Migrantes e Intervenções Humanitárias – Uma Entrevista com Alain de Benoist

Nos ajude a espalhar a palavra:

A foto daquela criança síria encalhada na praia está agora em processo de se tornar uma nova página na opinião europeia. Em nossa época de “narrativas” é evidente que a questão do migrante é um “drama humano”?

Naturalmente é um “drama humano.” É preciso alguém ter um coração seco ou estar cego de ódio se não reconhecer isso. Muçulmanos ameaçados pelo islamismo jihadista, famílias inteiras fugindo de um Oriente Médio desestabilizado pelas políticas ocidentais – naturalmente isto é um “drama humano.” Mas isto é também uma questão política e mesmo uma questão de geopolíticas. Daí a necessidade de descobrir o relacionamento entre a esfera política e a esfera humanitária. Bem, a experiência tem mostrado que intervenções “humanitárias” geralmente somente agravam ainda mais as coisas. O predomínio das categorias legais sobre as categorias políticas é uma das principais causas de impotência dos estados.O tsunami migratório o qual nós estamos testemunhando está ganhando o tamanho de um desastre. Primeiro, houve um cálculo baseado em milhares de refugiados, então dez mil; então centenas de milhares. E agora mais que 350.000 migrantes têm cruzado o Mediterrâneo nos recentes meses. A Alemanha tem concordado em aceitar, 800.000 deles, muito mais que o inteiro registro de nascimento deles próprios por ano. Nós estamos muito a frente da imigração intersticial de trinta anos atrás! Encarando isto como um ataque os países europeus estão se perguntando a si mesmos: “Como nós vamos receber eles?”. Nunca eles perguntam a si mesmos: “Como nós iremos prevenir eles de entrarem?”. Mesmo o Ministro de Relações Exteriores francês, Laurent Fabius, considera “escandalosa” a atitude dos países que desejam fechar suas fronteiras. Irá ser do mesmo jeito quando o número de migrantes que entraram estiver contado em milhões? Estarão os políticos mais preocupados em relação aos incontáveis “dramas humanos” acontecendo no mundo agora mesmo mais do que com o bem comum de seus próprios cidadãos? Este é o núcleo da questão.

Além das emoções desencadeadas pelo “choque das fotos”, que argumentos estão sendo oferecidos por aqueles que querem convencer-nos do mérito das migrações?

Aqueles argumentos estão sendo exibidos em dois níveis; primeiro, o argumento moral (“estes são nossos irmãos, nós temos uma obrigação moral para com eles”); e então o argumento econômico (julgando pelas palavras de William Lacy Swing, Chefe Executivo da Organização Internacional para Migração (OIM); “Migrações são necessárias se nós queremos uma economia próspera’ . O primeiro argumento embaralha junto a moralidade privada e pública e a moralidade política, ambas delas tendo suas origens na crença do universalismo. Aqueles que usam estes argumentos consideram que antes de serem um homem francês, um alemão, um sírio ou um chinês, indivíduos são primeiro “seres humanos”, isto é, eles pertencem a uma imediata forma de humanidade, onde de fato eles pertençam à uma humanidade numa forma imediata através de uma específica cultura a qual eles nasceram e na qual têm herdado. Para eles, o mundo é habitado por “pessoas” abstratas, sem raízes, cuja característica comum é a intercambialidade.  Enquanto para culturas – eles veem elas somente como epifenômenos (produto acidental, acessório, de um processo,  de um  fenômeno essencial, sobre o qual não tem efeitos próprios [1]). Isto é o que Jacques Attali, disse na revista Cadmos em 1981: “Para mim, a cultura europeia não existe, nem tem ela nunca existido.”

Judeu ricaço globalista da França, Jacques Attali, amigo íntimo do Presidente E. Macron, disse na revista Cadmos em 1981: “Para mim, a cultura europeia não existe, nem nunca ela tem existido.”FOTO: AFP – 9/9/2016.

O Departamento de Assuntos Econômicos e Sociais das Nações Unidas (DESA) tem recentemente divulgado um relatório sobre os países europeus no qual diz que “na ausência de reposição por migrações o declínio populacional é inevitável.” Ele também afirma que “para a Europa, como um todo, o que é necessário é duas vezes o nível de imigração, como registrado nos anos de 1990” – impedimento o qual a aposentadoria irá ser estendida para 75 anos.  A Europa está envelhecendo, a imigração irá salvar isso; esta é a perfeita ilustração da ideia que o homem é intercambiável, indiferente de sua origem. Portanto imperativos econômicos devem prevalecer sobre todos os outros imperativos. A ética de “direitos humanos” é somente uma cobertura para interesses financeiros.

Inquestionavelmente existe também um aspecto demográfico para isso. Você conhece aquelas palavras do ex-presidente da Argélia, Houari Boumédiène, a qual o povo da direita sempre repete: “Algum dia milhões de homens irão deixar o Hemisfério Sul e se mover para o Hemisfério Norte. Eles não irão lá como amigos; eles irão lá afim de conquistar. E eles irão conquistar com os filhos deles. A barriga de nossas mulheres irá assegurar a vitória.” É esta a Grande Reposição?

De acordo com alguns, Boumédiène deve ter proferido estas observações em fevereiro de 1974 na 2ª reunião de cúpula islâmica, em Lahore, no Paquistão. De acordo com outros, ele disse aquelas palavras em 10 de abril de 1974, a partir da tribuna das Nações Unidas (ONU). Esta incerteza é reveladora, especialmente conforme o inteiro texto de seu suposto discurso não ter nunca sido feito público para ninguém. Houari Boumédiène, que não era um tolo, sabia bem que o Oriente Médio é no Hemisfério Norte, não no Hemisfério Sul! Então existe uma boa chance que este seja um texto apócrifo.

Tão avançado como é este tópico em pauta, é mais prudente ouvir os demógrafos. A população do continente africano tem aumentado de 100 milhões em 1900 para mais de um bilhão hoje. Em 2050, ou daqui a trinta e cinco anos, existirá entre dois a três bilhões de africanos, com quatro bilhões ao fim do século. Embora as relações demográficas não possam ser reduzidas para um fenômeno de vasos comunicantes, seria ingênuo esperar que tal crescimento populacional prodigioso, o qual nós mesmos temos também fomentado, não irá ter nenhum impacto nas migrações futuras. Conforme Bernard Lugan observou: “como nós podemos esperar que migrantes irão parar sua corrida para o ‘paraíso’ europeu se este ‘paraíso’ não é defendido e habitado por homens velhos?”

A Grande Reposição? Bem, pessoalmente, eu prefiro falar sobre “a Grande Transformação.” Em minha opinião a “Grande Reposição” irá ocorrer com a substituição do homem pela máquina, isto é, a substituição da inteligência artificial para inteligência humana. Um perigo muito mais próximo do que nós podemos possivelmente imaginar.

Fonte: World Traditional Front

Publicado originalmente em 9 de setembro de 2015. Entrevista foi primeiro publicada em Boulevard Voutaire; traduzida do francês para o inglês por Tom Sunic. Tradução ao português e palavras entre chaves por Mykel Alexander.

Nota da Edição: 

[1] “Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa, Editora Objetiva, Rio de Janeiro, 2001, primeira edição. Vocábulo epifenômeno.”

VEJA TAMBÉM

Roy Howard Beck: Método Gumballs, Migração e a Inutilidade das Políticas Humanitárias

O Problema da Imigração no Século XXI

Lobby Imigrante: Quem Financia a Crise Migratória do Mediterrâneo?

Entendendo a Crise de Imigração no Mediterrâneo

Racismo, as Ideias Malditas

Globalistão – Futuro Arquipélago Gulag do Terceiro Mundialismo Global (Primeira Parte)

Mykel Alexander

Escritor e tradutor em World Traditional Front
Possui Licenciatura em História (Unimes, 2018), Licenciatura em Filosofia (Unimes, 2019) e Bacharel em Farmácia (Unisantos, 2000).
Nos ajude a espalhar a palavra:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.