Oswald Spengler: crítica e homenagem

Nos ajude a espalhar a palavra:

Concebida antes da Primeira Guerra Mundial, é a obra magistral de Oswald Spengler, Der Untergang des Abendlandes (Munique, 1918) [1]. Lida neste país principalmente na tradução brilhantemente fiel de Charles Francis Atkinson, The Decline of the West (Nova Iorque, dois volumes, 1926-28), a morfologia da história de Spengler foi a grande conquista intelectual de nosso século. Qualquer que seja a nossa opinião sobre seus métodos ou conclusões, não podemos negar que ele foi o Copérnico da historionomia. Todos os escritos subsequentes sobre a filosofia da história podem ser descritos como uma crítica ao The Decline of the West.

Spengler, tendo formulado uma história universal, empreendeu uma análise das forças operando no mundo imediatamente contemporâneo. Isso ele expôs em uma obra magistral, Die Jahre der Entscheidung, da qual apenas o primeiro volume poderia ser publicado na Alemanha (Munique, 1933) e traduzido para o inglês (The Hour of Decision Nova Iorque, 1934) [2]. Bastava-se ler este brilhante trabalho, com sua análise lúcida de forças que até os observadores agudos não perceberam até 25 ou 30 anos mais tarde, e com sua previsão que eventos subsequentes agora se mostraram absolutamente corretos, para reconhecer que seu autor foi uma das grandes mentes políticas e filosóficas do Ocidente. Deve-se lembrar, no entanto, que a incrível precisão de sua análise da situação contemporânea não prova necessariamente a validade de sua morfologia histórica.

Receba nossas postagens por e-mail

A publicação do primeiro volume de Spengler em 1918 lançou uma súbita enxente de controvérsia que continua até os dias atuais. Manfred Schroeter, em Der Streit um Spengler (Munique, 1922), pôde dar uma prévia das críticas que apareceram em pouco mais de três anos; hoje, uma mera bibliografia, se razoavelmente completa, levaria anos para compilar e provavelmente chegaria a oitocentas ou mil páginas impressas.

Spengler naturalmente provocou enxames de patetas carentes de julgamento, que ficaram particularmente irritados com sua sugestão imoral e prepóstera de que poderia haver outra guerra na Europa, quando todos sabiam que não poderia haver nada além da Paz Mundial depois de 1918, porque Papai Noel tinha acabado de trazer uma nova, boa e brilhante “Liga das Nações”. Tais caixas de diálogo “liberais” estão sempre fazendo barulho, mas ninguém com o menor conhecimento da história humana prestaram atenção nelas, exceto como sintomas.

Infelizmente, críticas muito mais inteligentes à Spengler foram motivadas pela insatisfação emocional com suas conclusões. Em um artigo na Antiquity de 1927, o erudito R.S. Collingwood, de Oxford, chegou ao ponto de afirmar que os dois volumes de Spengler não haviam lhe dado “uma única ideia genuinamente nova” e que ele “ própria havia a realizado há muito tempo” – e, é claro, rejeitou – mesmo as análises detalhadas de Spengler de culturas individuais. Conforme um breve olhar no trabalho de Spengler será suficiente para mostrar, essa afirmação é menos plausível do que uma alegação de saber tudo o que está contido na Décima Segunda Edição da Encyclopaedia Britannica. Collingwood, o autor do Speculum Mentis e outras obras filosóficas, deve ter sido atormentado por ressentimentos emocionais tão fortes que ele não podia ver o quão vaidosa, arrogante e improvável sua vaidade pareceria para a maioria dos leitores.

Agora é um truísmo que o “pessimismo” e o “fatalismo” de Spengler tenham sido um choque insuportável para as mentes alimentadas na ilusão do século XIX de que tudo ficaria cada vez melhor para sempre e sempre. A interpretação cíclica da história de Spengler afirmava que uma civilização era um organismo com um tempo de vida definido e fixo, passando da infância à senescência e morte por uma necessidade interna comparável à necessidade biológica que decreta o desenvolvimento do organismo humano da imbecilidade infantil à senil decrepitude. Napoleão, por exemplo, era a contraparte de Alexandre no mundo antigo.

Nós estávamos agora, portanto, em uma fase da vida civilizacional em que as formas constitucionais são suplantadas pelo prestígio dos indivíduos. Em 2000, seremos “contemporâneos” com a Roma de Sulla, o Egito da Décima Oitava Dinastia e a China na época em que os “Estados contendores” foram soldados em um império. Isso significa que enfrentamos uma era de guerras mundiais e, o que é pior, guerras civis e proscrições, e que por volta de 2060 o Ocidente (se não for destruído por seus inimigos alienígenas) se unirá sob o domínio pessoal de um César ou Augusto. Essa não é uma perspectiva agradável.

Grandeza ou otimismo

A única questão perante nós, no entanto, é se Spengler está correto em sua análise. Os homens racionais consideram irrelevante o fato de que suas conclusões não são encantadoras. Se um médico informar que você tem sintomas de arteriosclerose, ele pode ou não estar certo em seu diagnóstico, mas é absolutamente certo que você não pode se rejuvenescer dando um tapa na cara dele.

LEIA MAIS

Penso que todo observador desapegado de nosso tempo concorda que o “pessimismo” de Spengler despertou emoções que impossibilitam a consideração racional. Estou inclinado a acreditar que o nível moral de seu pensamento foi um obstáculo maior. Seu “fatalismo” não era do tipo consolador que permite que os homens levantem as mãos e se esquivem de responsabilidades. Considere, por exemplo, as linhas finais de seus Men and Technics (Nova Iorque, 1932) [3]:

O perigo já é tão grande, para todo indivíduo, toda a classe, toda o povo, que nutrir qualquer ilusão que seja é deplorável. O tempo não deixa ele mesmo ser interrompido; não há questão de recuo prudente ou renúncia sábia. Somente os sonhadores acreditam que há uma saída. Otimismo é covardia.

Nós nascemos neste tempo e devemos bravamente seguir o caminho para o fim destinado. Não há outro caminho. Nosso dever é manter a posição perdida, sem esperança, sem resgate, como aquele soldado romano cujos ossos foram encontrados em frente a uma porta em Pompéia, que, durante a erupção do Vesúvio, morreu em seu posto porque se esqueceram de liberá-lo. Isso é grandeza. É isso que significa ser um raça-pura. O fim honroso é a única coisa que não pode ser tirada de um homem.

Agora, se o prognóstico austero e severo que está por trás dessa conclusão é ou não correto, nenhum homem apto a viver o presente pode ler essas linhas sem sentir seu coração elevado pelo grande ethos de uma cultura nobre – a força espiritual do Ocidente que pode conhecer tragédia e não ter medo. E, simultaneamente, esse pronunciamento afronta à histeria o epiceno homúnculo entre nós, os covardes que esperam apenas fugir com segurança na escuridão e se infiltrar na decadência de uma cultura infinitamente além da compreensão deles.

Esse contraste é em si mesmo um dado muito significativo para uma estimativa da condição atual de nossa civilização…

Três pontos de crítica

As críticas a Spengler, portanto, para que não pareçam meras discussões sobre detalhes, devem lidar com as principais premissas. Agora, até onde posso ver, a tese de Spengler pode ser contestada em três pontos realmente fundamentais, a saber:

1 – Spengler considera cada civilização como uma entidade fechada e isolada, animada por uma ideia dominante, ou Weltanschauung, que é sua “alma”. Por que devem as ideias, ou conceitos, as criações impalpáveis ​​da mente humana, passar por uma evolução orgânica como se estivessem vivendo um protoplasma, que, como substância material, está compreensivelmente sujeito a alterações químicas e, portanto, leis biológicas? Essa objeção lógica não é conclusiva: os homens podem observar as marés, por exemplo, e até prever, sem poder explicar o que as causa. Mas quando devemos deduzir as leis históricas das quatro das cinco civilizações das quais temos algum conhecimento bastante preciso, não temos repetições suficientes de um fenômeno para calcular sua periodicidade com segurança, se não sabemos por que isso acontece.

2 – Uma dificuldade muito mais grave surge do fato histórico que nós temos já mencionados. Por cinco séculos, pelo menos, os homens do Ocidente consideraram a civilização moderna como um renascimento ou prolongamento da antiguidade greco-romana. Spengler, como a própria base de sua hipótese, considera o mundo clássico como uma civilização distinta e alheia à nossa – uma civilização que, como a egípcia, viveu, morreu, e agora se foi. Era dominada por uma Weltanschauung completamente diferente e, consequentemente, os homens instruídos da Europa e da América, que durante cinco séculos acreditavam na continuidade, estavam apenas sofrendo de uma ilusão ou alucinação.

Mesmo se admitirmos que, no entanto, ainda estamos diante de um fenômeno histórico único. As civilizações egípcia, babilônica, chinesa, hindu e árabe (“magiana”) são todas consideradas por Spengler (e outros proponentes de uma estrutura orgânica da cultura) como organismos únicos e não relacionados: cada um surgiu sem derivar seus conceitos de outra civilização (ou, alternativamente, vendo seus próprios conceitos nos registros de uma civilização anterior), e cada um morreu sem deixar descendência (ou, alternativamente, nenhuma civilização subsequente pensava em ver neles seus próprios conceitos). Simplesmente não há paralelo ou precedente para o relacionamento (real ou imaginário) que liga a cultura greco-romana à nossa.

Desde que Spengler escreveu, uma grande descoberta histórica complicou ainda mais a questão. Sabemos agora que os povos micênicos eram gregos, e é virtualmente certo que os elementos essenciais de sua cultura sobreviveram à desintegração causada pela invasão dórica e foram a base da cultura grega posterior. (Para um bom resumo, veja Leonard R. Palmer, Mycenaeans and Minoans, Londres, 1961). Portanto, temos uma sequência que, até onde sabemos, é única:

Micênico → Idade das Trevas → Greco-Romano → Idade das Trevas → Moderno. Se essa é uma civilização, ela tem tido uma vida criativa muito mais longa do que a de qualquer outra que até agora apareceu no mundo. Se for mais de uma, as inter-relações formam uma exceção à lei geral de Spengler e sugerem a possibilidade de que uma civilização, se morrer por algum tipo de processo quase biológico, pode, em alguns casos, ter um poder quase biológico de reprodução.

A exceção se torna ainda mais notável se, diferentemente de Spengler, considerarmos fundamentalmente importante o conceito de autogoverno, que pode estar presente até nos tempos micênicos (ver L.R. Palmer, Mycenaeans and Minoans). Democracias e repúblicas constitucionais são encontradas apenas no mundo greco-romano e no nosso; essas instituições parecem ter sido incompreensíveis para outras culturas.

3 – Para todos os fins práticos, Spengler ignora diferenças hereditárias e raciais. Ele até usa a palavra “raça” para representar uma diferença qualitativa entre os membros do que deveríamos chamar de mesma raça, e nega que essa diferença seja, em qualquer extensão significativa, causada pela hereditariedade. Ele considera as raças biológicas plásticas e mutáveis, mesmo em suas características físicas, sob a influência de fatores geográficos (incluindo o solo, que se diz afetar o organismo físico através dos alimentos) e do que Spengler chama de “uma força cósmica misteriosa” que nada tem a ver com biologia. A única unidade real é cultural, isto é, as ideias e crenças fundamentais compartilhadas pelos povos que formam uma civilização. Assim, Spengler, que faz aquelas sujeitas ao crescimento e decaimento quase biológico, estranhamente rejeita como insignificante os achados da ciência biológica concernente aos organismos vivos.

É verdade, é claro, que o homem é em parte um ser espiritual. Disso, as pessoas que têm fé religiosa não precisam de garantia. Outros, a menos que estejam determinados a negar cegamente as evidências diante de nós, devem admitir a existência de fenômenos do tipo descrito por Franz E. Winkler, MD, em Man the Bridge Between Two Worlds (Nova Iorque, Harper, 1960) e, é claro, por muitos outros escritores. E todo historiador sabe que nenhuma das culturas superiores poderia existir, se os seres humanos fossem meramente animais.

Mas também é verdade que a ciência da genética, fundada pelo padre Mendel há apenas um século e quase totalmente negligenciada até os primeiros anos do século XX, determinou leis biológicas que só podem ser negadas negando a realidade do mundo físico. Toda pessoa educada sabe que a cor dos olhos de um homem, a forma dos lóbulos das orelhas e todas as outras características fisiológicas são determinadas por fatores hereditários. É virtualmente certo que a capacidade intelectual também é produzida por herança, e há uma quantidade razoável de evidências que indicam que mesmo as capacidades morais são igualmente inatas.

O poder de intervenção do homem no desenvolvimento das qualidades herdadas parece ser inteiramente negativo, fornecendo assim outra prova melancólica de que a engenhosidade humana pode facilmente destruir o que nunca pode criar. Qualquer tolo com uma faca pode, em três minutos, tornar a mulher mais bonita para sempre horrível, e um de nossos “especialistas em saúde mental”, mesmo sem usar uma faca, pode destruir rápida e permanentemente o melhor intelecto. E parece que intervenções menos drásticas, por meio da educação e outro controle do ambiente, podem perverter ou deformar temporariamente ou mesmo permanentemente, mas são impotentes para criar capacidades que um indivíduo não herdou de ancestrais próximos ou mais remotos.

Os fatos estão fora de questão, embora a Polícia Secreta na Rússia Soviética e os esquadrões de cuspidores “liberais” nos Estados Unidos tenham conseguido manter esses fatos longe do público em geral nas áreas que controlam. Mas nenhuma quantidade de terrorismo pode alterar as leis da natureza. Para uma exposição legível da genética, veja Nature e Fate’s Man, de Garrett Hardin (Nova Iorque, Rinehart, 1959) [4], que está sujeita apenas à reserva de que as leis da genética, como as leis da química, são verificadas por observação todos os dias, enquanto a doutrina da evolução biológica é necessariamente uma hipótese que não pode ser verificada por experimento.

O fator raça

Também está fora de dúvida que as raças da humanidade diferem muito na aparência física, na suscetibilidade para doenças específicas e na capacidade intelectual média. Há indícios de que elas diferem também na organização nervosa e, possivelmente, nos instintos morais [5]. Seria um milagre se não fosse assim, pois, como é sabido, as três raças primárias eram distintas e separadas no momento em que homens inteligentes apareceram pela primeira vez neste planeta, e assim permanecem desde então. As diferenças são tão pronunciadas e estáveis ​​que os proponentes da evolução

biológica acham cada vez mais necessário postular que as diferenças remontam a espécies que precederam o aparecimento do homo sapiens. (Veja a edição nova e revisada de The Story of Man, do Dr. Carleton S. Coon, Nova Iorque, Knopf, 1962). [6]

Que tais diferenças existam é sem dúvida deplorável. Certamente é deplorável que todos os homens morram, e há pessoas que consideram deplorável a existência de diferenças, tanto anatômicas quanto espirituais, entre homens e mulheres. No entanto, nenhuma quantidade de mentiras combinadas de “liberais” e nenhuma quantidade de decretos da Gangue Warren [Suprema Corte] mudará, no mínimo, as leis da natureza.

Agora, sabemos muito sobre genética, tanto individual quanto racial, e essas incertezas permitem estimativas muito diferentes da importância relativa de fatores biologicamente determinados e conceitos culturais no desenvolvimento de uma civilização. Nosso único argumento aqui é que é altamente improvável que fatores biológicos não tenham nenhuma influência sobre a origem e o curso das civilizações. E na medida em que eles influenciam, a teoria de Spengler é defeituosa e provavelmente enganosa.

Insights profundos

Poder-se-ia adicionar alguns pontos menores às três objeções expostas acima, mas serão suficientes para mostrar que a historionomia spengleriana não pode ser aceita como uma certeza. É, contudo, uma grande formulação filosófica que coloca questões de extrema importância e aprofunda nossa percepção da causalidade histórica. Nenhum estudante de história precisou de Spengler para lhe dizer que um declínio da fé religiosa necessariamente enfraquece os laços morais que tornam possível a sociedade civilizada. Porém, a demonstração de Spengler de que esse declínio parece ter ocorrido em um ponto definido no desenvolvimento de várias civilizações fundamentalmente diferentes com, é claro, religiões radicalmente diferentes nos fornece dados que devemos levar em consideração quando tentamos verificar as verdadeiras causas do declínio. E sua posterior observação que o declínio era eventualmente seguido por uma varredura do reavivamento da crença religiosa é igualmente significante.

Por mais errado que ele possa estar em relação a algumas coisas, Spengler nos deu insights profundos sobre a natureza de nossa própria cultura. Mas, para ele, nós poderíamos ter ficado acreditando que nossa grande tecnologia era apenas uma questão de economia – de tentar fazer mais coisas mais baratas. Mas ele nos mostrou, penso eu, que nossa tecnologia tem um significado mais profundo – que, para nós, os homens da civilização ocidental, responde a certa necessidade espiritual inerente a nós, e que derivamos de seus triunfos como a satisfação análoga àquela que é derivada de boa música ou grande arte.

E Spengler, acima de tudo, tem nos forçado a investigar a natureza da civilização e a nos perguntar por que meios – se houver – podemos consertar e preservar os longos e estreitos diques que sozinhos nos protegem do vasto e turbulento oceano de barbárie eterna. Por isso, nós devemos sempre honrá-lo.

Tradução de Leonardo Campos

Revisão de Mykel Alexander

Apêndice

Revilo Oliver sobre História

O desenvolvimento de uma filosofia da história funcional é a tarefa mais urgente e difícil do pensamento do século XX.

O futuro sempre se parecerá com o passado, porque a natureza humana não muda.

As questões sociais e políticas de nossos dias são todas principalmente problemas históricos. Para pensar sobre eles racionalmente, devemos começar consultando o registro da experiência humana no passado. E logo percebemos que, se soubéssemos o suficiente sobre a história – e a entendêssemos -, nós teríamos as respostas para todas as nossas perguntas.

Nenhum homem vive o suficiente para contemplar com seus próprios olhos um padrão de mudança na sociedade. Ele é como ao mosquito que nasce à tarde e morre ao pôr do sol, e que, portanto, por mais inteligente que seja, nunca poderia descobrir, ou mesmo suspeitar, que dia e noite alternam regularmente. Ao contrário do mosquito, no entanto, o homem pode consultar a experiência das relativamente poucas gerações de sua espécie que o precederam durante o período comparativamente breve de cerca de cinco mil anos em que os seres humanos tiveram o poder de deixar registros para a instrução de sua posteridade.

Tradução de Leonardo Campos.

Revisão de Mykel Alexander

Fonte: Este ensaio, originalmente escrito e publicado em 1963, é da antologia America’s Decline: The Education of a Conservative (1982), páginas 193-200. Apareceu no The Journal of Historical Review, março-abril de 1998 (Vol. 17, nº 2), páginas 10-13. Disponível em http://www.ihr.org/jhr/v17/v17n2p10_Oliver.html

Notas:

[1] Nota de Mykel Alexander: Em português foi publicado como a história do homem, Editora Itatiaia, Belo Horizonte, 1960, traduzido do inglês ao português por Milton Amado. Contudo esta tradução não procede da edição revisada de 1962, mas certamente da primeira edição de 1954.

[2] Nota de Mykel Alexander: Em português foi publicado pela editora Zahar (várias edições) como A Decadência do Ocidente, porém apenas numa edição resumida.

[3] Nota de Mykel Alexander: Em português foi publicado como Anos de Decisão – A Alemanha e a evolução histórico-mundial, Edições Meridiano, Porto Alegre, 1941, tradução de Herbert Caro.

[4] Nota de Mykel Alexander: Em português foi publicado como O Homem e a Técnica, Guimarães Editora, Lisboa, 1993 (ao menos duas edições), tradução do alemão ao português por João Botelho e prefácio de Luis Furtado.

[5] Nota de Mykel Alexander: Sobre a influência da genética na humanidade ver especialmente o trabalho mais recente de Nicholas Wade, Uma herança incômoda, Editora Três Estrelas, São Paulo, 2016. Tradução do original em inglês por Pedro Sette-Câmara.

[6] Nota de Mykel Alexander: Novamente, sobre a influência da genética na humanidade ver Nicholas Wade, Uma herança incômoda, Editora Três Estrelas, São Paulo, 2016. Tradução do original em inglês por Pedro Sette-Câmara.

Revilo P. Oliver
Últimos posts por Revilo P. Oliver (exibir todos)
Nos ajude a espalhar a palavra:
Gostou do artigo? Você pode contribuir para o site com uma doação:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 + dezenove =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.