fbpx

A ascensão do politicamente correto (PC) moderno é um grande exemplo da maneira astuta como os engenheiros sociais (como os manipuladores da Nova Ordem Mundial) operam. O politicamente correto é censura branda. Como George Carlin disse, é “fascismo fingindo ser maneiras”. É a intolerância disfarçada de tolerância e está descontrolada em quase toda a sociedade.

A correção política é o controle da linguagem. E o controle de linguagem é o controle do pensamento.

Assim como George Orwell expôs com tanta precisão em 1984, o politicamente correto é a “novilíngua” que pode limitar nossa capacidade de falar e pensar, porém, o número de palavras disponíveis em nosso vocabulário.

VISITE NOSSA LIVRARIA

[carousel_slide id=’21184′]

 

Correção política: com base no “direito” inexistente de não ser ofendido

A verdade é mais estranha que a ficção. Quando você olha para as contorções distorcidas que a multidão do PC insiste em que as pessoas façam para livrar sua linguagem de qualquer coisa “ofensiva”, ela entrou no teatro do absurdo. O politicamente correto dita o que você pode e não pode dizer, com base no quão “ofensiva” uma palavra é.

De cara, existem vários problemas com isso. Em primeiro lugar, quem são os comissários, funcionários ou autoridades que estão se concedendo um poder massivo para decidir o que é considerado “ofensivo”?

Em segundo lugar, desde quando “sentir-se ofendido” ou “ter seus sentimentos feridos” se tornou uma questão tão importante que justifica legalmente a restrição da liberdade de todos? A última vez que elevii, a liberdade de expressão era um direito humano genuíno e legítimo, consagrado nos documentos legais de muitos países, enquanto o “direito de não se sentir ofendido” é imaginário e inexistente – é apenas uma ótima de envergonhar as pessoas sentindo-se culpado sem um bom motivo.

Em terceiro lugar – e o mais importante – assim como a beleza está nos olhos de quem vê, o mesmo ocorre com “sentir-se ofendido” no reino de quem vê. Palavras são; palavras cada pessoa é responsável por suas próprias normas; opte por ignorar, responder ou reagir às palavras como quiser, mas não culpe outra pessoa por seu estado emocional. Você não está com controle de seu próprio estado de consciência. Culpar outra pessoa porque você se sente zangado, ofendido ou chateado mostra um abandono de responsabilidade e uma falta total de maturidade emocional e espiritual.

Desde quando nós, humanos, nos tornamos bebês chorões que não suportávamos ouvir ou sermos chamados uma palavra, um nome, um rótulo ou uma frase? Cresça, por favor!

Correção política: outra mistura Rothschild-Rockefeller

Como sempre, há mais nesta história. A correção da raiz tem raízes no marxismo e no comunismo. A Wikipedia observa que “Do início a esquecida do século 20, uma frase ‘politicamente correto’ foi associada à aplicação dogmática da doutrina stalinista, debatida entre membros do Partido Comunista e socialistas. ”No entanto, remonta à Escola de Frankfurt ( Instituto de Pesquisa Social ) na Alemanha, que foi criada em 1923. A escola de Frankfurt era um think-tank para engenharia social, com o objetivo de espalhar o coletivismo (ou seus desdobramentos do socialismo, marxismo e comunismo) em todo o mundo. Conforme afirma este artigo do Instituto Schiller:

“A tarefa da Escola de Frankfurt, então, era primeiramente, minar o legado judaico-cristão por meio de uma ‘abolição da cultura’ (Aufhebung der Kultur em alemão de Lukács); e, segundo, determinar novas formas culturais que aumentariam a alienação da população, criando assim uma ‘nova barbárie’”.

VISITE NOSSA LIVRARIA

[carousel_slide id=’21184′]

 

Em seguida, apontados aqueles que financiam a Escola de Frankfurt:

“Embora o Instituto de Pesquisa Social tenha começado com o apoio do Comintern [Communism International], nas três décadas após suas fontes de fundos incluíram várias universidades alemãs e americanas, a Fundação Rockefeller, o Columbia Broadcasting System, o Comitê Judaico Americano, vários serviços de inteligência americanos, o Escritório do Alto Comissariado dos EUA para a Alemanha, uma Organização Internacional do Trabalho e o Hacker Institute, uma clínica psiquiátrica chique em Beverly Hills.”

Portanto, referência aos Rockefellers financiando a Escola de Frankfurt, e é bem conhecido que os Rothschilds financiaram a ascensão do marxismo:

“Nathan Rothschild deu um Marx dois cheques no valor de vários milhares de libras para financiar a causa do socialismo. Os checks foram expostos no Museu Britânico, depois que Lord Lionel Walter Rothschild, um curador, legou seu museu e biblioteca a eles.”

Essas duas famílias-chave da Nova Ordem Mundialestão, portanto, implicadas no marxismo, na Escola de Frankfurt e não politicamente correto. Curiosamente, muitas pesquisas têm apontado que o politicamente correto é parte de um movimento mais amplo do marxismo cultural, que é um subversão da cultura de um país comideologia coletivista, em opinião à versão política mais direta do marxismo.

Yuri Bezmenov, um ex-agente soviético da KGB, disse que a “subversão ideológica” mudaria a percepção da realidade de cada americano. Ele alunosu como umlento processo de lavagem cerebralestá ocorrendo, para mudar a cultura individualista do Ocidente. Este processo consiste em:

Desmoralização (encoberta, 15-50 anos) (basicamente concluída)

Desestabilização (evidente, 2-5 anos)

Crise (6 semanas)

Mudança violenta e normalização (pode levar anos, continua para sempre)

Tudo isso foi implementado com o objetivo de tornar o Ocidente coletivista e se alinhar com a Nova Ordem Mundial.

A questão é: quanto funcionou?

O absurdo da correção política

Quaisquer que sejam como boas intenções que o politicamente correto possa ter ao tentar impedir a homofobia, o racismo, o sexismo e a discriminação de qualquer tipo, ela já ultrapassou o limiar do absurdo. Considere os seguintes exemplos do que o pessoal do PC está tentando fazer as pessoas dizerem com sua “linguagem livre de preconceitos”:

idosos, anciãos, velhos => “pessoas de idade avançada”

sobrepeso, obeso => ​​“pessoas de tamanho”

ricos => “pessoas de riqueza material”

Americano => cidadão americano

Este último é especialmente interessante, visto que o Governo dos Estados Unidos é uma corporação que reivindica a totalidade dos Estados Unidos da América, enquanto americano denota um indivíduo natural da República. A polícia do PC também deseja eliminar as seguintes palavras:

homem, mulher, pai, mãe também, trabalhador, terceiro mundo, louco, demente, retardado, gay, tirania, trapaceiro, estrangeiro ilegal, bicha, gueto, raghead (um termo depreciativo para árabe)

… E gírias como “Eu quero morrer” e “aquele teste me estuprou”.

VISITE NOSSA LIVRARIA

[carousel_slide id=’21184′]

 

Donald Trump recentemente foi questionado por usar o termo “bebê âncora” por um jornalista do PC, que queria que ele dissesse “o filho americano nascido de um imigrante sem documentos”. Que boca cheia. Curiosamente, o suficiente para que o jornalista esteja quebrando suas próprias regras do PC, já que agora nos declaramos que “American” não é permitido. Lembra da campanha “banir o mandão”? Adultos que se entregam à estupidez absoluta. Mais correção de política e controle de linguagem. Como você pode banir uma palavra? Quem ainda tem esse direito?

Não são apenas palavras ou frases específicas que o pessoal do PC deseja obliterar. Em algumas universidades, elas estão proibindo formas de comportamento. Confira essas regras ridículas da universidade, retiradas do livro Escolhendo a faculdade certa 2012-2013, que foram além do controle da fala para o controle total do comportamento:

  • Brown University: proibiu qualquer discurso que “fizesse as pessoas ficarem com raiva, impotentes e privadas de direitos”
  • Colby College: proibiu qualquer discurso “levando à perda de auto-estima”
  • Bryn Mawr College: “looks sugestivos” proibidos
  • Haverford College: banido “flerte indesejável”
  • Universidade de Connecticut: proibição do “riso impróprio”
  • West Virginia University: proibiu o uso das palavras “namorado” ou “namorada”, mas disse aos alunos que usam como palavras “amante” ou “parceiro”.

Veja o que a Grand Valley State University recomenda que façamos para supostamente remover “preconceitos” de nossa linguagem:

Evitando Racismo e Ageismo

Mencione a raça ou idade de uma pessoa apenas se for relevante para a história.
Tendencioso: Um homem estranho falou comigo no supermercado.
Melhor: um homem estranho falou comigo no armazém.

Deficiência e doença

Concentre-se nas pessoas e não nas condições.
Tendencioso: encontrei um epiléptico no ônibus hoje.
Melhor: conheci uma pessoa com epilepsia no ônibus hoje.

Desde quando ser descritivo (“velho” ou “epiléptico”) equivale a discriminatório? Desde quando tornar-se menos descritivo equivale a menos discriminatório? Fale sobre uma perversão da fala direta e comum! O politicamente correto está colocando a realidade de ponta-cabeça.

Para este fim, aqui está uma citação arrepiante de 1984:

“‘Você não aprecia a Novilíngua, Winston’, disse ele quase com tristeza … ‘Em seu coração, você prefere ficar com a Oldspeak, com toda a sua imprecisão e nuances inúteis de significado. Você não compreende a beleza da destruição das palavras. Você sabia que a Novilíngua é a única língua do mundo cujo vocabulário fica menor a cada ano?’

‘Você não vê que todo o objetivo de Novilíngua é estreitar o campo de pensamento? No final, faremos o crime de pensamento literalmente impossível, porque não haverá palavras para expressá-lo …’”

Qualquer coisa e tudo é potencialmente ofensivo

Todas as palavras são potencialmente ofensivas. Cada palavra pode potencialmente ser associada a algo “ruim”, então cada palavra pode ficar sob o escrutínio da polícia do PC. Calúnias, insultos e linguagem depreciativa sempre existiram, desde que os humanos podiam falar. Você não pode simplesmente aniquilá-los. Até mesmo os conceitos de “microagressão” e “discurso de ódio” são noções falhadas, tentando fazer com que “ter seus sentimentos magoados” ou “ser ofendido” moral ou legalmente equivalente a assédio. Não há equivalência! Paus e pedras podem quebrar meus ossos, mas nomes nunca vão me machucar …

Foda-se politicamente correto.Eu encorajo qualquer um que tenha um leve interesse em uma humanidade livre com completa liberdade de expressão e total liberdade de pensamento, a resistir ao politicamente correto com cada fibra de seu ser. Se você está preocupado em ferir os sentimentos das pessoas desnecessariamente, sempre poderá encontrar maneiras de expressar algo da maneira certa. Nesse tipo de situação, o que realmente importa é a maneira como você diz as palavras, não o que você diz.

VISITE NOSSA LIVRARIA

[carousel_slide id=’21184′]

 

Não precisamos da polícia da fala para nos dizer o que podemos e não podemos dizer – ou podemos e não podemos pensar. Não precisamos passar por complicada ginástica verbal e masturbação apenas para dizer o que pensamos ou nos expressar.

É hora de aqueles que se escondem atrás de “sentir-se ofendidos” crescerem. Pare de exigir que as pessoas ao seu redor mudem por causa de sua falta de maturidade. Pare de tentar sequestrar a liberdade de todos por causa de sua timidez. Assim como a beleza está nos olhos de quem vê, a ofensa está na mente, na atitude e na reação de quem vê.

É hora de chamar uma pá de pá. Precisamos do espírito de conversa franca. Precisamos de coragem para falar a verdade ao poder, não ir na direção oposta e ter medo de dizer qualquer coisa. A verdadeira agenda do politicamente correto é sufocar a investigação objetiva e a liberdade de expressão. Em última análise, é para eliminar as críticas aos manipuladores da NOM sob o pretexto de impedir o “discurso de ódio” e tornar tudo justo e igual.

Uma pesquisa recente descobriu que o politicamente correto é extremamente impopular na América, mesmo entre moderados e independentes, o que me fez pensar sobre o assunto. Existe uma antiga citação de um famoso psiquiatra britânico chamado Anthony Daniels a respeito do politicamente correto. É a melhor citação que conheço sobre o assunto, e venho refletindo sobre ela há algum tempo, considerando seu significado e suas implicações. A citação diz:

O politicamente correto é propaganda comunista em pequena escala. Em meu estudo das sociedades comunistas, cheguei à conclusão de que o propósito da propaganda comunista não era persuadir ou convencer, nem informar, mas humilhar; e, portanto, quanto menos correspondesse à realidade, melhor.

Quando as pessoas são forçadas a permanecer em silêncio enquanto ouvem as mentiras mais óbvias, ou pior ainda, quando são forçadas a repeti-las elas mesmas, perdem de uma vez por todas o senso de probidade. Aceitar mentiras óbvias é cooperar com o mal e, de alguma forma, tornar-se o próprio mal. A capacidade de resistir a qualquer coisa é, portanto, erodida e até destruída.

Uma sociedade de mentirosos castrados é fácil de controlar. Eu acho que se você examinar o politicamente correto, tem o mesmo efeito e é pretendido.

Desta forma, o politicamente correto pode ser visto não apenas como uma forma de controle narrativo e supressão da verdade, mas como um tipo de intimidação implacável. Códigos de discurso e propaganda persistente que ninguém tem permissão para objetar (como a adoração da diversidade ou as ficções que ouvimos constantemente sobre a igualdade humana), reforçam o senso de impotência da sociedade. Se você conseguir fazer as pessoas concordarem com mentiras óbvias, ou melhor ainda, repeti-las, ou melhor ainda, absorvê-las, ou seja, mentir para si mesmas, não há virtualmente nada que você não possa obrigá-las a fazer. Você quebrou o selo, como dizem os bebedores.

VISITE NOSSA LIVRARIA

[carousel_slide id=’21184′]

 

É como se você tivesse obrigado um homem a assassinar um inocente ou a estuprar sua própria irmã. Você destruiu um pouco de sua alma, você o obrigou a se render, a se submeter, a escolher o pragmatismo em vez da retidão, a abandonar sua razão em prol da sobrevivência social ou profissional. Uma vez que um homem perdeu seu senso de vergonha, de orgulho, de arbítrio, de integridade, uma vez que ele deve abandonar sua própria consciência e se apresentar para que todo o mundo veja apenas para que seja socialmente aceito, ele é uma ovelha sendo levado para o massacre naquele ponto. Ele foi subjugado completamente. Seu coração é uma ferida aberta. Ele foi deformado e degradado em seu âmago, em sua essência.

Devemos ver o politicamente correto, então, como uma forma muito intensa de guerra psicológica e espiritual. O objetivo disso não é apenas censurar ideias e palavras e manter as pessoas no escuro. O objetivo final é destruir o senso de direito do sujeito e o senso de vergonha do sujeito e, o mais importante, a vontade do sujeito de resistir, de viver uma vida de autenticidade, de honra, de virtude. Uma vez que essas barragens são rompidas, o vício flui sem esforço morro abaixo para o indivíduo e para as sociedades que vivem à sombra dessas barragens, conhecidas coloquialmente como princípio, consciência, probidade, integridade, honra e virtude cívica – as coisas que sustentam a civilização humana.

Se as pessoas nem mesmo estão dispostas a se levantar e rejeitar a mais flagrante das falsidades, o que elas enfrentarão? Eles vão concordar com quase tudo nesse ponto. Pessoas condicionadas a usar uma máscara todos os dias de suas vidas, para apresentar ao mundo um eu perfeitamente falso, para celebrar coisas que nenhuma pessoa decente ou sensata poderia ou gostaria de celebrar, já consentiram com o intolerável.

Quando as atrocidades mais impensáveis ​​chegarem, eles estarão mais do que prontos para tolerá-las. Eles já tiveram ampla prática em tolerar o impensável. Eles já concordaram muitas vezes em negar a realidade bem diante de seus próprios olhos e em admitir o que sabem em seus corações como puro mal.

Se entendermos a Correção Política desta forma, devemos entender a Correção Política não apenas como um ataque à verdade, o que é claro, mas como a principal frente de uma guerra contra a própria liberdade humana, sobre mentes livres, sobre povos livres, em nações livres. O politicamente correto abre caminho para o exército de horríveis por trás dele, transformando a loucura em evangelho, a mansidão em moda e a rendição em hábito.

Os povos vencidos e desmoralizados não revidam, não se levantam e se livram da tirania marxista. Eles aplaudem em vez de se encolher (como todas as pessoas de sã consciência fariam) quando seus senhores feudais exibem, em rede nacional, uma dragqueen de 11 anos vestida como uma prostituta de rua. Eles não fazem nada quando informados de que meninos de 9 anos são perfeitamente capazes de decidir começar a transição física para meninas por meio de medicamentos poderosos que alteram a mente e o corpo permanentemente. Eles jogam junto quando oligarcas do marxismo cultural e personalidades da mídia nos dizem que inundar o país com criminosos e imbecis do terceiro mundo levará ao progresso moral e social.

Eles permanecem em silêncio quando são informados de que os asiáticos do leste e os brancos são os verdadeiros racistas por não quererem ser sistematicamente discriminados racialmente nas contratações e admissões nas universidades em todo o país. Porque quem concordaria com o absurdo já está a meio caminho da atrocidade. Ele sacrificou um pedaço de sua alma por segurança, mas não o receberá. O universo nunca recompensou e nunca recompensará tal barganha.


Autores: Makia Freeman e Amalric de Droevig
Fonte: Wakeup-World | Russia-Insider
Tradução: Dinâmica Global


VISITE NOSSA LIVRARIA

[carousel_slide id=’21184′]

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Quer receber nossas notificações?    SIM! Não, obrigado (a)