Reinhard Heydrich: O Adversário Camuflado

Nos ajude a espalhar a palavra:
Ao contrário do adversário visível, já não é possível apanhar o adversário camuflado de forma organizada. Ele trabalha ilegalmente, nós podemos denominá-lo talvez de aparato invisível do grande adversário já caracterizado. Seu objetivo é destruir a unidade da liderança no Estado e no partido, tornando impossível cumprir os objetivos cosmovisionários do Nacional-Socialismo. O povo deve ser mantido inseguro e distante de sua liderança, os líderes devem se tornar nervosos e desconfiar uns dos outros.
Imagem relacionada
Reinhard Heydrich e sua esposa, Lina Mathilde, com o filho Klaus.
Para chegar a estes objetivos, existe uma rede de ligações cruzadas em quase todos os níveis do aparato estatal, da vida pública e do movimento. Este sistema de canais alerta o adversário diante de um perigo iminente. Ele esta ciente a tempo de todas as medidas do Estado, suas ordens e leis. O mesmo sistema de canais serve, por outro lado, para preparar as medidas mais importantes do adversário. Os órgãos deste sistema trabalham parcialmente cientes de sua traição, por outro lado sofrem exploração de seus pontos fracos pessoais.
O principal ponto de sustentação deste trabalho adversário sabidamente traidor são os elementos inimigos remanescentes no aparato do Estado, os quais aparecem todos de uma vez, em um só instante. Para eles são irrelevantes as leis do funcionalismo. Acreditando-se na veracidade e na convicção de seu juramento, eles foram deixados em suas posições como profissionais da área.
Enquanto nós, nacional-socialistas, entendemos sob o termo burocracia, no bom sentido, toda precisão do excelente e coordenado trabalho de um aparato comercial e administrativo, diversos elementos desalmados e inimigos desvirtuam a mesma burocracia para impedir, travar e distorcer nossas tarefas nacional-socialistas [1]

Reinhard Tristan Eugen Heydrich (1904 – 1942). Oficial (‘SS-Obergruppenführer‘, Líder de Grupo Sênior e ‘General der Polizei‘, Chefe da Polícia) alemão durante a Segunda Guerra Mundial, chefe do Reichssicherheitshauptamt (Gabinete Central de Segurança do Reich, RSHA; incluindo a Gestapo, Kripo e SD), também Stellvertretender Reichsprotektor (Protetor) da Boêmia e Morávia, atual República Checa. Heydrich também prestou serviço como presidente da Comissão da Polícia Criminal Internacional (ICPC; mais tarde conhecida como Interpol). 
A ramificação desta rede é monstruosa. Uma descrição sem lacunas é impossível aqui. Uma pessoa de fora só consegue identificar as ramificações em seus efeitos:
Aqui são feitas tentativas para reinterpretar medidas legislativas. Em outra parte tentam estrangular o financiamento de determinadas áreas vitais para o movimento e o Estado [2].
Nas universidades tenta-se distorcer através da “ciência pura e racional” o tratamento da herança cultural nacional-socialista, em prol do liberalismo [3].
Na pesquisa da pré-história tenta-se unilateralmente colocar nas mãos de elementos estranhos ao povo a liderança das escavações, para que possa ser mantida intacta a afirmação da “falta de cultura” de nossos antepassados [4]

De boa família que conseguiu manter suas posses mesmo após as condições do Tratado de Versalhes imposto a Alemanha e sendo talentoso atleta, tornou-se um especialista em natação e esgrima. Entre 1918 – 1919, após a derrota alemã na Primeira Guerra Mundial,  a cidade natal de Heydrich,  Halle,  Saxônia, passou por várias desordens civis—incluindo greves e lutas entre grupos comunistas e anti-comunistas. O ministro da Defesa, Gustav Noske, criou uma unidade paramilitar (freikorps), para conter a cidade dos ataques. Então com 15 anos, juntou-se à Espingardas Voluntárias de Maercker. Quando as escaramuças acabaram, Heydrich fazia parte da força responsável pela proteção da propriedade privada. Isso foi seu despertar político. Depois, entrou para a Deutschvölkischer Schutz und Trutzbund (Liga Nacional Alemã de Proteção e Abrigo), uma organização anti-sionista e pró-nacionalista.
 
Em 1922, Heydrich entrou para a Marinha Alemã (Reichsmarine), chegando a Oberleutnant zur See (Tenente-do-mar principal)`em 1928. Em 1931, Heydrich começou a trabalhar como chefe do novo Serviço de Informação da SS.  Em 1932, Himmler o nomeou chefe do recém-designado serviço de segurança—o Sicherheitsdienst (SD).
 
Em Londres, o Governo checoslovaco no exílio resolveu matar Heydrich. Jan Kubiš e Jozef Gabčík encabeçaram o grupo escolhido para a operação. Treinados pela Special Operations Executive (SOE) britânica, os dois homens regressaram ao Protetorado, de um Handley Page Halifax saltando de de pára-quedas, em 28 de Dezembro de 1941. Durante alguns meses viveram escondidos, a preparar-se para a tentativa de assassinato, que aconteceu em  27 de Maio de 1942 numa batalha sangrenta entre ele, seu motorista contra os dois assassinos, que posteriormente também foram executados por agentes alemães.

 

Através da tentativa de uma política pessoal antinacional-socialista é almejado tomar de volta posições chaves do Estado, e caso uma lei nacional-socialista seja aprovada, sua execução é sabotada e as portas do fundo podem ser abertas através de regulamentações maliciosas do texto da lei. No caso de homens nacional-socialistas de boas intenções, através de interações sociais (convites, clubes etc) é tentado ganhar influência sobre eles. Diante da forte vontade dos líderes nacional-socialistas em ajustar a legislação e administração pública alemã à natureza e sensibilidade do povo, eles distorcem na execução e tentam com isso levar estes homens a atuar contra o movimento.

Para distorcer as medidas do Führer (líder, condutor) ou um de seus representantes, ou para facilitar a queda de uma organização incômoda ou perigosa do movimento e do Estado, eles lançam mão da sistemática fabricação de boatos e da incitação através da mídia. Por milhares de canais são espalhados boatos sobre os supostos “perigos” da política do Führer, que ameaçam através destas medidas ou organizações e, ao mesmo tempo, estabelece-se uma onda de reclamações. A diversidade destas reclamações permite reconhecer rapidamente o sistema de canais do adversário. Sob o comando freqüente da maçonaria suíça ou de um jornal de emigrantes “alemães”, o ataque se materializa através de uma série de artigos sistemáticos das piores mentiras. Simultaneamente é colocado em movimento o aparato para manipulação das fraquezas de cada indivíduo. O ser humano é inclinado facilmente a acreditar em boatos inverídicos e inacreditáveis, mais do que em fatos técnicos. Conhecendo estas fraquezas e vontade de imitar, estes boatos são lançados contra personalidades que têm certa simpatia ou antipatia a estas organizações e com isso se encarregam da disseminação no sentido positivo ou negativo.
Uma opinião pronta é criada rapidamente, que prepara então o caminho para a execução dos objetivos imediatos do adversário.
Assim é tentado por toda parte destruir o corpo do Estado e lançar uma cunha entre a liderança e seus seguidores. Acentuando as tarefas ainda não executadas, as ações e desempenhos dos dois primeiros anos devem ser esquecidos e tenta-se retirar do Führer e de seus fiéis seguidores todo chão construído pelos excelentes trabalhos, e também a confiança do povo. Nós devemos ver esta ação e tática do adversário, para poder confrontá-las.
Como o adversário vê a situação na Alemanha e qual caminho lhe parece ser mais o correto, deixa-se mostrar pela seguinte frase proveniente de um relatório secreto do adversário: “A situação na Alemanha permanece na tentativa em anular o NSDAP através da burocracia e outros adversários secretos do Nacional-Socialismo.” [5]
Wandlung unseres Kampfes, 1936.
NOTAS:[1] – Quando pensamos, por exemplo, na “demo”-oligárquica brasileira e seu aparato estatal, percebemos que os pontos e cargos chave da nação, aqueles que poderiam fazer toda a diferença para um funcionamento digno e soberano do Estado, na verdade são lacaios postos e escolhidos a dedo pelas facções transnacionais e nacional econômicas, seja na Câmara dos Deputados, seja no STF, usam e agigantam o Estado com base no que ele necessite para manter a “blindagem” dessa mesma oligarquia e preservar a subserviência. Nada mais. Daí o pano para manga que os desinformantes da mídia e neoliberais de plantão usam para atacar tudo que é nacional e distorcer a ideia de Estado para uma simples versão comunista ultrapassada.

[2] – Hoje, podemos traduzir isso no Brasil e na América Latina como “guinada à Direita e o falso patriotismo” o já saturado quadro infundado de privatizações.

[3] –cosmovisão Nacional-Socialista envolve mais do que apenas a ciência formal. Abrangendo todo o legado místico das tradições nórdicas, ela vai mais além, promovendo o estudo incessante da correspondente esfera metafísica.

[4] – O que você aprendeu sobre a riqueza cultural antiga e pré-histórica do passado ocorrido nas terras desse país na escola? Nada! Por isso é tão fácil rejeitar quem somos e querermos pateticamente sermos “outros”.

[5] – Esta abordagem do chefe de departamento de segurança do Reichsführer da SS, Reinhard Heydrich, mostra claramente que a luta interna após a tomada de poder pelo partido de Hitler nunca acabara. Mesmo estando no poder há 3 anos, depois de levantar a economia alemã a patamares que só provocava inveja a qualquer dirigente de qualquer outra nação do ocidente, mesmo fornecendo melhores perspectivas de vida a todos os alemães, a cosmovisão nacional-socialista ainda era combatida por aquelas velhas forças destrutivas que sempre se instalam em um organismo saudável.

Mais tarde, já durante a guerra, não há dúvidas que a possibilidade de traição foi um dos motivos que levou milhares aos campos de concentração, cuja atividade vil certamente ajudaria/ajudou na derrota do Terceiro Reich. Não surpreende, portanto, que nos dias atuais a figura do traidor da Pátria seja cultuada na BRD.

 

Marcelo Franchi
Siga em:
Últimos posts por Marcelo Franchi (exibir todos)
Nos ajude a espalhar a palavra:
Gostou do artigo? Você pode contribuir para o site com uma doação:

One thought on “Reinhard Heydrich: O Adversário Camuflado”

  1. ATREVO-ME A FAZER UMA CORREÇÃO. NAS MENÇÕES À REALIDADE BRASILEIRA, NÃO HÁ MAIS QUE MENCIONAR OLIGARQUIA, MAS SIM CLEPTOCRACIA. ISTO É O QUE TEMOS ENRAIZADOS NA POLÍTICA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA BRASILEIRAS. CLEPTOCRATAS. MORTE PARA TODOS ELES!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cinco × três =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.