Israel anexá os EUA? Embaixador prevê uma “conexão mais profunda”

Nos ajude a espalhar a palavra:

Como os Beatles disseram uma vez: “Eu li as notícias hoje, oh garoto …” Alguém pode argumentar que o “oh garoto” faz parte da revisão matinal da mídia desde o 11 de setembro, mas, dependendo das próprias inclinações, o conteúdo diário pode ser considerado particularmente deprimente nos últimos anos. Como os leitores regulares do Unz.com já sabem, minha percepção particular é que o “relacionamento especial” estadunidense com o estado judeu foi um desastre para os Estados Unidos e para toda a região do Oriente Médio, incluindo até o próprio Israel. Israel usou o apoio acrítico dos EUA desde que Lyndon Johnson [1] adotou políticas imprudentes em relação a seus vizinhos que levaram Washington a conflitos que seriam evitados. Enquanto isso, explorou o poder de seu formidável lobby doméstico para sangrar os EUA.

Em troca, os Estados Unidos acabaram com um “melhor amigo e aliado” que espionou os EUA, roubaram sua tecnologia, corromperam seus processos governamentais e mentiram constantemente sobre seus vizinhos para criar um casus belli para que os estadunidenses possam morrer em guerras inúteis ao invés de israelenses. O Caso Lavon e o ataque ao USS Liberty revelam que o governo de Israel matará os estadunidenses quando for conveniente, sabendo muito bem que os bajuladores em Washington e a mídia dominada pelos judeus dificilmente choramingarão diante da afronta.

Nos últimos três anos, Donald J. Trump cumpriu sua promessa de ser o “melhor amigo em Washington que Israel já teve”. Ele nomeou seu próprio advogado de falências e o arqui-sionista David Friedman como embaixador dos EUA, um homem que vê claramente sua missão como promover os interesses israelenses e não os dos Estados Unidos. Israel explorou ilegalmente uma luz verde estadunidense para declarar toda Jerusalém sua capital e Trump obrigou a Embaixada dos EUA a se adequar. O estado judeu, que inevitavelmente se declarou legalmente “judeu” e não se parece mais com uma democracia, também anexou ilegalmente as Colinas de Golã sírias ocupadas e agora está se preparando para assimilar grande parte da antiga Cisjordânia palestina. Expulsão de quase todos os palestinos restantes, mesmo os cidadãos israelenses, sem dúvida virá a seguir e foi de fato exigido por alguns políticos judeus. O extremo Israelfilia adotada pela Casa Branca e pelo Congresso tem, entre outras coisas, significava hostilidade implacável em relação ao Irã e à Síria, nenhuma das quais representa ameaça ou desafio real ao povo americano ou a quaisquer interesses genuínos dos EUA.

David Friedman se prepara para testemunhar diante de uma audiência no Comitê de Relações Exteriores do Senado sobre sua nomeação para embaixador dos EUA em Israel em 16 de fevereiro de 2017.

Friedman até distorceu o uso do idioma inglês pelo Departamento de Estado, a Cisjordânia “ocupada” agora é chamada de “disputada” ou “contestada”. Friedman, que desconsiderou as leis dos EUA existentes ao contribuir para os assentamentos ilegais de Israel, sempre serviu como um apologista dos atiradores de elite israelenses que atiravam em manifestantes desarmados em Gaza e de seus amados colonos que destroem os meios de subsistência dos agricultores palestinos.

O recorde é assustador, obrigado Trump, mas, voltando às “notícias de hoje”, um artigo publicado na quinta-feira passada no Jerusalem Post ainda tinha o poder de me fazer derramar minha xícara de café em descrença. A manchete dizia: ” Friedman: o segundo mandato de Trump poderia levar os laços EUA-Israel para o próximo nível”. [2] Eu não tinha certeza se queria ler a matéria, pois temia que provavelmente mandasse transferir o Departamento do Tesouro dos EUA para Jerusalém e colocar o Pentágono sob o controle de Benjamin Netanyahu. Enquanto isso, os estadunidenses seriam obrigados a atravessar os postos de controle quando viajassem entre estados e só seriam capazes de encontrar a Untermensch trabalhando com repolhos em uma ampla rede de kibutz.

Como se viu, é claro, a entrevista de Friedman com os jornalistas do Jerusalem Post era toda sobre Israel, não sobre os Estados Unidos, embora houvesse algumas bobagens vagas sobre o chamado plano de paz de Trump, terminando de maneira gigantesca a maioria dos conflitos na região do Oriente Médio e beneficiando assim os estadunidenses. Friedman começou com “Precisamos maximizar os benefícios mútuos do relacionamento de uma maneira que acho que nunca aconteceu antes. Os únicos limites são a imaginação de alguém para onde podemos ir”. Se Friedman quis dizer que os EUA não colheram nenhum dos “benefícios mútuos”, ele está sem dúvida correto, mas, de alguma forma, não acho que essa fosse sua intenção. E certamente houve muita imaginação nos esquemas de lobby israelenses complicados e muitas vezes ocultos para enganar o contribuinte estadunidense ao longo dos últimos 75 anos.

Friedman caracterizou a situação antes da embaixada se mover como “Estávamos aplicando um padrão duplo a Israel, em relação a todos os outros países do mundo. Estávamos dizendo a Israel que você não tem o direito de escolher sua capital… E não é apenas uma capital; é Jerusalém”. Errado, Dave. O problema com Jerusalém é que o Estado judeu queria sua capital em terras que controlava, mas que não possuía sob o direito internacional e por meio de acordos que levaram à fundação de Israel. Fingir que existe algum direito especial através da providência divina não muda nada.

Friedman também teve um comentário interessante na barra lateral que ilustrou o quão distorcida a visão de Trump de Israel realmente é. Aparentemente, Friedman e o presidente eleito discutiram sobre a mudança da embaixada antes do dia da posse “com alguns oficiais prevendo que ele iria anunciar a mudança no mesmo dia da sua posse em 20 de janeiro de 2017. Isso não aconteceu, Friedman disse, porque foram necessárias primeiras conversas em todos os diferentes escritórios do governo – Departamento de Estado, Pentágono e mais”. O fato de Trump estar disposto a destacar e promover uma grande covardia alcoviteira para o Lobby de Israel no mesmo dia em que foi inaugurado é mais do que apenas dizer, é bizarro.

Aparentemente, os símbolos também são queridos pelo coração de David Friedman. “Os estadunidenses que apoiam Israel entendem o significado de Jerusalém. É o que a Estátua da Liberdade, o Lincoln Memorial, Plymouth Rock e Valley Forge são […] Como os Estados Unidos foram baseados nesses tipos de princípios, os estadunidenses entendem profundamente a importância de Jerusalém para o Estado de Israel”. Friedman acrescentou que reter símbolos como Hebron, que está no “DNA bíblico” do povo judeu, também é um elemento importante no “plano de paz” de Trump.

David Friedman, à esquerda, com Donald e Ivanka Trump. Foto Bloomberg / Getty Images

Uau, David, é conveniente citar a experiência dos EUA para justificar o que Israel está fazendo, mas os Estados Unidos ostensivamente foram fundados no princípio de que “todos os homens são criados iguais”. Israel é por lei um estado de apartheid baseado na religião. E quando chequei pela última vez que Hebron era uma cidade predominantemente palestina, sob ocupação militar, para proteger os intrusos dos colonos que estão trabalhando duro para expulsar os residentes originais. É o local do massacre na mesquita de Ibrahimi, em 1994, de fiéis palestinos, realizado pelo fanático judeu Baruch Goldstein, nascido no Brooklyn. Vinte e nove palestinos foram mortos. Sim, o “DNA bíblico” parece se encaixar perfeitamente se considerarmos o destino dos cananeus.

E Friedman tinha algo a dizer sobre o planejado 01 de julho da Santa Anexação israelense de “assentamentos da Cisjordânia, locais bíblicos e o vale do Jordão”. Ele forneceu uma luz verde do governo Trump dizendo: “Estaremos prontos para resolver esse problema se Israel estiver pronto. Por fim, como disse o secretário Pompeo, é uma decisão de Israel. Eles precisam decidir o que querem fazer. Segundo Friedman, a “visão de paz” do governo Trump permitiria que Israel anexasse diretamente 30% da Cisjordânia e exercesse controle sobre a maior parte do restante, o que incluiria “todos os assentamentos e todo o vale do Jordão”. Os palestinos não teriam controle sobre os recursos hídricos ou mesmo sobre o seu próprio espaço aéreo. O mapeamento de detalhes precisos está atualmente sujeito a “decisões judiciais no tribunal de Israel”. Observe que toda a tomada de decisão crítica é de Israel com o apoio total dos Estados Unidos.

Friedman também descreveu a importância de enviar uma mensagem clara aos palestinos, culpando-os por tudo, incluindo a negação dos direitos humanos básicos, que na verdade é uma especialidade israelense. “Se você disser aos palestinos que não importa o que aconteça, não importa quão recalcitrante você seja, não importa quão malignas sejam suas atividades, não importa como você não observe os direitos humanos básicos para seu próprio povo – com tudo isso, você ainda consegue vetar os direitos do povo judeu e do Estado de Israel e sua capital inquestionável … é apenas o sinal errado”.

E para onde ir daqui? Friedman opina que “a equação das relações EUA-Israel precisa ser alterada. Em vez de os estadunidenses se verem ajudando Israel, eles devem perceber o quanto Israel pode fazer pelos EUA – por exemplo, colocando inovações israelenses no mercado nos EUA primeiro”. É claro, roube a tecnologia, refaça a engenharia e, em seguida, faça discretamente acordos comerciais entre os co-religiosos para vendê-la de volta aos otários nos Estados Unidos. [3]

A entrevista do Jerusalem Post conclui com a previsão de Friedman de que “se Trump for reeleito, haverá muito mais oportunidades para aprofundar as conexões entre os EUA e Israel”. Se isso é verdade, nós, estadunidenses, podemos renunciar à nossa soberania agora mesmo e poupar a dor de passar por outra eleição presidencial corrupta.

Fonte: The Unz Review: An Alternative Media Selection

Publicado originalmente em 12 maio de 2020.

Notas:

[1] Nota da tradução: Lyndon B. Johnson foi o 36º presidente dos Estados Unidos, de 1963 até 1969 quando assumiu no lugar de John F. Kennedy, completando seu mandato após seu assassinato e foi antecedido por Richard Nixon. Ele era político do Partido Democrata do Texas.

[2] Yaakov Katz, Lahav Harkov. Friedman to ‘Post’: We need to strengthen Israel-US ties with peace plan. The Jerusalem Post, Israel News, 8 mai. 2020. Disponível em https://www.jpost.com/israel-news/friedman-second-trump-term-could-take-us-israel-ties-to-next-level-627300

[3] Nota da tradução: Exatamente como faz a política externa norte-americana com patentes mundo a fora

Philip Giraldi
siga em
Nos ajude a espalhar a palavra:
Gostou do artigo? Você pode contribuir para o site com uma doação:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cinco × 2 =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.