fbpx

Após uma série de casos em que foram descobertos sites de pornografia que hospedavam vídeos que retratavam estupros de meninas menores (em alguns casos, as plataformas se recusaram a retirar os vídeos), cerca de 2 milhões já assinaram uma petição para retirar uma variedade de pornografia sites e processaram seus executivos por tráfico humano (este escândalo culminou recentemente em um boicote ao Pornhub por Mastercard e Visa). Em resposta ao sentimento cada vez maior contra a pornografia, publicações da mídia convencional e alguns periódicos acadêmicos lançaram uma campanha para difamar o movimento antipornografia por encorajar o “antissemitismo” e “teorias da conspiração antissemitas”.

Em um artigo expondo as “raízes de extrema-direita de #NoNutNovember“, a Rolling Stone descreve um grande segmento do movimento antipornografia como “uma pequena e assustadora miscelânea de ódio impulsionado pela insegurança com antissemitismo, misoginia e homofobia. “alimentado pela teoria da conspiração de que os judeus dominam a indústria pornográfica e usam a pornografia como forma de controlar os homens brancos”. O artigo também afirma que “a ideologia antimasturbação tem sido historicamente usada como uma ferramenta por figuras fascistas para obter controle social”, manipulando homens sexualmente reprimidos por meio da vergonha social. O New York Times também chamou a atenção para esta perigosa “teoria da conspiração”, que eles acreditam estar contribuindo para “o recente aumento de crimes de ódio”. Vigilantes do antissemitismo e jornais judeus como o Jerusalem Post ficaram apopléticos quando um afiliado da Al-Jazeera alegou que os judeus criaram e controlam a indústria pornográfica porque “odeiam a Cristo”.

Kristoff Kerl resume a questão no jornal Studies in American Jewish Literature. De acordo com Kerl, a ridícula “fantasia” de uma conspiração judaica por trás da pornografia, que é irracionalmente promovida por grupos de ódio de extrema-direita, é a seguinte: os judeus usam a pornografia para “erodir a ordem supostamente ‘natural’ da supremacia branca para subverter”… “Sexualidade cristã”, para engendrar uma “mudança na orientação sexual provocada pela pornografia”… [e causar uma] crise reprodutiva para a “raça branca”, para promover a miscigenação e aumentar os desejos sexuais dos homens de cor ou judeus machos pelas mulheres brancas e, finalmente, como uma técnica de guerra psicológica para tranquilizar e pacificar os homens brancos. [1]

As senhoritas protestam demais?

A resposta é sim, apesar dos protestos dos artigos acima. Todas essas “fantasias” antissemitas podem ser comprovadas. Ainda mais, todas essas alegações podem ser provadas, direto da boca do cavalo, citando pornógrafos judaicos exultantes. Muitas dessas reivindicações se originaram com os próprios judeus, não com os antissemitas. Muitos pornógrafos e estudiosos judeus admitem abertamente que os judeus se envolvem na produção e disseminação de pornografia para subverter e destruir a cultura gentia. Em primeiro lugar, vamos estabelecer a enorme presença judaica na indústria pornográfica para que qualquer alegação em contrário possa ser rejeitada desde o início.

Pornografia como indústria judaica

Kerl reconhece em seu artigo que os mais notórios pornógrafos da história americana – Ruben Sturman e Steven Hirsch – são judeus. Conhecidos respectivamente como “Walt Disney of Porn” e “Donald Trump of porn”, os dois possuíam o título de distribuidores principais de pornografia na América. Sturman construiu seu império pornográfico enquanto fugia do FBI e, depois de morrer como o estereotipado mafioso judeu ganancioso em uma prisão federal, ele passou os negócios da família para seu filho, David. Hirsch ainda está vivo. Ele é dono da Vivid Entertainment, a maior rede pornô do mundo hoje.

Seth Warshavsky, um judeu polonês-americano conhecido por ser o pioneiro da pornografia na Internet, é chamado de “a face pública da pornografia online“. David F. Friedman fundou a Adult Film Association of America. William Margold era um diretor pornô, ativista e diretor da Free Speech Coalition, uma associação comercial que defende a defesa da indústria de filmes adultos. Paul Fishbein, Irv Slifkin e Barry Rosenblatt possuem AVN Media, e Mark Spiegler possui a Spiegler Girls (Spiegler também possui o domínio do site de pedófilos NAMBLA, de acordo com vazamentos do agora extinto Porn Wikileaks). Mais notáveis ​​proprietários de estúdios judeus e magnatas da indústria adulta são Seymore Butts, John Stagliano, Phil Harvey, Joe Francis, Winston Wolf, Gary Cremin, Bruce J. Friedman, Cable Rosenberg, Mike Kulich e Greg Lansky (Mark Collett tem um resumo aqui).

Luke Ford nos mostra outra lista (Arquivos dos ensaios de Ford podem ser encontrados aqui https://lukeford.net/blog/?p=103821): Ron Braverman, John Bone, Wesley Emerson, Herbert Feinberg, Hank Weinstein, Lenny Friedlander, Bobby Hollander, Rubin Gottesman, Fred Hirsch (Steven Hirsch’s father), Paul Apstein, Steve Orenstein, Jack Richmond, Theodore Rothstein, Ron Sullivan, Jerome Tanner, Armand Weston, and Sam and Mitch Weston. Additionally, Judeus também foram à maioria dos atores dos anos 70 e 80… Incluem Buck Adams, Bobby Astyr, (Bobby Charles) R. Bolla (Robert Kerman), Jerry Butler (Paul Siderman), Seymore Butts (Adam Glasser), Roger Caine (Al Levitsky), David Christopher (Bernie Cohen), Steve Drake, Jesse Eastern, Jamie Gillis (Jamie Gurman), Ron Jeremy (Hyatt), Michael Knight, William Margold, Ashley Moore (Steve Tucker), David Morris, George Payne, Ed Powers (Mark Arnold aka Mark Krinski), Harry Reems (Herbert Streicher), Dave Ruby. [2]

Corroborando isso, o pornógrafo judeu Michael Kulich afirmou em uma entrevista de 2015 que “a indústria adulta foi basicamente fundada pelos judeus” e que hoje “todos os proprietários de negócios são praticamente judeus ou têm laços judaicos ou em algum momento trabalharam para um Judeu”.

E a Playboy? Embora Hugh Hefner não fosse judeu, Nat Lehrman – um dos editores sênior da [revista] Playboy – admite que toda “toda a equipe, praticamente, era judia”. [3] Gloria Leonard, que se descreve como “uma boa garota judia do Bronx”, Inventou as linhas de sexo por telefone e fundou a revista pornográfica de Hardcore High Society. [4] Outro exemplo interessante pode ser encontrado no recente documentário da Netflix, Circus of Books [‘Atrás da Estante’, na versão brasileira], que celebra a vida de um “belo casal judeu” que secretamente fornecia toda a pornografia gay em Los Angeles de um quarto secreto nos fundos de sua livraria durante os anos 80. [5]

O “simpático ator pornô judeu” Ron Jeremy (que estudou em uma escola hebraica) explicou que uma das razões para a presença avassaladora de judeus na indústria pornográfica é porque “as famílias judias tendem a ser mais liberais do que as cristãs”. [6] Pergunte ao produtor pornô judeu Seymore Butts, outro grande motivo é o nepotismo judeu (que é também como Jeremy se lançou em sua carreira): “se quatro pessoas competirem por um emprego, e três delas forem goyim [gentios], o judeu, todas as coisas sendo igual, conseguirá o emprego. É assim que eu trabalho. Se eu tiver três atores fazendo um papel, e um deles é judeu, e eles estão todos na mesma posição… Processe-me”. [7]

[carousel_slide id=’23543′]

 

O que se segue é um trecho de uma entrevista com um pornógrafo anônimo:

D: […] Você é bem-vindo na cena pornô, é inacreditável. É uma grande família.

N: Sim, é uma grande família.

D: Na verdade, ela quase se sente como se estivesse indo para um clube de campo para menores. Muitos judeus envolvidos com isso. Ela está apenas se divertindo. [Risos]. Vocês se encontram nos sets e não se veem há alguns meses, e é como parentes há muito perdidos em uma reunião de família. [8]

A indústria pornográfica é uma grande família judia. Os judeus se sentem em casa na indústria adulta e, portanto, as publicações judaicas celebram os membros de sua comunidade que “se destacaram na pornografia”. O diretor pornô James Deen, que deu muitas entrevistas para a publicação judaica Haaretz e para o Jewish Daily Forward, chegou a dizer que sua identidade judaica influencia seu trabalho:

Eu nunca acreditei realmente na fé em Deus, mas o que eu realmente gostei foi o movimento sionista, a cultura por trás dele, a comunidade… Eu me identifico com o Judaísmo como cultura. E essa cultura me encorajara a aprender, fazer perguntas e lutar pelo conhecimento. Eu sei como fotografar, iluminar e editar, porque estou sempre tentando me empenhar pelo conhecimento no trabalho. Não acho que teria esse tipo de mentalidade se não tivesse minha educação judia.

Na mesma entrevista, quando questionado se ele é algum modelo de comportamento judaico na indústria, ele respondeu:

Eu não entro em um lugar e penso que sou judeu ou quem mais lá é judeu, eu preciso trabalhar com eles. O respeito vai universalmente a todas as raças, credos, cores, religiões, tudo. Os judeus sabem que somos melhores do que todos – isso é tudo que importa. É verdade que somos o povo escolhido; é um fato. [9]

O artigo da Rolling Stones mencionado acima tenta afastar a aparente conexão entre judeus e pornografia, apontando que o CEO da MindGeek, “Feras Antoon, não parece ser judeu”. MindGeek é a enorme multinacional guarda-chuva que possui os principais sites de hospedagem de pornografia, como o Pornhub. Surgiu durante o início de 2000 no “Vale do Silício do Norte” de Montreal, ao lado de outros monopólios de tecnologia como Facebook, Google e YouTube. Embora Antoon não seja identificado como judeu, o artigo da Rolling Stone se esquece de mencionar que o COO, David Marmorstein, é. Além disso, o monopólio da MindGeek se deve em grande parte a uma conexão que o proprietário anterior tinha com a empresa de Wall Street Colbeck Capital Management – dirigida por ex-executivos do Goldman Sachs – que concedeu à empresa um empréstimo de $ 362 milhões em 2011. Se os executivos seniores da Colbeck Management, Jason Colodne e Jason Beckman não são judeus, eles têm conexões sérias com judeus, pois assinaram a ketubah de Ryan Kavanaugh (o presidente da Warner Bros. Pictures), ou seja, o documento de casamento judeu, para um de seus casamentos.

Uma selfie postada por um gerente de mídia social do Pornhub exibe uma estrela de David pendurada no fundo do escritório.

Os pornógrafos judeus e as organizações judaicas também foram fundamentais na legalização da pornografia nos Estados Unidos. Por exemplo, o demandante judeu Samuel Roth (que escreveu Jews Must Live, que descreve o ódio dos judeus aos gentios e à cultura gentia) é creditado por esticar a definição legal do que constitui obscenidade no caso Roth v. Estados Unidos (1957), argumentando que o material obsceno deve ser protegido pela Primeira Emenda. Embora o tribunal tenha decidido contra Roth, foi provocado a redefinir a obscenidade como “material que lida com sexo de uma forma que apela a interesses lascivos”. [10] Esta definição mais tarde se tornaria a base para o teste de Miller, que se tornou o teste da Suprema Corte por definir material obsceno após o caso contra o demandante judeu Marvin Miller em Miller v. Califórnia (1973).

Notáveis ​​pornógrafos judeus, como Al Goldstein, mais tarde venceriam os processos por obscenidade explorando o texto do teste de Miller. Por exemplo, Goldstein se gaba em sua autobiografia sobre derrotar promotores de obscenidade ao “colocá-los na posição de ter que admitir que estivessem com excitação” para provar se seu material “apelava para o interesse lascivo” ou não. [11] Ao lado de outros dois casos de obscenidade de alto perfil contra o pornógrafo Larry Flynt e o ator judeu Harry Reems, os precedentes obtidos por Goldstein efetivamente impediram a capacidade de fazer condenações por obscenidade e pavimentaram o caminho para a normalização da pornografia hardcore. Goldstein mais tarde se gabou:

O que faz Al Goldstein? Al Goldstein é uma lenda do caralho. Quantas pessoas legalizaram a pornografia? Quer dizer, a porra do Fishbein está perdendo o ritmo, e Ron Jeremy está se perdendo. Eu mudei a lei.

Quanto a Larry Flynt, embora Flynt não seja judeu, ele foi um doador notável para a Liga Anti-Difamação (ADL). Embora a ADL seja uma das principais organizações que lideram a censura do discurso de ódio em plataformas de mídia social e no nível do governo federal, a ADL também tem um histórico de apoio à liberdade de expressão para pornógrafos. A ADL não acredita que a Primeira Emenda deva proteger o discurso que critica os judeus, mas acredita que a Primeira Emenda deveria proteger os pornógrafos. A ADL também concedeu a Hugh Hefner “seu American Freedom Award em um jantar dançante da moda black-tie” em 1980, elogiando Hefner porque “o império que ele fundou teve um impacto de longo alcance, não apenas na indústria editorial, mas nos costumes da sociedade americana também”. [12] Além disso, Abe Foxman – ex-diretor Nacional da ADL – elogiou os judeus na indústria da pornografia como americanos paradigmáticos: “Aqueles judeus que entram na indústria da pornografia o fizeram como indivíduos perseguindo o sonho americano”. [13]

[carousel_slide id=’23571′]

 

Luke Ford diz que  “a Publishers Weekly me criticou por essa ‘generalização ofensiva’ sobre os judeus, mas é verdade. Os big masters [na indústria da pornografia] são judeus”. [14] O professor Nathan Abrams lamenta que “o 350º aniversário da chegada dos judeus aos Estados Unidos não incluiu nenhuma celebração da inovação judaica neste campo… por que temos vergonha do papel dos judeus na indústria pornográfica? Podemos não gostar, mas o papel judaico neste campo tem sido significativo e é hora de escrever sobre isso seriamente”. [15]

Os judeus representam cerca de 2% da população americana, mas eles têm uma representação excessiva na indústria pornográfica. A indústria pornográfica pode ser razoavelmente caracterizada como uma indústria exclusivamente judaica – irônico, visto que a pornografia foi proibida em Israel porque causa “grande dano às crianças“. Como escreve Benjamin Garland, “dizer que a indústria da pornografia é judaica é como dizer que o céu é azul”.

Portanto, a questão não é se a indústria pornográfica é judia ou não. A questão é por quê. E uma das razões é inquestionavelmente subverter e destruir a cultura e civilização branca e ocidental.

Conforme mencionado antes, há muitas evidências que sugerem que os judeus veem e usam a pornografia como uma arma. Uma evidência muito inequívoca foi fornecida pelas IDF [Forças de Defesa de Israel] em 2002. Depois de ocupar a cidade de Ramallah, na Cisjordânia, as forças de ocupação israelenses apreenderam as estações de televisão locais e começaram a transmitir pornografia pesada para “choque psicológico” e desmoralizar os residentes. A distribuição de pornografia pesada pode ser mostrada para atingir um fim semelhante na América e na Europa Ocidental.

Estudiosos judeus como o professor Abrams descreveram a indústria pornográfica como uma extensão do ataque sexual revolucionário à cultura ocidental liderado por judeus marxistas como Wilhelm Reich e Herbert Marcuse, que inspiraram muitos dos pornógrafos judeus na vanguarda da legalização da pornografia durante os anos 70. Tal pornógrafo judeu lembra-se de ir a estúdios de pornografia com “my hair down to my ass”, uma cópia de Sexual Revolution de Wilhelm Reich debaixo do braço e gritando sobre o trabalho, “love and sex”. [16] Em Intelectuais e ativistas marxistas judeus, há um traço inconfundível, consistente e vicioso de hostilidade em relação à religião, moralidade sexual convencional e fortes famílias gentias. A identidade judaica desses intelectuais e suas atitudes antifamília não são coincidentes: essas figuras judias conscientemente identificadas como judias e viam a aniquilação das instituições sociais conservadoras como sendo do interesse da comunidade judaica em geral, porque acreditavam que isso seria tornar a sociedade resistente ao antissemitismo. Esses movimentos ilustram por que os judeus veem a promoção da decadência sexual como benéfica para a comunidade judaica e como a comunidade judaica vê a pornografia como uma arma cultural. Para nossa discussão, os notáveis ​​nesse movimento remontam pelo menos ao início do século XX, começando com o filósofo marxista György Lukács.

Antecedentes revolucionários

Georg Bernard Baron Lukács von Szegedin – abreviado György Lukács – era filho de um rico banqueiro de investimentos judeu, um barão por herança no antigo Império Austro-Húngaro e um dos intelectuais marxistas mais influentes do início do século XX. Em maio de 1919, após a Revolução Bolchevique Húngara e o estabelecimento da República Soviética Húngara de Béla Kun (também filho de uma rica família judia), Lukács foi nomeado Comissário do Povo para a Educação e Cultura. Lukács ficou desiludido com as classes trabalhadoras cristãs, que – como Cécile Tormay registrou em seu famoso Diário de um Outlaw – se recusou a abraçar o comunismo internacional e permaneceram fiéis a Deus e ao país. Por esta razão, Lukács identificou a cultura cristã ocidental como um obstáculo para a emancipação social comunista e argumentou que a “derrocada mundial dos valores não pode ocorrer sem a ‘aniquilação dos antigos valores’ e a criação de novos pelos revolucionários”. [17] Como Comissário do Povo da Educação e Cultura, Lukács pretendia “aniquilar esses velhos valores” por meio da educação estatal, incluindo programas abrangentes de educação sexual para crianças em idade escolar e a promoção do feminismo. Uma brincadeira com o rótulo “Terror Vermelho” usado para descrever os assassinatos em massa bolcheviques de 1918 (cujos perpetradores também eram predominantemente judeus), esse programa de educação sexual veio a ser conhecido como “terrorismo cultural” por seus oponentes. [18]:

“Palestras especiais foram organizadas em escolas e literatura impressa e distribuída para “instruir” as crianças sobre o amor livre, sobre a natureza da relação sexual, sobre a natureza arcaica dos códigos de família burgueses, sobre a desatualização da monogamia e a irrelevância da religião, que priva o homem de todo prazer… Este apelo à rebelião dirigido às crianças foi acompanhado por um apelo à rebelião dirigido às mulheres húngaras… [Um documento publicado pelo Comissariado de Lukács] exorta as mulheres de todo o mundo a se unirem e derrubar as correntes impostas a elas por homens exploradores de espírito burguês”. [19]

O programa de Lukács teve vida curta, pois a República Soviética Húngara foi derrotada e dissolvida pela Romênia em agosto de 1919, e Lukács foi forçado a fugir para Viena. No entanto, a ideia de sexualizar as crianças para combater os sentimentos reacionários seria recorrente entre os comunistas judeus proeminentes, como Wilhelm Reich.

Nascido em uma família judia na província austro-húngara da Galícia, Reich registra sua adolescência em sua autobiografia intitulada Passion of Youth (1988), onde ele se lembra com ternura de estuprar as empregadas de sua família, se envolver em bestialidade com os animais da fazenda, se masturbar pensando em sua mãe, e cobiçar a irmã de seus amigos porque ele era obcecado por “seus gloriosos, longos e loiros cabelos”. [20] Depois de estudar medicina na Universidade de Viena no início dos anos 1920, Reich seguiu sua carreira como psicanalista, e é conhecido por sintetizar as obras de Sigmund Freud e Marx. Depois de ingressar no Partido Comunista da Alemanha em 1930, Reich produziu dois livros altamente influentes: The Sexual Revolution (1936), que deu o nome ao movimento de libertação sexual dos anos 60 e 70, e The Mass Psychology of Fascism (1933), que atacou movimentos autoritários de direita na Europa. Na União Soviética, a palavra psikhushka era usada para descrever os hospitais psiquiátricos onde dissidentes políticos eram internados após serem diagnosticados como doentes mentais pelo estado. Em uma aplicação semelhante de psiquiatria politizada, Reich afirmou ter diagnosticado as persuasões fascistas como um transtorno de personalidade causado pela repressão da sexualidade durante a infância. De acordo com Reich:

“A supressão da sexualidade natural da criança, particularmente de sua sexualidade genital, torna a criança apreensiva, tímida, obediente, com medo da autoridade, ‘boa’ e ‘ajustada’ no sentido autoritário; paralisa as forças rebeldes porque qualquer rebelião é carregada de ansiedade; produz, ao inibir a curiosidade sexual e o pensamento sexual na criança, uma inibição geral do pensamento e das faculdades críticas. Em suma, o objetivo da supressão sexual é o de produzir um indivíduo que se ajuste à ordem autoritária e que se submeta a ela apesar de toda miséria e degradação. No início, a criança tem que se ajustar à estrutura do estado em miniatura autoritário, a família; isso o torna capaz de subordinação posterior ao sistema autoritário geral. A formação da estrutura autoritária ocorre por meio da ancoragem da inibição sexual e da ansiedade sexual”. [21]

O veredicto de Reich sobre a cura do transtorno de personalidade fascista? “Dê às crianças conhecimento sexual verdadeiro [ou seja, encoraje a exploração sexual do adolescente, como a masturbação], [para] libertá-los da confusão sexual… Uma vez que crianças e adolescentes sejam alcançados em massa por meio de seus interesses sexuais, haverá um poderoso contrapeso contra as forças reacionárias”. [22]

[carousel_slide id=’23543′]

 

Reich se tornou um pária por seu endosso ao abuso infantil. O Partido Comunista Dinamarquês consequentemente o colocou na lista negra, e depois de fugir para a América do NSDAP na Alemanha, o governo americano também queimou sua pesquisa e o prendeu por conduta relacionada ao seu Orgonomic Infant Research Center, onde o abuso sexual infantil era supostamente crescente. [23] Apesar do aparente fracasso de Lukács e Reich, no entanto, suas teorias sobre o desmantelamento da civilização cristã por meio da liberação sexual encontraram maturidade filosófica na teoria crítica da Escola de Frankfurt.

O inocentemente nomeado Instituto de Pesquisa Social foi fundado e financiado por Felix Weil – filho de um rico comerciante judeu-argentino – em Frankfurt, Alemanha, 1923. Ele reuniu um círculo de intelectuais marxistas quase exclusivamente judeus, como Max Horkheimer, Theodor W Adorno e Herbert Marcuse, para desenvolver o marxismo sintetizando a libertação social marxista com a psicanálise freudiana e com as obras de luminares como Lukács. Dois dos principais objetivos do Instituto eram enfrentar a “crise do marxismo” (referindo-se ao fracasso do comunismo em se estabelecer entre as classes trabalhadoras da Europa) e enfrentar o problema do crescente antissemitismo (sem dúvida uma reação ao terrorismo cultural de judeus marxistas como Lukács e Wilhelm Reich, às perseguições em massa de cristãos pela Cheka soviética e às revoluções instigadas na Rússia, Hungria e Alemanha por terroristas revolucionários judeus como Rosa Luxemburgo, Karl Liebknecht e Kurt Eisner). A escola fugiu da Alemanha em 1933 e finalmente encontrou seu caminho para a América, onde continuou seu projeto com intensidade renovada.

The Progress of “Modern Art”, a Dance with a Prostitute, pôster de propaganda alemã dos anos 1930.

A famosa afirmação de Marx que o objetivo da filosofia não é interpretar, mas mudar o mundo. A Escola de Frankfurt estava igualmente preocupada em desenvolver estratégias para alterar a sociedade, “mas eles [também] estavam cientes dos muitos obstáculos à mudança radical” – alguns desses obstáculos sendo o Cristianismo, a família tradicional e a moral sexual convencional, conforme identificado anteriormente por Lukács e Reich. [24] Marx afirmou vagamente que “uma era de revolução social” começaria após o estabelecimento do comunismo. [25] A Escola de Frankfurt reorganizou as prioridades, argumentando, em vez disso, que a revolução social deve vir primeiro.

Nesse sentido, uma das maiores contribuições da Escola de Frankfurt foi o estudo de personalidade autoritária altamente influente. O estudo, financiado pelo Comitê Judaico Americano, tentou identificar o autoritarismo e o antissemitismo como um transtorno de personalidade atribuído aos seguintes valores da infância: a “idealização convencional do (s) pai (s); submissão à autoridade e valores parentais; [a] senso de obrigação e dever para com os pais; [e a] “orientação do grupo para… [a] família totalitária homogênea”. [26]

O estudo não aplicou procedimentos de teste rigorosos e empíricos para verificar ou refutar a hipótese, porque seus autores pretendiam fornecer uma base empírica para a teoria política e filosófica a priori do antissemitismo da Escola de Frankfurt. Nas palavras de Horkheimer, o estudo foi uma oportunidade para a pesquisa científica social “se transformar diretamente em propaganda”. [27] Assim, como Reich, o estudo patologizou relações familiares saudáveis ​​e “íntimas… [como] uma indicação de transtorno psiquiátrico… em uma tentativa de tornar [as sociedades ocidentais] resistentes ao antissemitismo”. [28]

Embora o estudo tenha sido essencialmente um ativismo político antifascista disfarçado de pesquisa científica, foi fortemente promovido e tornou-se maciçamente influente nas ciências sociais americanas – “nenhum volume publicado desde a guerra no campo da psicologia social teve um impacto maior na direção da realidade trabalho empírico que está sendo realizado nas universidades hoje”. [29]

A contribuição mais impactante da Escola de Frankfurt é a teoria crítica, que é uma estrutura analítica marxista modernizada com base na síntese de Marx e Sigmund Freud que identifica a opressão como um fenômeno social e cultural ao invés de político-econômico. Nas palavras de Horkheimer, o propósito da teoria crítica é “a abolição da injustiça social… [e] a abolição das relações sociais que atualmente dificultam o desenvolvimento… [ajudar] o homem a se emancipar da coerção da natureza e daquelas formas de vida social e das ordens jurídicas, políticas e culturais que se tornaram uma camisa de força para ele”. [30] Em outras palavras, a teoria crítica é uma revolução contra todas as principais instituições sociais da civilização ocidental branca – o cristianismo, a família patriarcal tradicional, a castidade e as convenções sociais – que a teoria crítica identifica como sistemas irredimíveis de opressão social.

A teoria crítica lançou as bases para o movimento de grande influência da Nova Esquerda, que defendia os direitos civis, feminismo, direitos ao aborto e direitos dos homossexuais. Assim como o bolchevismo, esse movimento era predominantemente judeu. Durante os anos 60, houve “uma migração política em massa de judeus do marxismo ortodoxo para a Nova Esquerda“, que se desiludiram com o comunismo após a campanha antijudaica de Stalin. Além disso, essencialmente todas as figuras-chave da Nova Esquerda eram radicais judeus como Alan Ginsberg, Betty Friedan, Gloria Steinem e Daniel Cohn-Bendit.

[carousel_slide id=’23571′]

 

Cohn-Bendit – que foi membro do Parlamento Europeu e ainda preside grupos parlamentares hoje – lutou contra o fascismo no estilo de Reich molestando crianças de 5 anos em um “jardim de infância antiautoritário” anarquista nos anos 60. Ele descreve esses “encontros sexuais” em seu livro “The Great Bazaar” (1975). [31]

O “pai da Nova Esquerda” foi o teórico judeu da escola de Frankfurt Herbert Marcuse, que – nas palavras de Matt Taibbi – “nos deu de tudo, desde “Silence Equals Violence’ Too Much Democracy’ à Crisis of Misinformation’ e Defense of Looting to the 1619 Project and Antiracist Baby”. Além disso, sua obra Eros and Civilization complementou as obras de Wilhelm Reich ao fornecer uma estrutura teórica para a revolução sexual. Marcuse também traduziu a teoria crítica na práxis revolucionária da Nova Esquerda, identificando estratégias e dados demográficos importantes para alcançar mudanças sociais e políticas. Marcuse argumentou que os marxistas ortodoxos perderam sua fé no proletariado, embora “a classe trabalhadora não seja uma classe revolucionária… onde a resistência dos pobres sucumbiu, os estudantes lideram a luta contra a soldateska e a polícia… [e] militantes negros pagam com suas vidas”. [32] Marcuse exortou a esquerda a abraçar os estudantes radicais de classe média e coalizões de minorias como uma nova vanguarda revolucionária, e a abraçar estratégias como a longa marcha através das instituições em vez da violência derrubada da sociedade burguesa. Marcuse trabalhou para engajar e mobilizar “o estudante universitário como um sujeito revolucionário” ao longo dos anos 60, e suas obras estavam entre as inspirações centrais das revoltas estudantis da década, onde manifestantes estudantis e anarquistas judeus se revoltaram nas principais cidades e jogaram cópias de Wilhelm A psicologia de massa do fascismo de Reich na polícia. [33]

Revolução sexual como uma defesa judaica contra o antissemitismo

Detalhe de Alessandro Allori, “O Rapto de Proserpine”, 1570.

Um breve exame das origens intelectuais da revolução sexual revela uma tendência perceptível de radicais judeus proeminentes exibindo uma hostilidade implacável e visceral para com as instituições centrais da civilização e cultura europeias brancas: religião, responsabilidade sexual e famílias tradicionais coesas. Isso ocorre porque eles identificam explicitamente essas instituições como canteiros de antissemitismo, ou seja, fontes de capital social gentio e, portanto, como ameaças à comunidade judaica. Essas duas coisas não são independentes. Como mostra o Dr. MacDonald, esses “intelectuais judeus e ativistas políticos fortemente identificados como judeus e viam seu trabalho como uma promoção de agendas judaicas específicas”. [34] Este ataque às fortes estruturas familiares patriarcais de gentios e moralidade sexual convencional, e a substituição dos antigos valores cristãos com o narcisismo egocêntrico dos anos 68, foi motivado pelo desejo de quebrar o capital social e a coesão da América e, assim, fabricar uma nova sociedade que seria fortemente protegida de manifestações de antissemitismo.

Um exemplo notório que não foi tratado acima é Sigmund Freud. Freud lançou as bases intelectuais para as teorias de Wilhelm Reich e da Escola de Frankfurt, lançando seu próprio ataque às atitudes e comportamentos sexuais cristãos convencionais. E assim como a Escola de Frankfurt, Freud também viu suas teorias “como um mecanismo para acabar com o antissemitismo”. [35]

Em seus próprios escritos, Freud fantasiou-se como “Hannibal, o líder semita de Cartago… em uma guerra contra a cultura gentílica… [e contra] Roma e sua instituição filha, a Igreja Católica”, que ele identificou como irremediavelmente má, repressiva e antissemita. [36]

Os notáveis ​​revolucionários sexuais judeus do século 20 foram motivados pelos mesmos objetivos. Reich chamou a família de “o estado em miniatura autoritário” porque ela produz pessoas que têm “medo da autoridade”, “boas”, “ajustadas” e “obedientes” – pessoas que têm consciência de si mesmas como membros comprometidos de um corpo político. Ao atacar a parentalidade de alto investimento e a moralidade sexual convencional, a argamassa que une todas as comunidades políticas coesas, os revolucionários sexuais judeus procuraram inaugurar uma nova ordem social incapaz de ser coerente como um corpo político exclusivo, porque tal sociedade seria incapaz de discriminar Judeus.

Amor livre, teoria crítica da raça e estudos de gênero (todos derivados da teoria crítica) são as ideologias dominantes do Ocidente hoje. E agora que essas ideologias estão firmemente no poder, você pode encontrar muitos livros e artigos nos quais a comunidade judaica felizmente leva o crédito por empurrar o envelope cultural e por seu papel como uma vanguarda do movimento de libertação sexual. Os judeus chamam sua missão de lutar contra todas as formas de discriminação e preconceito de tikkun olam (hebraico para a obrigação judaica de “curar o mundo”).

Um artigo do Times of Israel diz: “Como ‘tikkun olam’ inspirou o primeiro político abertamente gay do mundo, Harvey Milk”.

Um artigo da Tablet Magazine diz: “O primeiro beijo lésbico da Broadway foi originalmente em iídiche”.

Um artigo do Haaretz diz: “Atores brilhantes como Larry David e Sarah Silverman estão desafiando a poderosa cultura religiosa e familiar da América e afirmando seu judaísmo glorificando a obscenidade”.

Enquanto elogiava os judeus em um evento do Mês da Herança Judaica Americana, Joe Biden declarou: “Aposto que 85% dessas mudanças [referindo-se à aceitação pública do casamento gay], seja em Hollywood ou nas redes sociais, são consequência dos líderes judeus a indústria”. O professor Abrams concorda: “Aqueles na vanguarda do movimento que forçou a América a adotar uma visão mais liberal do sexo eram judeus”.

As obras de Freud, Reich e da Escola de Frankfurt foram tremendamente influentes nas ciências sociais e na academia, embora essas não sejam as únicas vias pelas quais os judeus “curam o mundo”.

Os judeus também “curam o mundo” ao produzir e distribuir pornografia pesada violenta e degradante.

[carousel_slide id=’23543′]

 

A pornografia como uma arma judaica para “subverter a sexualidade cristã”

De acordo com Nathan Abrams, um professor judeu da Universidade de Aberdeen, muitos pornógrafos judeus identificados como ativistas revolucionários sexuais e foram inspirados pela práxis antifascista de Reich e Marcuse. E enquanto estudantes e judeus anarquistas estavam jogando coquetéis molotov na polícia “para resistir ao fascismo da branquitude” na década de 1960, ativistas judeus também procuraram libertar as mulheres do que Betty Friedan chamou de “‘campo de concentração confortável’ da casa”, alistando-se como atrizes em filmes pornôs de hardcore. [37] Para Abrams, a esmagadora representação excessiva de judeus na indústria pornográfica é claramente “um caso do impulso revolucionário / radical tradicional de judeus imigrantes na América sendo canalizado para a política sexual ao invés de esquerdista”. [38] Para enfatizar este ponto, atriz pornô judia Nina Hartley descreveu “a si mesma como ‘a judia loira’ estrela pornô de ‘uma longa linha de judeus radicais’, que ‘quer que todos tenham um pedaço – um pedaço de sexo, um pedaço dos meios de produção, um pedaço de uma calorosa comunidade comunista ‘e’ um pedaço da prometida Idade Messiânica’”. [39]

Outro exemplo é Greg Lansky. Um magnata da pornografia judeu obcecado por si mesmo da França que se deleita com a atenção da mídia, ele ilustra que a pornografia não se trata apenas de dinheiro. Em uma entrevista ao Haaretz, Lansky descreve como ele “sofria rotineiramente de antissemitismo” quando criança na França, abaixo de uma foto que mostra Lansky quando era um menino ao lado do Muro das Lamentações em Jerusalém. Em um padrão notavelmente semelhante às motivações de outros pornógrafos judeus, Lansky diz que “assumiu este esforço [a indústria de filmes adultos] porque sinto que pertenço a essa luta pela aceitação”. [40]

Greg Lansky, o magnata do pornô judeu no Muro das Lamentações

Abrams explica o que essa “luta pela aceitação” significa para os pornógrafos judeus:

O envolvimento judaico na indústria de menores pode ser visto como um proverbial dois dedos para todo o estabelecimento WASP na América. Algumas estrelas pornôs se viam como lutadores da linha de frente na batalha espiritual entre a América cristã e o humanismo secular. De acordo com Ford, atores judeus proibidos muitas vezes se gabam de sua “alegria em serem anárquicos e sexuais para a besta puritana”. O envolvimento judaico na pornografia, por este argumento, é o resultado de um ódio atávico da autoridade cristã: eles estão tentando enfraquecer a cultura dominante na América pela subversão moral. Astyr se lembra de ter “que correr ou lutar por isso na escola primária porque eu era judeu. Pode muito bem ser que parte da minha carreira pornográfica seja um ‘up your’ para essas pessoas… ”. A pornografia torna-se, assim, uma forma de contaminar a cultura cristã e, à medida que penetra no próprio coração da corrente dominante americana (e é sem dúvida consumida por esses mesmos WASPs), seu caráter subversivo se torna mais carregado. A pornografia não é mais o tipo voyeurístico do tipo “o que o Butler viu”; em vez disso, é levado a novos extremos de representação que ampliam os limites da estética pornográfica. Conforme novas posições sexuais são retratadas, o desejo de chocar (assim como entreter) parece claro.

Na mesma linha, o supracitado pornógrafo judeu Al Goldstein declarou em uma entrevista com Luke Ford: “A única razão pela qual os judeus estão na pornografia é que pensamos que Cristo é uma merda. O catolicismo é uma merda. Não acreditamos no autoritarismo”. [41] “Mesmo quando os judeus vivem em uma sociedade que os acolhe em vez de assediá-los, muitos judeus odeiam a cultura da maioria”. [42]

Em sua autobiografia, Goldstein compartilha uma fantasia na qual ele equivoca sua publicação de pornografia com a resistência antifascista heroica e se refere a si mesmo como “o Pit Bull hebreu”. [43] Goldstein, que também se descreve como “um judeu inseguro e que se autoaborrece”. Frequentemente menciona ter sofrido abusos antissemitas por seu trabalho e deseja ter sido morto por um crítico para que “pudesse ter morrido como um mártir como Lenny Bruce”. [44]

Goldstein também declara: “Provavelmente sou o epítome de tudo o que os nazistas odiavam: o judeu pornógrafo que mancha a moral pura do mundo branco ariano” e “o produto final da derrota da Alemanha”. [45]

A pornografia é uma arma crucial na luta judaica pela “aceitação” contra o antissemitismo e o autoritarismo – ou seja, famílias saudáveis ​​e moralidade sexual heteronormativa responsável. É por isso que a ADL, que existe para “combater o antissemitismo” e violar os direitos da Primeira Emenda de quem critica o povo judeu, luta pelos pornógrafos. Como E. Michael Jones descreve, a pornografia é um veículo através do qual os judeus promovem uma visão humanista secular da sociedade, que eles consideram importante para garantir “aos judeus individuais uma igualdade cívica e igualdade de oportunidades sonhadas pelas gerações judaicas anteriores”.

Uma sociedade que é tolerante com todas as formas de desvio sexual é uma sociedade que é tolerante com os judeus.

Os judeus usam pornografia para “subverter a sexualidade cristã”?

Veredicto: sim.

Para “Causar Mudanças na Orientação Sexual” e “Criar uma Crise de Reprodução para a Raça Branca”

Uma vez que a pornografia é contextualizada como um fenômeno judaico, e particularmente como uma expressão da revolução judaica contra a família tradicional, seu papel em “criar uma crise de reprodução para a raça branca” torna-se imediatamente aparente, especialmente quando associado a outras “realizações” judaicas e agendas.

As taxas de natalidade despencaram no mundo ocidental. As taxas de natalidade de reposição abaixo têm sido usadas pelos partidos governantes da América e da Europa Ocidental para justificar a migração de reposição em massa do terceiro mundo (observe também que as principais organizações de refugiados e de imigração são predominantemente judias). Por que as taxas de natalidade despencaram?

[carousel_slide id=’23571′]

 

Um dos motivos é o amplo acesso a anticoncepcionais e abortos. Por exemplo, a taxa de aborto (proporção de nascidos vivos para abortos) normalmente oscila em torno de 20%, o que significa que 1 em cada 5 gestações nos Estados Unidos é interrompida. Como mencionado anteriormente, os judeus eram a vanguarda do movimento feminista. O Jewish Daily Forward corrobora: “As mulheres judias estavam superrepresentadas nos direitos reprodutivos em todos os lugares dos Estados Unidos”, e elas foram inspiradas com uma urgência de lutar pela “autonomia reprodutiva” por causa do “imediatismo… do nazismo.” Os notáveis ​​incluíram Betty Friedan, Susan Brownmiller, Ellen Willis e Gloria Steinem (apesar de ícones cruciais como RBG). Hoje, 83% da comunidade judaica na América acredita que o aborto deve ser legal em todos ou na maioria dos casos, enquanto em Israel, o aborto precisa ser aprovado por um “comitê de rescisão”. Deixando o aborto de lado, figuras judias também foram pioneiras importantes da contracepção, como o químico judeu Carl Djerassi, conhecido como “o pai da pílula” (anticoncepcionais orais).

A influência da contracepção e do aborto é provavelmente superenfatizada, no entanto, e os fatores culturais são os contribuintes mais significativos para o colapso da reprodutividade no mundo ocidental.

Observe que Hollywood, assim como a indústria pornográfica, é predominantemente judaica. Nas palavras do Rabino Dresner, Hollywood é a principal instituição que está sitiando “a família tradicional” na América e em todo o mundo com seus produtos culturais que promovem “‘rebelião, autorrealização e promiscuidade’ e uma ‘visão degradada dos corpos e espíritos humanos. Por causa de Hollywood a vanguarda se tornou o homem da rua. Bohemia é Broadway. As piadas sujas antes restritas a casas burlescas e certas casas noturnas agora estão disponíveis em filmes e TV para milhões. Las Vegas não é mais uma cidade, mas uma condição”. [46] Combine a influência de Hollywood com a da pornografia hardcore na internet, e não é de admirar que as pessoas estejam menos dispostas a começar e criar uma família. Conforme discutido anteriormente, o ataque à moralidade sexual cristã é deliberado. Há até mesmo algumas evidências sugerindo que seu impacto na reprodutividade também é deliberado.

O Dr. Andrew Joyce chama a atenção para a enorme campanha na mídia de massa liderada por executivos de mídia e entretenimento judaicos durante a metade do século 20 para “combater o fascismo” e “fazer os americanos brancos acharem seu próprio etnocentrismo abominável.” Um indivíduo-chave a esse respeito é o pesquisador judeu de comunicação de massa Bernard Berelson. Em 1969, ele se correspondeu com o presidente judeu da Planned Parenthood Frederick S. Jaffe sobre como reduzir a população da América. Sua correspondência infame é conhecida como Memorando de Jaffe. Entre as propostas estavam o aborto e a esterilização compulsórios, uma linha que dizia “depressão crônica” (presumindo que seja induzida entre a população?) E a linha “incentive o aumento da homossexualidade” Aqui temos uma ligação explícita entre a promoção de estilos de vida alternativos hedonísticos como uma estratégia sugerida por poderosas figuras judias para conter o crescimento populacional da população americana (então predominantemente branca).

Nesse sentido, a pornografia hardcore sem dúvida normalizou a sodomia e criou a percepção da sexualidade como basicamente recreativa, divorciando-a inteiramente de sua função procriadora. Além disso, os estudos até sugerem que pode haver uma correlação entre o consumo de pornografia e o aumento de orientações sexuais alternativas. Claro, essa sugestão não é nova; a Comissão de Obscenidade e Pornografia do presidente na década de 1970 recomendou contra a restrição do acesso à pornografia após concluir que a exposição frequente poderia fazer as pessoas “terem atitudes sexuais mais tolerantes ou liberais”. [47] Da mesma forma, os defensores da pornografia a elogiam não apenas por seu suposto benefícios para a saúde, apontando para estudos que sugerem que a ejaculação frequente reduz minuciosamente os riscos de câncer de próstata, mas também para alegações de que a pornografia torna os homens “mais igualitários… menos aceitação da discriminação baseada no gênero… mais aceitação da diversidade sexual. . . menos estigmatizante em relação à homossexualidade… [e] menos religioso.”

Enquanto o feminismo, a contracepção e Hollywood parecem ter matado o sexo procriativo, a pornografia parece estar matando o sexo em geral. O amplo acesso à pornografia na Internet é um fator central na atual recessão sexual (o fenômeno em que os jovens parecem estar fazendo menos sexo do que nunca) e no declínio drástico nas taxas de casamento. As revoluções culturais judaicas (a Nova Esquerda) e produtos relacionados como a pornografia, todos explicitamente planejados para quebrar a cultura e a coesão social, produziram uma geração de jovens incapazes de formar relacionamentos frutíferos e férteis. Os judeus nos garantem que isso é bom. Como Eva Wiseman (uma romancista judia muito preocupada com o antissemitismo) explica, a pornografia tornou os homens mais dóceis e menos interessados ​​nas relações físicas ao “amortecer a libido masculina em relação às mulheres reais”.

É por isso que ela pensa que “jovens insatisfeitos precisam de mais pornografia”. [48]

O judaísmo organizado se envolve em uma enorme quantidade de comportamento abominável e destrutivo para garantir que a sociedade branca permaneça degradada, desorganizada e, portanto, incapaz de discriminar os judeus. Como mencionado antes, feministas judias, ativistas do aborto, ativistas dos direitos gays e pornógrafos foram e são principalmente motivados pelo objetivo de tornar a sociedade segura para os judeus. É também por isso que os judeus promovem o multiculturalismo e a imigração em massa (veja especialmente a citação de David Cole, aqui), e até mesmo a pedofilia (veja aqui). Em seu recente livro The Transgender Industrial Complex, Scott Howard mostra que o movimento massivo para normalizar e glorificar a transexualidade é fabricado por filantropos ricos e predominantemente judeus que promovem o transgenerismo porque acreditam que isso tornará a sociedade resistente ao fascismo. Outro exemplo recente é Richard Doblin. De acordo com a Agência Telegráfica Judaica, o fundador judeu e diretor executivo da Associação Multidisciplinar de Estudos Psicodélicos dedica “sua vida à promoção de psicodélicos como… uma apólice de seguro contra outro Holocausto.” Em muitos casos, esse ativismo judaico – ao lado de outras influências judaicas na sociedade – foi absolutamente devastador para a civilização branca.

Financiadores internacionais judeus e capitalistas abutres globalizaram e destruíram a economia, tornando as famílias inacessíveis para os jovens; As empresas farmacêuticas judaicas drogaram o coração com opioides; As organizações de imigração judaica e de refugiados inundaram os países brancos com invasores hostis não brancos. Adicione a normalização da obscenidade e a distribuição de pornografia pesada à lista de maneiras pelas quais a atividade judaica organizada tornou a sociedade branca imprópria para reprodução.

A arte de Cleon Peterson, que é patrocinado pela família judia Rothschild e projetou o mural Endless Sleep abaixo da Torre Eiffel (à esquerda). Retratado ao lado do resto de sua “arte”, que apresenta figuras negras estuprando e assassinando mulheres brancas e figuras brancas morrendo de overdose de drogas, parece que o título Endless Sleep é um eufemismo para a destruição deliberada da raça branca.

Os judeus criaram “uma crise de reprodução para a raça branca” ao popularizar a pornografia?

Veredicto: sim.

Para “promover a miscigenação” e “aumentar os desejos sexuais de homens de cor ou judeus do sexo masculino para mulheres brancas”

De acordo com Abrams, porque “‘os principais artistas masculinos da década de 1980 vieram de educação judaica secular e as mulheres de escolas católicas romanas’, o cenário pornográfico padrão tornou-se, como resultado, uma fantasia judaica de golpear a shiksa católica”.

Repetindo o que Ron Jeremy lhe disse, Kulich corrobora que os judeus estão na pornografia “para foder garotas católicas romanas” e “realizar como todas as fantasias que todo menino judeu já teve”.

Harvey Cohen também afirmou: “Como você sabe, é uma fantasia judaica transar com mulheres gentias… Além disso, por que os pornógrafos judeus se importariam com a fantasia de gentios”?

Shiksa é uma palavra pejorativa iídiche que equivale a “prostituta gentia”. Lábios impuros: judeus, obscenidade e cultura americana vão além, definindo-o como “‘criatura impura’, réptil; abominação, abominação, impureza”.

Essa atitude pode ser extrapolada para a indústria de entretenimento judaica mais ampla, apesar da enorme quantidade de predação sexual por judeus em outros campos, como a infame operação de tráfico sexual infantil de Jeffrey Epstein e sua constelação de agentes modelos judeus cúmplices. Essa é, sem dúvida, uma das razões pelas qual Stanley Kubrick, que fez dos esotéricos cultos de abusos sexuais da elite judia um tópico central em seus filmes, disse que “Hitler estava certo sobre quase tudo”.

equipe judaica de futebol de Washington (anteriormente Redskins) cujo proprietário é Dan Snyder, foi acusada de fazer vídeos obscenos de suas líderes de torcida e divulgá-los para amigos, o que é um exemplo de uma tendência perceptível de executivos de entretenimento judeus atacando atrizes de “shiksa” e gado gentio empregado. Snyder supostamente disse a uma treinadora de torcida: “É melhor você mantê-las magras com peitos grandes ou eu vou te matar“. Voltando-se para Hollywood, Larry David comentou no SNL sobre o “padrão muito perturbador” dos assediadores sexuais judeus na indústria cinematográfica. O artigo da Tablet Mag. “A perversidade especificamente judaica de Harvey Weinstein” explica por que isso acontece, ao descrever Weinstein como “um personagem saído diretamente de Philip Roth, realizando suas fantasias de vingança sobre os goyim“.

“Mas as shikses, ah, as shikses são outra coisa novamente […] Estou tão impressionado que estou em um estado de desejo além de uma ereção. Meu pequeno pênis circuncidado está simplesmente enrugado de veneração. Talvez seja pavor. Como eles ficam tão lindos, tão saudáveis, tão loiros? Meu desprezo pelo que eles acreditam é mais do que neutralizado pela minha adoração pela aparência deles, pela maneira como se movem, riem e falam”.

– Philip Roth, comentário de Portnoy

Essa tendência se estende a pornógrafos judeus também. Por exemplo, Ron Jeremy – a quem o Jewish Daily Forward descreve como “seu tio judeu pateta” – foi recentemente acusado de 28 acusações de violência sexual, após uma enxurrada de alegações nas quais Jeremy é acusado de estupro violento e de “agressão sexual de uma garota de 15 anos em uma festa em Santa Clarita”.

A indústria pornográfica é notória pelo tráfico sexual e por tirar vantagem de pessoas vulneráveis; em seus ensaios, Luke Ford comparou a indústria pornográfica ao “comércio de escravos brancos”.

[carousel_slide id=’23543′]

 

No ano passado, houve uma série de casos em que estupros de garotas menores de idade foram carregados e exibidos em grandes sites de pornografia judaica que frequentemente se recusavam a retirar os vídeos. Além disso, no ano passado, os proprietários de uma produtora de pornografia, Michael Pratt e Mathew Wolfe (não confirmados como judeus, embora o primeiro tenha um sobrenome judeu comum), foram acusados ​​várias vezes de tráfico sexual. Pratt ainda está foragido (talvez escondido em Israel). Vários anos atrás, Jean-François Gariépy chamou a atenção para um escândalo semelhante ao conduzir uma entrevista com uma jovem branca que foi atraída para o pornô hardcore por meio de shows de modelo e forçada a atuar em vídeos de abuso interracial. A entrevista de Gariépy deixa terrivelmente claro que a menina está sendo violentamente explorada, já que ela evidentemente não está lá e parece ter as faculdades cognitivas de uma criança, provavelmente devido a danos cerebrais sofridos por um acidente de carro traumático durante sua infância.

Sobre esse assunto, observe que judeus como Seymore Butts e Mike Kulich se especializaram no gênero pornográfico de “abuso interracial”, que glorifica a degradação da violência sexual feminina entre homens negros e mulheres brancas. A relutância das atrizes brancas em estrelar esses filmes frustrou pornógrafos judeus como James Deen, que diz que isso é “irritante, nojento e irritante… É racista e depreciativo e me impede de fazer um bom produto.” Embora esse tipo de “produto” seja menos lucrativo, os pornógrafos judeus assumiram a responsabilidade de normalizar e promover o gênero como parte de uma “Cruzada pela Igualdade Racial“.

Nesse sentido, a história de Greg Lansky também é extremamente reveladora. Greg Lansky é conhecido como o “Steven Spielberg da pornografia” por seu trabalho de transformar a pornografia no que a Rolling Stone descreve como “arte erudita”. Lansky também tem trabalhado para “popularizar” o pornô ao anunciar para o maior público possível: “As empresas adultas precisam aprender a ter uma presença digerível na mídia social – uma que seja segura para o trabalho, segura para o público que deseja desfrutar da marca. Se eles quiserem cruzar essa fronteira para conteúdo gráfico para maiores de 18 anos, eles podem clicar em um link. ” Lansky está falando sobre anunciar seu produto em plataformas de mídia social, onde alcançará crianças impressionáveis. Por esse motivo, a Ad Age chama Lansky de “um mestre em marketing SFW”.

Outro tweet do gerente de mídia social do Pornhub, banalizando o consumo hardcore de pornografia por crianças

Como apontado em um artigo francês escrito por Jacky Goldberg, a “arte” de Lansky é mais do que pornografia; é um “gesto político”. Qual gênero é o foco da pornografia “artística” de Lansky? De acordo com a Rolling Stone, é “sexo interracial e… retratos de mulheres brancas sendo sexualmente dominadas por homens negros bem-dotados.” Para promover esse gênero, Lansky também se associou a uma variedade de rappers altamente influentes, incluindo Kanye West. Em um golpe publicitário, Lansky ofereceu a Kanye um contrato para dirigir um filme pornô inter-racial para sua marca. Lansky é “parabenizado pela comunidade afro-americana” por sua pornografia inter-racial, e Kanye West promoveu publicamente a pornografia de Lansky, que West elogia como seu gênero favorito.

Como o próprio Lansky declarou vários parágrafos acima, ele vê seu trabalho na indústria pornográfica como uma luta contra a discriminação, então sua marca de pornografia inter-racial “artística” é obviamente destinada a glamourizar as relações sexuais interraciais, especificamente entre homens negros e mulheres brancas (isso deve ser contextualizado juntamente com o impulso massivo de casais interraciais, principalmente homens negros e mulheres brancas novamente, por agências de publicidade judaicas) Claro, o produto de Lansky também é frequentemente postado ao lado de frases de ódio antibrancos e chamadas para “estuprar cadelas brancas” em plataformas de redes sociais (mais sobre isso – gráfico – aqui ). Jack Sen também argumenta que a distribuição de pornografia de abuso interracial “encorajou um aumento no estupro violento perpetrado por homens negros contra mulheres não negras”. Como mostrado acima, com o desastre de Kanye, esse tipo de pornografia é especificamente comercializado para homens negros e não brancos. Quantos estupradores africanos e do Oriente Médio que agrediram sexualmente e assassinaram dezenas de mulheres brancas e crianças em idade escolar na América, Europa Ocidental e África do Sul foram consumidores de material pornográfico retratando mulheres brancas pequenas e muito jovens em fantasias de colegial sendo violentamente sodomizadas pelos africanos? Observe que no início deste ano, uma garota francesa branca de 18 anos chamada Victorine Dartois foi estuprada e assassinada por um homem não branco. Descobriu-se que o acusado estava enviando desenhos de suas fantasias sexuais interraciais no YouTube.

Os pornógrafos judeus satisfazem sua luxúria por mulheres brancas com pornografia e a usam para “promover a miscigenação” e “aumentar os desejos sexuais de homens negros por mulheres brancas”?

Veredicto: sim e é pecado.

O Resultado

Discutir pornografia pesada é desagradável, mas necessário, por causa da influência absolutamente profunda que a pornografia da Internet tem na consciência coletiva do mundo moderno.

Hoje, cerca de 89% dos rapazes e 31% das moças admitem ver pornografia hardcore na internet, e a idade média de exposição é estimada em 11 anos. O Google Analytics mostra que o tráfego de pornografia aumenta 4.700% depois do horário escolar, quando as crianças chegam da escola. A pornografia é tão onipresente que a exposição à pornografia pesada, incluindo a descrição de atividades fetichistas particularmente desviantes e extremas, foi identificada por estudos como uma experiência infantil “normativa”. Compreender todas as ramificações sociológicas da pornografia é, sem dúvida, difícil, considerando a quase impossibilidade de encontrar um grupo de controle que não tenha sido exposto à pornografia pesada. No entanto, é muito razoável supor que a indústria pornográfica é uma influência profunda, senão a influência central, na formação da sexualidade dos jovens e suas atitudes em relação aos membros do sexo oposto. E, como discutido acima, a indústria que produz este material produz deliberadamente material antibranco cada vez mais gráfico, desviante e odioso, projetado para ultrapassar os limites do aceitável e para chocar e dessensibilizar os espectadores.

Por exemplo, uma foto de um vídeo pornô de abuso interracial apresentando uma atriz com suspensórios, rabo-de-cavalo e peito achatado – ou seja, feita para parecer uma garota de 13 anos – cercada por homens africanos se tornou um meme viral que foi compartilhado e adaptado milhões de vezes online. O meme é tão onipresente que os alunos do ensino médio o imitam. Alunos do ensino médio com apenas 16 anos têm seguido as tendências pornográficas e enviando vídeos online que mostram “[eles] esmagando pequenas criaturas até a morte enquanto realizavam atos sexuais” na Cidade do Cabo, África do Sul.

O meme Piper Perry Surrounded, que foi compartilhado e adaptado milhões de vezes online

Esses são apenas alguns exemplos que ilustram o alcance e as consequências da “cultura pornográfica” na juventude. A pornografia hardcore na internet tem sido absolutamente devastadora para nossa psique cultural. Ele corrompeu, contaminou e desmoralizou uma geração inteira. E o simples fato é que nossos amigos judeus são os grandes responsáveis ​​por legalizar, criar e distribuir essa sujeira tóxica. Eles não conseguiram isso ocupando militarmente a América, confiscando as estações de televisão e transmitindo pornografia desmoralizante para os civis ocupados, assim como fizeram em Ramallah há duas décadas. Eles conseguiram isso traindo a confiança do país que os resgatou da perseguição na Europa e os recebeu como refugiados, manipulando suas leis e se engajando em uma guerra cultural dentro de um mercado defendido por nenhuma barreira contra a entrada de judeus. O que as IDF fizeram para desmoralizar os residentes de Ramallah, e as operações negras fazem para desmoralizar os fundamentalistas jihadistas, foi feito ao Ocidente por meio de sua indústria de entretenimento.

A pornografia – assim como o aborto, o feminismo, os direitos dos homossexuais e a normalização da pedofilia – é promovida pelo grupo étnico mais rico e organizado do planeta como uma forma de ativismo político étnico. Os judeus veem a pornografia como uma ferramenta para combater o “fascismo” e a discriminação social, e para tornar a sociedade segura para os judeus. A indústria pornográfica é um ramo de um grande projeto judaico-cultural marxista para desconstruir os valores da civilização ocidental branca, para destruir as formas ocidentais de construir significado e para tornar nossa cultura desordenada e sem sentido. A pornografia é uma arma, uma forma de “terrorismo cultural” judaico, e os judeus admitem isso com franqueza. Não acredite nas minhas palavras. Dirigindo-se à comunidade judaica, o Rabino Daniel Lapin escreve:

“Em vez de focar em inimigos imaginários, devemos perguntar se o compromisso dogmático com uma visão liberal secular está encorajando a antipatia pela comunidade judaica. Sem essa autoavaliação honesta, os judeus se tornarão cada vez mais odiados – não por indivíduos malucos, mas por americanos decentes angustiados com sua cultura em rápida deterioração e o papel dos judeus nessa agenda. Não pode escapar da atenção dos americanos comuns que lidam com o desafio de criar crianças responsáveis ​​em um mundo hostil que muitos nomes e grupos judeus lideram a luta por políticas que esses americanos veem como causadoras do declínio do país”. [49]

É verdade. Homens brancos decentes em todos os lugares estão descobrindo isso tudo.

E estamos fartos e cansados ​​disso.


Autor: Kenneth Vinther
Fonte: Counter-Currents
Tradução: Maurício Pompeu


Notas

[1] Kristoff Kerl. “Oppression by Orgasm: Pornography and Antisemitism in Far-Right Discourses in the United States Since the 1970s: Studies in American Jewish Literature”, 2020, p. 130, 123, 124, 125, 129.

[2] Luke Ford, “Jews in Porn”. Disponível aqui: https://web.archive.org/web/20001216054700/http:/www.lukeford.com/subjects/content/jews_in_porn.html.

[3] Josh Lambert. “My Son, the Pornographer”. Tablet Magazine, 2010.

[4] Um usuário anônimo compilou uma lista de artigos de jornais antigos, arquivada aqui: https://www.henrymakow.com/jews_and_porn.html

[5] Alix Wall. “In ‘Circus of Books’, A Nice Jewish Couple Finds Success in Gay Porn”. Jewish Daily Forward, 2020. Disponível em https://forward.com/culture/444454/in-circus-of-books-a-nice-jewish-couple-finds-success-in-gay-porn/

[6] Naomi Pfefferman. “A Nice Jewish Porn Star”. Jewish Journal, 2001. Disponível em https://jewishjournal.com/culture/arts/5167/a-nice-jewish-porn-star/

[7] Ford.

[8] Robert J. Stoller. Porn: Myths for the Twentieth Century (New Haven: Yale University Press, 1991), p. 153. Disponível em https://books.google.ca/books?id=u4sxcPfU9ycC&lpg=PP1&pg=PA153#v=onepage&q&f=false

[9] Emily Shire. “The Jewish Porn Star Next Door”. Jewish Daily Forward, 2013. Disponível em https://forward.com/culture/qa/170950/the-jewish-porn-star-next-door/

[10] Roth v. United States, 354 U.S. 476 (1957).

[11] Al Goldstein. I, Goldstein: My Screwed Life (Nova Iorque: Thunder’s Mouth Press, 2006), p. 229.

[12] E. Michael Jones. “Rabbi Dresner’s Dilemma: Torah v. Ethnos”. Culture Wars, maio de 2003.

[13] Nathan Abrams. “Triple-Exthnics: Nathan Abrams on Jews in the American Porn Industry”. Jewish Quarterly, 2004.

[14] Ford.

[15] Abrams.

[16] Citado em Abrams.

[17] Michael Loewy. “Georg Lukács from Romanticism to Bolshevism” (Londres: NLB, 1979), p. 130.

[18] Patrick J. Buchanan. “The Death of the West: How Dying Populations and Immigrant Invasions Imperil Our Country and Civilization” (Nova Iorque: St. Martin’s Press, 2002), p. 75.

[19] Loewy, 151-152.

[20] Wilhelm Reich. “Passion of Youth: An Autobiography, 1897-1922” (Nova Iorque: Farrar, Straus and Giroux, 1988), p. 6, 22, 102, 44.

[21] Wilhelm Reich. “The Mass Psychology of Fascism” (Nova Iorque: Orgone Institute Press, 1946), p. 24-25.

[22] Idem, p. 168,169.

[23] Philip W. Bennett. “The persecution of Dr. Wilhelm Reich by the government of the United States”. International Forum of Psychoanalysis, 2010, p. 52.

[24] David Held. “Introduction to Critical Theory: Horkheimer to Habermas”. (Berkeley: University of California Press, 1980), 15.

[25] Karl Marx. “A Contribution to the Critique of Political Economy” (Moscow: Progress Publishers, 1859), p. 4.

[26] Else Frenkel-Brunswik. “The Authoritarian Personality, Studies in Prejudice Series, Volume 1” (American Jewish Committee, 1950), pp. 339-340. Disponível em http://www.ajcarchives.org/main.php?GroupingId=6490

[27] Citado em Kevin MacDonald, “The Culture of Critique: An Evolutionary Analysis of Jewish Involvement in Twentieth-century Intellectual and Political Movements” (Bloomington: AuthorHouse, 2002), p. 158.

[28] Idem, 162.

[29] Nathan Glazer. “New light on The Authoritarian Personality: A survey of recent research and criticism”. Commentary, 1954.

[30] Max Horkheimer. “Critical Theory: Selected Essays” (Nova Iorque: Continuum, 2002), p. 242, 248, 230.

[31] Kate Connolly. “Sixties hero revealed as kindergarten sex author”. The Guardian, 2001. Disponível em https://www.theguardian.com/world/2001/jan/28/kateconnolly.theobserver

[32] Herbert Marcuse. “Counterrevolution and Revolt” (Boston: Beacon Press), p. 93, 1.

[33] Joseph Cunningham. “Praxis Exiled: Herbert Marcuse and the One Dimensional University”. Journal of Philosophy of Education, 2013, p. 539.

[34] MacDonald, XXXIV.

[35] Idem, 112.

[36] Idem, 115

[37] Abrams.

[38] Idem

[39] Jones.

[40] Tzach Yoked. “Artful Porn and anti-Semitic Threats: The Man Behind the ‘HBO of Adult Films’ Bares All”. Haaretz, 2019.

[41] Abrams.

[42] Jones.

[43] Goldstein, 2.

[44] Idem, 196, 265.

[45] Idem, 2019.

[46] Jones.

[47] The Report of the Commission on Obscenity and Pornography (US Government Printing Office: Washington, DC, 1970). Disponível em https://global.oup.com/us/companion.websites/fdscontent/uscompanion/us/static/companion.websites/9780199751358/instructor/chapter_9/thepresidentscomm.pdf

[48] Eva Wiseman. “Why disaffected young men need more pornography”. GQ, 2018. Disponível em https://www.gq-magazine.co.uk/article/young-men-pornography

[49] Daniel Lapin. “America’s Real War” (Nova Iorque: Crown Publishing Group, 2012). Disponível em https://books.google.ca/books?id=lOKEuNpPC2cC&lpg=PP1&pg=PT62#v=onepage&q&f=false

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Quer receber nossas notificações?    SIM! Não, obrigado (a)