Mnemosyne e Lethe; A cultura da lembrança e do esquecimento no Sistema Ocidental

A cultura da lembrança molda a fundação política de cada estado do mundo. Ao abordar a cultura da lembrança na Alemanha, o que passa pela cabeça imediatamente é a memória coletiva prescrita pelos Aliados para o povo alemão instalado no final da Segunda Guerra Mundial. As raízes psicológicas dessa cultura da lembrança do pós-guerra e seu significado para os alemães, bem como para outros povos da Europa, voltam ao fundo do passado deles. Por que a cultura da lembrança, em oposição à cultura do esquecimento, desempenha um papel tão proeminente na Alemanha, mas também em menor medida em todo o Ocidente – como se o curso real da história mundial tivesse começado depois das consequências do desastre de 1945?

A memória e a memória coletiva são as fundações do processo de formação da identidade, independentemente de nosso ódio ou amor por nossos formadores de opinião ou por nossos políticos, respectivamente, ou, nesse caso, independentemente do zeitgeist {em alemão, algo como a mentalidade da época} predominante. Deve-se primeiro esclarecer uns poucos termos e separar alguns nomes da mitologia e história europeias, e também colocar este assunto em um contexto histórico e filosófico mais amplo. Inevitavelmente, tentamos resgatar alguns poetas e pensadores.

Na mitologia grega antiga, Mnemosyne é o nome da deusa da memória; ela é o símbolo da onisciência e de todo o conhecimento. Sem Mnemosyne não há vida humana, nenhuma linguagem, nenhuma cultura, e sem ela, todas as pessoas estão condenadas a vegetar como animais despojados de sua memória. Em contraste com a deusa da memória Mnemosyne, a deusa Lethe é retratada como um rio de esquecimento; isto é, Lethe é a corrente do esquecimento fluindo no notório mundo subterrâneo. Aquele que ousa beber deste rio esquece sua vida anterior, mas também suas preocupações e sua weltschmerz {em alemão, algo como dor adquirida na vida na Terra}, na esperança de alcançar uma vida relativamente despreocupada no submundo, ou reconstituir uma nova vida na terra.[1] Essas duas deusas são frequentemente evocadas por poetas, e figurativamente falando por todos nós diariamente quando lutamos para suprimir ou obliterar eventos passados embaraçosos, incluindo aqueles de natureza política. Paralelamente, ansiamos por ressuscitar nossas belas memórias, ou melhor ainda, reviver os momentos de nossa bem-aventurança do passado.

Há, no entanto, diferenças entre as memórias individuais e coletivas. Memórias coletivas, que geralmente são administradas em dias de memória ou comemorações públicas, ou outros eventos públicos, são sempre politicamente supervisionadas. Por exemplo, incontáveis ​​dias de memória coletiva homenageando as vítimas do fascismo ou colonialismo em países do antigo bloco comunista Oriental se transformaram em espetáculos políticos – mas de natureza transitória. No dia seguinte, a maioria daqueles dias memoriais ou foram esquecidos coletivamente ou foram recebidos com desinteresse geral. Depois disso, cidadãos da ex-Alemanha Oriental ou da ex-Iugoslávia contaram piadas a portas fechadas sobre os espetáculos comunistas e seus organizadores. Pode-se lembrar de eventos memoriais gigantescos na ex-Alemanha Oriental ou na ex-Iugoslávia, realizados em honra aos soldados soviéticos ou guerrilheiros {partisans} comunistas caídos na Segunda Guerra Mundial. Claro, comemorações públicas para as vítimas do comunismo não eram permitidas; vítimas anônimas do comunismo foram empurradas para a cultura do esquecimento. Na cultura oficial da memória comunista, não poderia haver nenhuma vítima do comunismo, visto que os termos “vítima” e “memória” eram aplicados apenas a heróis comunistas selecionados. Seguindo a queda do Muro de Berlim em 1989, bem como na esteira do colapso da Iugoslávia em 1991, os eventos memoriais comunistas tiveram que ser remodelados e substituídos por novas palavras memoriais, com ex-autopromotores comunistas tendo que se adaptar ao zeitgeist {em alemão, algo como a mentalidade da época} liberal. Nesses novos eventos comemorativos, o antigo simbolismo comunista está sendo substituído agora por uma verborragia e iconografia liberais. Poucas coisas mudaram, entretanto, até onde é concernido o conteúdo antifascista. Aliás, os dias de comemoração coletiva das vítimas do fascismo e, especialmente, a homenagem às vítimas do Holocausto {cujas investigações críticas atuais desmentem a existência do alegado holocausto judaico}[2] constituem a base do direito internacional na Europa Ocidental, Europa Oriental e na América.

Lembrando o pensamento positivo

Nossa lembrança individual, por outro lado, especialmente se ela traz imagens de encontros felizes do passado ou momentos alegres dos bons velhos ou antigos tempos, muitas vezes funciona como uma quimera, por meio da qual projetamos nostalgicamente essas imagens felizes do passado no presente, ou o futuro próximo na esperança de revivê-los mais uma vez. Todo pensamento positivo, entretanto, é uma consequência lógica de uma memória desfigurada. Pode-se relembrar aqui as palavras do poeta Hölderlin em seu poema “Mnemosyne”, em que expressa seu anseio pelo renascimento dos tempos míticos:

E há uma lei,

Que as coisas se arrastam na maneira de cobras,

Profeticamente, sonhando nas colinas do céu.

E há muito que precisa ser retido,

Como uma carga de madeira nos ombros.

Mas os caminhos são perigosos.[3]

A cada um de nós as suas próprias memórias, a cada um dos outros também a sua interpretação das suas memórias. Minha interpretação de minhas memórias de meus encontros anteriores é elaborada de forma diferente daquelas compostas por indivíduos que compartilharam esses encontros anteriores. Mesmo pessoas sem imaginação têm necessidade de memórias imaginárias, muitas vezes beirando o pensamento positivo que nega a realidade. O contraste entre a realidade e o pensamento positivo, entretanto, desempenha um papel especial nas memórias individuais, porque o pensamento positivo muitas vezes beira o autoengano. A fim de ilustrar melhor o pensamento positivo, pode-se enumerar inúmeros poetas alemães e especialmente Romanticistas Sombrios alemães descrevendo suas memórias que geralmente levam a catástrofes, suicídio ou mortes.

Em particular, surgem grandes decepções com as lembranças relacionadas a pontos de vista políticos. Muitos de nós conhecemos colegas que são críticos astutos do Sistema, mas cujos sonhos alternativos sobre o futuro da Europa ou dos Estados Unidos se baseiam em julgamentos irreais. Sempre que nós fazemos referência a sonhos políticos, o que vem à mente é o simbolismo da novela An Incident at the Owl Creek Bridge, do escritor americano Ambrose Bierce.[4] O personagem principal é um político local do sul que foi capturado e condenado à morte no meio da Guerra Civil Americana. Ele já está balançando na forca, mas imaginando como ele escapou habilmente do laço de seus algozes ianques, enquanto ao mesmo tempo saboreia seu retorno para sua família dentro de seu tempo sobrecarregado. O desejo por seu doppelganger {algo como a parte duplicada da alma, a qual é mais ativa durante o sono, e que é um conceito comum em vários povos} que pudesse trocar de lugar era uma grande ilusão, entretanto. Ele já estava morto e se foi.

A diferença entre memória individual e coletiva é ofuscante. Nossas memórias individuais, mesmo que não sejam geradas por um político poderoso, também podem se transformar em um pesadelo. Cada memória, seja individual ou coletiva, corre o risco de se esgotar em uma noção subjetiva de extensão do tempo. Pensar profunda e extensamente sobre aqueles momentos felizes do passado devora mais tempo do que o tempo real que levou para viver esses momentos felizes. 

Pior, pensar profunda e extensamente sobre momentos felizes pode se transformar na sensação de um eu distorcido o qual anseia por melhorias mundiais. Por outro lado, também ansiamos por abandonar algumas de nossas memórias ruins, especialmente se elas nos lembrarem, em retrospecto, de nosso comportamento grotesco do passado ou de nossos encontros anteriores embaraçosos, ou de nosso antigo estilo de vida político. Ernst Jünger descreve vividamente a sensação do tempo sobrecarregado resultante de ponderar incessantemente sobre nossas memórias.

A memória coletiva, ou uma memória imposta por um governo ou um tirano, gera facilmente psicose em massa, como vivemos hoje com os regulamentos de Covid decretados pelo Estado. A propósito, também se pode notar uma série de comemorações histórico-políticas na EU {União Europeia} e na América em favor dos migrantes não europeus e de sua história de colonização. Os políticos alemães em tais ocasiões gostam de se posicionar como modelos para uma nação transgressora autoinduzida (“Tätervolk”) – uma nação que deve realizar em público e por toda a eternidade os rituais de lembrança em nome das vítimas do fascismo. Esse exagero na compulsão alemã de agradar os estrangeiros é muito antigo, tendo suas raízes na política de abnegação estendendo profundamente por centenas de anos de história alemã sem Estado {até antes de 1871}. Erwin Stransky, um pensador alemão e neurologista de ascendência judaica e muito amigo dos alemães, notou pouco depois do fim da Primeira Guerra Mundial, ou seja, que bem antes do pós-Segunda Guerra Mundial a lavagem cerebral dos Aliados e a reeducação liberal comunista começaram. Ele observou como os alemães[5] gostam de desvairar sobre alienígenas e “que em nenhum lugar é mais fácil do que na Alemanha engodar e confundir os espíritos com bordões pseudocientíficos ou pseudolegais habilmente ‘lançados.’”[6] Tal memória desfigurada tem agora se tornado uma marca registrada de todos os povos ocidentais.

Ficando alto no esquecimento

Onde fica a cultura do esquecimento? O esquecimento coletivo é frequentemente encorajado por políticos da EU {União Europeia} e dos EUA e pela mídia, especialmente em relação a milhões de vítimas desconhecidas do comunismo ou incontáveis vítimas do atentado terrorista aéreo aliado na Segunda Guerra Mundial. Durante décadas, essas vítimas só apareceram como notas de rodapé na mídia ocidental. Ainda mais grotesco é o desejo de esquecimento por parte de muitos intelectuais e políticos do establishment dos Estados Unidos e da UE {União Europeia} em relação ao defasagem de suas antigas visões políticas – visões das quais eles eram ardorosos porta-estandartes não muito tempo atrás. Este é o caso dos ex-intelectuais marxistas após o colapso de sua mística marxista. A maioria dessas pessoas agora mudou completamente para a ideologia do livre mercado capitalista.

O sono é uma ferramenta útil para o autoesquecimento e, acima de tudo, ajuda muito no combate às más lembranças. O sono sem sonhos é a melhor maneira de se livrar das lembranças ruins. Os protagonistas de Shakespeare costumam falar do sono como o melhor método de salvação, pelo qual uma boa noite de sono de um prisioneiro político traz mais felicidade do que dias memoráveis e sem dormir de um tirano. O cansado Hamlet, sempre traído e enganado por sua família real, fala consigo mesmo:

Dormir! Possibilidade de sonhar; sim, aí está o problema;

Pois nesse sono de morte que sonhos podem vir

Quando nós tivermos saído se arrastando desta sequência espiral mortal,

Deve nos dar uma pausa: há o respeito

Isso faz a calamidade de uma vida tão longa;

Para quem suportaria os chicotes e os escárnios do tempo [7]

O poderoso governante Rei Henrique IV em outro drama de Shakespeare elogia ainda mais a salvação de um sono tranquilo:

Quantos milhares de meus assuntos mais pobres

A esta hora estão dormindo! Ó sono, ó sono suave,

Ama doce da natureza, como eu te assustei,

Que tu não mais percas a força em minhas pálpebras

E mergulhes meus sentidos no esquecimento?[8]

Em adição ao sono, existem métodos mais vívidos para aproveitar o processo de esquecimento e livrar-se das lembranças ruins, ou pelo menos mantê-las temporariamente sob controle. O remédio antigo é o álcool, ou melhor ainda, a droga ópio, a qual retarda o fluxo do tempo e mantém as memórias embaraçosas em xeque. Uma vez novamente, devemos nos referir a Ernst Jünger, que não foi apenas o melhor observador do nosso fim dos tempos, mas também o melhor conhecedor alemão de numerosos narcóticos.

Jünger foi um cavalheiro refinado que lidou muito com a ingestão de “ácido” – LSD – a fim de circunavegar melhor as paredes do tempo liberal-comunista ácidas. Em adição, Jünger era amigo do descobridor do LSD, Dr. Albert Hoffmann. Ambos viveram por mais de cem anos. “O ácido é ótimo!” – diriam seus discípulos viciados em seu nome.

Sob a influência de narcóticos, o tempo fica mais lento. O rio flui com mais suavidade; os bancos recuam. O tempo se torna ilimitado; ele se transforma em um mar. [9]

 É preciso ter cuidado, porém, com viagens de drogas, pois sempre há o risco de esquecer o destino. [10] Odisseu de Homero enfrentou esse perigo com seus marinheiros no caminho de volta para casa. Depois de sua longa perambulação pelo mar, um dia todos eles acabaram na terra dos comedores de lótus – homens que se entregaram a comer a droga de lótus, adquirindo assim as habilidades para se livrar de suas memórias e todas as preocupações que os acompanham. Odisseu teve muitos problemas para fazer seus camaradas intoxicados e sem memória voltarem a bordo. [11] Na verdade, aqueles comedores de lótus míticos que Odisseu conheceu são uma imagem primitiva de cidadãos contemporâneos na Alemanha, na EU {União Europeia} e nos EUA. Não há mais necessidade de o Sistema fabricar mártires, como era o caso sob o comunismo; o Sistema sabe como usar métodos muito mais elegantes para impor a vontade geral através do esquecimento em massa forçado. Na Geórgia, no Cáucaso, onde o tirano Stalin nasceu, há solo fértil bom para o cultivo de cannabis. Em vez dos gulags {campos de concentração soviéticos} na Sibéria, Stalin poderia ter tido mais sucesso na criação de campos de maconha na ex-União Soviética.

Mais tarde, Odisseu acaba nas instalações da deusa bruxa Circe – a deusa cujos poderes transformaram seus marinheiros perdidos em porcos. Essas novas criaturas suínas, embora dotadas de compreensão humana, não reclamam mais de sua nova vida. Pelo contrário. O processo de esquecimento pode ser bom. [12] Em um ambiente tão propenso ao esquecimento, as famosas palavras de Nietzsche parecem bastante desatualizadas: “Bem-aventurados os esquecidos; pois eles superam suas estupidezes também.” Lembrar de uma vida anterior na Terra pode ser um inferno para muitas pessoas. O Sistema, com seus contos que melhoram o mundo, agora usa métodos semelhantes de transformação de porcos homéricos de emburrecimento em massa, prometendo o nascimento de La La Land {expressão inglesa para uma existência fora da realidade}, mas adiando-o repetidas vezes até o futuro indefinido, quando todo o mal tiver sido eliminado. Além disso, o Sistema emprega técnicas refinadas para manter seus cidadãos sob controle, seja por meio do esquecimento forçado ou da memorização seletiva.

E isso não é nada novo na história. Damnatio memoriae ou danação da memória era um processo comum na Roma antiga contra políticos desprezíveis, embora já falecidos. Poucos são os que têm coragem de atacar os tiranos vivos. O mesmo processo de amaldiçoar a memória dos hereges ou dissidentes modernos continua a atuar com raiva e com força total na Alemanha moderna, nos Estados Unidos e na EU {União Europeia}. O que é novo, entretanto, é o aumento da autocensura e do autopoliciamento da vasta maioria dos políticos, mas também da maioria dos acadêmicos estabelecidos convencionalmente. A censura sempre fez parte do esquecimento coletivo imposto pelo Estado, tendo estado ao redor desde tempos antigos. No Ocidente contemporâneo, contudo, autocensura significa abnegação, por meio da qual até mesmo pessoas inteligentes em algum momento de sua carreira decidem voluntariamente renunciar a si mesmas. O poeta e médico alemão Gottfried Benn, junto com muitos outros pensadores europeus que conseguiram sobreviver aos bombardeios terroristas e expurgos aliados durante e após a Segunda Guerra Mundial, escreveu em seu poema “The Lost Self” sobre o indivíduo perdido no tempo e no espaço, sem direção ou valores.

Perdido eu – destruído por estratosferas,

vítima de íon -: cordeiro de raios gama –

partícula e campo -: quimeras e infinito

em sua grande pedra de Notre-Dame. [13]

Autocensura e autonegação

É digno de lembrar o muito elogiado filólogo e acadêmico alemão, professor Harald Weinrich, que é frequentemente citado pela mídia amiga do Sistema e que escreveu um bom livro sobre a cultura do esquecimento e da memória na literatura europeia. Como acontece com incontáveis acadêmicos convencionalmente estabelecidos, no entanto, ele é mandatado para ocasionalmente realizar ritos de expiação. Isso chama a atenção no Capítulo IX de seu livro Lethe: The Art and Critique of Forgetting, onde ele insiste na perpétua lembrança de Auschwitz {cujas investigações críticas atuais desmentem a existência do alegado holocausto judaico.} [14] “Esquecer não é mais permitido aqui. Não pode haver uma arte de esquecer aqui também e não deveria haver nenhuma.”[15] Em seus comentários para a mídia, ele continua com suas declarações de sinalização de virtude: “Eu só posso, portanto, concordar de todo o coração que deveria haver uma proibição absoluta de esquecer o genocídio.”[16]

Essas confissões de culpa semelhantes às de Canossa[17] fazem hoje parte do folclore político da Alemanha. Nem uma palavra de Weinrich e outros companheiros de viagem antifa {anti-fascistas} sobre o esquecimento forçado imposto pelo Sistema em relação a milhões de alemães, croatas e outros europeus orientais perseguidos após a marcha vitoriosa dos Aliados em 1945. Weinrich e muitos de seus espíritos de mesmo parentesco, com sua religião da lembrança recém-adquirida, se encaixam no arquétipo hipermoralista de Nietzsche, “onde este homem de má consciência tem se apossado de pressupostos religiosos a fim de prover sua autotortura com suas mais horríveis aspereza e agudeza.”[18] Weinrich é somente um pequeno exemplo da maioria dos jovens acadêmicos da EU {União Europeia}, todos competindo por uma visibilidade brilhante na mídia acadêmica por meio de sua autoflagelação e abnegação. Há muito tempo, a alegoria dessa auto-emasculação espiritual alemã foi descrita pelo poeta e pintor alemão Wilhelm Busch em sua história sarcástica sobre Santo Antônio. O sempre arrependido Santo Antônio, o grande amante dos animais, decide ficar noivo de um porco, presumivelmente para melhor assegurar sua ascensão zoófila de transgênero ao céu por toda a eternidade:

Bem vinda! Entre em paz!

Nenhum amigo está divorciado do amigo aqui. Bastante

poucas ovelhas entram,

porque não um bom porco também!![19]

Vários autores escreveram criticamente sobre a consciência histórica distorcida e um processo seletivo de memória dos brancos. Parece que quanto mais se fala hoje sobre a necessidade de lembrar as vítimas do fascismo, mais essas memórias antifascistas regurgitadas se transformam em objetos de incredulidade e ridículo em massa. Enquanto isso, a memória de milhões de vítimas do comunismo está sendo relegada ao reino do esquecimento. Lembrar o destino de civis alemães expulsos e mortos após a Segunda Guerra Mundial está se tornando gradualmente de interesse apenas para arquivos de antiquários, e somente esporadicamente. A mídia alemã, norte-americana e da União Europeia, incluindo historiadores e políticos convencionalmente estabelecidos, se e quando narrarem os campos de extermínio comunistas, são extremamente cuidadosos para nunca ofuscar a memória da contagem de cadáveres do Holocausto {o qual as investigações críticas atuais desmentem a existência do alegado holocausto judaico.}[20] Por exemplo, a catástrofe croata pós-Segunda Guerra Mundial com suas centenas de milhares de mortos, conhecida entre os croatas de mentalidade nacionalista como a “tragédia de Bleiburg,”[21] dificilmente é alguma vez referida como parte da memória coletiva ocidental. [22] Por outro lado, a superlicitação nas memórias antifascista, judaica e anticolonial, onde o proverbial “mau alemão” sempre aparece no palco, desempenha um papel central no direito internacional. Memórias anticomunistas esporádicas que estão um tanto alinhadas com as festividades memoriais patrocinadas pelo Sistema estão sendo rebaixadas a eventos semimitológicos e folclóricos que podem ser observados de vez em quando na Europa Oriental de hoje.

Assim como há diferenças entre os vivos, deve haver diferenças entre os mortos. A questão que surge é se o Sistema e seus desdobramentos pós-comunistas e liberais na Alemanha, na UE {União Europeia} e nos Estados Unidos podem sobreviver sem chamar para resgatar as memórias das “bestas fascistas”? Sem invocar demônios domésticos como Ante Pavelic, Francisco Franco, Vidkun Quisling, etc.? E sem se lembrar constantemente de Adolf Hitler, o demônio cósmico atemporal? A cultura da lembrança do horário nobre de hoje, ou seja, o destino dos judeus na Segunda Guerra Mundial, há muito tempo se transformou no ato de um psicodrama religioso que vai muito além da lembrança histórica. Além disso, muitos povos não europeus também estão agora lutando apaixonadamente por seu próprio pedestal de vitimização, a fim de destacá-lo como o único digno de memória mundial. Aqui podemos nos referir à citação de A. de Benoist:

A ferramenta favorita do exagero da vitimização é o “dever de lembrar”. A memória está escrita contra um fundo de esquecimento, porque somente se pode lembrar selecionando o que não deve ser esquecido. (Essa tarefa não teria sentido se tivéssemos que nos lembrar de tudo). A memória é, portanto, altamente seletiva. … Um dos destaques do “dever de lembrar” significa que não há estatuto de limitações para o “crime contra a humanidade” – uma noção a qual é igualmente desprovida de significado. Estritamente falando, apenas um extraterrestre poderia cometer um crime contra a humanidade (a propósito, os perpetradores de tais crimes são geralmente retratados no sentido metafórico como “extraterrestres.”) – e em total contradição com a tradição cultural europeia, que ao conceder anistia fornece a forma judicial do esquecimento.[23]

É preciso lembrar as palavras críticas de Nietzsche aqui, quando ele escreve sobre o exagero de nossas memórias “monumentais” e “antiquárias”: “O enfartamento de história de uma época me parece hostil e perigoso para a vida …”[24] Aviso de Nietzsche, no entanto, aplica-se hoje a todos os povos europeus e suas respectivas vitimologias, sejam elas de natureza antiquária ou monumental. Até que ponto os europeus, e especialmente o povo alemão, devem expandir suas memórias históricas? Até o massacre dos saxões em Verden em 782 d.C., ou até os milhões de mortos na Guerra dos Trinta Anos, ou até os milhões de alemães étnicos e europeus orientais mortos no rescaldo da Segunda Guerra Mundial? Pensar profunda e extensamente sobre as memórias opostas está se tornando inútil hoje. Com ou sem seus mortos esquecidos e ressuscitados, todo o Sistema Alemanha-União Europeia-Estados Unidos se assemelha a uma grande livraria de antiquários multicultural, desatualizada, onde falsos aprendizes de feiticeiro continuam dando palestras sobre memórias seletivas e não genuínas.

Tradução e palavras entre chaves por Mykel Alexander via World Traditional Front


Notas

[1] Nota de Tomislav Sunić: T. Sunic, Titans are in Town (A Novella and Accompanying Essays), prefácio de Kevin MacDonald (Londres, Budapeste: Arktos, 2017). 

[2]  Nota de Mykel Alexander: Ver especialmente Germar Rudolf (Ed.), Dissecting the Holocaust – The Growing Critique of ‘Truth’ and ‘Memory’, Castle Hill Publishers, P.O. Box 243, Uckfield, N22 9AW, UK, novembro de 2019 (3ª edição revisada). Disponível em https://holocausthandbooks.com/index.php?main_page=1&page_id=1

Também ver de modo mais abrangente toda a série Holocaust Handbooks disponível em https://holocausthandbooks.com/index.php?main_page=1

[3] Nota de Tomislav Sunić: Poems of Friedrich Hölderlin, selecionados e traduzidos por James Mitchell; bilíngue, em alemão e inglês (San Francisco: Ithuriel’s Spear, 2007), página 95. 

[4] Nota de Tomislav Sunić: Ambrose Bierce, An Occurrence at Owl Creek Bridge and other stories –Ein Vorfall an der Eulenfluß-Brücke und andere Erzählungen) (editado por Angela Uthe-Spencker), (München: Deutscher Taschenbuch-Verlag,bilingual 1980). 

[5] Fonte utilizada por Tomislav Sunić: The Paranoid German Mind: Counting Down to the Next War, por Tomislav Sunić, 28 de setembro de 2015, The Occidental Observer. Disponível em https://www.theoccidentalobserver.net/2015/09/28/the-paranoid-german-mind-counting-down-to-the-next-war/

[6] Nota de Tomislav Sunić: Erwin Stransky, Der Deutschenhass (Wien und Leipzig: F. Deuticke Verlag, 1919), página 71. 

[7] Nota de Tomislav Sunić: William Shakespeare, Hamlet (Act III, Sc 1) (Philadelphia: J.B. Lippincott & Co., 1877) páginas 210-211. 

[8] Nota de Tomislav Sunić: Dramatic Writings of Shakespeare, Henry IV, Part 2, Act III, Sc. I, London: ed. John BellBritish Library, 1788), página 60. 

[9] Nota de Tomislav Sunić: Ernst Jünger, Annäherungen: Drogen und Rausch (München: DTV Klett-Cotta, 1990), página 37. 

[10] Nota de Tomislav Sunić: Conferir Tomislav Sunic, “Rechter Rausch; Drogen und Demokratie”, Neue Ordnung (Graz, IV/2003). 

[11] Nota de Tomislav Sunić: The Oddyssey of Home, Book IX, with explanatory notes por T.A. Buckley, (London: George Bell and Sons, 1891). página 118. 

[12] Nota de Tomislav Sunić: The Oddyssey of Home, Book X, páginas 137-146. Harald Weinrich, Lethe-Kunst und Kritik des Vergessens, (München: Verlag C.H Beck, 1997), página 230. 

[13] Nota de Tomislav Sunić: Gottfried Benn, “Das verlorene Ich”, Statische Gedichte (Hamburg: Luchterhand Ver., 1991), página 48. Também traduzido em inglês por Mark W. Roche. Disponível em https://mroche.nd.edu/assets/286548/roche_benn_verlorenes_ich_english.pdf  

[14]  Nota de Mykel Alexander: Ver especialmente Germar Rudolf (Ed.), Dissecting the Holocaust – The Growing Critique of ‘Truth’ and ‘Memory’, Castle Hill Publishers, P.O. Box 243, Uckfield, N22 9AW, UK, novembro de 2019 (3ª edição revisada). Disponível em https://holocausthandbooks.com/index.php?main_page=1&page_id=1

Também ver de modo mais abrangente toda a série Holocaust Handbooks. Disponível em https://holocausthandbooks.com/index.php?main_page=1

[15] Nota de Tomislav Sunić: Harald Weinrich, Lethe-Kunst und Kritik des Vergessens (München: Verlag C.H Beck, 1997), página 230.

Conferir Lethe, The Art and Critique of Forgetting (Cornell University Press, 2004). 

[16] Nota de Tomislav Sunić: H. Weinrich, “Bayerischer Rundfunk” progam 4 de abril de 1999. Disponível em https://www.br.de/fernsehen/ard-alpha/sendungen/alpha-forum/harald-weinrich-gespraech100~attachment.pdf?

[17] Fonte utilizada por Tomislav Sunić: Definição de Canossa: um lugar ou ocasião de submissão, humilhação ou penitência {referente a uma disputa entre autoridades políticas e religiosas na Europa durante o século XI d.C.}. Dicionário Merriam Webster. Disponível em https://www.merriam-webster.com/dictionary/Canossa

[18] Nota de Tomislav Sunić: Friedrich Nietzsche, On the Genealogy of Morality, Second Essay, Section 22. Traduzido por Carol Diethe (Cambridge University Press, 2007), página 63. 

[19] Nota de Tomislav Sunić: See the whole German text, Wilhelm Busch, Der Heilige Antonius von Padua, (Straßburg; Verlag von Moritz Schauenburg, sem data), página 72. Também partes em inglês: https://second.wiki/wiki/der_heilige_antonius_von_padua#:~:text=Saint%20Anthony%20of%20Padua%20is,anti%2Dclerical%20attitude%20Wilhelm%20Buschs

[20]  Nota de Mykel Alexander: Ver especialmente Germar Rudolf (Ed.), Dissecting the Holocaust – The Growing Critique of ‘Truth’ and ‘Memory’, Castle Hill Publishers, P.O. Box 243, Uckfield, N22 9AW, UK, novembro de 2019 (3ª edição revisada). Disponível em https://holocausthandbooks.com/index.php?main_page=1&page_id=1

Também ver de modo mais abrangente toda a série Holocaust Handbooks: https://holocausthandbooks.com/index.php?main_page=1

[21] Fonte utilizada por Tomislav Sunić: Tomislav Sunić, Dysgenics of a Communist Killing Field: The Croatian Bleiburg, 15 de março de 2009, The Occidental Observer. Disponível em https://www.theoccidentalobserver.net/2009/03/15/sunic-bleiburg/

[22] Nota de Tomislav Sunić: Conferir Tomislav Sunić, “Es leben meine Toten! – Die Antifa-Dämonologie und die kroatische Opferlehre”. Neue Ordnung (Graz, I/2015). 

[23] Nota de Tomislav Sunić: Alain de Benoist, Les Démons du Bien (Paris: éd. P. Guillaume de Roux, 2013), páginas 34-35. 

[24] Nota de Tomislav Sunić: F. Nietzsche, On the Advantage and Disadvantage of History for Life, Section 5, traduzido por Preuss (Indianapolis: Hackett Publishing Co., 1980), página 28. 

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.