fbpx

O desafio atual de cada indivíduo consiste em lidar com a prevenção das doenças crônicas, que são caracterizadas por um acúmulo lento e progressivo de danos e que muitas vezes passam imperceptíveis. Entretanto, devemos ter conhecimento do funcionamento do nosso organismo para podermos prevenir danos futuros. Portanto, entender a gênese de possíveis danos relacionados ao estresse, inevitável nos dias de hoje, é fundamental.

Primeiramente, vamos entender porque os hormônios sexuais são tão importantes. Os hormônios sexuais não têm relação apenas com a reprodução e as mudanças físicas do organismo, mas também estão relacionados com o bem-estar, a saúde mental, desenvolvimento e força muscular, ânimo, disposição e a absorção do cálcio. Nos homens, a testosterona possui as funções citadas acima, mas também tem relação com a produção de glóbulos vermelhos, distribuição da gordura corporal, aumento da produção de espermatozoides, melhora da concentração e da memória, ossos mais fortes, aumento de energia, e atenção mental.  E quando os nossos hormônios estão em desequilíbrio podemos sentir fadiga, depressão, ganho de peso, alterações de humor, risco aumentado de Alzheimer, disfunção erétil, risco de osteoporose, pensamentos confusos, etc.

[carousel_slide id=’24435′]

 

Já em relação ao hormônio do estresse, podemos citar que diversos fatores podem levar a um episódio estressante: desde fatores sensoriais e físicos (como dor, frio ou calor excessivos), como por abalos psicológicos e emocionais. O estresse é uma ferramenta natural e necessária do nosso organismo, como por exemplo, um atleta que treina precisa do estresse físico para atingir a definição e a resposta inflamatória é necessária para a modificação celular desejada; entretanto, a resposta estressante excessiva ou de forma crônica pode causar danos severos no organismo e causar a morte celular em excesso.

Quando há estímulo as glândulas adrenais passam a produzir e liberar os hormônios do estresse, sendo o cortisol o hormônio de principal importância para esta análise. O cortisol é um hormônio relacionado ao estresse com função de gliconeogênese (síntese de glicose no fígado), lipogênese (síntese de gordura que será armazenada no fígado) e proteólise (degradação de proteínas).

A ação do cortisol no organismo consiste em ação anti-inflamatória e efeito na supressão da resposta febril por diminuições de interleucinas, reduzindo o número das células de defesa denominadas linfócitos circulantes, particularmente os T auxiliares, envolvidos na resposta imunológica a substâncias estranhas e diminuindo igualmente a sua função imunológica. O aumento do cortisol causa cansaço, hipoglicemia, pressão alta e diminuição da resposta imune. Enquanto o cortisol baixo resulta em ansiedade, doenças autoimunes, fadiga e insônia.

[carousel_slide id=’23571′]

 

Em suma, o cortisol é o hormônio que está em funcionamento durante o dia, enquanto a melatonina é o hormônio ativo durante a noite. No geral, se os níveis de cortisol estiverem elevados durante a noite pode então desencadear episódios de insônia, imunossupressão e estresse oxidativo avançado, e culminando em doenças crônicas.

Além disso, o estresse também é causador de danos hormonais e a indução à resistência a insulina, o qual ocorre devido ao seu fator de glicação que resulta em doenças degenerativas.

Mas, qual é o efeito do estresse na glândula adrenal e nos hormônios sexuais?

O estresse reduz a produção de hormônios sexuais, pois caem os níveis de DHEA, testosterona, progesterona e estrogênio, isto ocorre porque os níveis de Pregninolona caem na medida em que são necessários para produção do cortisol.

Glândula adrenal

↙                            ↓                             ↘

 Adrenalina e Norepinefrina      Colesterol        Aldosterona

Pregninolona

↙                                                                                    ↘

Progesterona                                                                         DHEA

      ↓                                                              ↓

           Cortisol                                               Testosterona

                                                                    ↓

                                                                     Estrogênio

 

Observamos na via metabólica descrita acima a síntese de Cortisol e como ela ocorre. O colesterol é a base para a produção do cortisol e dos hormônios sexuais. É a partir do colesterol que a Pregninolona é sintetizada. A Pregninolona é precursora tanto da Progesterona (que é a rota do cortisol, hormônio do estresse); tanto quanto da DHEA, que é precursor dos hormônios Testosterona (hormônio masculino) e do estrogênio (hormônio feminino). Isto significa que se a demanda de Pregninolona for muito alta para a produção de cortisol (estresse), haverá uma queda do nível dos hormônios sexuais, importantes para a manutenção saudável do organismo, podendo desencadear episódios dos efeitos citados acima em relação a queda hormonal.

Então a modulação ou o equilíbrio do cortisol se faz é necessária para uma vida equilibrada e obtermos uma resposta imune efetiva, algo muito desejável em época de pandemia, que se faz do estresse algo muito difícil de controlar devido à ansiedade, o medo e a insegurança relacionada com o momento crítico em que vivemos. Porém, o excesso de estresse e ansiedade que nos afligem pode ser justamente o fator que leva a piorar a sua imunidade e mal-estar.

[carousel_slide id=’23543′]

 

Mas, existem fontes naturais que podemos utilizar para nos ajudar? Existem diversos alimentos de fontes naturais que podem nos ajudar neste desafio, como o Ginseng (indicado apenas para quem não tomam antidepressivos e nem tem ansiedade), manjericão santo, amoreira branca e especialmente a aveia, ou Avena sativa, que possui diversos compostos como flavonoides, saponinas e avenantramidas. A Aveia consegue estimular a memória recente e tardia, e é também coadjuvante no gerenciamento de peso.

Além desses compostos, o cuidado psicológico e a alimentação são fundamentais para evitar o estresse crônico. Devemos sempre nos atentar para as causas do estresse crônico, e analisar se sozinhos conseguimos resolver o problema ou se precisamos de algum tipo de auxílio profissional. Manter os nossos hormônios equilibrados é vital para uma vida salutar. E hoje, com tantos compostos químicos e aditivos que tem efeitos disruptores endócrinos (substâncias que promovem alterações hormonais) é quando mais precisamos estar atentos aos sinais apresentados pelo nosso organismo e as substâncias que consumimos. Para esculpir a vida que desejamos precisamos apenas de disciplina e bons hábitos.

By Daniela Merlak

Farmacêutica Magistral com foco de estudos em Fitoterapia Magistral e Nutrição

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Quer receber nossas notificações?    SIM! Não, obrigado (a)