fbpx
Oswald Mosley sobre Cristo, Nietszche e Cézar

A seguir temos um discurso que Sir Oswald Mosley fez à União de Língua Inglesa em 1933. Ele é parcialmente reproduzido em seu livro “My Life”, e aparece em oswaldmosley.com. Nele, Mosley responde à alegação de que o fascismo carece de uma base histórica e intelectual.

Nossos oponentes alegam que o fascismo não tem antecedentes ou filosofia históricos, e é minha tarefa, esta tarde, sugerir que o fascismo tem raízes profundas na história e foi sustentado por alguns dos melhores voos da mente especulativa. É claro que estou ciente de que não há muita filosofia ligada às nossas atividades nas colunas da imprensa diária. No entanto, acredito que você acreditará que esses grandes espelhos da mente do público nem sempre oferecem uma reflexão muito precisa, e enquanto você apenas lê os momentos mais emocionantes do nosso progresso, ainda existem outros momentos que têm alguma profundidade de pensamento e concepção construtiva.

Acredito que a filosofia fascista possa ser expressa em termos inteligíveis e, embora faça uma contribuição totalmente nova ao pensamento dessa época, ainda é possível demonstrar que deriva tanto sua origem quanto seu apoio histórico do pensamento estabelecido do passado.

RECEBA NOSSOS LIVROS EM CASA

 

Em um primeiro momento, sugiro que a maioria das filosofias de ação deriva de uma síntese de conflitos culturais em um período anterior. Onde, em uma era de cultura, de pensamento e de especulação abstrata, você encontra duas grandes culturas em antítese aguda, em geral encontra, na era de ação seguinte, alguma síntese em prática entre essas duas antíteses afiadas que leva a um credo prático. de ação.

Eu sugeriria a você que, no século passado, a grande luta intelectual surgiu do tremendo impacto do pensamento nietzschiano na civilização cristã de dois mil anos. Esse impacto foi realizado muito lentamente. Suas implicações completas só hoje estão se desenvolvendo. Mas, voltando para onde você estiver no pensamento moderno, encontrará os resultados dessa luta pelo domínio da mente e do espírito do homem. Não sou eu mesmo afirmando o caso contra o cristianismo, porque vou lhe mostrar como acredito que as doutrinas nietzschianas e cristãs são capazes de síntese.

Por um lado, você encontra no fascismo, tirado do cristianismo, tirado diretamente da concepção cristã, a imensa visão de serviço, de autoabnegação, de autosacrifício na causa de outros, na causa do mundo, na causa do seu país; não a eliminação do indivíduo, mas a fusão do indivíduo em algo muito maior que ele; e você tem essa doutrina básica do fascismo, serviço, entrega-se àquilo que o fascista deve conceber como a maior causa e o maior impulso do mundo. Por outro lado, você vê que Nietzsche achava que a virilidade, o desafio a todas as coisas existentes que impedem a marcha da humanidade, a absoluta abnegação da doutrina da rendição; a firme capacidade de lidar com e superar todas as obstruções. Você tem, de fato, a criação de uma doutrina de homens vigorosos e de autoajuda, que é a outra característica marcante do fascismo.

No momento de uma grande crise mundial, uma crise que, no final, inevitavelmente se aprofundará, um movimento emerge de um pano de fundo histórico que torna sua emergência inevitável, carregando certos atributos tradicionais derivados de um passado muito glorioso, mas enfrentando os fatos de hoje, armado com os instrumentos que somente esta era já conferiu à humanidade. Por essa nova e maravilhosa coincidência de instrumento e de evento, os problemas da época podem ser superados e o futuro pode ser assegurado em uma estabilidade progressiva. Possivelmente, esta é a última grande onda do imortal, o movimento cesariano eternamente recorrente; mas com a ajuda da ciência e com a inspiração da mente moderna, essa onda levará a humanidade para outra margem.


Tradução de Alerta Nacionalista


RECEBA NOSSOS LIVROS EM CASA

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Quer receber nossas notificações?    SIM! Não, obrigado (a)