As câmaras de gás: verdade ou mentira? – parte 3

Nos ajude a espalhar a palavra:

Entrevista da revista italiana Storia Illustrata em sua edição mensal de 1979. As perguntas são de Antonio Pitamitz para Robert Faurisson. A entrevista foi traduzida para o inglês por Vivian Bird e, por sua vez, o conteúdo foi expandido, revisado e corrigido pelo próprio Dr. Robert Faurisson.


Este presente artigo é uma continuação da Parte 1 e 2. Para uma melhor compreensão do tema apresentado, sugerimos, caso não tenha feito, ler primeiramente a parte anterior.


PERGUNTA 3: Você tem ido ao ponto de negar qualquer intenção deliberada por parte de Hitler de exterminar os judeus. E ultimamente, no curso de um debate na televisão suíço-italiana, o senhor disse: “Hitler nunca teve uma única pessoa morta porque eles eram judeus”. O que exatamente você quer dizer com esta frase?

RESPOSTA 3: Digo exatamente isso: “Hitler nunca ordenou nem admitiu que alguém fosse morto por causa de sua raça ou sua religião”.

Esta frase é talvez chocante para certas pessoas, mas eu verdadeiramente acredito nela. Hitler era antijudaico e racista. Seu racismo, além disso, não se opunha a fomentar a admiração pelos árabes e hindus. Ele era hostil ao colonialismo. Em 7 de fevereiro de 1945, ele declarou ao seu séquito: “Os brancos têm levado a este povo (colonial) o pior que eles podiam carregar: as pragas do mundo: materialismo, fanatismo, alcoolismo e sífilis. Além disso, desde o que essa gente possuía por si próprios foi superior a tudo o que poderíamos lhes dar, eles têm permanecidos eles mesmos … O único resultado da atividade dos colonizadores é: eles têm em todo lugar despertado o ódio.” [40]

Hitler tornou-se hostil aos judeus bastante tarde. Antes de dizer e repetir que os judeus são “os grandes mestres da mentira” [41], ele tinha sido bastante favorável a eles. Ele escreve em Mein Kampf. “Eles foram perseguidos (por causa de suas crenças) conforme eu acreditava, muitas vezes fazendo meu desgosto por afirmações desfavoráveis sobre eles quase alcançar o ponto de repugnância”.

Pessoalmente, eu conheço Hitler muito pobremente, e ele me interessa não mais do que Napoleão Bonaparte. Se ele tresvariou, então eu não vejo por que deveríamos tresvariar com ele. Vamos nos esforçar por falar de Hitler com o mesmo sangue-frio com o qual se costuma falar de Amenophis Akhenaton. Entre Hitler e os judeus houve uma guerra inexpiável. É evidente que cada um responsabiliza o outro por este conflito. Na pessoa de Chaim Weizmann, presidente do Congresso Judaico Mundial (e futuro presidente do Estado de Israel), a comunidade judaica internacional declarou guerra à Alemanha em 5 de setembro de 1939. [42] Até então, já em 1934, a hostilidade da comunidade judaica internacional tinha se manifestado pelas exigências do boicote econômico contra a Alemanha nazista. [43] Obviamente, foi motivado por retaliação contra as medidas tomadas por Hitler contra os judeus alemães. Essa mortal cadeia de eventos, por parte de ambos os lados, era para levar à guerra mundial. Hitler disse: “Os judeus e os Aliados desejam nossa aniquilação, mas são eles que serão destruídos”, enquanto os Aliados e os judeus disseram: “Hitler e os nazistas e seus aliados desejam nossa destruição, mas são eles que será destruído”. Os dois campos hostis durante o inteiro curso da guerra, portanto, assim intoxicaram-se eles mesmos em proclamações beligerantes e fanáticas. O inimigo se tornou uma besta a ser abatida. Pense, da mesma maneira, nas palavras da Marselhesa: “Qu’un cantou impur abreuve nos sillions!” (“Deixe nosso solo ser encharcado por seu sangue impuro!”)

Daily Express, Londres, 24 de março de 1933: “Judea Declares War On Germany. Jews of All The World Unite. Boycott of German Goods”, proclama o título da manchete do London Daily Express, de 24 de março de 1933. “The whole of Israel throughout the world is uniting to declare an economic and financial war on Germany”. “O todo de Israel através do mundo está unindo em declarar uma guerra econômica e financeira sobre a Alemanha”. Continua o texto do London Daily Express: “… All Israel is rising in wrath against the Nazi onslaught on the Jews,””… Resolutions are being taken throughout the Jewish business world to sever trade relations with Germany… Germany is a heavy borrower in foreign money markets, where Jewish influence is considerable … A concerted boycott by Jewish buyers is likely to involve great damage to the German export trade.” Segue a tradução: “… Todo o Israel está se levantando em ira contra o ataque nazista sobre os judeus.” “… Resoluções estão sendo tomadas em todo o mundo empresarial judaico para cortar as relações comerciais com a Alemanha … A Alemanha é um grande tomador de empréstimos nos mercados financeiros estrangeiros, onde a influência judaica é considerável … Um boicote combinado por compradores judeus provavelmente envolverá grande dano ao comércio de exportação alemão”. Esta “guerra contra a Alemanha” foi lançada antes que o governo nacional-socialista, vulgo nazismo, de Hitler promulgasse a sua primeira lei antijudaica. Fonte: Revelations from Goebbels’ Diary – Bringing to Light Secrets of Hitler’s Propaganda Minister, por David Irving, The Journal of Historical Review, janeiro-fevereiro de 1995 (Vol. 15, nº 1), páginas 2-17.
Reprodução em fac-símile do London Times de 6 de setembro de 1939 referente apoio do líder mundial judeu Chaim Weizmann feito em 29 de agosto de 1939 à Inglaterra para com um iminente conflito frente à Alemanha de Hitler. A Inglaterra declarou guerra à Alemanha em 3 de setembro de 1939. Weizmann foi presidente tanto da ‘Agência Judaica’ (o ‘governo paralelo’ sionista na Palestina) e da Organização Sionista Mundial, e em 1949 tornou-se o primeiro presidente de Israel. Fonte da foto: CODOH.

Além disso, os Aliados travaram uma guerra impiedosa contra os nazistas e, 35 anos após o fim da guerra, ainda buscam uma espécie de “caça aos nazistas”. Mas, da mesma forma conforme os Aliados nunca realmente decretaram que um nacional-socialista civil, seja ele homem, mulher ou criança, deveria ser morto apenas com base em seu nacional-socialismo, da mesma forma também deve ser dito que Hitler – a despeito de toda a antipatia que ele tinha frente aos judeus – nunca decretou que todos os judeus, ou mesmo um judeu, deveriam ser mortos somente sobre uma só e única base de seu judaísmo. Embora, no caso de represálias contra “partidários” ou “terroristas” quando os alemães selecionaram seus reféns para execução, era melhor ser nem judeu, nem comunista, nem criminoso de direito comum, mas, nesse caso específico, era um aspecto familiar da tomada de reféns (para matar os reféns mais dispensáveis), assim como havia sido praticado em todos os lugares através das eras.

Hitler tinha uma proporção de judeus europeus internados, mas em nenhuma maneira internação significa “extermínio”. Também não tem havido “genocídio” nem “Holocausto”. Todo campo de concentração é uma visão que inspira piedade e um horror, independentemente de ser um campo alemão, russo, britânico, francês, americano, japonês, chinês, vietnamita ou cubano. É claro que há graus nessa pena ou nesse horror, e é certo que em tempos de guerra, de fome, de epidemias, um campo de concentração se torna ainda mais horrível. Mas nada no caso que nos preocupa aqui permite-nos dizer que houve campos de extermínio deliberados, ou seja, campos onde pessoas teriam sido colocadas para serem mortas.

Os exterminacionistas fingem que, no verão de 1941, Hitler deu a ordem de exterminar os judeus. Mas ninguém tem jamais visto essa ordem. Por outro lado, também não existem conversas específicas de Hitler nem medidas tomadas por seus exércitos, o que implica que tal ordem não poderia ter sido dada. Em 24 de julho de 1942, em reunião restrita, Hitler lembrou que os judeus tinham declarado guerra a ele por intermédio de Chaim Weizmann, e disse que depois da guerra fecharia as cidades aos judeus, uma após a outra. Suas palavras precisas foram: “… se o chorume judaico não decampou e se não emigraram para Madagascar ou para alguma outra pátria nacional judaica.” [44] De minha própria parte, eu gostaria de saber como se pode reconciliar essa conversa em um círculo de confidentes com qualquer “ordem definitiva de extermínio” supostamente dada um ano antes (verão de 1941).

Mesmo em julho de 1944, na frente oriental, onde os soldados alemães travavam uma guerra feroz contra os guerrilheiros (judeus ou não judeus, russos ou comunistas, ucranianos, etc.), o exército deu as ordens mais draconianas de que nenhum soldado alemão deveria participar de quaisquer excessos contra a população civil, judeus incluídos. Caso contrário, eles seriam julgados pela corte marcial. [45] Tais excessos deveriam ser absolutamente suprimidos. Hitler clamou para uma batalha implacável luta, especialmente contra os guerrilheiros, incluindo, se necessário, contra mulheres e crianças misturando-se com os guerrilheiros ou que eram aparentes cúmplices dos guerrilheiros. Ele evidentemente não rejeitou a prática de fazer reféns (nem os Aliados, é claro). Mas ele não foi além dessa medida. No dia em que nossa mídia decidir romper com certos tabus e se devotar aos crimes de guerra dos Aliados mesmo um milésimo do tempo que dedica aos crimes de guerra dos completamente vencidos, nesse dia haverá grande espanto entre o público ingênuo. Os “crimes” de Hitler assumirão então suas proporções corretas em uma perspectiva histórica adequada.

Há, de fato, pouca conversa sobre Dresden e Katyn. Mas eu digo que Dresden e Katyn são questões pequenas quando comparadas com as deportações que os Aliados infligiram às minorias alemãs nos territórios orientais. É verdade que oficialmente não se tratava de “deportações”, mas de … “deslocamento” (por exemplo, “pessoas deslocadas”). E eu me pergunto se os campeões de todos os “criminosos de guerra” não foram os britânicos com sua entrega aos soviéticos de seus internos russos? [46]


Robert Faurisson.The Journal for Historical Review. The gas chambers: truth or lie? Volume 2 número 4, Página 319. Inverno 1981. Disponível na web: http://www.ihr.org/jhr/v02/v02p319_Faurisson.html

Tradução e palavras entre chaves por Mykel Alexander via World Traditional Front em  3 de novembro de 2020


Notas

[40] Nota de Robert Faurisson: Extrato do que os alemães chamam de “Diários de Bormann” (“Bormann Vermercke”. A parte final destes “Diários de Bormann” foi publicada na França sob o título de Le Testament politique de Hitler (O Testamento Político de Hitler), versão francesa e prefácio de François Genoud, Paris, Arthème Fayard, 1959, páginas 71-72.

[41] Nota de Robert Faurisson: “Dass sie deshalb [wegen ihrer Konfession] verfolgt worden waren, wie ich glaubte, liess manchmal meine Abneigung gegenüber ungünstigen Äusserungen über sie fast zum Abscheu werden” (Mein Kampf (Minha Luta), Munich, NSDAP, 1942, página 55). “Die grossen Meister der Lüge” (“Os grandes mestres da mentira”): são as palavras de Schopenhauer, retomadas por Hitler (página 253 de Mein Kampf, ibid.).

[42] Nota de Robert Faurisson: Declaração publicada no Jewish Chronicle, Londres, de 8 de setembro 1939, pl. {Conferir na imagem também na imagem acima a declaração publicada no London Times de 6 de setembro de 1939.}

[43] Nota de Robert Faurisson: Daily Express, Londres, 24 de março de 1933, pl.

[44] Nota de Robert Faurisson: “Nach Beendigung des Krieges werde er [Hitler] sich rigoros auf den Standpunkt stellen, dass er Stadt für Stadt zusammenschlage, wenn nicht die Drecksjuden rauskämen und nach Madagaskar oder einem sonstigen jüdischen Nationalstaat abwanderten.” (“Após o fim da guerra, ele [Hitler] adotaria rigorosamente o ponto de vista de que demoliria cidade após cidade, se o chorume judaico não decampou e se não emigraram para Madagascar ou para alguma outra pátria nacional judaica.”) Ver Henry Picker , Hitlers Tischgespräche in Führerhauptquartier (Hitler’s Table Talk at the Führer HQ), publicado por Percy Henry Schramm (…), Stuttgart, 1963, página 471.

[45] Nota de Robert Faurisson: Textos e fatos abundam os quais comprovam que as autoridades alemãs proibiram e puniram esses excessos, mesmo quando judeus foram as vítimas. Citarei apenas um texto e dois fatos. Este texto é do General von Roques datado de 29 de julho de 1944, na frente russa (documento NOKW-1620). Quanto aos fatos, estão relatados no documento NOKW-501. Aqui está o primeiro fato: na primavera de 1944, em Budapeste, um tenente matou uma judia que desejava denunciá-lo por ter roubado alguns de seus bens, junto com alguns de seus homens. Um tribunal militar alemão condenou o oficial à morte e ele foi executado, enquanto vários de seus homens e sargentos foram condenados a longas penas na prisão. Aqui está o segundo fato: perto de Rostov, URSS, dois soldados foram condenados à morte por um tribunal militar alemão (e executados?) Por terem matado o único morador judeu de um vilarejo. Esses exemplos e muitos outros fatos do mesmo gênero podem ser encontrados no 42º e final volume das transcrições do IMT de Nuremberg. Infelizmente, este volume é ignorado por quase todos. É particularmente ignorado pelo judiciário, quem permite a invocação de “o que aconteceu em Nuremberg”, mas não dá, no entanto, atenção suficiente para reler a documentação real produzida pelos CONQUISTADORES passando julgamento sobre os COMPLETAMENTE VENCIDOS. O historiador pode permitir esta superficialidade ainda menos quando se dá conta de que esses mesmos conquistadores cometeram duas injustiças gravíssimas: 1. Foram eles que sortearam os documentos alemães capturados, sem permitir nenhum acesso da defesa; 2. Eles selecionaram dentre esta e outras seleções quando publicaram os 42 volumes, sem incluir algumas das provas documentais depositadas pela defesa. É de vital importância perceber que ainda hoje – 35 anos após a guerra – o Aliados ainda mantêm em segredo uma quantidade impressionante de documentos alemães, dos quais já selecionaram aqueles itens que, aos seus olhos, poderiam mostrar a Alemanha em uma luz ruim. Imagine a montanha de “crimes de guerra” que poderiam ser julgados com tais procedimentos por um “Tribunal Militar Internacional” se fosse a CONQUISTADA sendo capaz de julgar seus CONQUISTADORES! Mas, retornando à questão dos “excessos” ou dos “crimes de guerra”, eu sugeriria que o exército alemão, e em particular a Waffen-SS, foi certamente muito duro tanto no combate quanto nas operações de “limpeza” contra os guerrilheiros, mas se mostraram de certo modo muito menos ameaçadores para os civis não-combatentes do que outros exércitos. Em princípio, quanto mais disciplinado e controlado é um exército, menos a população civil deve temer excessos de todos os tipos. Usando esta regra prática, seguir-se-ia que bandos de guerrilheiros – qualquer que seja a simpatia que possa ser sentida por sua causa – são quase sempre mais uma ameaça para os civis.

[46] Nota de Robert Faurisson: Isso foi descrito como “Operação Keelhaul”. Ver Julius Epstein, Operation Keelhaul, Devin-Adair, 1973; Nikolai Tolstoy, The Secret Betrayal 1944-1947, Scribners, 1977; Arthur R. Butz, The Hoax of the Twentieth Century, IHR, 1979, páginas 248-249. O termo “keelhaul” fala por si; este verbo inglês significa “infligir a punição de puxar a vítima de um lado para o outro de um navio, fazendo-a passar sob a quilha”.

Robert Faurisson
Últimos posts por Robert Faurisson (exibir todos)
Nos ajude a espalhar a palavra:
Gostou do artigo? Você pode contribuir para o site com uma doação:

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.