Judeus: Uma comunidade religiosa, um povo ou uma raça?

Nos ajude a espalhar a palavra:

A definir “judeu” nunca tem sido simples. É ele alguém que pratica o judaísmo, a religião judaica, ou é ele identificado por sua ascendência? Enquanto muitos americanos assumem que os judeus são essencialmente um grupo religioso, os próprios judeus tomam por admitido que a comunidade deles é muito mais étnica-nacional do que é religiosa.

Benjamin Netanyahu, que tem servido como Primeiro Ministro de Israel, francamente vê os judeus como membros de um grupo racial. Falando para uma reunião de quase mil judeus no Sul da Califórnia, ele disse: “Se Israel não tivesse vindo à existência após a Segunda Guerra Mundial [sic] eu estou certo que a raça judaica não teria sobrevivido.” (Daily Pilot, Newport Beach / Costa Mesa, 8 de fevereiro, 2000, primeira página).

O líder israelense passou a exortar sua audiência:

“Eu me posto diante de vocês e digo que vocês que devem fortalecer seu compromisso para com Israel. Vocês devem tornarem-se líderes e levantarem-se como judeus. Nós devemos estar orgulhosos de nosso passado, sermos confiantes de nosso futuro.” (Similares apelos diretos por não-judeus para orgulho racial étnico são, naturalmente, rotineiramente condenados como “racistas” ou “neonazistas”).

Eleito Primeiro-Ministro nas eleições de 2019 (março passado) parlamentares israelenses votaram pela dissolução do Parlamento depois que o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu não conseguiu formar um governo de coalizão. FOTO: Ronen Zvulun I Reuters.

Ecoando Netanyahu, um jornal influente da comunidade judaica com um público de alcance nacional referiu-se aos judeus como um grupo racial. Um editorial intitulado “Alguma outra raça” em 17 de março de 2000, edição do semanário de Nova Iorque Foward instigou os leitores a preencherem um formulário do censo do governo federal. Prosseguindo ele sugere: “… na questão oito [do formulário, a qual pergunta sobre raça], você deve considerar fazer mais que um membro de nosso redaktzia [redação editorial] tem feito: verificando o formulário: ‘alguma outra raça’ e escrevendo a palavra ‘Judeu’.”

Charles Bronfman, um proeminente patrocinador dos $210 milhões do projeto “Birthright Israel” para “auto consciência” dos judeus americanos, expressou um sentimento similar. Ele é co-presidente da poderosa companhia Seagram, e irmão de Edgar Bronfman, presidente do Congresso Mundial Judaico. “Você pode viver uma vida perfeitamente decente não sendo judeu,” disse Charles Bronfman, “mas eu acho que você está perdendo muito – perdendo o tipo de sentimento que você tem quando você sabe [que] através do mundo existem pessoas que de algum modo ou outro tem o mesmo tipo de DNA que você tem.” (“Project Reminds Young Jews of Heritage,” The Washington Post, 17 de janeiro de 2000, página A 19).

Charles Bronfman. Atualmente, sua filha, Clare Bronfman, herdeira do seu império de bebidas e cuja família possui negócios com a casa de Rothschild por meio da empresa Bronfman Rothschild é acusada pela Justiça dos EUA de encobrir a milionária seita de Hollywood chamada NXIVM que viva do culto sexual e de tráfico infantil. Essa seita envolve inclusive gente da imprensa, como Keith Raniere, Allison Mack (atriz de Smallvile, que se declarou culpada) e e Frank Parlato. FOTO: PA.

Theodor Herzl, o fundador do movimento sionista moderno, enfatizou em seu livro seminal Der Judenstaat (“O Estado Judeu”), publicado em 1896, que os judeus envolta do mundo constituem um Volk, isto é, um povo ou nacionalidade, com interesses diferentes daqueles dos não-judeus entre os quais eles vivem. Em acordo a isso figuras políticas israelenses e os líderes da comunidade judaica nos Estados Unidos rotineiramente falam do “povo judeu”.

Theodor Herzl em Basileia (Suíça), onde ocorreu o primeiro congresso sionista. Arquivo Sionista Central / Cortesia Simon Wiesenthal Center

Consistente com isso, os líderes judeus expressam alarme que muitos judeus estão se casando com não judeus (uma atitude que é denunciada como “racista” se expressada por não-judeus). Charles S. Liebman, um professor na Universidade Bar-llan em Israel, direta e francamente declara que o casamento inter-racial “viola as mais básicas normas de judaísmo [e] ameaça a sobrevivência judaica.” (Los Angeles Times, 17 de abril, 2000).

Por décadas um pequeno número de judeus americanos – notavelmente Alfred Lilienthal, autor de Zionist Connection, e o Rabino Elmer Berger, líder do Conselho Americano para o Judaísmo – trabalharam duro para convencer companheiros judeus a rejeitar o nacionalismo judaico (Sionismo), e ao invés, ver a eles mesmos como um grupo religioso. Surpreendentemente, porém, os judeus têm rejeitado tais apelos. De fato, algumas das mais proeminentes personalidades judaicas do século passado – incluindo Albert Einstein, Ilya Ehrenburg, e o Primeiro Ministro de Israel, David Ben-Gurion – têm sido não-religiosas [1].

Como uma questão de básica política estatal, a atividade de Israel encoraja a imigração de judeus – definidos por ascendência – de todo o mundo, enquanto ao mesmo tempo desencorajam fortemente o assentamento por não-judeus, mesmo proibindo imigração de não-judeus que nasceram no que é agora Israel.

Publicado originalmente em março/abril de 2000 (Vol. 19, nº 2), página 63.

Tradução de Mykel Alexander

Fonte (original em inglês): Institute of Historical Review

Fonte traduzida (em Português): World Traditional Front

Nota:

[1] Nota do tradutor: A relação de Albert Eistein com a religião sempre foi motivo de polêmica dada a popularidade e uso da imagem deste cientista, contudo, o parecer religioso dele não se encontra nem no extremo materialista ou no ateísmo e nem no extremo do fanatismo religioso, na verdade se encontrando mais próximo das correntes tradicionais não abraâmicas, tais como as que combinam religião, ciência e filosofia presentes entre hindus, chineses e greco-romanos por exemplo, se termos em conta as afirmações abaixo emitidas por Einstein:

“Não posso imaginar um Deus pessoal que influencia diretamente a ação das pessoas… Minha religiosidade consiste em uma humilde admiração do espírito infinitamente superior que se revela no pouco que compreendemos de nosso próprio mundo. A profunda convicção na presença de um poder superior, que aparece no universo incompreensível, forma minha ideia de Deus”, disse Einstein em carta de 1927, publicada em seu obituário no Times, em 1955.

Fonte: “Ateu, agnóstico, religioso? Entenda relação de Einstein com Deus – Carta em que cientista escreveu sobre assunto no fim da vida foi leiloada por R$ 11 milhões”, O Globo, 05/12/2018 – 15:57 / Atualizado em 05/12/2018 – 16:06.

VEJA TAMBÉM

Conversa Direta sobre o Sionismo – o que o nacionalismo judaico significa

Miguel Serrano: O Judeu

Israel: Benjamin Netanyahu Faz Aliança com Partido Racista Talmúdico e Extremista Otzma Yehudit Para as Próximas Eleições

Justiça dos EUA Acusa Clare Bronfman, Bilionária Ligada aos Rothschild, de Acobertar Culto Sexual e de Tráfico Infantil

Difamação (Defamation), Documentário de Yoav Shamir

Racismo Judaico-Sionista: Segundo Netanyahu, Israel Não é de Todos os Seus Cidadãos

Há 43 Anos, ONU Considerou o Sionismo Como Uma Forma de Racismo

Mark Weber

Mark weber (1951) é um historiador estadunidense, escritor, palestrante e analista de questões atuais.

Estudou História na Universidade de Illinois (Chicago), Universidade de Munique (Alemanha), e na Portland State University. Possui também mestrado em História Europeia da Universidade de Indiana.

Desde 1995 ele tem sido diretor do "Institute for Historical Review" (Instituto de Revisão Histórica), centro independente de publicações, educação e pesquisas de interesse público, no sul da Califórnia, que trabalha para promover a paz, compreensão e justiça através de uma maior consciência pública para com o passado.
Mark Weber
Nos ajude a espalhar a palavra:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.