Coronavírus COVID-19: “Made in China” ou “Made in America”?

Nos ajude a espalhar a palavra:

Trump afirma que o coronavírus foi “Made in China” [Feito na China]. E que a China ameaça a América. O presidente dos EUA quer que os americanos acreditem que a pandemia de coronavírus carrega o rótulo “Made in China”. O secretário de Estado Mike Pompeo se refere a ele como o “coronavírus Wuhan”. “A grande Mentira” começou em 30 de janeiro, quando o Diretor Geral da OMS pressionado por poderosos interesses econômicos dos EUA declarou uma emergência de saúde pública global com apenas 150 “casos confirmados” (pela OMS) fora da China, com apenas seis casos nos EUA. E isso foi chamado de pandemia.

A “Mídia falsa” imediatamente entrou em alta velocidade. A China foi responsabilizada por “espalhar a infecção” em todo o mundo.

No dia seguinte (31 de janeiro de 2020), Trump anunciou que negaria a entrada nos EUA de cidadãos chineses e estrangeiros “que viajaram pela China nos últimos 14 dias”. Isso desencadeou imediatamente uma crise nas viagens aéreas, transporte, relações comerciais EUA-China, bem como transações de frete e transporte marítimo.

Enquanto o rótulo de coronavírus “Made in China” serviu de pretexto, o objetivo não dito era trazer a economia chinesa de joelhos.

Foi um ato de “guerra econômica”, que contribuiu para minar tanto a economia da China quanto a da maioria dos países ocidentais (aliados dos EUA), levando a uma onda de falências, sem mencionar o desemprego, o colapso da indústria do turismo. etc.

Além disso, o rótulo de coronavírus “Made in China” de Trump quase imediatamente a partir do início de fevereiro desencadeou uma campanha contra etnia chinesa em todo o mundo ocidental.

Etapa 2.0: “Infecções transmitidas pelos europeus”?

Em 11 de março, uma nova fase foi lançada. O governo Trump impôs uma proibição de 30 dias aos europeus que entraram nos Estados Unidos através da suspensão de viagens aéreas com a UE (com exceção da Grã-Bretanha).

Os Estados Unidos estão agora travando sua “guerra econômica” contra a Europa Ocidental, enquanto usam o COVID-19 como justificativa.

Os governos europeus foram cooptados. Na Itália, prevalece um bloqueio, ordenado pelo Primeiro Ministro, tal que grandes cidades do norte da Itália, incluindo Milão e Torino, fecharam literalmente.

Confusão, medo e intimidação prevalecem.

É um “dano causado na América”

Final de fevereiro: A manipulação financeira caracteriza as transações no mercado de ações em todo o mundo.

O valor das ações das companhias aéreas cai durante a noite. Aqueles que tiveram “conhecimento prévio” da decisão de Trump de 11 de março de proibir voos transatlânticos de países da UE ganharam um pacote de dinheiro. É chamado de “venda a descoberto” no mercado de derivativos, entre outras operações especulativas. Especuladores institucionais, incluindo fundos de hedge com “informações privilegiadas”, já haviam feito suas apostas.

De maneira mais geral, ocorreu uma transferência massiva de riqueza monetária, entre as maiores da história mundial, levando a inúmeras falências, sem mencionar a perda de economias ao longo da vida projetadas pelo colapso dos mercados financeiros.

Esse processo está em andamento. Seria ingênuo acreditar que essas ocorrências são espontâneas, baseadas nas forças do mercado. Eles são deliberados. Eles fazem parte de um plano cuidadosamente elaborado que envolve poderosos interesses financeiros.

COVID-19: “Made in China” ou “Made in America”?

E agora surgiu uma nova bomba: a retórica da Casa Branca de acusar a China de espalhar o “vírus Wuhan” em todo o mundo foi refutada por relatórios japoneses e chineses. A análise científica revelada por Larry Romanoff sugere que o vírus foi “Made in America”:

“Parece que o vírus não se originou na China e, de acordo com relatos em japonês e em outras mídias, pode ter se originado nos EUA. […]

Em fevereiro, a reportagem japonesa da Asahi (impressa e TV) afirmou que o coronavírus se originou nos EUA, não na China, e que algumas (ou muitas) das 14.000 mortes americanas atribuídas à influenza podem ter resultado do coronavírus.

E em 12 de março, em uma declaração ao Congresso dos EUA (Comitê de Supervisão da Câmara), o diretor do CDC, Robert Redfield, “sem querer derramou o feijão”. Ele admitiu sinceramente que sim, alguns casos diagnosticados como gripe sazonal poderiam ter sido coronavírus.

Quando isso ocorreu? Em outubro, novembro? Qual é a cronologia. Vale ressaltar que a declaração de Redfield é corroborada por virologistas japoneses e taiwaneses. Dois países que são fortes aliados dos EUA.

Vale ressaltar que o virologista de Taiwan (referido acima)

“Declarou que os EUA recentemente [?] tiveram mais de 200 casos de ‘fibrose pulmonar’ que resultaram em morte devido à incapacidade dos pacientes de respirar, … Ele disse que … informou as autoridades de saúde dos EUA a considerar seriamente essas mortes como resultado do coronavírus,… [Ele] afirmou que o surto de vírus pode ter começado mais cedo do que se supunha, sugerindo “devemos olhar para setembro de 2019”. (citado em Larry Romanoff, op cit)

O Ministério das Relações Exteriores da China reagiu às declarações do CDC Robert Redfield sugerindo que o vírus poderia ter se originado nos EUA.

“Quando começou o ‘paciente zero’ nos EUA?” disse o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Zhao Lijian.

Claro que “QUANDO” é a questão fundamental.

“Quantas pessoas estão infectadas, quais são os nomes dos hospitais? Pode ser o Exército dos EUA que trouxe epidemia a Wuhan. Seja transparente, nos devem uma explicação”

Ver abaixo

[imagem]

O mundo está na encruzilhada da mais grave crise social e econômica da história moderna

As pessoas no mundo todo estão sendo enganadas. Eles são informados: “Vai piorar”. Angela Merkel declarou, sem um pingo de evidência, que “70% da população alemã poderia contrair coronavírus se não for feito mais para impedir sua propagação”.

Em vários países, a economia fechou. Supermercados, shoppings, escritórios, fábricas, escolas, universidades estão paralisados. As pessoas estão confinadas em suas casas. O medo e a intimidação prevalecem.

Enquanto isso, coincidindo com o bloqueio do coronavírus na Itália, 30.000 soldados dos EUA foram despachados para a UE, nos jogos de guerra “Defenda a Europa 2020” da US-OTAN contra a Rússia, no maior destacamento militar desde a Segunda Guerra Mundial. “O defensor poderia se tornar o invasor?…”

Sejamos claros: a pandemia de coronavírus não é a “causa” dessa crise econômica e social em desenvolvimento. É o “pretexto” para a implementação de uma “operação” cuidadosamente projetada (apoiada pela desinformação da mídia) que desestabiliza as economias nacionais, empobrece grandes setores da população mundial e literalmente prejudica a vida de milhões de pessoas. Estamos lidando com “um ato de guerra”.

Embora o COVID-19 seja uma importante preocupação de Saúde Pública, o bloqueio juntamente com uma campanha de medo em andamento não constitui um meio eficaz de combater o vírus, ou seja, fornecendo assistência médica e serviços de saúde direcionados às pessoas afetadas.

O que acontece depois: Os potenciais impactos de um congelamento contínuo do comércio dos EUA com a China

A geopolítica é complexa. Como os eventos econômicos se desenrolam? Vamos nos concentrar brevemente nas relações EUA-China.

Aqueles que formularam a “guerra econômica não declarada” dos EUA contra a China não conseguiram visualizar a reação potencial à economia americana.

É um “Harakiri econômico”, ou seja, “Suicide American Style

Em questão de meses, se as relações comerciais e os transportes normais EUA-China não forem retomados, os impactos nas economias nacionais dos países ocidentais poderão ser devastadores.

Uma grande parte dos produtos exibidos nos shoppings da América, incluindo as principais marcas, é “Made in China”.

“Made in China” é a espinha dorsal do comércio varejista nos EUA, que sustenta indelevelmente o consumo das famílias em praticamente todas as principais categorias de mercadorias, de roupas, calçados, hardware, eletrônicos, brinquedos, jóias, utensílios domésticos, suprimentos médicos, medicamentos e medicamentos prescritos, Aparelhos de TV, telefones celulares etc.

O “Made in China” também domina a produção de uma ampla gama de insumos industriais, tecnologia avançada, máquinas, materiais de construção, automotivo, peças e acessórios, etc., sem mencionar a extensa subcontratação de empresas chinesas em nome de conglomerados norte-americanos.

Enquanto os EUA têm um aparato financeiro poderoso e sofisticado (com capacidade de manipular o comércio e as bolsas de valores em todo o mundo), a economia real da América está em frangalhos.

A produção não ocorre nos EUA. Os produtores desistiram da produção.

O déficit comercial dos EUA com a China é fundamental para alimentar a economia de consumo orientada ao lucro, que depende de bens de consumo “Made in China”. Enquanto isso, a China detém grande parte da dívida pública dos EUA, que pode ser facilmente convertida em ativos reais da noite para o dia

Neste momento da crise do coronavírus, os formuladores de políticas de Pequim estão plenamente conscientes de que a economia dos EUA é frágil e depende muito do “Made in China”. Além disso, a China ultrapassou os EUA em várias áreas de alta tecnologia, incluindo o 5G.

E com um mercado interno de 1,4 bilhão de pessoas, juntamente com um mercado global de exportação no âmbito da iniciativa “Belt and Road” [Cinto e Estrada], a economia chinesa terá uma vantagem.

.Fonte: Global Research

Publicado originalmente em 14 mar. 2020. Copyright © Prof Michel Chossudovsky, Global Research, 2020

Michel Chossudovsky
siga em
Nos ajude a espalhar a palavra:
Gostou do artigo? Você pode contribuir para o site com uma doação:

One thought on “Coronavírus COVID-19: “Made in China” ou “Made in America”?”

  1. O Michel Chossudovsky (autor do artigo) é judeu…

    Americano com sobrenome russo é 99% judeu – os EUA recebeu milhões de judeus apenas da URSS.

    O Michel Chossudovsky já escreveu para site comunista como o ‘Le Monde Diplomatique’.

    Eu já te falei que os sites foram removidos do ar em massa nos EUA, não falei?

    Nenhum site REAL anti-judeu fica no ar nos EUA, os EUA não existe mais como era antes.

    Você está repassando propaganda judaica como se fosse oposição igualzinho o “conservador” Michel Chossudovsky.

    Os poucos caras reais mudam para Telegram, deep web e coisa do tipo – nem 4chans são reais mais, os EUA acabou…

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.