Alexander como:

– As origens da Segunda Guerra Mundial, por Georg Franz-Willing, , O Sentinela. Disponível em https://www.osentinela.org/georg-franz-willing/georg-franz-willing-as-origens-da-segunda-guerra-mundial/

Para uma visão conciliadora ver:

– Patrick J. Buchanan, Churchill, Hitler, and “The Unnecessary War”: How Britain Lost Its Empire and the West Lost the World, Crown Publishing, 2008, Nova Iorque, 1ª edição. Traduzido do original em inglês por Vania Cury como Churchill, Hitler e a “Guerra Desnecessária” – a Inglaterra perdeu seu império, o Ocidente perdeu o mundo, Editora Nova Fronteira, Rio de Janeiro, 2009. Traduzido do original em inglês por Vania Cury.

– Paul Craig Roberts, The Lies That Form Our Consciousness and False Historical Awareness, 09 de maio de 2019, Institute for Political Economy. Disponível em https://www.paulcraigroberts.org/2019/05/09/the-lies-that-form-our-consciousness-and-false-historical-awareness/

Traduzido ao português por Mykel Alexander como:

– As mentiras que formam nossa consciência e a falsa consciência histórica, por Paul Craig Roberts, , World Traditional Front. Disponível em https://www.osentinela.org/paul-craig-roberts/as-mentiras-que-formam-nossa-consciencia-e-a-falsa-consciencia-historica/

– Robert E. Hannigan, 100 Years After the US Got Involved in World War 1 It’s Time to Acknowledge Why, 02 de abril de 2017, History News Network. Disponível em https://historynewsnetwork.org/article/165554

Traduzido ao português por Mykel Alexander como:

– 100 anos depois que os EUA se envolveram na Primeira Guerra Mundial. É hora de saber porque, por Robert E. Hannigan, , World Traditional Front. Disponível em https://www.osentinela.org/robert-e-hannigan/100-anos-depois-que-os-eua-se-envolveram-na-primeira-guerra-mundial-e-hora-de-saber-porque/

[185] Nota de Robert John: {War Memoirs of David Lloyd George (Boston: Little, Brown, 1933)}, página 291.

[*p] Nota de Mykel Alexander: Sobre as aproximações do judeu Jacob H. Schiff e de financistas de Wall Street com a chamada “Revolução” Russa ou, em outras palavras, Revolução Bolchevique ver:

– Wall Street & the March 1917 Russian Revolution, por Kerry Bolton, Ab Aeterno: Journal of the Academy of Social and Political Research, nº 2, março de 2010. Disponível em http://www.counter-currents.com/2013/10/wall-street-and-the-march-1917-russian-revolution/

Em português:

– Wall Street & a Revolução Russa de março de 1917, por Kerry Bolton, , O Sentinela. Disponível em https://www.osentinela.org/kerry-raymound-bolton/kerry-bolton-wall-street-e-a-revolucao-bolchevique-de-novembro-de-1917-primeira-parte/

– Wall Street & the November 1917 Bolshevik Revolution, por Kerry Bolton, Ab Aeterno: Journal of the Academy of Social and Political Research, nº 2, outono de 2010. Disponível em http://www.counter-currents.com/2013/10/wall-street-and-the-november-1917-bolshevik-revolution/

Em português:

– Wall Street e a Revolução Bolchevique de Novembro de 1917, por Kerry Bolton, , O Sentinela. Tradução por Mykel Alexander. Disponível em https://www.osentinela.org/kerry-raymound-bolton/kerry-bolton-wall-street-e-a-revolucao-bolchevique-de-novembro-de-1917-segunda-parte/

Sobre as aproximações do judeu e banqueiro Alexander Lvovich Parvus com a chamada “Revolução” Russa ou, em outras palavras, Revolução Bolchevique ver:

– Z.A.B. Zeman and W.B. Scharlau, The Merchant of Revolution: The Life of Alexander Israel Helphand (Parvus), 1867-1924. London: Oxford University Press, 1965. Especialmente o capítulo: Revolution in Russia.

As passagens abaixo, por exemplo, são bem significativas:

“Em Estocolmo, ele passou a maior parte do tempo com os membros da Missão Estrangeira Bolchevique {Karl Radek e Jakob Fürstenberg eram judeus e apenas V. V. Vorovski possuía antecedentes poloneses}: de fato, parecia que ele próprio era um deles.” (página 219).

“Fora as atividades de propaganda e inteligência, essa equipe bolchevique toda polonesa {Karl Radek e Jakob Fürstenberg eram judeus, e apenas V. V. Vorovski, possuía antecedentes poloneses}, cuidadosamente selecionada, servia outra função. Foi usada para o propósito de canalizar dinheiro para os cofres do partido bolchevique na Rússia. {O banqueiro judeu} Helphand era a principal – se não a única – fonte dessa munificência; se os bolcheviques pensavam que Helphand ainda lhes devia dinheiro com os royalties de Gorki, agora estava sendo pago a eles, e da maneira mais generosa.” (página 220).

– How Germany got the Russian Revolution off the ground, por Volker Wagener, 07 de novembro de 2017, Deutsche Welle. Disponível em https://www.dw.com/en/how-germany-got-the-russian-revolution-off-the-ground/a-41195312

Sobre a participação judaica na chamada “Revolução” Russa ver:

– The Jewish Role in the Bolshevik Revolution and Russia’s Early Soviet Regime – Assessing the Grim Legacy of Soviet Communism, por Mark Weber, The Journal of Historical Review, janeiro-fevereiro de 1994 (Vol. 14, Nº 1), páginas 4-22. Disponível em http://www.ihr.org/jhr/v14/v14n1p-4_Weber.html

Em português como:

– A liderança judaica na Revolução Bolchevique e o início do Regime soviético – Avaliando o sinistro legado do comunismo soviético. O Sentinela (publicação programada para 2020). Tradução por Mykel Alexander.

[*q] Nota de Mykel Alexander: O conceito de Hybris na Antiguidade Greco-Romana é fundamental para a compreensão da política com seus sucessos e fracassos, permeando a literatura greco-romana, e nos estudos contemporâneos há ao menos duas monografias tratando-o, da autoria de Carlo del Grande e Nick Fisher respectivamente. Para fins que satisfazem ao artigo, segue abaixo, o conceito de hybris:

Entre os gregos antigos hybris designa a arrogância, violência desmedida de quem, incapaz de por freio em sua própria ação, seja friamente ou por ira, passa dos limites do que é adequado e desemboca na injustiça. Ver Giovanni Reale, História da Filosofia Grega e Romana – Léxico da Filosofia Grega e Romana, volume 9/9, Edições Loyola, São Paulo, nova edição corrigida, 2014. Ver vocábulo HYBRIS.

E como observado por Robert John, as decisões e ações desenfreadas tomadas pelos políticos foram presentes também no contexto por ele abordado na Primeira Guerra Mundial. O Grande historiador britânico do século XX, Arnold Joseph Toynbee (1889-1975) faz paralelo semelhante entre a Grécia da época de Tucídides (século V a.C.) e a Primeira Guerra Mundial, e também posteriormente com a Segunda Guerra Mundial.

Robert John
Nos ajude a espalhar a palavra:
Gostou do artigo? Você pode contribuir para o site com uma doação:

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.