As mentiras sobre a Segunda Guerra Mundial

Nos ajude a espalhar a palavra:

Em Portsmouth, costa sul da Inglaterra, os atuais líderes dos Exércitos Aliados reuniram-se na quarta-feira (5/6) para comemoração do 75º aniversário dos desembarques do “Dia D”, o desembarques na Normandia (França) da “Operação Overlord“, a maior invasão por mar da história, que contava com milhares de soldados da América e Europa para derrubar a Alemanha. Como denunciava o escritor revisionista brasileiro S.E. Castan, a Alemanha segue sendo o único país do mundo a comemorar sua derrota. Isto em diversas ocasiões onde se faça alguma celebração referente à Segunda Guerra Mundial. A anos, essa presença se faz na figura da Chanceler alemã Angela Merkel. Na cerimônia deste ano (como mostra a foto de capa), estavam presentes os atuais chefes de Estado dos Aliados, o presidente francês Emmanuel Macron, a primeira-ministra Theresa May, o príncipe Charles da Inglaterra, a rainha Elizabeth II, o presidente dos EUA Donald Trump, sua esposa Melania e o presidente grego Prokopis Pavlopulos.

O escritor, político e economista Paul Craig Roberts, nos conta sobre como tem sido difícil, mesmo na atualidade, quase 80 depois da Segunda Guerra Mundial, ao menos falar sobre as verdades, mentiras e demonizações feitas pelo lado vencedor, que encobrem a verdade dos fatos dessa guerra desastrosas da qual nenhum desses países saiu ganhando. A perseguição aos revisionistas e os tramadores do conflito são somente a ponta do iceberg que se chama “historiografia oficial”…

No imediato período posterior de uma guerra a história não pode ser escrita. O lado perdedor não tem ninguém para falar por isto. Os historiadores do lado vencedor são constrangidos por anos de propaganda de guerra que demonizou o inimigo enquanto obscurecia os crimes do lado vitorioso. As pessoas querem usufruir do bem-estar sobre a vitória delas, não aprender que o lado delas foi responsável pela guerra ou que a guerra poderia ter sido evitada, exceto pelas agendas ocultas dos líderes delas. Os historiadores são também constrangidos pela indisponibilidade de informação. Para esconder erros, corrupção e crimes, os governantes trancam documentos por décadas. Memórias de participantes não são ainda escritas. Diários são perdidos ou retidos por medo de punição elo praticado. É dispendioso e consome tempo localizar testemunhas, e convencê-las responder questões, especialmente aquelas que estão do lado perdedor. Qualquer relato que desafia o “relato feliz” requer uma grande quantidade confirmação dos documentos oficiais, entrevistas, cartas, diários, e memórias, e mesmo isso não será suficiente. Para a história da Segunda Guerra Mundial na Europa, estes documentos podem estar espalhados desde a Nova Zelândia e Austrália através do Canadá e EUA passando por Grã-Bretanha e Europa até a Rússia. Um historiador no rastro da verdade enfrenta longos anos de extenuante investigação e desenvolvimento da perspicácia para julgar e assimilar a evidência que ele descobre em uma imagem verdadeira do que aconteceu. A verdade é sempre imensamente diferente da propaganda de guerra do vencedor.

Conforme relatei recentemente, Harry Elmer Barnes foi o primeiro historiador americano a fornecer uma história da Primeira Guerra Mundial que foi baseada em fontes primárias. Seu relato verídico diferiu tão substancialmente da propaganda de guerra que ele foi chamado de todo nome no livro [1].

O historiador britânico David Irving mantém em mãos seu livro “Guerra de Hitler” ao chegar a um tribunal em Viena, 20 de fevereiro de 2006. FOTO: Hans Punz, AP.

A verdade é raramente bem-vinda. David Irving, sem qualquer dúvida o melhor historiador da parte europeia da Segunda Guerra Mundial, aprendeu sob grandes expensas próprias, que desafiadores de mitos não ficam impunes. No entanto, Irving perseverou. Se você quer escapar das mentiras sobre a Segunda Guerra Mundial que ainda direcionam nosso desastroso curso, você somente necessita estudar dois livros de David Irving: “Hitler’s War” e o primeiro volume de sua biografia de Churchill, “Churchill’s War: The Struggle for Power”.

Irving é o historiador que passou décadas rastreando diários, sobreviventes, e demandando a liberação de documentos oficiais. Ele é o historiador que encontrou o diário de Rommel e os diários de Goebbels, o historiador que conseguiu entrar nos arquivos soviéticos, e assim por diante. Ele está familiarizado com mais fatos reais sobre a Segunda Guerra Mundial que o resto dos historiadores combinados. O famoso estudioso britânico da história militar, Sir John Keegan, escreveu no Times Literary Supplement: “Dois livros destacam-se da vasta literatura da Segunda Guerra Mundial: “The Struggle for Europe” [A luta pela Europa] de Chester Wilmot, publicado em 1952, e Hitler’s War de David Irving.

Apesar de muitos elogios, hoje Irving é demonizado e tem que publicar seus próprios livros

Irei evitar a história de como isto veio a ocorrer, mas, sim, você adivinhou, foram os sionistas. Você simplesmente não pode dizer nada que altera a imagem propagandista da história deles.

A seguir, eu vou apresentar qual é a minha impressão de ler estes dois trabalhos magistrais. O próprio Irving é muito escasso em opiniões. Ele apenas fornece os fatos de documentos oficiais, registros interceptados, diários, cartas e entrevistas.

A Segunda Guerra Mundial foi a guerra de Churchill, não a de Hitler. Irving fornece fatos documentados do qual o leitor não pode evitar esta conclusão. Churchill conseguiu sua guerra, pela qual ele ansiava, por causa do Tratado de Versalhes que despojou a Alemanha de seu território alemão e injustamente e irresponsavelmente impôs humilhação sobre a Alemanha.

Colorização de Winston Churchill, por MikeW. Original de BiblioArchives / LibraryArchives | CC.

Hitler e a Alemanha Nacional Socialista (nazi é a referência para Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães) são as entidades mais demonizadas da história. Qualquer pessoa que encontre qualquer bem em Hitler ou na Alemanha é instantaneamente demonizada. A pessoa se torna um pária independentemente dos fatos. Irving está muito consciente disso. Toda vez que seu relato fatual de Hitler começa a mostrar uma pessoa muito diferente da imagem demonizada, Irving se vale de alguma linguagem negativa acerca de Hitler.

Similarmente para Winston Churchill. Toda vez que o relato fatual demonstra uma pessoa muito diferente do ícone adorado, Irving se vale de alguma linguagem apreciativa. Isto é o que um historiador tem de fazer para sobreviver dizendo a verdade.

Para ser claro, no que segue, eu estou meramente relatando o que parece para mim ser a conclusão dos fatos documentados apresentados nestes dois trabalhos de estudo. Eu estou meramente relatando o que eu compreendo ter a pesquisa de Irving estabelecido. Você lê os livros e chega a sua própria conclusão.

A Segunda Guerra Mundial foi iniciada pela declaração britânica e francesa de guerra sobre a Alemanha, não por uma blitzkrieg surpresa da Alemanha. A derrota total e colapso dos exércitos britânicos e franceses foi o resultado da Grã-Bretanha declarar uma guerra pela qual a Grã-Bretanha estava despreparada para lutar e da tolice da França presa por um tratado com os britânicos, que rapidamente deserdaram seu aliado francês, deixando a França sob a misericórdia da Alemanha.

Soldados alemães marcham em Paris, na Avenue Foch, após a vitória. (Bundesarchiv, Bild – Arquivo Federal Alemão)

A misericórdia da Alemanha era substancial. Hitler deixou uma grande parte da França e das colônias francesas não ocupadas e seguras da guerra sob um governo semi-independente sob Petain. Por seu serviço em proteger uma aparência de independência francesa, Petain foi sentenciado à morte por Charles de Gaulle depois da guerra por colaboração com a Alemanha, uma acusação injusta.

Na Grã-Bretanha Churchill estava fora do poder. Ele imaginou que uma guerra o colocaria de volta no poder. Nenhum britânico poderia igualar a retórica e discursos de Churchill. Ou determinação. Churchill desejava poder, e ele queria para reproduzir os incríveis feitos militares de seu ilustre ancestral, o Duque de Marlborough, cuja biografia Churchill estava escrevendo e que derrotou após anos de luta militar o poderoso Rei Sol da França, Luís XIV, o governante da Europa.

Em contraste ao aristocrata britânico, Hitler era um homem do povo. Ele atuou para o povo alemão. O Tratado de Versalhes tinha desmembrado a Alemanha. Partes da Alemanha foram confiscadas e dadas para França, Bélgica, Dinamarca, Polônia e Checoslováquia.  Conforme a Alemanha não tinha realmente perdido a guerra, sendo ocupante do território estrangeiro quando a Alemanha concordou com um armistício enganoso, a perda de aproximadamente 7 milhões alemães para a Polônia e Checoslováquia, onde os alemães foram abusados, não foi considerado uma saída justa.

O programa de Hitler era colocar a Alemanha de volta junta novamente. Ele foi bem-sucedido até a guerra chegar à Polônia. As demandas de Hitler eram justas e realistas, mas Churchill, financiado pelo Grupo Focus, com dinheiro judaico, colocou tal pressão sobre o primeiro ministro Chamberlain que este interveio nas negociações polaco-alemãs e emitiu uma garantia britânica para a ditadura militar polonesa se a Polônia recusasse a liberar território e populações alemãs.

Os britânicos não tinham maneira de honrar a garantia, mas a ditadura militar polonesa carecia de inteligência para perceber isso. Consequentemente, a ditadura polonesa recusou o pedido da Alemanha.

A partir deste erro de Chamberlain e da estúpida ditadura polonesa, surgiu o acordo Ribbentrop/Molotov que a Alemanha e a União Soviética dividiriam a Polônia entre eles mesmos. Quando Hitler atacou a Polônia, a Grã-Bretanha e infelizes franceses declararam guerra à Alemanha por causa da não aplicável garantia britânica. Mas os britânicos e franceses foram cuidadosos em não declarar guerra à União Soviética por ocupar a parte oriental da Polônia.

O acordo de não-agressão foi fechado em 23 de Agosto de 1939 entre Ulrich Friedrich Wilhelm Joachim von Ribbentrop, ministro das Relações Exteriores da Alemanha e Viatcheslav Mikhailovitch Molotov (cujo sobrenome real era ‘Scriabin‘) diplomata da União Soviética (FOTO: © AP)

Assim, a Grã-Bretanha foi responsável pela Segunda Guerra Mundial, primeiro por estupidamente interferir nas negociações germano-polacas, e, segundo, declarando guerra à Alemanha.

Churchill estava focado na guerra com a Alemanha, na qual ele pretendia por anos precedendo a guerra. Mas Hitler não queria qualquer guerra com a Grã-Bretanha ou com a França, e nunca pretendeu invadir a Grã-Bretanha. A ameaça de invasão foi uma quimera conjurada por Churchill para unir a Inglaterra atrás dele. Hitler expressou sua visão que o Império Britânico era essencial para a ordem no mundo, e que na sua ausência os europeus perderiam sua supremacia mundial. Após o desbarato alemão sobre os exércitos francês e inglês, Hitler ofereceu uma extraordinariamente generosa paz à Grã-Bretanha. Ele disse que não queria nada da Grã-Bretanha, mas apenas o retorno das colônias alemãs. Ele comprometeu as forças armadas alemãs em defesa do Império Britânico, e disse que iria reconstituir ambos estados polonês e tcheco e deixá-los-ia aos seus próprios critérios. Ele disse a seus associados que a derrota do Império Britânico não faria nada pela Alemanha e tudo pela Rússia bolchevique e Japão.

Winston Churchill manteve as ofertas de paz de Hitler como segredo conforme ele poderia e foi bem-sucedido em seus esforços para bloquear qualquer paz. Churchill queria guerra, em grande parte, parece, para sua própria glória. Franklin Delano Roosevelt secretamente encorajou Churchill em sua guerra, mas sem fazer qualquer compromisso em nome da Grã-Bretanha. Roosevelt sabia que a guerra iria alcançar seu próprio objetivo de levar a Grã-Bretanha à bancarrota e destruir o Império Britânico, e que o dólar americano herdaria a poderosa posição da libra britânica de ser a moeda reserva vigorando no mundo. Uma vez que Churchill tinha enredado a Grã-Bretanha na guerra, ela não poderia vencer por si própria, FDR começou a distribuir ajuda em troca de preços extremamente altos – por exemplo, 60 destróieres americanos desatualizados e em grande parte inúteis para as bases navais britânicas no Atlântico. FDR atrasou o Lend-Lease até que a desesperada Grã-Bretanha tivesse entregue US$ 22 bilhões de ouro britânico mais US$ 42 milhões em ouro que a Grã-Bretanha tinha na África do Sul. Então começou a venda forçada de investimentos britânicos mares afora. Por exemplo, a empresa de posse britânica Viscose Company, a qual valia US$ 125 milhões em 1940, que não tinha débitos e detinha US$ 40 milhões em títulos do governo, foi vendida para a Casa Morgan por US$ 37 milhões. Foi um tal ato de roubalheira que os britânicos acabaram conseguindo cerca de dois terços do valor da empresa para entregar a Washington em pagamento de munições de guerra. A ajuda americana estava também “condicionada à Grã-Bretanha desmantelar o sistema de preferência imperial ancorada no acordo de Ottawa de 1932.” Para Cordell Hull, o auxílio americano foi “uma faca para abrir a casca de ostra, o Império.” Churchill viu isso vindo, mas ele estava longe demais para fazer qualquer coisa a não ser pleitear com FDR: Seria errado, Churchill escreveu para Roosevelt, se “a Grã-Bretanha fosse despojada de seus bens vendáveis de modo que após a vitória ser feita com nosso sangue, a civilização salva, e o tempo ganho para os Estados Unidos estarem plenamente armados contra todas as eventualidades, nós devêssemos ficar despojados até o osso.

Um longo ensaio poderia ser escrito sobre como Roosevelt despiu a Grã-Bretanha de seus bens e poder mundial. Irving escreve que em uma era de gangsteres estadistas, Churchill não estava na liga de Roosevelt. A sobrevivência do Império Britânico não era uma prioridade para FDR. Ele considerava Churchill como um alvo de influência – pouco confiável e bêbado a maior parte do tempo. Irving relata que a política de DSR era pagar apenas o suficiente para dar a Churchill “o tipo de apoio que uma corda dá a um homem enforcado.” Roosevelt buscou “sua subversão do Império através da guerra.” Eventualmente Churchill percebeu que Washington estava em guerra com a Grã-Bretanha mais impetuosamente que estava Hitler. A grande ironia era que Hitler tinha oferecido a Churchill paz e a sobrevivência do Império. Quando ficou tarde demais, Churchill chegou à conclusão que o conflito com a Alemanha era uma guerra “muito desnecessária”. Pat Buchanan também vê isso nesta maneira também [2].

Hitler proibiu o bombardeio de áreas civis de cidades britânicas. Foi Churchill que iniciou este crime de guerra, mais tarde emulado pelos americanos. Churchill manteve o bombardeio de civis alemães em segredo do povo britânico e trabalhou para impedir a Cruz Vermelha do monitoramento de ataques aéreos de modo que ninguém soubesse que ele estava bombardeando áreas residenciais civis, não de produção para guerra. O propósito do bombardeamento de Churchill – primeiro as bombas incendiárias para colocar tudo em chamas, e então altos explosivos para impedir os bombeiros de controlar os incêndios – foi provocar um ataque alemão sobre Londres, o qual Churchill calculou que iria ligar o povo britânico à ele e criaria simpatia nos EUA pela Grã-Bretanha que ajudaria Churchill a puxar os Estados Unidos para a guerra. Um ataque britânico assassinou 50,000 pessoas em Hamburgo, e um subsequente ataque sobre Hamburgo causou a morte de 40.000 civis. Churchill também ordenou que gás venenoso fosse adicionado ao bombardeio incendiário nas áreas residenciais civis alemãs e que Roma fosse bombardeada até às cinzas. A força Área Britânica recusou ambas ordens. No final da guerra, os britânicos e americanos destruíram a bela cidade barroca de Dresden, queimando e sufocando 100,000 pessoas no ataque. Depois de meses de bombardeios incendiários sobre a Alemanha, incluindo Berlim, Hitler cedeu aos seus generais e respondeu na mesma moeda. Churchill foi bem-sucedido. A história veio a ser “a Blitz de Londres,” não a blitz britânica na Alemanha.

O Bombardeio ou Massacre de Dresden (leste da Alemanha) foi um crime cometido pelos aliados ocorrido entre 13 e 15 de fevereiro de 1945 quando a RAF (Royal Air Force) e a USAAF (United States Army Air Force) lançaram mais de 3.900 toneladas de bombas explosivas e incendiarias contra a cidade de Dresden, contra cerca de 600.000 moradores e mais 600.000 refugiados da guerra no leste contra os sovietes, mas nenhuma defesa militar. Este acontecimento pode ser considerado um verdadeiro Holocausto. Na sequência, Praga também ardeu em chamas da mesma forma. (Reprodução/Richard Peter/tate.org.uk/)

Como Hitler na Alemanha, Churchill assumiu a direção da guerra. Ele funcionava mais como um ditador que ignorou os serviços armados que como um ministro aconselhado pelos líderes militares do país. Ambos líderes podiam estar corretos nas avaliações dos oficiais comandantes deles, mas Hitler era um estrategista de guerra muito melhor que Churchill, para quem nada funcionava. A desventura de Churchill na Primeira Guerra Mundial em Gallipoli era então adicionada na introdução das tropas britânicas na Noruega, Grécia, Creta, Síria – todas falhas e decisões ridículas – e o fiasco de Dakar. Churchill também se virou sobre a França, destruindo a frota francesa e a vida de 1.600 marinheiros por causa de seu medo pessoal, infundado, que Hitler iria violar seu tratado com a França e confiscar a frota. Qualquer desses percalços churchillianos poderia ter resultado em um voto de não confiança, mas com Chamberlain e Halifax fora do caminho, não havia liderança alternativa. De fato, a carência de liderança é razão pela qual nem o gabinete nem os militares poderiam resistir a Churchill, uma pessoa de determinação de ferro.

Hitler também era uma pessoa de determinação de ferro, e ele desgastou a si próprio e a Alemanha com sua determinação. Ele nunca queria a guerra com a Inglaterra e França. Isso foi atividade de Churchill, não de Hitler. Como Churchill, que tinha o povo britânico atrás dele, Hitler tinha o povo alemão atrás dele, porque ele se pois de pé pela Alemanha e tinha reconstruído a Alemanha do estupro e ruína do Tratado de Versalhes. Mas Hitler, não um aristocrata como Churchill, mas de origens baixas e ordinárias, nunca teve a lealdade de muitos dos oficiais militares prussianos aristocráticos, aqueles com “von” antes do nome deles. Ele estava aflito com traidores na Abwehr, sua inteligência militar, incluindo seu diretor, o almirante Canaris. Na frente russa no último ano, Hitler foi traído por generais que abriram avenidas para os russos para dentro da indefesa Berlim.

Os piores erros de Hitler foram sua aliança com a Itália e sua decisão de invadir a Rússia. Ele também se enganou ao permitir os britânicos irem para Dunquerque. Ele os deixou ir porque não queria arruinar a chance de terminar a guerra ao humilhar os britânicos pela derrota do inteiro exército deles. Mas com Churchill não existia chance para paz. Ao não destruir o exército britânico, Hitler impulsionou Churchill, que transformou a evacuação em britânicos heroicos que sustentaram a vontade de lutar.

Não é claro por que Hitler invadiu a Rússia. Uma possível razão é a informação pobre ou intencionalmente enganosa da Abwehr sobre a capacidade militar russa. Hitler mais tarde disse aos seus associados que ele nunca teria invadido se ele tivesse conhecido o enorme tamanho do exército russo e a extraordinária capacidade dos soviéticos de produzir tanques e aeronaves [3]. Alguns historiadores têm concluído que a razão de Hitler ter invadido a Rússia era que ele concluiu que os britânicos não concordariam em terminar a guerra porque eles esperavam a Rússia entrar na guerra ao lado da Grã-Bretanha. Portanto, Hitler decidiu impedir essa possibilidade conquistando a Rússia. Um russo tem escrito que Hitler atacou porque Stalin estava preparando para atacar a Alemanha [4]. Stalin teria consideráveis forças bem avançadas, mas faria mais sentido para Stalin esperar até o Ocidente devorar a si próprio em mútua sangria, dando passo adentro depois e pegando tudo que ele queria. Ou talvez Stalin estava posicionando-se para ocupar parte da Europa Oriental afim de colocar mais espaço entre a União Soviética e Alemanha.

Qualquer que tenha sido a razão para a invasão, o que derrotou Hitler foi o mais precoce dos invernos russos em 30 anos. Parou tudo em seus caminhos antes do bem planejado e bem-sucedido cerco pudesse ser completado. O rigoroso inverno que imobilizou os alemães deu tempo para Stalin se recuperar.

Soldados alemães cobertos de neve e gelo durante o inverno na União Soviética, 27 de março de 1944 | Foto: Hulton Archive/Getty Images

Por causa da Aliança de Hitler com Mussolini, que carecia de uma efetiva força de combate, os recursos necessários para a frente de combate russo foram duas vezes drenados para resgatar a Itália. Por causa das desventuras de Mussolini, Hitler teve de drenar tropas, tanques e aeronaves da invasão russa para resgatar a Itália na Grécia e no norte da África, e ocupar Creta. Hitler fez este erro por lealdade a Mussolini. Mais tarde na guerra quando os contra-ataques russos estavam empurrando os alemães para fora da Rússia, Hitler teve que desviar recursos militares preciosos para resgatar Mussolini de ser preso e ocupar a Itália para impedir sua rendição. A Alemanha simplesmente carecia de recursos militares e força humana para lutar em uma frente russa de 1600 quilômetros, e também na Grécia e Norte da África, ocupar parte da França, e defender homens contra a invasão americana-britânica da Normandia e Itália.

O exército alemão era uma força de combate magnífica, mas estava sobrecarregado por muitas frentes, muito pouco equipamento, e comunicações descuidadas. Os alemães nunca pegaram apesar de muitas evidências que os britânicos podiam ler sua criptografia. Assim, os esforços para abastecer Rommel no norte da África foram impedidos pela marinha britânica.

Irving nunca diretamente aborda em nenhum livro o Holocausto. Ele documenta o massacre de muitos judeus, mas o quadro que emerge da evidência fatual é que o holocausto do povo judeu era diferente da história oficial sionista.

Nenhum plano alemão, ou ordens de Hitler, ou de Himmler ou de qualquer outra pessoa jamais foram encontradas para um holocausto organizado por gás e cremação de judeus. Isto é extraordinário, pois um uso massivo de recursos e transporte iria ter requerido organização, orçamento e recursos massivos. O que os documentos mostram é o plano de Hitler para realocar os judeus europeus para Madagascar após o fim da guerra. Com o sucesso inicial da invasão na Rússia, este plano foi alterado para enviar os judeus europeus para os bolcheviques judeus na parte oriental da Rússia que Hitler deixaria para Stalin. Existem ordens documentadas dadas por Hitler que impedem massacres de judeus. Hitler disse repetidamente que “o problema judaico [5]” seria resolvido depois da guerra.

Parece que a maioria dos massacres sobre judeus foram cometidos por administradores políticos alemães dos territórios ocupados do leste para os quais judeus da Alemanha e França foram enviados para realocação. Ao invés de lidar com a inconveniência, alguns dos administradores os alinharam e atiraram em trincheiras abertas. Outros judeus foram vítimas dos aldeões russos que há muito sofriam com os administradores judaico-bolcheviques.

Os “campos da morte” eram, de fato, campos de trabalho. Auschwitz, por exemplo, hoje um museu do Holocausto, foi um local da fábrica de borracha artificial essencial para a Alemanha. A Alemanha estava desesperada por uma força de trabalho. Uma significante porcentagem do trabalho alemão de produção para a guerra tinha sido liberada para o Exército para preencher os buracos nas linhas alemãs da frente de batalha russa. Os locais de produção de guerra, tais como Auschwitz, tinham como força de trabalho refugiados deslocados de seus lares pelo conflito, judeus para serem deportados depois do fim da guerra, e qualquer um mais que pudesse ser forçado ao trabalho. A Alemanha desesperadamente necessitava de qualquer força de trabalho que ela pudesse conseguir.

Cada campo tinha crematórios. O propósito deles não era exterminar populações, mas eliminar os mortos pelo flagelo do tifo, mortes naturais, e outras doenças. Refugiados eram de todas as partes, e eles traziam doenças e germes com eles. As horríveis fotos de massas de corpos mortos esqueléticos que são ditas serem evidência do extermínio organizado dos judeus são de fato de internos dos campos que morreram de tifo e de fome nos últimos dias da guerra quando a Alemanha estava desorganizada e desprovida de remédios e alimentos para os campos de trabalho. Os grandes e nobres vitoriosos ocidentais eles mesmos bombardearam os campos de trabalho e contribuíram para as mortes dos internos.

Os dois livros sobre os quais eu tenho relatado totalizam 1.663 páginas, e existem dois mais volumes da biografia de Churchill. Esta massiva e historicamente documentada informação parecia provável de ir parar no porão da história, por ser inconsistente tanto para com a auto justificação do Ocidente como para o capital humano dos historiadores da corte. Os fatos são muito caros para serem conhecidos. Mas os historiadores têm começado a adicionar suas próprias contas as informações descobertas por Irving. É preciso um bravo historiador para elogiá-lo, mas eles podem citá-lo e plagiá-lo.

É incrível quanto poder os sionistas obtiveram do Holocausto. Norman Finkelstein chama isso de Industria do Holocausto”. Existe uma ampla evidência que judeus junto com muitos outros sofreram, mas sionistas insistem que foi uma experiência única limitada aos judeus.

Em sua introdução de Hitler’s War [6], relata que apesar das vendas amplas de seu livro, o elogio inicial dos historiadores e o fato de que o livro era leitura obrigatória nas academias militares de Sandhurst à West Point;

[…] eu tive minha casa destruídas por bandidos, minha família aterrorizada, meu nome manchado, meus publicadores bombardeados, e eu mesmo preso e deportado pela minúscula e democrática Áustria – um ato ilegal, decidiram seus tribunais, pelo qual os culpados ministeriais foram punidos; a pedido de acadêmicos descontentes e cidadãos influentes [sionistas], nos anos subsequentes, eu fui deportado do Canadá (em 1992), e recusado a entrar na Austrália, Nova Zelândia, África do Sul e outros países civilizados ao redor do mundo. Grupos afiliados internacionalmente circularam cartas para os bibliotecários, pedindo para este livro ser retirado das prateleiras deles.”

Tanto pelo livre pensamento e verdade no mundo ocidental. Nada é tão pouco considerado no Ocidente como o livre pensamento, livre expressão, e verdade. No Ocidente as explicações são controladas para avançar as agendas dos grupos de interesse dominantes. Conforme Irving tem aprendido, ai de qualquer um que ficar no caminho.

Tradução por Mykel Alexander, escritor do Blog World Traditional Front

Fonte (original em inglês): Paul Craig Roberts – Institute for Political Economy

Fonte traduzida: World Traditional Front

Publicado originalmente em 13/05/2019.

Notas:

[1] Fonte utilizada pelo autor: “The Lies That Form Our Consciousness and False Historical Awareness”, Paul Craig Roberts – Institute for Political Economy, 09/05/2019

Nota do tradutor: Em português: “As mentiras que formam nossa consciência e a falsa consciência histórica” – por Paul Craig Roberts”, Paul Craig Roberts, World Traditional Front, 05/06/2019.

[2] Fonte utilizada pelo autor: Patrick J. Buchanan, Churchill, Hitler, and “The Unnecessary War”: How Britain Lost Its Empire and the West Lost the World, Crown Forum, 2008, primeira edição.

[3] Nota do tradutor: O jornalista mexicano Salvador Borrego, que acompanhou passo a passo o início, desenvolvimento e conclusão da Segunda Guerra Mundial, observou que, conforme também menciona Paul Craig Roberts, o serviço secreto alemão (Abwehr) estava infiltrado. Um nome de um infiltrado é justamente o Almirante Wilhelm Canaris, e que em muitos setores a desinformação contaminava os relatórios alemães, de modo que a Alemanha, com 145 divisões preparadas para enfrentar a URSS, estimou menor, 300 divisões, do que era de fato o exército soviético com 460 divisões, na ocasião do início da guerra germano-soviética em 1941. Ver Salvador Borrego, Derrota Mundial (esta obra saiu já em várias edições desde os anos da década 1950), subcapítulo “Carne de Cañón para Frenar el Golpe Contra la URSS”.

A partir dos anos da década 1980, Vladimir Bogdanovich Rezun (nome de pena Viktor Suvorov), da Academia Diplomática Militar russa escreveu várias obras corroborando as pesquisas de Salvador Borrego.

[4] O mesmo Salvador Borrego também chegou a mesma conclusão, conforme ele mesmo observou. A URSS tinha em 1939, 65 divisões na frente ocidental na direção da Alemanha, em 1940 o número de divisões soviéticas aumentou para 153 divisões. Em 1941 a URSS possuía 160 divisões nas fronteiras em direção à Alemanha, mais 140 divisões situadas na retaguarda mais profundamente, além das reservas complementares que somavam cerca de 100 divisões, e a incessante produção militar que se ocupava em alimentar as fileiras soviéticas, as quais alcançariam 500 divisões se Hitler, com suas 145 divisões na frente soviética não iniciasse a invasão. Ver Salvador Borrego, Derrota Mundial, subcapítulo “La más grande lucha em la historia de las armas”.

[5] Nota do tradutor: Logo em 1933, no ano que Adolf Hitler entra no poder, as lideranças da Alemanha de Hitler entraram num acordo com as lideranças judaicas sobre um esforço mútuo de ambas partes para encontrar um território para formar o Estado judaico. Ver “Zionism and the Third Reich”, Mark Weber, em The Journal of Historical Review, Julho-Agosto de 1993 (Vol. 13, Nº. 4), páginas 29-37.

Todavia, as relações deterioraram principalmente por correntes judaicas contrárias com o projeto sionista moderno original, o do judeu Theodor Herzl, pois seria um Estado que acolheria os judeus do mundo, não mais os judeus ocupando os importantes postos nas diversas nações em que vivem, condição conhecida como Diáspora. Ver “Conversa direta sobre o sionismo – o que o nacionalismo judaico significa”, Mark Weber, em World Traditional Front, 19/05/2019.

[6] Ver “A Guerra de Hitler”, David Irving, em World Traditional Front, 20/04/2019.

Siga em:

Paul Craig Roberts

Paul Craig Roberts (1939 – ) licenciou-se em Economia no Instituto Tecnológico da Geórgia e doutorou-se na Universidade da Virgínia. Como pós-graduado frequentou a Universidade da Califórnia, a Universidade de Berkeley e a Faculdade Merton, da Universidade de Oxford. De 1981 a janeiro de 1982 é nomeado Secretário de Estado do Tesouro para a política econômica da gestão de Ronald Reagan. Foi Distinto Investigador do Instituto Cato entre 1993 e 1996. Foi também Investigador Sênior do Instituto Hoover.

Entre seus livros estão:

The New Color Line: How Quotas and Privilege Destroy Democracy (1995);

The Tyranny of Good Intentions: How Prosecutors and Bureaucrats Are Trampling the Constitution in the Name of Justice (2000, e segunda edição 2008);

How America was Lost. From 9/11 to the Police/Warfare State (2014).
Paul Craig Roberts
Siga em:
Nos ajude a espalhar a palavra:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.