fbpx
Pergunta séria: o que é sionismo? – John Carville

No artigo seguinte, John Carville crava na barriga da besta. Ele questiona a validade da dicotomia entre o judaísmo e o sionismo. Ele pede para lançar um estudo crítico de diferentes aspectos da cultura judaica, política, identidade e poder. Em 2011 publiquei The Wandering Who? A Study of Jewish Identity Politics. O livro foi denunciado tanto por sionistas quanto por antissionistas judeus, pois proclamava que, uma vez que Israel se define como o Estado judeu, é o judaísmo (ao invés do sionismo) que devemos entender primeiro. No livro, ofereci uma solução para algumas das questões levantadas por Craville. Afirmei que, em vez de perguntar “o que são os judeus” ou mesmo “o que é o judaísmo”, deveríamos estudar qual é o conjunto de ideologias, preceitos e filosofias que as pessoas que se identificam como judeus aderem. Em meu trabalho, os judeus não são um continuum biológico nem um coletivo religioso. Em The Wandering Who, o Judaísmo prova ser uma construção identitária elástica.

Aprendemos a aceitar que vivemos em uma era pós-verdade. Mas aqui estão as boas novas: quanto mais se investe em suprimir a verdade, mais a verdade deseja se revelar.

Introdução de Gilad Atzmon, músico de jazz de renome mundial e ex-soldado do exército israelense atualmente um ativista antissionista e pró-Palestina.

Se o sionismo foi o movimento político para estabelecer uma pátria para o povo judeu no Oriente Médio, então certamente ele atingiu seu objetivo e o termo deixou de ter significado em termos de definição dos objetivos de um movimento político.

Alternativamente, se o sionismo se transformasse em apoio à existência continuada de um estado judeu no Oriente Médio, então o único ponto de vista que não seria sionista seria aquele que chama o estado judeu de ilegítimo e pede que seja desmantelado. No entanto, existem poucas vozes políticas que clamam por tal abordagem, e os governos que se referiram ao estado judeu como ilegítimo foram demonizados por isso. Claramente, tal visão é considerada marginal.

Então, o que é o sionismo hoje? Todo mundo que não declara que Israel é um estado ilegítimo, que deveria ser desmantelado e a terra devolvida ao seu povo despossuído é um sionista? Isso não tornaria quase todos sionistas? E, em caso afirmativo, isso não priva o termo de qualquer significado?

Isso não é apenas semântica. Claramente, um esforço considerável é feito, particularmente dentro de movimentos como o BDS e a Palestine Solidarity Campaign, para imprimir o mantra nas mentes das pessoas de que é o “Sionismo, e não Judaísmo” o responsável pela situação contínua do povo palestino; e que, mais importante, reclama que não devemos fazer quaisquer perguntas sobre o papel do ensino ou ideologia judaica na tentativa de entender o que motivou e continua a motivar os partidários do que agora é um estado de apartheid genocida que se define abertamente como um “estado judeu” no Oriente Médio. Se o problema é o sionismo e não o judaísmo, então é claro que precisamos entender o que é o sionismo (e, correlativamente, se ele está enraizado no ensino religioso judaico). E, se o sionismo acaba sendo um conceito vazio.

Pessoalmente, rejeito a abordagem “Sionismo não é Judaísmo” e vejo que estamos sendo enganados por absurdos. Parece claro que este termo maravilhosamente popular “sionismo” está agora sem conteúdo. Ou ninguém é agora um sionista (porque o objetivo do sionismo foi alcançado através da catástrofe de 1948) ou quase todos são sionistas (porque há muito poucas pessoas que declarariam que o estado judeu deveria ser desmantelado e devolvido aos seus proprietários despossuídos) E, como Israel Shahak argumentou eloquentemente em sua importante e perspicaz obra Jewish History, Jewish Religion: The Weight of Three Thousand Years [História Judaica, Religião Judaica: O Peso de Três Mil Anos], eu sugeriria que não podemos começar a entender o tratamento de Israel para com os palestinos sem examinar as raízes do pensamento judaico e da identidade judaica nas doutrinas étnica e religiosamente discriminatórias da religião judaica, que moldaram a mentalidade judaica na maior parte de sua história. Parece, no entanto, que a escrita de Shahak continua recebendo muito menos atenção do que merece.

Ontem participei de uma noite social organizada pela BDS de Granada. Perto do final da noite, conversei com alguns membros, que pareciam pessoas muito legais, mas eles imediatamente ficaram desconfortáveis ​​quando eu disse isso, ou seja, que não podemos entender o genocídio em curso de Israel contra os palestinos sem olhar para suas raízes ideológicas e justificação na religião judaica. “Oh, não”, eles disseram, “isso está perigosamente perto do antissemitismo. Sionismo não é Judaísmo”, etc. Então seu amigo judeu apareceu e, bem, vamos apenas dizer que as coisas pioraram a partir daí.

Claramente, o assunto continua a ser policiado e silenciado em muitos círculos. Portanto, não é surpresa que as atividades de muitas pessoas legais dentro do movimento BDS e vários coletivos do PSC não tenham conseguido ganhar qualquer força real nas últimas décadas, quando a discussão de questões altamente relevantes para a compreensão do problema continuam a ser policiadas e tornadas tabu por medo de ofender os sentimentos dos judeus. E embora eu concorde que sempre há uma necessidade de respeitar os sentimentos dos outros em todas as formas de discurso, isso precisa ser equilibrado com muitas outras necessidades, incluindo o direito à liberdade de expressão – especialmente quando o assunto envolve tentativas de resolver crimes contra a humanidade sendo cometidos contra uma coletividade específica, neste caso o povo palestino. Dizer que não podemos entender as raízes  do genocídio praticado por Israel em curso sem examinar as doutrinas do ensino judaico ao longo dos séculos não é exigir violência ou discriminação contra pessoas que se identificam como judeus (e há vários mecanismos diferentes de identificação envolvidos aqui, que merecem uma análise acadêmica considerável por si mesmos). Nem é uma tentativa de dizer que todas as pessoas que se identificam como judias estão envolvidas ou apoiam as ações ilegais, opressivas e discriminatórias do estado judeu. As tentativas de sugerir o contrário violam nosso direito e necessidade de um discurso livre e aberto sobre assuntos de grande importância. Além disso, o discurso sobre as justificativas da violência em textos religiosos ocorreu sem problemas no contexto de outras religiões, como o budismo, o cristianismo e o islamismo (e também, hinduísmo).

Como o professor  E Michael Jones, que também procurou abrir o discurso em torno do pensamento judaico para que pudéssemos entender o que está acontecendo em nosso mundo, nunca defendi a violência contra qualquer coletividade específica. E, como Gilad Atzmon também rejeito generalizações de base racial ou biológica para examinar questões relacionadas à influência política e social do poder e da ideologia judaica em nosso mundo. Já perdi a conta da quantidade de vezes que tive de explicar que falar sobre ensinamentos discriminatórios e supremacistas no cerne do ensino judaico não significa que todos os indivíduos que se identificam como judeus são igualmente influenciados por tais doutrinas. O pensamento judaico percorre toda a gama da crença de que todos os seres humanos (incluindo não judeus) devem ter os mesmos direitos e ser valorizados e tratados igualmente à visão de que os não judeus têm almas satânicas, que apenas os judeus têm uma alma superior que vem de Deus, e que o não-judeu existe apenas para servir ao judeu como uma besta de carga inteligente, com uma vasta gama de tons entre representando várias tentativas de reconciliar (ou não) a noção de ser um “povo escolhido” com uma aliança privada com seu próprio deus (daí o mandamento de que ‘não terás outros deuses diante de mim’) e seu próprio conjunto de leis, por um lado, com os ideais iluministas de moral universalizável e a igualdade de todos os seres humanos, por outro. Certamente, existem muitas pessoas que se identificam como judeus hoje que procuram se distanciar de pontos de vista defendidos por grupos como o da poderosa seita ultraortodoxa Chabad de que apenas os judeus têm uma alma superior, ou aquela expressa pelo chefe rabino da comunidade sefardita que os gentios existem apenas para servir aos judeus. Por outro lado, ao notar isso, devemos também reconhecer que essa vertente igualitária dentro do pensamento judaico é um fenômeno relativamente recente, remontando apenas ao período pós-Iluminismo, quando muitos judeus procuraram se libertar do estrito controle mental e social dos rabinos que procuravam mantê-los segregados do resto da humanidade em guetos por tanto tempo. E os traços profundos dos antigos ensinamentos religiosos ainda podem ser encontrados e, portanto, merecem um exame sério, mesmo entre os judeus seculares de hoje. De acordo com a piada, e não sem algum mérito, muitos judeus seculares dizem que não acreditam em Deus assim, mas ainda parecem pensar que Ele lhes concedeu sua “terra prometida”.

Deixando tudo isso de lado por enquanto, no entanto, o fato de que existem indivíduos que se identificam como judeus, mas que rejeitam (conscientemente ou não) a ideologia discriminatória do ensino judaico, não significa que não podemos ou não devemos ter permissão para falar de forma significativa sobre o papel de ensinamentos supremacistas e genocidas dentro do pensamento judaico como um fenômeno judaico como um todo, assim como o fato de que há muitos estadunidenses que se opuseram ao excepcionalismo estadunidense ao longo da história não significa que não podemos ou não devemos ter permissão para falar de forma significativa sobre esse excepcionalismo. Isso deve ser bastante óbvio. Mesmo nas recentes alegações ridículas de conluio russo feitas contra a campanha de Trump, ninguém sugeriu que todos os russos estavam conspirando com Trump, ou que a equipe de Trump estava conivente com todos os russos. É realmente muito simples. O fato de que há pessoas que se consideram judias que rejeitam (em maior ou menor grau) a ideologia e atividade de supremacismo judaico não significa que não podemos ou não devemos ter permissão para falar sobre supremacia e pensamento genocida dentro da ideologia judaica e do ensino religioso, nem para examinar até que ponto tal pensamento influencia os eventos na esfera social e política. E o fato de que tanto esforço é feito para tentar nos impedir de fazê-lo deveria acender lâmpadas vermelhas de advertência nas mentes de qualquer verdadeiro defensor da liberdade de expressão e da investigação acadêmica.

Assim, repito minha afirmação de um ou dois dias atrás, de que precisamos (mas é claro que não obteremos pelo que deveriam ser agora razões óbvias) pleno reconhecimento acadêmico de um discurso crítico sobre questões relacionadas à identidade judaica, pensamento judaico e poder judaico. Poderíamos talvez chamar tal discurso de Estudos Judaicos Críticos. E deve ser entendido por qualquer estudioso legítimo da integridade que os Estudos Judaicos Críticos não são antissemitismo, e que qualquer tentativa de silenciar tais estudos ou discurso em tais bases representaria uma violação dos princípios da livre investigação que qualquer verdadeiro acadêmico deveria procurar defender, bem como do direito natural, o direito à liberdade de expressão.


Fonte: Gilad Atzmon

Artigo de John Carville e introdução de Gilad Atzmon.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Quer receber nossas notificações?    SIM! Não, obrigado (a)