Rumo a uma nova ordem mundial? A crise global da dívida e a privatização do Estado

Nos ajude a espalhar a palavra:

A pandemia foi usada para precipitar o mundo em uma espiral de desemprego em massa, falência e desespero?

Existe uma grave crise de saúde que deve ser devidamente resolvida. E essa é a prioridade número um. Mas há outra dimensão importante que precisa ser abordada. Milhões de pessoas perderam seus empregos e suas economias ao longo da vida. Nos países em desenvolvimento, a pobreza e o desespero prevalecem.

Receba nossas postagens por e-mail

Embora o bloqueio seja apresentado à opinião pública como o único meio de resolver uma crise global de saúde pública, seus impactos econômicos e sociais devastadores são casualmente ignorados.

A verdade não dita é que o novo coronavírus fornece um pretexto para poderosos interesses financeiros e políticos corruptos para precipitar o mundo inteiro em uma espiral de desemprego em massa, falência e pobreza extrema.

Esta é a imagem verdadeira do que está acontecendo. A pobreza é mundial. Enquanto a fome está em erupção nos países do Terceiro Mundo, mais perto de casa, no país mais rico do mundo, “milhões de americanos desesperados esperam em longas filas lotadas de folhetos. Filas de quilômetros de extensão formadas em bancos de alimentos e escritórios de desemprego nos EUA na semana passada”.

A taxa de desemprego no Brasil subiu para 11,6% até fevereiro, atingindo 12,3 milhões de cidadãos, influenciada pelo aumento da procura por emprego e pelo corte de postos de trabalho nos setores de construção, administração pública e serviços domésticos, segundo divulgou nesta terça-feira (31) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Mas a média prevista para o pós-covid é de 17,8% no Brasil .

Na Índia a comida está desaparecendo… em favelas, com muito medo de sair, andando para casa ou presas na repressão das ruas, houve 106 mortes de coronavírus até hoje, para colocar as coisas em perspectiva 3.000 crianças indianas morrem de fome todos os dias. [1]

De Mumbai para Nova Iorque. É a “Globalização da Pobreza”. A produção está parada. Fome na Ásia e África. Fome nos EUA. Todos os países são agora países do Terceiro Mundo. É a “Terceira-mundialização” dos chamados “países desenvolvidos” de alta renda. [2]

Os voluntários preparam alimentos para serem distribuídos entre os pobres em Mumbai. Foto: Photo Express

E o que está acontecendo na Itália? As pessoas estão ficando sem comida. Os relatórios confirmam que a Máfia, e não o governo, “está ganhando apoio local, distribuindo comida de graça a famílias pobres em quarentena que ficaram sem dinheiro”. (The Guardian)

Essa crise combina medo e pânico em relação ao COVID-19, juntamente com um sofisticado processo de manipulação econômica. Vamos primeiro examinar os impactos pertinentes aos países em desenvolvimento.

Países em desenvolvimento. A “Medicina Econômica” do FMI e a globalização da pobreza

A crise do coronavírus faz parte de uma agenda macroeconômica mais ampla? Primeiro, alguns antecedentes históricos. Passei mais de dez anos realizando pesquisas de campo sobre os impactos das reformas econômicas do FMI e do Banco Mundial na África, Ásia, América Latina, Europa Oriental e Bálcãs.

Desde o início dos anos 80, a “medicina econômica forte” foi imposta aos países em desenvolvimento endividados sob o que foi chamado de “programa de ajuste estrutural” (SAP).

“De 1992 a 1995, realizei pesquisas de campo na Índia, Bangladesh e Vietnã e retornei à América Latina para concluir meu estudo sobre o Brasil. Em todos os países que visitei, incluindo Quênia, Nigéria, Egito, Marrocos e Filipinas, observei o mesmo padrão de manipulação econômica e interferência política das instituições de Washington. Na Índia, resultante diretamente das reformas do FMI, milhões de pessoas foram levadas à fome. No Vietnã – que se constitui entre as economias produtoras de arroz mais prósperas do mundo – a fome em nível local havia surgido diretamente do levantamento dos controles de preços e da desregulamentação do mercado de grãos.” (Prefácio à Segunda Edição da Globalização da Pobreza, 2003) [3]

LEIA MAIS

A hegemonia do dólar foi imposta. Com o aumento da dívida denominada em dólar, eventualmente na maioria dos países em desenvolvimento, todo o sistema monetário nacional foi “dolarizado”.

Medidas massivas de austeridade foram propícias ao colapso dos salários reais. Programas abrangentes de privatização foram impostos. Essas reformas econômicas mortais – aplicadas em nome dos credores – provocavam invariavelmente o colapso econômico, a pobreza e o desemprego em massa.

Na Nigéria, a partir dos anos 80, todo o sistema de saúde pública foi desmantelado. Os hospitais públicos foram levados à falência. Os médicos com quem conversei descreveram o infame programa de ajuste estrutural (SAP) com um toque de humor: “Fomos enganados pelo SAP”, disseram eles, nossos hospitais foram literalmente destruídos, cortesia do FMI-Banco Mundial.

Do ajuste estrutural ao ajuste global

Hoje, o mecanismo para desencadear a pobreza e o colapso econômico é fundamentalmente diferente e cada vez mais sofisticado. A atual crise econômica de 2020 está ligada à lógica da pandemia do COVID-19: não há necessidade de o FMI-Banco Mundial negociar um empréstimo de ajuste estrutural com os governos nacionais.

O que ocorreu durante a crise do COVID-19 é um “ajuste global” na estrutura da economia mundial. De uma só vez, esse Ajuste Global (AG) desencadeia um processo mundial de falência, desemprego, pobreza e total desespero.

Como é implementado? O bloqueio é apresentado aos governos nacionais como a única solução para resolver a pandemia do COVID-19. Torna-se um consenso político, independentemente das consequências econômicas e sociais devastadoras.

Não há necessidade de refletir ou analisar os impactos prováveis. Os governos nacionais corruptos são pressionados a cumprir.

O fechamento parcial ou total de uma economia nacional é desencadeado pela aplicação das chamadas “diretrizes da OMS” relativas ao bloqueio, bem como às restrições de comércio, imigração e transporte, etc.

Instituições financeiras poderosas e grupos de lobby, incluindo Wall Street, Big Pharma, o Fórum Econômico Mundial (WEF) e a Fundação Bill e Melinda Gates, estiveram envolvidos na definição das ações da OMS referentes à pandemia de COVID-19.

O bloqueio, juntamente com a restrição do comércio e das viagens aéreas, haviam montado o palco. Esse fechamento das economias nacionais foi realizado em todo o mundo a partir de março, afetando simultaneamente um grande número de países em todas as principais regiões do mundo. É sem precedentes na história do mundo. [4]

Por que os líderes de alto cargo deixaram isso acontecer? As consequências foram óbvias.

Essa operação de fechamento afeta as linhas de produção e fornecimento de bens e serviços, atividades de investimento, exportação e importação, comércio atacadista e varejista, gastos com consumidores, fechamento de escolas, faculdades e universidades, instituições de pesquisa, etc.

Por sua vez, leva quase imediatamente ao desemprego em massa, à falência de pequenas e médias empresas, ao colapso do poder de compra, à pobreza generalizada e à fome. Qual é o objetivo subjacente a essa reestruturação da economia global? Quais são as consequências? Cui Bono?

  • Uma enorme concentração de riqueza e capital corporativo
  • A desestabilização de pequenas e médias empresas em todas as principais áreas de atividade econômica
  • Incluindo economia de serviços, agricultura e manufatura
  • Facilita a subsequente aquisição corporativa de empresas falidas
  • Derroga os direitos dos trabalhadores. Desestabiliza os mercados de trabalho
  • Cria desemprego em massa
  • Comprime salários (e custos de mão-de-obra) nos chamados “países desenvolvidos” de alta renda, bem
  • Como nos países em desenvolvimento empobrecidos
  • Isso leva a uma escalada da dívida externa
  • Facilita a privatização subsequente

Escusado será dizer que esta operação de Ajuste Global (GA) é muito mais prejudicial do que o programa de ajuste estrutural (SAP) do FMI-BM do país.

É neoliberalismo até o enésimo grau.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) foi pensado em 22 de julho de 1944 durante uma convenção da ONU em Bretton Woods, New Hampshire, Estados Unidos. Sua criação foi em 1945, com o fim da Segunda Guerra Mundial como peça chave da Nova Ordem Mundial dos Aliados. Seus estatutos supostamente tinham como objetivos principais a promoção de políticas sustentáveis ​​de taxas de câmbio em nível internacional, facilitando o comércio mundial, reduzindo a pobreza e dando (não emprestando) dinheiro arrecadado por países a outros que estão em crise econômica. Nada disso foi cumprido. Faz parte das agências especializadas das Nações Unidas, sendo uma organização intergovernamental com 185 membros. Atualmente, está sediada em Washington. Suas políticas e condições que impõe aos países em desenvolvimento para o pagamento de suas dívidas ou para a concessão de novos empréstimos foram severamente questionadas como causadoras de regressões na distribuição de renda e danos às políticas sociais. Foto: Wikimedia Commons

De uma só vez (ao longo dos últimos meses), a crise do COVID-19 contribuiu para empobrecer um grande setor da população mundial. E adivinha quem vem ao resgate? O FMI e o Banco Mundial. A diretora administrativa do FMI, Kristalina Georgieva, reconheceu casualmente que a economia mundial parou, sem abordar as causas do colapso econômico.

“A OMS está lá para proteger a saúde das pessoas, o FMI está lá para proteger a saúde da economia mundial”, diz Georgieva. Como ela pretende “proteger a economia mundial”? À custa da economia nacional? Qual é a sua “solução mágica”?

“Contamos com US $ 1 trilhão em capacidade de empréstimo geral”. (Kristalina Georgieva, na conferência de imprensa no início de março). À primeira vista, isso parece ser “generoso”, muito dinheiro. Mas, em última análise, é o que podemos chamar de “dinheiro fictício”, o que significa é: “Nós emprestaremos o dinheiro e, com o dinheiro que emprestamos, você nos devolverá.” [5]

O objetivo final é fazer com que a dívida externa (denominada em dólar) voe alto.

Kristalina Ivanova Gueorguieva (1953), é uma política de origem búlgara vinda de uma família de burocratas e funcionária pública internacional. Foi diretora-geral do Banco Mundial entre 2017 e 2019 é a atual diretora-geral do Fundo Monetário Internacional. Foto: Reprodução.

O FMI é explícito. Em uma de suas janelas de empréstimos, o Catastrophe Containment and Relief Trust [Confiança em contenção e alívio de catástrofes], que se aplica a pandemias, generosamente, “fornece subsídios para alívio da dívida aos nossos membros mais pobres e vulneráveis”.

Declaração sem sentido: existe para reabastecer os cofres dos credores, o dinheiro é alocado ao serviço da dívida. “Para países de baixa renda e para países emergentes de renda média, temos… até US $ 50 bilhões que não exigem um programa completo do FMI.”

LEIA MAIS

Não há condições sobre como você gasta o dinheiro. Mas esse dinheiro aumenta o estoque da dívida e requer reembolso. Os países já estão de camisa reta. E o objetivo é que eles atendam às demandas dos credores. Essa é a solução neoliberal aplicada em nível global: nenhuma recuperação econômica real, mais pobreza e desemprego em todo o mundo. A “solução” se torna a “causa”. Inicia um novo processo de endividamento. Contribui para uma escalada da dívida. Quanto mais você empresta, mais pressiona os países em desenvolvimento para o cumprimento político. E, finalmente, esse é o objetivo do fracasso do Império Estadunidense. A verdade não dita é que esse trilhão de dólares + das instituições de Bretton Woods visa aumentar a dívida externa.

Em desenvolvimentos recentes, os ministros das Finanças do G20 decidiram “suspender” [6], o pagamento das obrigações de serviço da dívida dos países mais pobres do mundo. O cancelamento da dívida não foi previsto. Muito pelo contrário. A estratégia consiste em aumentar a dívida.

É importante que os governos dos países em desenvolvimento adotem uma posição firme contra a “operação de resgate” do FMI-Banco Mundial.

A crise global da dívida nos países desenvolvidos

Uma crise fiscal sem precedentes está ocorrendo em todos os níveis do governo. Com altos níveis de desemprego, as receitas tributárias recebidas nos países desenvolvidos estão quase paradas. Nos últimos 2 meses, os governos nacionais ficaram cada vez mais endividados.

Por sua vez, os governos ocidentais, bem como os partidos políticos, estão cada vez mais sob o controle dos credores, que acabam dando o tiro.

Todos os níveis de governo foram precipitados em um estrangulamento da dívida. A dívida não pode ser paga. Nos EUA, o déficit federal “aumentou 26% para US $ 984 bilhões no ano fiscal de 2019, o maior em sete anos”. E isso é apenas o começo. [7]

LEIA MAIS

Nos países ocidentais, ocorreu uma expansão colossal da dívida pública. Ele está sendo usado para financiar os “resgates”, os “folhetos” para as empresas e também as “redes de segurança social” para os desempregados.

A lógica dos resgates é, em alguns aspectos, semelhante à da crise econômica de 2008, mas em uma escala muito maior. Ironicamente, em 2008, os bancos estadunidenses eram os credores do governo federal dos EUA e também os sortudos: a operação de resgate foi financiada pelos bancos com o objetivo de “resgatar os bancos”. Parece contraditório?

A privatização do Estado

Essa crise acabará precipitando a privatização do estado. Cada vez mais, os governos nacionais estarão sob o domínio do Big Money.

Prejudicado pela crescente dívida, o que está em jogo é a eventual privatização de fato de toda a estrutura do estado, em diferentes países, em todos os níveis de governo, sob a vigilância de poderosos interesses financeiros. A ficção de “governos soberanos” que serve aos interesses dos eleitores será mantida.

O primeiro nível de governo em privatização serão os municípios (muitos dos quais já estão parcial ou totalmente privatizados, por exemplo, Detroit em 2013). Os bilionários dos EUA serão atraídos para comprar uma cidade inteira.

Várias grandes cidades já estão à beira da falência. (Isso não é novidade). A cidade de Vancouver está em privatização? “O prefeito de Vancouver já indicou que temia a falência de sua cidade.” [8].

Nas maiores cidades dos EUA, as pessoas são simplesmente incapazes de pagar seus impostos: a dívida da cidade de Nova Iorque no ano fiscal de 2019 é de US $ 91,56 bilhões [9], um aumento de 132% desde o ano fiscal de 2000. Por sua vez, as dívidas pessoais em toda a América dispararam.

“Nos EUA as famílias coletivamente carregam cerca de US $ 1 trilhão em dívidas no cartão de crédito”. Nenhuma medida está sendo tomada nos EUA para reduzir as taxas de juros sobre dívidas no cartão de crédito.

A nova ordem mundial?

O bloqueio empobrece os países desenvolvidos e em desenvolvimento e literalmente destrói as economias nacionais. Desestabiliza todo o cenário econômico. Mina instituições sociais, incluindo escolas e universidades. Conduz pequenas e médias empresas à falência. Que tipo de mundo nos espera?

Uma diabólica “Nova Ordem Mundial” em andamento, como sugerido por Henry Kissinger? [10]: “A pandemia de coronavírus alterará para sempre a ordem mundial”. Lembre-se da declaração histórica de Kissinger de 1974: “O despovoamento deve ser a maior prioridade da política externa dos EUA em relação ao Terceiro Mundo” (Memorando do Conselho de Segurança Nacional de 1974).

Henry Kissinger, cujo verdadeiro nome é Abraham ben Elazar (1923), é originário de Fürth, Baviera, Alemanha. Político judaico-estadunidense (naturalizado) considerado por muitos um dos cérebros da Nova Ordem Mundial, ele também é sindicado como um dos maiores instigadores do lobby internacional e da política externa dos Estados Unidos na segunda metade do século XX. Esse velho lobista é membro da Comissão Trilateral, Clube Bilderg e outros. Foto: Reprodução

As implicações políticas são abrangentes. Que tipo de governo teremos depois da crise?

Observações finais

Há muitos mal-entendidos sobre a natureza dessa crise. Vários intelectuais progressistas estão agora dizendo que esta crise constitui uma derrota do neoliberalismo. “Abre um novo começo”. Algumas pessoas veem isso como um “ponto de virada em potencial”, que abre uma oportunidade para “construir o socialismo” ou “restaurar a social-democracia” após o bloqueio. A evidência confirma amplamente que o neoliberalismo não foi derrotado. Muito pelo contrário. O capitalismo global consolidou sua embreagem. O medo e o pânico prevalecem. O Estado está sendo privatizado. A tendência é para formas autoritárias de governo. Essas são as questões que devemos abordar. Essa oportunidade histórica de confrontar as estruturas de poder do capitalismo global – incluindo o aparato militar EUA-OTAN – continua a ser firmemente estabelecida após o bloqueio.

Fonte: Global Research

Tradução de Oriente Mídia. Publicado originalmente em 17 de abril de 2020

Notas

[1] CRILLY, Cal. How Complex Is this Pneumonia Crisis? Millions of People Lost Their Jobs, Food is Disappearing…. Global Research, Science and Medicine, 17 abr. 2020. Disponivel em https://www.globalresearch.ca/how-complex-pneumonia-crisis/5709953. Consulta em Consulta em 27 abr. 2020

[2] IVER, Kavitha. Hunger grows in Mumbai: Working poor now queuing up for free food: Three weeks into the national lockdown, organisations and individuals providing free meals in Mumbai are unanimous: hunger in the financial capital has grown sharply and continues to grow. The Indian Express, Cities, Mumbai, 16 abr. 2020. Disponível em https://indianexpress.com/article/cities/mumbai/hunger-grows-in-mumbai-working-poor-now-queuing-up-for-free-food-6364584/. Consulta em 27 abr. 2020

[3] CHOSSUDOVSKY, Michel. The Globalisation of Poverty and the new World Order. Global Research, 2ª edição (10 set. 2003), ISBN: 978-0973714708 [A Globalização da Pobreza e a Nova Ordem Mundial] [4] KAPLAN, Juliana; FRIAS, Lauren; MCFALL-JOHNSEN, Morgan. A third of the global population is on coronavirus lockdown — here’s our constantly updated list of countries locking down and opening up. Bussiners Insider. Disponível em https://www.businessinsider.com/countries-on-lockdown-coronavirus-italy-2020-3. Consulta em 27 abr. 2020

[5] INTERNATIONA MONETARY FUND. Joint Press Conference on Covid-19 by IMF Managing Director and World Bank Group President. International Monetary Fund, Transcript, Washington, D.C., 4 mar. 2020. Disponnível em https://www.imf.org/en/News/Articles/2020/03/05/tr030420-imf-wb-joint-press-conference-on-corvid-19. Acesso em 27 abr. 2020

[6] COFFEY, David. G20 suspends debt repayments for poorest nations fighting Covid-19. RFI, International, G20 Debit Relief, 15 abr. 2020. Disponível em http://www.rfi.fr/en/international/20200415-g20-temporarily-suspends-debt-repayments-for-poorest-nations-fighting-covid-19-africa-eu-us-coronavirus. Acesso em 27 abr. 2020

[7] FRANK, Thomas. Federal deficit increases 26% to $984 billion for fiscal 2019, highest in 7 years. CNBC, Economy, 25 out. 2019. Disponível em https://www.cnbc.com/2019/10/25/federal-deficit-increases-26percent-to-984-billion-for-fiscal-2019.html. Acesso em 27 abr. 2020

[8] CORRIVEAU, Jeanne. Les villes appréhendent une facture salée. Le Devoir, Société, 15 abr. 2020. Disponível em https://www.ledevoir.com/societe/576989/les-villes-apprehendent-une-facture-salee. Acesso em 27 abr. 2020

[9] STRINGER, Scott M. Annual Report on Capital Debt and Obligations. New York City Comptroller, Reports, Annual Report on Capital Debt and Obligations. Disponível em https://comptroller.nyc.gov/reports/annual-report-on-capital-debt-and-obligations/. Acesso em 27 abr. 2020

[10] KISSINGER, Henry. The Coronavirus Pandemic Will Forever Alter the World Order: The U.S. must protect its citizens from disease while starting the urgent work of planning for a new epoch. WJS OPINION, Opinion, Commentary, 3 abr. 2020. Disponível em https://www.wsj.com/articles/the-coronavirus-pandemic-will-forever-alter-the-world-order-11585953005. Acesso em 27 abr. 2020

Michel Chossudovsky
siga em
Nos ajude a espalhar a palavra:
Gostou do artigo? Você pode contribuir para o site com uma doação:

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.