Paul Craig Roberts: A Alemanha não começou a Segunda Guerra Mundial

Nos ajude a espalhar a palavra:

Esta é a segunda parte do longo relatório de Ron Unz da verdade emergente sobre a Segunda Guerra Mundial. Unz tem um recurso para resumir vastos trabalhos acadêmicos em seus fundamentos. Também é intelectualmente honesto e tem enorme coragem intelectual. Ele economiza muito trabalho para o resto de nós. 

Os objetivos do Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães, um movimento de massa que chegou ao poder legalmente na Alemanha, para corrigir o desemprego causado por indenizações injustas forçadas à Alemanha por uma política de fome imposta pelos britânicos após a Primeira Guerra Mundial e para colocar a Alemanha, desmembrada pelo injusto e demoníaco Tratado de Versalhes, e se reestruturar, foi demonizado e suas intenções descaracterizadas pela maioria dos historiadores ocidentais. Não há epitáfio pior ou maior desinformação do que ser chamado de nazista. [1]

A Segunda Guerra Mundial começou quando o governo de Churchill e os franceses, rapidamente traídos e abandonados pelos britânicos, declararam guerra à Alemanha. [2] A declaração de guerra à Alemanha resultou de uma “garantia” inexequível dada pela Grã-Bretanha a ditadura militar da Polônia, destinada a provocar uma invasão alemã na Polônia. O líder alemão, Adolf Hitler, readquiriu territórios alemães dadas à Dinamarca, França e Tchecoslováquia pelo humilhante Tratado de Versalhes e se uniu com a Áustria sem guerra. Mas três queriam guerra com a Alemanha: os sionistas que viam a guerra como um caminho para um estado judeu na Palestina, Winston Churchill, que sonhava em repetir as conquistas militares de seu famoso ancestral, e Franklin D. Roosevelt, que pretendia arruinar a Grã-Bretanha com a guerra e assumir o papel da libra como moeda de reserva mundial e destruir o controle da Grã-Bretanha sobre o comércio mundial. A garantia britânica encorajou a ditadura militar polonesa a se recusar a negociar o retorno do território e da população alemã.

A Segunda Guerra Mundial foi uma guerra iniciada por agendas privadas. Os sionistas entenderam essas agendas e as encorajaram. O desejo de Roosevelt pela hegemonia mundial e o desejo de Churchill de rivalizar com a derrota de seu famoso ancestral do Rei Sol da França com a derrota da Alemanha percorreram estradas pavimentadas para eles pela propaganda sionista antigermanica. A única contribuição de Hitler foi forçar os países que receberam território alemão pelo Tratado de Versalhes a liberar as terras e os alemães, que foram fortemente perseguidos na Tchecoslováquia e na Polônia. A restauração das fronteiras nacionais da Alemanha por Hitler foi mal interpretada na imprensa britânica e norte-americana como “agressão alemã”.

Essa falsa notícia da agressão alemã foi usada para construir o caso de que a Alemanha, que estava meramente recuperando seu território nacional e resgatando o povo alemão da perseguição na Tchecoslováquia e na Polônia, era um agressor com o objetivo a conquista mundial. O povo americano e na Grã-Bretanha o governo de Chamberlain resistiram a essa falsa história por muito tempo, mas, como os historiadores revelaram, a imprensa britânica e americana era controlada por sionistas, e esses judeus tinham todas as entradas de que precisavam para Churchill e Roosevelt.

VISITE NOSSA LIVRARIA

É difícil acreditar que uma guerra mundial que matou 50, talvez 60 milhões de pessoas e condenou o mundo à guerra permanente e a mal-entendidos foi produto de alguns interesses pessoais. Hitler afirmou muitas vezes que não queria, ou pretendia, a guerra com a Grã-Bretanha e a França e apenas pretendia recuperar as populações alemãs perdidas roubadas da Alemanha pelo injusto Tratado de Versalhes. Ninguém menos do que John Maynard Keynes, o pai da economia moderna, denunciou o Tratado de Versalhes como certo para levar a uma nova guerra. Keynes estava correto.

Nunca uma guerra foi tão desnecessária, e apenas os EUA lucraram com ela. A Grã-Bretanha estava arruinada. A Grã-Bretanha perdeu o papel de moeda de reserva e seu controle do comércio mundial, que eram as intenções de Roosevelt, e a Grã-Bretanha perdeu seu império, também a intenção de Roosevelt.

David Irving descreve como Roosevelt jogou o primeiro-ministro britânico bêbado para hipotecar o Império Britânico para a América em apoio à sua guerra contra a Alemanha. Roosevelt entendeu como a guerra poderia resgatar seu governo da Grande Depressão. Ele também entendeu como a guerra, ao levar a Grã-Bretanha à falência, deixaria os Estados Unidos como a hegemonia mundial.

Hitler não teve nada a ver com nada disso. A guerra foi forçada contra ele. Como as histórias estabelecidas têm imunidade aos fatos, o relatório de Unz tem uma disputa difícil de limpar.

Viktor Suvorov produziu livros documentados onde mostra que Hitler não teve escolha a não ser invadir a Rússia quando Stalin reuniu na fronteira da Alemanha a maior e mais formidável força de invasão da história. Hitler atacou primeiro antes que a força de invasão soviética estivesse preparada. Consequentemente, as enormes vitórias iniciais das armas alemãs foram produto da invasão de bases soviéticas com enormes perdas de homens e equipamentos. As descobertas de John Wear apoiam a conclusão de Suvorov. [3]

 

A guerra imposta foi demais para a Alemanha. Diante de ter que ocupar a Europa derrotada, com a ameaça de uma invasão americana, diante de uma frente russa, e diante de ter que resgatar a Itália na Grécia e no Norte da África, os recursos alemães, apesar da magnificência do Exército alemão, eram insuficientes para prevalecer. Roosevelt, Churchill e Stalin, cada um por suas próprias razões, forçaram a Alemanha a uma guerra que Hitler não queria.

Unz relata que historiadores revisionistas “implicaram FDR [Franklin Delano Roosevelt] como uma figura central na orquestração da guerra mundial por sua pressão constante sobre a liderança política britânica, uma política que ele mesmo admitiu em particular que poderia significar seu impeachment se revelada. Entre outros testemunhos, temos as declarações dos embaixadores polaco e britânico em Washington e do embaixador americano em Londres, que também transmitiram o parecer concordante do próprio primeiro-ministro Chamberlain. De fato, a captura e publicação alemã de documentos diplomáticos poloneses secretos em 1939 já havia revelado muitas dessas informações, e William Henry Chamberlin confirmou sua autenticidade em seu livro de 1950. Mas como a grande mídia nunca divulgou nenhuma dessas informações, esses fatos permanecem pouco conhecidos até hoje”.

Depois de Churchill ter preparado o cenário para a guerra com a Alemanha, Franklin D. Roosevelt iniciou a eclosão exercendo pressão diplomática sobre os governos britânico e polonês para evitar qualquer acordo negociado com a Alemanha. Os maus tratos do governo polonês aos alemães em territórios sob controle polonês forçaram a mão de Hitler. A invasão alemã e soviética da Polônia, com a União Soviética tomando metade da Polônia, resultou na declaração de guerra da Inglaterra e da França apenas contra a Alemanha. Tudo bem para os soviéticos invadirem a Polônia, mas não para a Alemanha.

Roosevelt orquestrou o ataque “surpresa” japonês a Pearl Harbor para levar os EUA à guerra contra a Alemanha. O embaixador polonês nos Estados Unidos, conde Jerzy Potocki, descreveu a opressiva hostilidade sionista à Alemanha e seu impacto nas atitudes americanas em relação à Alemanha em um relatório secreto ao ministro das Relações Exteriores polonês em Varsóvia:

“Há um sentimento que prevalece agora nos Estados Unidos, marcado por um ódio crescente ao fascismo e, acima de tudo, ao chanceler Hitler e a tudo o que está relacionado com o nacional-socialismo. A propaganda está principalmente nas mãos dos judeus que controlam quase 100% [do] rádio, cinema, imprensa diária e periódica. Embora esta propaganda seja extremamente grosseira e apresente a Alemanha o mais negra possível – acima de tudo a perseguição religiosa e os campos de concentração são explorados – ela é extremamente eficaz, já que o público aqui é completamente ignorante e nada sabe da situação na Europa.

“No momento atual, a maioria dos americanos considera o chanceler Hitler e o nacional-socialismo como o maior mal e o maior perigo que ameaça o mundo. A situação aqui oferece uma excelente plataforma para oradores públicos de todos os tipos, para emigrantes da Alemanha e da Tchecoslováquia que com muitas palavras e com as mais variadas calúnias incitam o público. Eles elogiam a liberdade americana, que eles contrastam com os estados totalitários.

“É interessante notar que nesta campanha extremamente bem planejada que é conduzida acima de tudo contra o nacional-socialismo, a Rússia Soviética foi quase completamente eliminada. A Rússia, se alguma vez mencionada, é de maneira amigável e as coisas são apresentadas de tal forma que parece que a União Soviética está cooperando com o bloco de Estados democráticos. Graças à propaganda inteligente, as simpatias do público americano estão completamente do lado da Espanha Vermelha.

“Essa propaganda e psicose de guerra está sendo criada artificialmente. Dizem ao povo americano que a paz na Europa está por um fio e que a guerra é inevitável. Ao mesmo tempo, diz-se inequivocamente ao povo americano que, em caso de guerra mundial, a América também deve tomar parte ativa para defender os slogans de liberdade e democracia no mundo. O presidente Roosevelt foi o primeiro a expressar ódio contra o fascismo. Ao fazer isso, ele estava servindo a um duplo propósito; primeiro ele queria desviar a atenção do povo americano dos difíceis e intrincados problemas domésticos, especialmente do problema da luta entre capital e trabalho. Em segundo lugar, ao criar uma psicose de guerra e espalhar rumores sobre perigos que ameaçavam a Europa, ele queria induzir o povo americano a aceitar um enorme programa de armamento que excede em muito os requisitos de defesa dos Estados Unidos.

“Em relação ao primeiro ponto, é preciso dizer que a situação interna do mercado de trabalho está cada vez pior. Os desempregados hoje já somam 12 milhões. Os gastos federais e estaduais estão aumentando diariamente. Somente as enormes somas, chegando a bilhões, que o tesouro gasta em projetos de mão-de-obra emergencial, mantêm uma certa paz no país. Até agora, apenas as greves usuais e os distúrbios locais ocorreram. Mas por quanto tempo essa ajuda governamental pode ser mantida, é difícil prever hoje. O entusiasmo e a indignação da opinião pública e o sério conflito entre empresas privadas e enormes trustes de um lado, e com o trabalho do outro, fizeram muitos inimigos para Roosevelt e estão causando-lhe muitas noites sem dormir.

“Quanto ao ponto dois, só posso dizer que o presidente Roosevelt, como um jogador inteligente da política e um conhecedor da mentalidade americana, desviou rapidamente a atenção do público da situação interna para fixá-la na política externa. A maneira de conseguir isso era simples. Era preciso, por um lado, aumentar a ameaça de guerra que paira sobre o mundo por conta do chanceler Hitler e, por outro lado, criar um espectro falando sobre o ataque dos Estados totalitários aos Estados Unidos. O pacto de Munique chegou ao presidente Roosevelt como uma dádiva de Deus. Ele descreveu isso como a capitulação da França e da Inglaterra ao belicoso militarismo alemão. Como foi dito aqui: Hitler obrigou Chamberlain sob a mira de uma pistola. Consequentemente, a França e a Inglaterra não tiveram escolha e tiveram que concluir uma paz vergonhosa.

“O ódio prevalente contra tudo o que está de alguma forma relacionado com o nacional-socialismo alemão é ainda mais aceso pela atitude brutal contra os judeus na Alemanha e pelo problema dos emigrantes. Nessa ação participaram intelectuais judeus; por exemplo, Bernard Baruch [consultor financeiro de Churchill]; o governador do estado de Nova Iorque, Lehman; o recém-nomeado juiz da Suprema Corte, Felix Frankfurter; Secretário do Tesouro Morgenthau e outros amigos pessoais de Roosevelt. Eles querem que o presidente se torne o campeão dos direitos humanos, liberdade de religião e expressão, e o homem que no futuro punirá os criadores de problemas. Esses grupos, pessoas que querem se passar por representantes do ‘americanismo’ e ‘defensores da democracia’ em última análise, estão conectados por laços inquebráveis ​​com o judaísmo internacional.

“Para este sionismo internacional, que acima de tudo está preocupado com os interesses de sua raça, colocar o Presidente dos Estados Unidos neste posto ‘ideal’ de defensor dos direitos humanos foi uma jogada inteligente. Dessa forma, eles criaram um perigoso viveiro de ódio e hostilidade neste hemisfério e dividiram o mundo em dois campos hostis. Todo o problema é resolvido de maneira misteriosa. Roosevelt tem forçado a base para vitalizar a política externa americana e, simultaneamente, tem adquirido enormes estoques para a guerra que se aproxima, pela qual os sionistas estão lutando conscientemente. No que diz respeito à política interna, é extremamente conveniente desviar a atenção pública do antissemitismo que está sempre crescendo nos Estados Unidos, falando sobre a necessidade de defender a fé e a liberdade individual contra o ataque do fascismo”. – Conde Jerzy Potocki ao Ministro das Relações Exteriores da Polônia em Varsóvia, Livro Branco Alemão: Texto Completo dos Documentos Poloneses Emitidos pelo Ministério das Relações Exteriores de Berlim; com um prefácio de C. Hartley Grattan, Nova York: Howell, Soskin & Company, 1940, pp. 29-31.

 

Unz resume o papel da propaganda antialemã no lançamento da Segunda Guerra Mundial e o papel da propaganda em geral na distorção da compreensão histórica:

“Dado o forte envolvimento dos sionistas no financiamento de Churchill e seus aliados e também no direcionamento do governo e do público americano na direção da guerra contra a Alemanha, os grupos internacionais organizados provavelmente tinham a responsabilidade central de provocar a guerra mundial, e isso certamente foi reconhecido pela maioria dos conhecedores indivíduos na época. Na verdade, o Forrestal Diaries registrou a declaração muito reveladora de nosso embaixador em Londres: “Chamberlain, diz ele, afirmou que a América e o capital financeiro internacional forçaram a Inglaterra à guerra.”

“A luta contínua entre Hitler e o capital internacional vinha recebendo considerável atenção do público há anos. Durante sua ascensão política, Hitler dificilmente escondeu sua intenção de desalojar a minúscula população judaica da Alemanha do estrangulamento que haviam conquistado sobre a mídia e as finanças alemãs e, em vez disso, administrar o país no melhor interesse da maioria alemã de 99%, uma proposta que provocou o hostilidade amarga de judeus em todos os lugares. De fato, imediatamente depois que ele assumiu o cargo, um grande jornal de Londres publicou uma manchete memorável de 1933 anunciando que os judeus do mundo haviam declarado guerra à Alemanha e estavam organizando um boicote internacional para submeter os alemães à fome.

“Nos últimos anos, esforços semelhantes organizados por judeus em sanções internacionais com o objetivo de colocar nações recalcitrantes de joelhos se tornaram uma parte regular da política global. Mas hoje em dia o domínio sionista do sistema político dos EUA tornou-se tão avassalador que, em vez de boicotes privados, essas ações são aplicadas diretamente pelo governo americano. Até certo ponto, esse já havia sido o caso com o Iraque durante a década de 1990, mas se tornou muito mais comum após a virada do novo século.

 

“Embora nossa investigação oficial do governo tenha concluído que o custo financeiro total dos ataques terroristas de 11 de setembro tenha sido uma quantia absolutamente trivial, a administração Bush dominada pelos neoconservadores usou isso como desculpa para estabelecer uma nova posição importante no Departamento do Tesouro, o subsecretário para Terrorismo e Inteligência Financeira. Esse escritório logo começou a utilizar o controle americano do sistema bancário global e do comércio internacional denominado em dólares para aplicar sanções financeiras e travar guerras econômicas, com essas medidas sendo tipicamente dirigidas contra indivíduos, organizações e nações consideradas hostis a Israel, notadamente Irã, Hezbollah, e Síria.

“Talvez por coincidência, embora os judeus representem apenas 2% da população americana, todos os quatro indivíduos que ocuparam aquele posto muito poderoso no Tesouro nos últimos 15 anos desde sua criação – Stuart A. Levey, David S. Cohen, Adam Szubin, Sigal Mandelker – tenham sido judeus, sendo o mais recente uma cidadã israelense. Levey, o primeiro subsecretário, começou seu trabalho sob o presidente Bush e continuou sem interrupção por anos sob o presidente Obama, ressaltando a natureza inteiramente bipartidária dessas atividades.

“A maioria dos especialistas em política externa certamente está ciente de que grupos e ativistas sionista desempenharam um papel central em conduzir nosso país à desastrosa Guerra do Iraque em 2003, e que muitos desses mesmos grupos e indivíduos passaram os últimos 12 anos ou mais trabalhando para fomentar uma ataque americano semelhante ao Irã, embora ainda sem sucesso. Isso parece bastante reminiscente da situação política do final dos anos 1930 na Grã-Bretanha e na América.

“Indivíduos indignados com a cobertura enganosa da mídia em torno da Guerra do Iraque, mas que sempre aceitaram casualmente a narrativa convencional da Segunda Guerra Mundial, deveriam considerar um experimento mental que sugeri no ano passado:

“Quando buscamos compreender o passado, devemos ter cuidado para evitar recorrer a uma seleção restrita de fontes, especialmente se um lado se mostrou politicamente vitorioso no final e dominou completamente a produção posterior de livros e outros comentários. Antes da existência da Internet, essa era uma tarefa especialmente difícil, muitas vezes exigindo uma quantidade considerável de esforço acadêmico, mesmo que apenas para examinar os volumes encadernados de periódicos outrora populares. No entanto, sem tal diligência, podemos cair em erros muito graves.

‘A Guerra do Iraque e suas consequências foram certamente um dos eventos centrais da história americana durante os anos 2000. No entanto, suponha que alguns leitores em um futuro distante tivessem apenas os arquivos coletados do The Weekly Standard, National Review, a página de opinião do WSJ e as transcrições da Fox News para fornecer sua compreensão da história daquele período, talvez junto com os livros escritos por contribuintes para esses estabelecimentos. Duvido que mais do que uma pequena fração do que eles leriam poderia ser categorizado como mentiras. Mas a cobertura maciçamente distorcida, as distorções, exageros e, especialmente, as omissões de tirar o fôlego certamente forneceriam a eles uma visão excepcionalmente irreal do que realmente aconteceu durante aquele período importante’.

VISITE NOSSA LIVRARIA

Outro paralelo histórico marcante é a feroz demonização do presidente russo Vladimir Putin, que provocou a grande hostilidade dos elementos judeus quando expulsou o punhado de oligarcas judeus que haviam tomado o controle da sociedade russa sob o governo bêbado do presidente Boris Yeltsin e empobreceu totalmente o grande parte da população. Esse conflito se intensificou depois que o investidor judeu William F. Browder conseguiu a aprovação da Lei Magnitsky pelo Congresso para punir os líderes russos pelas ações legais que haviam tomado contra seu enorme império financeiro em seu país. Os mais severos críticos neoconservadores de Putin muitas vezes o condenaram como “um novo Hitler”, enquanto alguns observadores neutros concordaram que nenhum líder estrangeiro desde o Chanceler alemão da década de 1930 foi tão ferozmente vilipendiado na mídia americana. Visto de um ângulo diferente, pode realmente haver uma correspondência íntima entre Putin e Hitler, mas não da maneira geralmente sugerida. [Propaganda usada para demonizar ambos]

“Indivíduos experientes certamente estão cientes do papel crucial dos sionistas em orquestrar nossos ataques militares ou financeiros contra o Iraque, Irã, Síria e Rússia, mas tem sido excepcionalmente raro que qualquer figura pública proeminente ou jornalista respeitável mencionar esses fatos para que não sejam denunciado e vilipendiado por zelosos ativistas e pela mídia que eles dominam. Por exemplo, alguns anos atrás, um único tweet sugestivo da famosa agente antiproliferação da CIA Valerie Plame provocou uma onda de vituperação tão grande que ela foi forçada a renunciar a seu cargo em uma organização sem fins lucrativos proeminente. Um paralelo próximo envolvendo uma figura muito mais famosa ocorreu três gerações antes [Lindbergh].

Esses fatos, agora firmemente estabelecidos por décadas de estudos, fornecem algum contexto necessário para o famoso discurso polêmico de Lindbergh em um comício do America First em setembro de 1941. Naquele evento, ele acusou que três grupos em particular estavam ‘pressionando este país para a guerra: os britânicos, sionistas e a administração Roosevelt’, e assim desencadeou uma enorme tempestade de ataques e denúncias da mídia, incluindo acusações generalizadas de antissemitismo e simpatias nazistas. Dadas as realidades da situação política, a declaração de Lindbergh constituiu uma ilustração perfeita da famosa piada de Michael Kinsley de que ‘gafe é quando um político diz a verdade – alguma verdade óbvia que ele não deveria dizer’. Mas, como consequência, a reputação outrora heroica de Lindbergh sofreu danos enormes e permanentes, com a campanha de difamação ecoando pelas três décadas restantes de sua vida, e até muito além. Embora ele não tenha sido totalmente expurgado da vida pública, sua posição certamente nunca foi nem remotamente a mesma.

 

Com tais exemplos em mente, não deveríamos nos surpreender que por décadas esse enorme envolvimento internacional na orquestração da Segunda Guerra Mundial foi cuidadosamente omitido de quase todas as narrativas históricas subsequentes, mesmo aquelas que desafiaram fortemente a mitologia do relato oficial. O índice de A.J.P. A obra iconoclasta de Taylor de 1961 não contém absolutamente nenhuma menção aos judeus, e o mesmo se aplica aos livros anteriores de Chamberlin e Grenfell. Em 1953, Harry Elmer Barnes, o decano dos revisionistas históricos, editou seu grande volume com o objetivo de demolir as falsidades da Segunda Guerra Mundial e, mais uma vez, qualquer discussão sobre o papel dos judeus foi quase totalmente ausente, com apenas parte de uma única frase e a de Chamberlain citação curta pendente que aparece em mais de 200.000 palavras de texto. Tanto Barnes quanto muitos de seus colaboradores já haviam sido eliminados e seu livro foi lançado apenas por uma pequena editora em Idaho, mas eles ainda procuravam evitar certos não mencionados.

Até o arquirevisionista David Hoggan parece ter evitado cuidadosamente o tópico da influência sionista. Seu índice de 30 páginas carece de qualquer entrada sobre eles e suas 700 páginas de texto contém apenas referências esparsas. Na verdade, embora ele cite as declarações particulares explícitas do embaixador polonês e do primeiro-ministro britânico, enfatizando o enorme papel do sionismo na promoção da guerra, ele afirma de forma bastante questionável que essas declarações confidenciais de indivíduos com a melhor compreensão dos eventos deveriam ser simplesmente desconsiderado.

Na popular série de Harry Potter, Lord Voldemort, o grande nêmeses dos jovens mágicos, é frequentemente identificado como ‘aquele que não deve ser nomeado’, uma vez que a mera vocalização dessas poucas sílabas em particular pode trazer a desgraça para o orador. Os sionistas há muito gozam de enorme poder e influência sobre a mídia e a vida política, enquanto os fanáticos ativistas demonstram uma ansiedade acelerada de denunciar e difamar todos os suspeitos de serem insuficientemente amigáveis ​​com seu grupo étnico. A combinação desses dois fatores induziu, portanto, um tal ‘Efeito Lord Voldemort’ em relação às suas atividades na maioria dos escritores e figuras públicas. Uma vez que reconhecemos essa realidade, devemos ser muito cautelosos na análise de questões históricas controversas que podem conter uma dimensão sobre o assunto, e também ser particularmente cautelosos com argumentos do silêncio.

Aqueles escritores dispostos a quebrar esse temível tabu em relação à Segunda Guerra Mundial eram muito raros, mas uma exceção notável vem à mente. Como escrevi recentemente:

‘Há alguns anos, encontrei um livro totalmente obscuro de 1951 intitulado The Iron Curtain Over America [A Cortina de Ferro Sobre a América], de John Beaty, um conceituado professor universitário. Beaty havia passado seus anos de guerra na Inteligência Militar, sendo incumbido de preparar os relatórios diários de briefing distribuídos a todos os principais oficiais estadunidenses, resumindo as informações de inteligência disponíveis adquiridas durante as 24 horas anteriores, o que era obviamente uma posição de considerável responsabilidade.

LEIA MAIS

Como um anticomunista zeloso, ele considerava grande parte da população judaica dos Estados Unidos profundamente implicada em atividades subversivas, constituindo, portanto, uma séria ameaça às liberdades estadunidenses tradicionais. Em particular, o crescente domínio deles sobre a publicação e a mídia tornava cada vez mais difícil que pontos de vista discordantes chegassem ao povo estadunidense, com esse regime de censura constituindo a ‘Cortina de Ferro’ descrita em seu título. Ele culpou os interesses sionistas pela guerra totalmente desnecessária com a Alemanha de Hitler, que há muito buscava boas relações com os Estados Unidos, mas em vez disso sofreu destruição total por sua forte oposição à ameaça comunista apoiada por judeus na Europa.

Então, como agora, um livro que assumisse posições tão polêmicas tinha poucas chances de encontrar uma editora convencional de Nova Iorque, mas logo foi lançado por uma pequena empresa de Dallas e então se tornou um enorme sucesso, passando por cerca de dezessete edições nos anos seguintes. De acordo com Scott McConnell, editor fundador do The American Conservative, o livro de Beaty se tornou o segundo texto conservador mais popular da década de 1950, ficando atrás apenas do icônico clássico de Russell Kirk, The Conservative Mind.

 

Livros de autores desconhecidos lançados por pequenas editoras raramente vendem muitas cópias, mas a obra chamou a atenção de George E. Stratemeyer, um general aposentado que havia sido um dos comandantes de Douglas MacArthur, e ele escreveu uma carta de endosso a Beaty, que começou a incluir essa carta em seus materiais promocionais, atraindo a ira da ADL [Liga Antidifamação Judaica], cujo presidente nacional contatou Stratemeyer, exigindo que ele repudiasse o livro, que foi descrito como uma ‘cartilha para grupos marginais lunáticos’ em toda os Estados Unidos da América. Em vez disso, Stratemeyer deu uma ‘resposta contundente à ADL’, denunciando-a por fazer ‘ameaças veladas’ contra a ‘liberdade de expressão e pensamento’ e tentando estabelecer uma repressão ao estilo soviético nos Estados Unidos. Ele declarou que todo ‘cidadão leal’ deveria ler The Iron Curtain Over America, cujas páginas finalmente revelaram a verdade sobre nossa situação nacional, e ele começou a promover ativamente o livro em todo o país enquanto atacava a tentativa sionista de silenciá-lo. Vários outros generais e almirantes estadunidenses logo se juntaram a Statemeyer para endossar publicamente o trabalho, assim como alguns membros influentes do Senado dos EUA, levando a suas enormes vendas nacionais.

Em contraste com quase todas as outras narrativas da Segunda Guerra Mundial discutidas acima, sejam ortodoxas ou revisionistas, o índice do volume de Beaty está absolutamente transbordando de referências as atividades sionistas internacionais, contendo dezenas de entradas separadas e com o tópico mencionado em uma fração substancial de todas as páginas de seu livro razoavelmente curto. Portanto, suspeito que qualquer leitor moderno casual que encontrasse o volume de Beaty ficaria chocado e desanimado com esse material extremamente difundido, e provavelmente rejeitaria o autor como sendo delirante e ‘obcecado por judeus’, mas acho que o tratamento de Beaty é provavelmente o mais honesto e realista. Como observei no ano passado sobre um assunto relacionado: ‘… uma vez que o registro histórico tenha sido suficientemente caiado ou reescrito, quaisquer fios remanescentes da realidade original que sobrevivem são frequentemente percebidos como delírios bizarros ou denunciados como’ teorias da conspiração.

 

O papel de Beaty durante a guerra no nexo absoluto da Inteligência estadunidense certamente deu a ele uma grande quantidade de insights sobre o padrão de eventos, e o endosso brilhante de seu relato por muitos de nossos comandantes militares de mais alto escalão apoia essa conclusão. Mais recentemente, uma década de pesquisa em arquivos pelo Prof. Joseph Bendersky, um historiador proeminente, revelou que as opiniões de Beaty eram compartilhadas em particular por muitos de nossos profissionais de Inteligência Militar e principais generais da época, sendo bastante difundidas em tais círculos.”

“Quem controla o passado controla o futuro; Quem controla o presente, controla o passado”. O controle sobre as explicações significa que as suposições históricas que governam a política de hoje são totalmente enganosas.

São os poucos historiadores revisionistas e Ron Unz que possivelmente podem salvar o mundo da destruição pelo engano.


Fonte: Paul Craig Roberts – Institute for Political Economy

Publicação original em 22/11/2019

Tradução: Nick Clark

Edição de imagens e grifos por este sita


VISITE NOSSA LIVRARIA

Paul Craig Roberts
Siga em:
Nos ajude a espalhar a palavra:
Gostou do artigo? Você pode contribuir para o site com uma doação:

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.