Otto Strasser sobre o marxismo em seu tempo

Trecho do livro do líder nacionalista alemão Otto Strasser “Deutschland von morgen” [Alemanha do Amanhã].

[…] Para nós, nacional-socialistas, é claro, não há dúvida de que o marxismo é uma invenção do “judeu Marx” especialmente concebido para levar os trabalhadores alemães ao erro ou mesmo à pobreza. Mas, para nós, o marxismo é um socialismo liberal e estrangeiro, uma doutrina cujos fatores liberais necessariamente o tornam impróprio para a construção do futuro socialista (isto é, conservador), e cujo programa não pode deixar de envolvê-lo no declínio do liberalismo. Isso se aplica tanto ao marxismo constitucional do SPD [Partido Socialdemocrata da Alemanha] quanto ao marxismo “revolucionário” do KPD (Partido Comunista Alemão), como é demonstrado de forma bastante convincente pelo fato de que o SPD não é menos hostil ao nacional-socialismo do que o KPD.

Não havia nada basicamente “errado” sobre esse alienismo liberal. Deveu-se simplesmente ao fato de que o anseio pelo socialismo começou a encontrar expressão em uma época em que a ideia do ego, ou seja, o liberalismo estava em ascensão. Nessas circunstâncias, a luta socialista dos trabalhadores deveria enfrentar uma derrota inevitável (como a Guerra dos Camponeses de 1525 foi derrotada porque então, da mesma forma, o liberalismo era a favor), ou então se adaptar às ideias liberais dominantes.

 

Graças a Marx, Engels, Kautsky, etc., (todos liberais típicos tanto por origem como por natureza) o socialismo tomou o caminho liberal para o alienismo, como foi claramente mostrado por sua relação com a Internacional, suas táticas de guerra de classes e sua filosofia materialista.

Por essa razão, e apenas por essa razão, será impossível para o marxismo desempenhar um papel formador no desenvolvimento vindouro, e por isso o marxismo estará envolvido no declínio do liberalismo.

O autor intencionalmente deixou os parágrafos anteriores exatamente como foram escritos em 1931, a fim de mostrar como a verdade do que ele escreveu foi confirmada por fatos subsequentes. A catástrofe dos partidos marxistas na Itália, Alemanha e Áustria – em parte também na Espanha – só é compreensível quando percebemos que foi a consequência fatídica do desaparecimento da ideia liberal e de suas formas associadas. Pois nem as diferenças de estratégia elaboradas pelo marxismo em suas duas principais tendências, o comunismo e a socialdemocracia, nem as diferenças nas táticas praticadas pelo marxismo durante suas lutas de morte na Alemanha e na Áustria, fizeram algo para salvá-lo de seu destino.

 

Além disso, se contemplarmos a posição dos partidos marxistas nos outros países da Europa, veremos que nem em sua forma revolucionária nem em sua forma reformista o marxismo desempenha qualquer papel decisivo nos acontecimentos europeus. (Neste contexto, é interessante notar que o papel que os partidos marxistas ainda desempenham é diretamente proporcional ao seu apego à nação, e que, de acordo com isso, as numerosas e bem-vindas tentativas de renovação do marxismo necessariamente começam com uma investigação renovada sobre a relação entre a nação e os trabalhadores). [1]

No entanto, em vista do fato de que “Luta contra o marxismo” se tornou uma palavra de ordem moderna, parece-me justo e decente apontar o quanto o movimento operário marxista alcançou em nome das grandes massas do povo, e especialmente para sublinhar a importância dos sindicatos.

Mas o conhecimento e a admissão dessas coisas tornam ainda mais necessários indagar por que o marxismo foi um fracasso político, e aqui não estou tão preocupado com as cisões mínimas sobre a teoria marxista quanto com a prática política dos partidos marxistas. É isso que deve ser mantido acima de tudo no centro das atenções durante as investigações que se seguem.


STRASSER, Otto. Deutschland von morgen, p. 126-128. Disponível na web em Alerta Nacionalista (blog)


Nota

[1] C.f. o livro “Volk mid Arbeiter”, de Wenzel Jaksch, um socialdemocrata alemão dos Sudetos.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Quer receber nossas notificações?    SIM! Não, obrigado (a)