Por que o Facebook baniu conteúdo que “negue” o holocausto?

Nos ajude a espalhar a palavra:

O Facebook baniu explicitamente pela primeira vez qualquer negação do holocausto.

O Facebook depois de ser pressionado por anos por grupos sionistas finalmente cedeu a pressão e proibiu qualquer discurso que saia da narrativa oficial, vejamos a reportagem da BBC sobre isso:

A rede social disse que sua nova política proíbe “qualquer conteúdo que negue ou distorça o Holocausto”.

O líder do Facebook, Mark Zuckerberg, escreveu que “lutou com o conflito” entre a liberdade de expressão e a proibição de tais postagens, mas que “este é o equilíbrio certo”.

Dois anos atrás, Zuckerberg disse que essas postagens não deveriam ser apagadas automaticamente por causa da possibilidade de erro: “Sou judeu e há um grupo de pessoas que nega que o Holocausto tenha acontecido”, disse ele a Recode na época.

LEIA MAIS

“Acho profundamente ofensivo. Mas, no final de tudo, não acredito que nossa plataforma deva derrubar isso porque acho que há coisas que as diferentes pessoas erram. Não acho que eles estejam intencionalmente entendendo errado.” (E estava correto, que liberdade é essa que não se pode divergir da opinião universalmente aceita?)

Seus comentários levaram a uma grande reação pública.

Mas na segunda-feira (12), quando o Facebook mudou suas políticas, ele escreveu que havia mudado de ideia.

“Meu próprio pensamento evoluiu quando vi dados que mostram um aumento na violência antissemita, assim como nossas políticas mais amplas sobre discurso de ódio”, escreveu ele em um post público no Facebook.

“Traçar as linhas certas entre o que é e o que não é um discurso aceitável não é algo direto, mas com o estado atual do mundo, acredito que este é o equilíbrio certo.”

No início deste ano, o Facebook proibiu o discurso de ódio envolvendo estereótipos ofensivos, incluindo conteúdo antissemita. Mas a negação do Holocausto não foi proibida.

A vice-presidente de política de conteúdo do Facebook, Monika Bickert, disse que a empresa tomou a decisão junto com “o aumento bem documentado do antissemitismo globalmente e o nível alarmante de ignorância sobre o Holocausto, especialmente entre os jovens”. (Quanto mais o tempo se passa, mais esse evento cai em esquecimento e mais grupos sionistas precisam se radicalizar para manter um único evento na história como algo inquestionável)

Ela disse que ainda este ano, pesquisar o Holocausto – ou sua negação – no Facebook direcionaria os usuários a informações “confiáveis”. (Que curioso, não?)

Mas ela também alertou que as mudanças não aconteceriam da noite para o dia, e o treinamento de seus funcionários e sistemas automatizados levaria tempo.

O Congresso Judaico Mundial – que conferenciou com o Facebook sobre o antissemitismo – deu as boas-vindas à medida.

“Negar o Holocausto, banalizá-lo, minimizá-lo, é uma ferramenta usada para espalhar o ódio e falsas conspirações sobre os judeus e outras minorias”, disse o grupo em um comunicado. (Será que investigar um evento com diversos furos é ódio? Eu chamaria de divergência de opiniões.)

Mas também observou que havia feito campanha para a remoção do conteúdo de negação do Holocausto da plataforma “por vários anos”.

Jonathan Greenblatt, executivo-chefe da Liga Antidifamação, tuitou: “Isso levou anos para ser feito.”

“Tendo pessoalmente envolvido com o Facebook sobre o assunto, posso atestar que a proibição da Negação do Holocausto é um grande avanço … fico feliz que finalmente aconteceu.”

LEIA MAIS

Isso foi um pouco “espere, eles ainda não fazem isso?”.

Talvez seja porque o Facebook mudou radicalmente sua posição sobre a remoção de incitação ao ódio e notícias falsas nos últimos meses. (Revisar um evento histórico não é ódio, é analisar eventos que podem ter sido exagerados, mau-interpretados ou que foram fruto de uma mentalidade da época muito nublada por conta da guerra. Somente após os ânimos se acalmarem que se pode fazer uma análise corrigida e correspondente com a verdade.)

Ainda estamos vendo brechas de um antigo regime moderado sendo fechado.

Os críticos, porém, argumentam que isso não está acontecendo rápido o suficiente.

As plataformas combinadas do Facebook e Instagram – que é propriedade do Facebook – têm um alcance extraordinário de bilhões de usuários em todo o mundo.

Essa influência deve ser usada com responsabilidade, e o Facebook sabe disso.

O boicote à publicidade em julho também ajudou a cimentar a visão interna de que mais precisava ser feito para combater o discurso de ódio.

Mas este último movimento parece indicar que o Facebook agora aceita que precisa ser mais proativo no combate ao discurso de ódio.

O Facebook cedeu a pressão de grupos sionistas que lutam pela criminalização de qualquer questionamento sobre o Holocausto, mesmo que seja para corrigir número de mortes que podem ter sido inflacionadas. É uma forma de dizer as pessoas: Vocês podem questionar tudo, Deus, família, dogmas, tabus, a sociedade, seus pais mas nunca, nunca ousem dizer que um mínimo detalhe da narrativa oficial do Holocausto está incorreta. Isso é um ataque direto a liberdade de expressão, sobre o próprio direito de questionar um evento histórico. Isso sem contar que já é crime o revisionismo sobre somente o Holocausto em vários países mas agora até em redes sociais se está sendo censurado? Nunca vi uma verdade que precisasse de tantos escudos.


CONFIRA A LIVRARIA SENTINELA

Mauricio Neves Pompeu
siga em
Últimos posts por Mauricio Neves Pompeu (exibir todos)
Nos ajude a espalhar a palavra:
Gostou do artigo? Você pode contribuir para o site com uma doação:

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.