Quem criou o coronavírus? Foram os EUA, Israel ou a própria China?

Nos ajude a espalhar a palavra:

O relato da mídia mainstream mais comumente relatado sobre a criação do Coronavírus sugere que ele foi derivado de um micro-organismo de origem animal encontrado em um morcego selvagem que foi consumido por um residente de etnia chinesa de Wuhan. Mas parece haver alguma evidência para contestar que nas províncias adjacentes da China, onde os morcegos selvagens são mais numerosos, não sofreram grandes surtos da doença. Devido a esse e outros fatores, também tem havido especulações consideráveis de que o Coronavírus não ocorreu naturalmente por mutação, mas foi produzido em laboratório, possivelmente como agente de guerra biológica.

Vários relatórios sugerem que existem componentes do vírus relacionados ao HIV que não poderiam ter ocorrido naturalmente. Se for correto que o vírus tenha sido desenvolvido ou mesmo produzido para ser armado, sugeriria ainda que sua fuga do Instituto Wuhan de Laboratório de Virologia e para a população animal e humana poderia ter sido acidental. Técnicos que trabalham em tais ambientes sabem que “vazamentos” de laboratórios ocorrem com frequência.

Existe, é claro e inevitavelmente, outra teoria. Houve alguma especulação de que, como o governo Trump tem levantado constantemente a questão da crescente competitividade global chinesa como uma ameaça direta à segurança nacional e ao domínio econômico estadunidense, deve ser possível que Washington tenha criado e desencadeado o vírus em uma tentativa de reduzir a economia e as forças militares de Pequim em alguns degraus. É, com certeza, difícil de acreditar que mesmo a Casa Branca de Trump faria algo tão imprudente, mas há precedentes para esse tipo de comportamento. Em 2005-9, os governos americano e israelense desenvolveram secretamente um vírus de computador chamado Stuxnet, cujo objetivo era danificar o controle e os sistemas operacionais dos computadores iranianos utilizados no programa de pesquisa nuclear daquele país. É certo que o Stuxnet foi projetado para danificar computadores, não para infectar ou matar seres humanos, mas as preocupações de que ele se propagasse e passasse a infectar computadores fora do Irã provaram ser precisas, pois se espalharam para milhares de PCs fora do Irã, em países tão distantes quanto a China, Alemanha, Cazaquistão e Indonésia.

Inevitavelmente, há uma história israelense que pode lançar alguma luz sobre o que está acontecendo na China. Cientistas do Instituto de Pesquisa da Galileia, em Israel, agora estão reivindicando que terão uma vacina contra o coronavírus em poucas semanas, que estará pronta para distribuição e uso dentro de 90 dias. O instituto alega que se envolveu em quatro anos de pesquisa sobre o coronavírus aviário financiado pelos Ministérios de Ciência e Tecnologia e Agricultura de Israel. Eles estão alegando que o vírus é semelhante à versão que infectou os seres humanos, o que levou a avanços no desenvolvimento através da manipulação genética, mas alguns cientistas estão céticos de que uma nova vacina possa ser produzida tão rapidamente para impedir que um vírus existisse apenas recentemente. Eles também alertaram que, mesmo que uma vacina seja desenvolvida, ela normalmente deveria ser testada quanto a efeitos colaterais, um processo que normalmente leva mais de um ano e inclui o uso em humanos infectados.

Se alguém considerar possível que os Estados Unidos tenham ajudado a criar o coronavírus no que resta de seu extenso centro de pesquisa de armas biológicas em Fort Detrick, Maryland, é muito provável que Israel tenha sido um parceiro no projeto. Ajudar a desenvolver o vírus também explicaria como os cientistas israelenses conseguiram obter sucesso na criação de uma vacina tão rapidamente, possivelmente porque o vírus e o tratamento para ele foram desenvolvidos simultaneamente.

De qualquer forma, há ramificações políticas definidas para o aparecimento do coronavírus, e não apenas na China. Nos Estados Unidos, o presidente Donald Trump já está sendo responsabilizado por mentir sobre o vírus e existem vários cenários nas principais publicações especulando sobre o possível impacto nas eleições em 2020. Se a economia se afundar junto com o mercado de ações, isso refletirá muito em Trump, esteja ele realmente culpado ou não. Se a contenção e o tratamento da própria doença nos Estados Unidos não derem certo, também poderá haver uma reação considerável, principalmente porque os democratas estão promovendo a melhoria dos cuidados de saúde. Um especialista argumenta, no entanto, que doenças e uma economia em queda não importam enquanto houver uma recuperação antes das eleições, mas muita coisa pode acontecer nos próximos oito meses.

E depois há a questão da segurança nacional / política externa, como pode ser visto em Jerusalém e Washington. É difícil explicar por que o coronavírus atingiu um país em particular, além da China, com muita gravidade. Esse país é o Irã, o inimigo frequentemente citado dos EUA e de Israel. O número de casos de coronavírus no Irã continua a aumentar, com testes mais positivos confirmados entre autoridades do governo no último sábado. Houve 205 novos casos de coronavírus, elevando o governo a um total de 593, com 43 mortes, embora relatórios hospitalares não oficiais sugiram que as mortes sejam bem superiores a 100. Esse é o maior número de mortes por vírus fora da China.

Nada menos que cinco deputados iranianos também tiveram teste positivo em meio a um número crescente de funcionários que contraíram a doença. O vice-presidente do Irã, Masoumeh Ebtekar, e o vice-ministro da Saúde, Iraj Harirchi, também já haviam sido confirmados com o vírus.

Os suspeitos, de costume os Estados Unidos, ficam encantados ao saber das mortes iranianas. Mark Dubowitz, diretor executivo da Fundação para a Defesa das Democracias (FDD), sediada em Washington, postou no twitter que o Coronavirus fez o que as sanções econômicas americanas não podiam: encerrar as exportações que não são de petróleo. Um porta-voz do governo iraniano respondeu que “é vergonhoso e absolutamente desumano torcer por um vírus mortal se espalhar – e gostar de ver as pessoas sofrerem por isso …” Dubowitz seguiu com uma provocação adicional, dizendo que Teerã “espalhou o terrorismo” no Oriente Médio e “Agora está espalhando o coronavírus”.

Então, você tem a sua escolha. O coronavírus ocorreu naturalmente ou saiu de um laboratório na própria China ou mesmo de Israel ou dos Estados Unidos. Se alguém suspeitasse de Israel e / ou dos Estados Unidos, a intenção claramente seria criar uma arma biológica que danificaria duas nações que foram designadas como inimigas. Mas o coronavírus não pode ser contido facilmente e é claro que muitos milhares de pessoas morrerão dele. Infelizmente, como no Stuxnet, uma vez que o gênio está fora do engarrafamento, é diabolicamente difícil induzi-lo a voltar.

Fonte: American Herald Tribune via Strategic-Culture

Publicado originalmente em 05 mar. 2020.

LIVROS A VENDA

Philip Giraldi
siga em
Nos ajude a espalhar a palavra:
Gostou do artigo? Você pode contribuir para o site com uma doação:

One thought on “Quem criou o coronavírus? Foram os EUA, Israel ou a própria China?”

  1. ACHO MUITO PROVÁVEL QUE TENHA SIDO UM ATAQUE BIOLÓGICO DOS EUA POIS A PROVÍNCIA DE WUHAN É O PRINCIPAL CENTRO DESENVOLVEDOR DA TECNOLOGIA 5G COMO TAMBÉM É O PRINCIPAL LOCAL DE DESENVOLVIMENTO E FABRICAÇÃO DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA!

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.