Dr. Joseph Paul Goebbles e a Lenda da “Grande Mentira”

Nos ajude a espalhar a palavra:

Ao contrário da crença popular, Goebbels teve sucesso como propagandista, não porque fosse um mestre da “Grande Mentira”, mas sim como resultado de sua fidelidade aos fatos e à verdade.

Como observa Heiber, seu biógrafo, “Goebbels pôde celebrar sua política de informação como sendo não apenas superior ao inimigo em seu caráter monolítico, mas também de uma ‘seriedade e credibilidade’ que simplesmente não pode ser superada”.

O orgulho poderia ser feito com alguma justificativa: “Visto na visão de longo prazo, Goebbels pregou, a melhor propaganda é aquela que não faz mais do que servir à verdade”.

A franqueza e a coragem de Goebbels lhe renderam uma certa admiração popular. Escreve Heiber:

“Ele entendeu o valor de admitir reversões e até, de vez em quando, erros; sua prontidão para ser assim ‘sincero’ era uma espécie de piscadela inteligente para seu público – ‘Olha, eu te levo a sério. Vamos ser francos um com o outro’ – e permitiu que ele os enredasse ainda mais. O resultado foi que mais tarde, depois de 1943, depois de ter pegue emprestado o tema ‘sangue, suor e lágrimas’ de Churchill, as pessoas estavam prontas para acreditar no raio de esperança que ele astutamente deixou brilhar através da coloração sombria de seu discursos.” [1]

“À medida que outros nazistas influentes começaram a se infiltrar em suas conchas”, comenta Heiber, “Goebbels poderia ousar aparecer diante de uma turba e não apenas ganhar uma audiência, mas até mesmo despertar fé e esperança…” [2]

À medida que a guerra se arrastava, os ensaios editoriais de primeira página de Goebbels no jornal semanal Das Reich desempenhavam um papel cada vez mais importante na manutenção da moral pública. Eles foram amplamente reimpressos e rotineiramente lidos pelo rádio. “Seus artigos no Das Reich“, reconhece Heiber, “eram de fato excelentes, brilhantemente escritos e cheios de ideias brilhantes…” [3]

Heiber também observa:

“Os artigos de Goebbels foram cuidadosamente elaborados mais de uma semana antes de aparecerem, escritos em excelente e polido alemão, estilisticamente agradável e relativamente discriminador em conteúdo; muitas vezes pareciam iluminados pela elevada sabedoria de um grande pensador. Seus próprios títulos eram reminiscentes de tratados filosóficos: “Sobre o Significado da Guerra”, “A Natureza Essencial da Crise”, “Sobre a Obra do Espírito”, “Falar e Ser Silencioso”, “A Indispensabilidade da Liberdade”. “Sobre o dever nacional na guerra.” … Tudo está muito bem encaminhado e muito sólido. Esses artigos impressionavam e Goebbels sabia disso.” [4]

Lamentavelmente, pouco do que Goebbels escreveu e disse durante os últimos anos de guerra – quando ele estava no auge de seus poderes – foi traduzido para o inglês.

Uma das maiores realizações da propaganda de guerra de Goebbels foi a exploração da história do massacre de Katyn. Em abril de 1943, os alemães descobriram em Katyn, perto de Smolensk, na Rússia ocupada, uma vala comum de milhares de oficiais poloneses que haviam sido aprisionados pelos soviéticos em 1939 e fuzilados pela polícia secreta soviética em abril de 1940. Sob ordens de Goebbels, jornais e revistas alemães dedicavam grande atenção à história, dando-lhe semanas de cobertura detalhada, muitas vezes de primeira página. Seu tratamento astuto da história contribuiu significativamente para uma grande derrota política Aliada – uma ruptura nas relações entre o governo soviético e o governo polonês no exílio. (Enquanto isso, oficiais e jornais americanos e britânicos apoiaram a mentira soviética de que os alemães eram responsáveis ​​pela atrocidade.)

Além de seu trabalho como principal propagandista da nação, durante a guerra, Goebbels assumiu responsabilidades organizacionais e políticas cada vez maiores, desempenhando um papel cada vez mais importante em manter o funcionamento industrial e social da nação. Em fevereiro de 1942, Hitler confiou-lhe autoridade especial para supervisionar a assistência às pessoas devastadas nos ataques aéreos aliados – um posto que assumiria uma importância cada vez maior à medida que os bombardeios aéreos da Alemanha aumentassem de forma constante.

No verão de 1944, Hitler nomeou-o “Plenipotenciário do Reich para a Mobilização Total da Guerra”. Assim, durante os meses catastróficos finais da guerra, Goebbels – juntamente com o Ministro dos Armamentos, Albert Speer – dirigiu os recursos humanos e materiais da Alemanha para a produção máxima de guerra, ao mesmo tempo que continuou operando as usinas de energia e água, transporte, telefonia, redes de abastecimento de alimentos e combustíveis, escolas públicas, radiodifusão e publicação diária de jornais. Esta proeza organizacional de manter o funcionamento essencial dos serviços sociais e comunitários, enquanto ao mesmo tempo mantém e até aumenta consideravelmente a produção de armamentos – apesar do bombardeio aéreo devastador e de uma situação militar cada vez pior – é uma conquista sem paralelo histórico.

“Nós nos tornamos um povo na defensiva”, escreveu Goebbels em Das Reich, de 11 de fevereiro de 1945 – onze semanas antes do final:

“[…] Trabalhamos e lutamos, vagamos, deixamos nossos lares, sofremos e suportamos, e fazemos tudo isso com uma dignidade silenciosa que, no final, despertará a admiração de todo o mundo. A Europa pode muito bem estar feliz ainda possui esse povo. Hoje esse povo é a salvação da Europa. Amanhã, portanto, será o orgulho da Europa”.

Seu último discurso de rádio, transmitido pelo que restava de uma rede maltrapilha, foi entregue em 19 de abril de 1945. Como ele havia feito todos os anos desde 1933, ele falou na véspera do aniversário de Hitler. Mesmo nesta ocasião, quando o fim terrível era claramente óbvio para todos, Goebbels ainda falava com paixão eloquente e controlada, reconhecendo francamente a gravidade suprema da situação, enquanto inspirava esperança. Ele não perdera sua capacidade de despertar seus compatriotas com fervor, bem como certa aparente nobreza.

“Não se deixe desconcertar pelo clamor mundial que começará agora”, insistiu em uma carta escrita a seu enteado poucos dias antes de sua morte. “Chegará o dia em que todas as mentiras cairão sob seu próprio peso e a verdade triunfará novamente.” Em seu último testamento, escrito poucas horas antes de ele tirar sua vida, Hitler nomeou Goebbels como seu sucessor como chanceler – um tributo à lealdade inabalável até o amargo fim. Mas Goebbels manteve essa posição vazia por apenas algumas horas. Depois que ele e a esposa tiveram seus seis filhos mortos, e com as tropas soviéticas a poucas centenas de metros de distância, na noite de 1º de maio de 1945, Joseph e Magda Goebbels terminaram suas vidas no pátio do lado de fora do Führerbunker.

“As verdadeiras mentiras de Goebbels, suas mentiras conscientes, sempre se referiam a meros detalhes…”, escreve Heiber. “As mentiras de Goebbels eram mais da natureza desses equívocos e evasivas, através dos quais porta-vozes do governo em todos os lugares procuram proteger o interesse nacional.” [pp. 134, 135]

Também é comum imaginar que, por mais habilidoso que fosse, Goebbels seria pouco mais do que um espertinho, que ganhava o apoio de seus compatriotas apelando para sentimentos de inveja, vingança, vaidade e orgulho arrogante. Essa visão, que implicitamente rebaixa os alemães como uma nação de aleijados emocionais e mentais, é especialmente difundida nos Estados Unidos. Se ele pensar nisso, o americano típico imagina que, se estivesse morando na Alemanha do Terceiro Reich, ele não teria “caído” pelas mentiras “óbvias” de Goebbels.

Essa visão auto-elogiosa é baseada na ignorância. Em seu clássico estudo, “Propaganda” (Nova Iorque: Alfred A. Knopf, 1968; Vintage, 1973 [p. 54]), o estudioso francês Jacques Ellul apontou que a imagem do pós-guerra de Goebbels é em si uma distorção da propaganda:

“Permanece o problema da reputação de Goebbels. Ele usava o título de “Grande Mentiroso” (concedido pela propaganda anglo-saxônica) e, no entanto, nunca deixou de lutar para que a propaganda fosse a mais precisa possível. Ele preferia ser cínico e brutal a ser pego em uma mentira. Ele costumava dizer: ‘Todo mundo deve saber qual é a situação’. Ele foi sempre o primeiro a anunciar eventos desastrosos ou situações difíceis, sem esconder nada. O resultado foi uma crença geral entre 1939 e 1942 de que os comunicados alemães não só eram mais concisos, mais claros e menos confusos, mas eram mais verazes que os comunicados dos Aliados (opinião estadunidense e neutra) – e, além disso, que os alemães publicaram todas as notícias. dois ou três dias antes dos Aliados. Tudo isso é tão verdadeiro que fixar o título de “Grande Mentiroso” em Goebbels deve ser considerado um grande sucesso de propaganda.”

Fonte: The Journal of Historical Review, janeiro-fevereiro de 1995 (Vol. 15, No. 1), páginas 19-21.

Notas:

[1] pág 134

[2] Idem

[3] pág. 235

[4] pág. 252

VEJA TAMBÉM

A Crença de Goebbels

Joseph Goebbels: Capitalismo e a Democrática Província do Dinheiro

O último Discurso de Joseph Gobbels

Relacionado:

O Massacre de Katyn – Sérgio Oliveira

Você pode baixar o livro grátis em PDF: O Massacre de Katyn – Sérgio Oliveira

Mark Weber

Autor, Pesquisador e Escritor em IHR - Institure for Historical Review
Mark weber (1951) é um historiador estadunidense, escritor, palestrante e analista de questões atuais. Estudou História na Universidade de Illinois (Chicago), Universidade de Munique (Alemanha), e na Portland State University. Possui também mestrado em História Europeia da Universidade de Indiana.

Desde 1995 ele tem sido diretor do "Institute for Historical Review" (Instituto de Revisão Histórica), centro independente de publicações, educação e pesquisas de interesse público, no sul da Califórnia, que trabalha para promover a paz, compreensão e justiça através de uma maior consciência pública para com o passado.
Mark Weber
Nos ajude a espalhar a palavra:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.