Mark Weber: “Dominando” o passado difícil da Alemanha

Nos ajude a espalhar a palavra:

ARMIN MOHLER, o autor suíço que viveu por muitos anos na Alemanha, começa este olhar bem escrito sobre o Terceiro Reich e seu legado histórico contando a fascinante história de suas experiências como um jovem de 22 anos em Berlim durante a guerra. [1]

Após o ataque militar liderado pelos alemães contra a União Soviética em junho de 1941, o jovem autor – então estudante na Universidade de Basel – compartilhou o entusiasmo de muitos europeus de sua época pela “cruzada europeia” contra o bolchevismo. Tão intensa era sua paixão que no início de fevereiro de 1942 ele cruzou ilegalmente a fronteira com a Alemanha com a intenção de se voluntariar para servir nas Waffen-SS. A “fuga romântica” de Mohler falhou. Ele não foi aceito na SS e, após seu retorno à Suíça, cerca de um ano depois, foi julgado e sentenciado a seis meses de prisão. (Outros tiveram muito menos sorte. Vários cidadãos suíços que agiram de forma semelhante, relata Mohler, foram fuzilados pelas autoridades suíças por sua “traição” em nome do Terceiro Reich. Outros tiveram de suportar anos nas prisões suíças).

Embora não tivesse permissão para servir nas forças armadas alemãs, ele teve permissão para viver por um tempo em Berlim. Além de estudar na biblioteca estatal prussiana de lá, ele observou com atenção o ritmo de vida na Alemanha durante a guerra.

Armin Mohler (1920 – 2003) foi um escritor político e filósofo, conhecido por suas obras no movimento conservador revolucionário e membro do movimento Neue Rechte. Seus escritos e pensamentos foram fundamentais na formação da Nova Direita europeia. No pós-guerra, falou repetidamente contra a proibição legal do “questionamento do Holocausto”.

Mohler escreve de forma convincente sobre como as pessoas viviam na Alemanha nacional-socialista durante seu terceiro ano de guerra. “O Terceiro Reich não foi como eu esperava”, lembra ele. A vida na Alemanha em tempo de guerra era muito mais complexa e multifacetada do que a retratada pela imagem de propaganda oficial divulgada pelos Aliados durante a guerra e, desde então, nos meios de comunicação ocidentais. Mohler ficou impressionado, por exemplo, com o estilo autoconfiante e a aparência atraente e até um tanto erótica das mulheres de Berlim, que tinham pouca semelhança com os tipos deselegantes de “Gretchen” retratados na propaganda aliada do tempo de guerra.

Em contraste com o esforço pesado da Rússia stalinista para moldar um “novo homem soviético” uniforme, nenhum esforço desse tipo jamais foi tentado no Terceiro Reich. Os berlinenses mantiveram em grande parte seu conhecido humor sarcástico e individualidade espirituosa.

Mesmo a filiação ao partido nacional-socialista não implicava uma uniformidade de pensamento e comportamento, como muitos assumem hoje. “Um membro do Partido pode ser um pagão ou um cristão devoto; ele estava livre para lutar por uma economia de mercado livre ou pelo controle estatal da economia. Ele nem mesmo foi obrigado a apoiar visões racistas – o desprezo de Hitler pelas visões racistas populares era bem conhecido…”

“A maior surpresa para mim foi a intensidade das disputas intelectuais… As conversas foram muito mais livres do que eu esperava.” Na verdade, Mohler contrasta a vitalidade da discussão intelectual na Alemanha do tempo de guerra com o caráter “monótono” do discurso na Alemanha de hoje.

Mohler ficou impressionado com a perseverança e dureza dos berlinenses em face das privações e sacrifícios da guerra. “Neste século”, escreve Mohler, “os alemães realizaram algo que é único na história moderna: no espaço de três décadas – primeiro por quatro anos e depois por quase seis anos – eles travaram uma guerra contra praticamente o mundo inteiro”.

LEIA MAIS

A maioria dos alemães, explica Mohler, apoiava o regime. “A liderança [do Terceiro Reich] podia contar com duas coisas da grande maioria dos alemães: primeiro, o sentimento básico de que a ‘vida continua’ e, segundo, com um consenso [de apoio] que ia muito além do nacional-socialismo…”, o consenso, escreve Mohler, nunca foi oficialmente estabelecido, mas pode ser determinado a partir de várias conversas. Incluía a rejeição quase universal do “sistema” democrático do período pré-Hitler de Weimar e um sentimento comum de que a guerra deve ser vencida em primeiro lugar, e que todos os problemas e disputas serão resolvidos de forma pacífica e justa depois. Esse consenso básico, dentro do qual os alemães podiam e de fato discordavam em uma ampla gama de questões, manteve-se até o final da guerra.

Durante os anos finais da guerra, Mohler observa, uma nova geração de homens e mulheres mais jovens assumiu o controle do aparelho administrativo e militar da Alemanha. Foi essa geração resistente e capaz, que atingiu a maturidade durante os anos pré-guerra do Terceiro Reich (incluindo a “incubação” na Juventude Hitlerista), que reconstruiu a Alemanha após a derrota de 1945 e foi responsável pelo “milagre econômico” dos pós-guerra.

Durante sua estada na Alemanha durante a guerra, Mohler uma vez participou de um acampamento de verão com cerca de 150 representantes de grupos de jovens de vários países europeus, incluindo Espanha, Itália, França, Dinamarca e Finlândia. Curiosamente, havia até três jovens da Grã-Bretanha e do Canadá. Esses jovens nacionalistas, lembrou ele, compartilhavam um idealismo apaixonado por uma Europa unida de nações unidas fraternalmente. Embora a liderança da Alemanha durante a guerra tenha encorajado esse espírito de idealismo, nunca o cultivou sinceramente. Como resultado, escreve Mohler, muitos jovens europeus não alemães se sentiram decepcionados com o regime nacional-socialista.

O ano de Mohler na Alemanha durante a guerra, “me impressionou tanto que, mais do que nunca, não fui capaz de me encaixar na ‘autosatisfação’ da sociedade suíça”. Ele antecipou que a Alemanha teria um papel decisivo em seu futuro.

A maior parte deste livro é dedicada a um tratamento direto e dissidente da questão altamente carregada de emoção do pesado legado do Terceiro Reich da Alemanha. Mohler argumenta de forma persuasiva que a ênfase aparentemente interminável nos crimes nazistas e nos esforços alemães para “expiar” os “pecados” coletivos é perversa, injusta e, em última análise, perigosa.

Ele cita uma pesquisa de opinião pública realizada há alguns anos, na qual os alemães selecionados aleatoriamente foram questionados: “Quem foi o culpado da guerra germano-húngara de 1893?” Uma maioria decisiva respondeu prontamente “os alemães”, confessando a culpa coletiva por um conflito que, de fato, nunca aconteceu. Apenas uma pequena minoria respondeu com “os húngaros” ou “não sei”.

“A lenda da ‘singularidade’ dos crimes alemães [de guerra]”, escreve ele, “é a expressão atual do ódio à Alemanha”. Na verdade, ele continua, “A história mundial consiste em muitos passados ​​que não foram ‘superados’. Os alemães devem viver com suas vítimas, assim como os americanos devem viver com seus índios exterminados, e os ingleses devem viver com seus irlandeses violados, para não mencionar os russos, os turcos, os sérvios, os iranianos e os cambojanos”.

Para apontar a injustiça e o sensacionalismo primitivo que caracterizam grande parte da caça aos “criminosos de guerra nazistas”, Mohler dedica 16 páginas ao caso de Ilse Koch, esposa de um comandante de campo de concentração que foi criticado na mídia americana como a “vadia de Buchenwald”. Ela se tornou internacionalmente famosa por supostamente ajudar a fazer abajures com a pele de prisioneiros de campo assassinados. Seu marido, o comandante de Buchenwald, Karl Koch, foi considerado culpado de assassinato e corrupção por um tribunal da SS e executado. [2]

Uma característica notável de Der Nasenring é o tratamento objetivo do autor das descobertas históricas do especialista americano em câmaras de gás Fred Leuchter Jr. [3]

Mohler insiste que “Este processo de ‘superar o passado‘, como é praticado hoje, deve chegar ao fim porque dificulta políticas [valiosas] e as torna impossíveis. Acima de tudo, os próprios alemães devem pôr fim a esse processo … A maioria dos alemães que vivem hoje não vivia durante a era do Terceiro Reich (ou apenas quando crianças) … Não será possível jogar este mesmo jogo por toda a eternidade, retratando o alemão como singularmente culpados, em contraste com a suposta normalidade de todos os outros”.

Como parte desse processo aparentemente interminável de “superar o passado” – que, como Mohler aponta, foi imposto à Alemanha derrotada pelas potências aliadas vitoriosas no rescaldo da Segunda Guerra Mundial – não só o Terceiro Reich é simplisticamente diabolizado, mas junto com isso, todas as virtudes “conservadoras”, incluindo ordem, honra, moralidade, pátria, lealdade, decência, são difamadas e desacreditadas como “fascistas” ou mesmo “nazistas”.


Do  The Journal of Historical Review , setembro-outubro. 1994 (Vol. 14, No. 5), páginas 47-48. Fonte na web: http://www.ihr.org/jhr/v14/v14n5p47_Mohler.  Tradução de Leonardo Campos


Notas do autor:

[1] “Der Nasenring: Im Dickicht Der Vergangenheitsbewältigung”  (O anel de nariz: No Emaranhado de Chegar a um Acordo com o Passado), de Armin Mohler. Essen: Heitz & Höffkes, 1989. (Edição revisada e ampliada publicada em 1991 por Verlag Langen Müller, Munique.) Capa mole. 256 páginas. Índice.

[2] Mohler depende muito de um livro sobre o caso Koch do historiador da Califórnia Prof. Arthur L. Smith, Jr. Ver também: M. Weber, “Buchenwald: Legend and Reality,”  The Journal of Historical Review, inverno 1986-87

[3] Com base em sua investigação forense de 1988 das supostas instalações de extermínio de “câmaras de gás” em Auschwitz , Birkenau e Majdanek, Leuchter concluíram que essas instalações nunca foram usadas, e nunca poderiam ter sido usadas, para matar pessoas como alegado. Para mais informações sobre Leuchter, seu trabalho e seu impacto, consulte o Winter 1992-93 IHR Journal. um autor alemão deu o crédito a Mohler por ser o primeiro a chamar sua atenção para o Relatório Leuchter. Ver: Ernst Gauss [Germar Rudolf],  Vorlesungen über Zeitgeschichte e a edição de novembro-dezembro de 1993 deste  Jornal.

Mark Weber
Nos ajude a espalhar a palavra:
Gostou do artigo? Você pode contribuir para o site com uma doação:

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.