Joseph Goebbels sobre Winston Churchill

Nos ajude a espalhar a palavra:

Este artigo foi escrito dia 2 de fevereiro de 1941. A Inglaterra estava em guerra frontal com a Alemanha e Goebbels expõe seus pensamentos sobre Churchill em seu livro “O tempo sem exemplo, discursos e ensaios dos anos 1939/40/41”. Abaixo segue-se alguns parágrafos traduzidos do que o na época Ministro da Propaganda escreveu: 

“Só existe uma maneira de quebrar a resistência dos bôers: Repressão total. Em outras palavras, devemos matar os pais para ensinar as crianças a nos respeitar.”

Assim escreveu o correspondente do jornal inglês ‘Morning Post’ durante a Guerra dos Bôers. Ele era o mesmo homem que relatou sobre uma expedição de punição inglesa realizada ao vale de Mamund: “Nós partíamos sistematicamente de vila em vila, destruindo as casas, arruinando os poços, quebrando as torres, derrubando as árvores maiores que davam sombra, queimando a colheita e destruindo os reservatórios de água … Depois de quatorze dias, o vale ficou deserto e nossa honra foi satisfeita.”

Segundo Lady Asquith, esposa do então primeiro-ministro inglês, este repórter de guerra, que antes havia avançado para o Primeiro Senhor do Almirantado, respondeu à eclosão da Guerra Mundial com um sorriso alegre. Durante um discurso em Dundee, uma mulher da galeria gritou: “Você nunca contou a verdade. A verdade é estranha para você!”. Ele introduziu a frase “inexatidão terminológica” no mundo, uma maneira discreta e grosseira de evitar a palavra “mentira”. Ele recorre regularmente ao fraseado quando é pego em uma. Seus truques são de renome mundial. O encouraçado inglês “Audacious” foi afundado em 27 de outubro de 1914. Ele não apenas negou o fato, como também publicou fotos falsificadas do “Audacious” com esta legenda: “O ‘Audacious’ retorna à frota”. Em 1900, ele escreveu em um de seus livros: “Naquele momento, eu não tinha ideia de quão grande e indubitavelmente útil era o papel de enganar nas nações que gozam de liberdade democrática“.

O leitor já deve ter adivinhado de quem estamos falando. É o Sr. Winston Churchill, W.C. atualmente, o primeiro ministro inglês e o primeiro violino no concerto infernal que o mundo inteiro plutocrático está tocando contra as potências do Eixo.

Não é fácil fazer um esboço do caráter de um homem que carece de qualquer caráter. Ele é um daqueles camaleões políticos que podem mudar sua cor conforme necessário e suas opiniões mil vezes e faz uso constante dessas habilidades sempre que pode. Ele mente não apenas por necessidade, mas pelo puro prazer disso, pois faz parte de sua vida. Como escreveu um importante jornal inglês após as amargas experiências da Guerra Mundial, ele é um malabarista político que, infelizmente, sempre leva seu país na direção errada.

É preciso conhecer Churchill para entender as políticas atuais e a liderança militar da Inglaterra. São totalmente sem direção ou plano, uma cadeia interminável de ações e improvisações que agora parecem prosperar a princípio, mas no final acabam perdendo o sucesso regularmente.

Na primavera passada, por exemplo, Churchill teve a ideia maluca de ocupar a Noruega. O Führer acabou com ele, o que não o impediu de reivindicar um sucesso brilhante. O exército alemão expulsou as tropas britânicas da Noruega em uma gloriosa vitória. Churchill, no entanto, fez um discurso para os sobreviventes das tropas britânicas “Hardy” e “Ellipse”, no qual ele disse: “Vocês são a vanguarda do exército que usaremos no decorrer do verão para limpar a Noruega da terrível imundície da tirania nazista”.

Segunda Guerra Mundial: Intervenção da Wehrmacht alemã na Noruega em 9 de abril de 1940. Tropas alemãs em uma amarga luta contra tropas norueguesas em uma vila, 40 km a oeste de Lillehammer. Foto: Erich Borchert / ADN-ZB Archiv

Todo mundo sabe o que realmente aconteceu. A Inglaterra tinha que se contentar em salvar os últimos remanescentes de suas divisões derrotadas na Europa Ocidental. Parou de falar sobre uma nova ocupação na Noruega. Mas isso não incomodou Churchill. Ele passou por isso durante a Guerra Mundial com sua desastrosa invasão em Gallipoli. Ele passou por rios de sangue inglês, o que seria difícil para qualquer outra pessoa comum que possui sentimentos após uma catástrofe. Seu cinismo sobre uma guerra que afeta milhões de vidas humanas é incomparável. Sua autobiografia tem uma passagem interessante comparando as guerras na Índia a uma guerra europeia: “A repressão dos indianos pobres dificilmente poderia se comparar a uma guerra europeia. Era como uma perseguição de papel ao invés de correr em um derby real.

Bem, é preciso aceitar o que a idade oferece.

É assim que Churchill vive. É preciso ver uma fotografia atual de seu rosto para compreender a verdadeira face da depravação da plutocracia. Esse rosto não tem uma única característica boa. É marcado pelo cinismo. Os olhos gelados estão livres de qualquer emoção. Esse homem caminha sobre cadáveres para alimentar seu egoísmo cego e ilimitado. O charuto na boca é o último sinal de um estilo de vida que sobrevive ao tempo. O líder trabalhista inglês Lansbury escreveu sobre ele no “Daily Herald” em 12 de julho de 1919:

“Ele tem outros problemas além de preocupação consigo mesmo e nenhum interesse além dos da classe dominante. Em todos os seus empreendimentos, ele sempre conseguiu encontrar um canto para si mesmo para se alimentar do estado, e geralmente um dos cantos mais bem pagos e agradáveis”.

Winston Churchill, na década de 1940. Foto: Esetge

Não temos nada a acrescentar. A Inglaterra um dia pagará um preço muito alto por esse homem. Quando a grande catástrofe surgir sobre a ilha do reino inglês, o povo britânico terá que agradecer a ele. Ele é o porta-voz da casta plutocrática que queria que a guerra destruísse a Alemanha. Ele se distingue dos homens nos bastidores apenas através de seu óbvio cinismo e de seu inescrupuloso desprezo pela humanidade. Ele quer guerra por causa da guerra. A guerra é um fim em si para ele. Ele desejou, empurrou e preparou-a com um impulso estúpido e destrutivo. Ele é um daqueles personagens do submundo político que ascende ao caos, que anuncia o caos, que causa o caos. Para inúmeras pessoas, a guerra traz um vasto sofrimento, para inúmeras crianças, fome e doenças, para inúmeras mães e mulheres, lágrimas. Para ele, não é mais do que uma grande corrida de cavalos em que ele quer participar.

Ele agora tem o que queria. A Inglaterra está no meio da mais grave luta de sua história, da qual terá sorte se emergir da sua mera existência. A grande corrida começou, e quem a quis tanto é o primeiro ministro inglês. Ele não será capaz de escapar durante a hora crucial. Quando Chamberlain era seu superior, ele podia evitar a responsabilidade final. Não mais. Ele deve permanecer de pé e lutar.

Não nos surpreende que ele esteja lutando até o fim. Ninguém pode escapar de si mesmo, nem mesmo o Sr. Churchill. Ele se perde em fantasias febris e confunde sonhos sem ter a sombra da verdade com a realidade. Em situações das quais não há escapatória, ele recorre a fases que soam místicas. Suas explosões contra o Reich e o Führer exibem uma linguagem comum de sarjeta que geralmente é rejeitada até mesmo pelos mais ferozes inimigos. Ele cospe insultos contra o povo alemão em sua raiva impotente. Em tudo isso, nós o vemos sem máscara, uma caricatura de John Bull, um valentão desdentado, uma monstruosidade nascida da imundície e fogo que devemos tornar inofensivo se o mundo quiser ter paz.

O trágico destino da Inglaterra é que ela é liderada por ele e vinculou seu destino ao dele. Foi ele quem convenceu a Grã-Bretanha a ignorar sua oportunidade de seguir o caminho mais rápido para sua queda. Quando a história da queda do reino britânico for escrita um dia, o título do capítulo principal terá que ser “Churchill”.

É sempre bom ver um sistema tirânico incorporado em um homem. Esse é o caso aqui. Isso facilita nosso ataque. Pelo menos sabemos onde estamos. Churchill – isso significa guerra, desde que ele esteja por perto. Ele nunca quis mais nada e nunca poderá querer mais nada.

Bem, agora ele a tem, assim como a nação que deve lutar e sofrer, ele cairá com a guerra, e em seu túmulo estarão os milhões de maldições daqueles que ele seduziu. Isso e só isso é o que.

A Inglaterra mereceu.

GOEBBELS, Joseph. Die Zeit ohne Beispiel, Reden und Aufsätze aus den Jahren 1939/40/41, “Winston Churchill”, p. 380-384. Munique: Zentralverlag der NSDAP, 1941.

siga em
Nos ajude a espalhar a palavra:
Gostou do artigo? Você pode contribuir para o site com uma doação:

One thought on “Joseph Goebbels sobre Winston Churchill”

  1. “Não temos nada a acrescentar. A Inglaterra um dia pagará um preço muito alto por esse homem. Quando a grande catástrofe surgir sobre a ilha do reino inglês, o povo britânico terá que agradecer a ele.” O Goebbels parecia estar prevendo o que aconteceria com a Grã-Bretanha nos dias de hoje, completamente destruída pelo multiculturalismo e pela imigração islâmica. E ainda na prefeitura de Londres um muçulmano imundo o Sadik Khan. E fora o canalha kosher David Cameron que afirmou que o Reino Unido deveria se adaptar ao islã. A direita brasileira burra que só, acredita que Churchill lutava contra a esquerda, mas só que o maior culpado por toda a destruição da cultura branca da Inglaterra foi justamente Winston Churchill. É bem provável que se aquele gordo doente com cara de retardado estivesse vivo, ele estaria ao lado dos imigrantes islâmicos e pedindo “mais amor e compaixão” por eles ao povo britânico. Não aguento mais ouvir tantos imbecis pedindo clemência e amor para imigrantes ilegais que destroem a cultura de um país e ainda acham “normal” a destruição da raça branca com tanta miscigenação. Hitler estava certo o tempo todo, mas o porco sionista Churchill precisava fazer alguma coisa para salvar seus protegidos judeus. E aqui no Brasil as pessoas já são covardes e pra piorar aqui tem todo esse discurso do espiritismo kardecista de “amor ao próximo” ou então aquela idiotice da Teologia da Libertação aonde padres agem como verdaderios judeus imundos defendendo bandidos e vagabundos.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.