Dresden: 75 anos de um holocausto alemão

Nos ajude a espalhar a palavra:

“Quando eu era criança, nós chamávamos certas bombinhas verdes do Réveillon de peidinhos de judeus . Ninguém ligava. Quando a escola era barulhenta, o professor alertava: Aqui está parecendo uma escola judaica! . Nós nada sabíamos sobre Auschwitz, mas ao contrário, muito sobre Dresden.” – Götz Aly

“Os chefes da força aérea aliada tomaram finalmente a esperada decisão, que os bombardeios incondicionais e aterrorizantes dos grandes centros urbanos alemães deveriam ser levados a cabo para selar mais rápido o destino de Hitler”. – C. M. Grierson, General-tenente britânico, Paris, conferência de imprensa no quartel general das forças aliadas na Europa, 17 de fevereiro de 1945.

“Objetivo da Força Aérea é quebrar a resistência inimiga a qualquer preço, levando a um rápido fim. Para isso é necessário quebrar a defesa aérea inimiga, para poder atacar diretamente o centro civil.” – Sir Hugh Trenchard, chefe da Royal Air Force, 1928.

Como confirma o relato do historiador Götz Aly ao britânico Telegraph, “pelo menos 200.000 alemães teriam sido queimados em consequência do “bárbaro ataque terrorista anglo-americano”, na noite de 13 para 14 de fevereiro de 1945, segundo relatava minha mãe. Entrementes, os historiadores esclarecem que na horrível noite dos bombardeios e nos ataques diuturnos subsequentes, pelo menos 18.000 e no máximo 25.000 pessoas morreram. [1]

Na manhã de 13 de fevereiro foi dada a ordem de deportação para os últimos 70 judeus de Dresden. Desde que eles tenham sobrevivido à noite seguinte, a tempestade de fogo trouxe-lhes “a salvação, pois pude escapar da Gestapo dentro daquele caos generalizado”. Assim descreveu um dos que se salvaram, Victor Klemperer. Adolf Eichmann lamentou isso. Ele viu o Natal de 1944, em Berlim, e escreveu em suas memórias, em 1961: “Vôos rasantes trucidam alemães”, por causa dos “bombardeios anglo-americanos, em Berlim cheira-se carne queimada e cadáveres em decomposição”. A consequência foi “não pensar mais em um trabalho público ordenado”. O muito obrigado por tudo isso vai ao brigadeiro britânico Sir Arthur Harris. Ele ordenou a guerra aérea contra a Alemanha. Uma rosa sobre seu túmulo.

Corpos incinerados pelo bombardeio retirados pelas brigadas alemãs de incêndio após o ataque na manhã seguinte. Arquivo Federal alemão/ Desconhecido.

Em Dresden atuavam ainda os homens de Eichmann e Himmler. Nos dias após o 13 de fevereiro, tropas de resgate recolheram 6.850 cadáveres no mercado velho, Altmarkt [Mercado velho], no centro da cidade. Foram construídas grelhas com trilhos de trem, pedaços de madeira foram colocados em baixo, embebidos com gasolina, acesos e tudo reduzido a cinzas. Tal incineração pública de mortos não aconteceu nem em Hamburgo, Kassel, Magdeburgo ou outra cidade acometida seriamente pela guerra aérea.

Sobreviventes fizeram as fogueiras de Dresden – entre eles os meninos da Juventude Hitlerista – orientados tecnicamente pelos membros do batalhão Streibel da SS. [2]

Na noite de 13 para 14 de fevereiro de 1945, a cidade de Dresden foi transformada em um monte de escombros. O que aconteceu aqui foi indescritível. Nesta cidade, onde adentravam centenas de milhares de refugiados com suas carroças, onde dezenas de milhares de soldados feridos foram alojados em hospitais improvisados, que exibiam aos céus sua cruz vermelha sobre o fundo branco, a crueldade aliada conseguiu se superar. Dresden ardeu durante sete dias e oito noites.

Os enfraquecidos esquadrões aéreos alemães tinham perdido o domínio aéreo sobre o território do Reich e ofereciam apenas uma modesta resistência. A cidade Dresden não tinha qualquer peça de artilharia aérea para sua defesa, nenhum abrigo aéreo, nenhuma indústria bélica, os hospitais estavam superlotados. Apesar disso – ou justamente por causa disso – os aliados voaram até ela na noite de 13 para 14 de fevereiro de 1945, com centenas de bombardeiros quadrimotores, caças e bombardeiros comuns, e arrasaram a cidade.

A destruição de Dresden foi executada em quatro ataques:

  • O primeiro ataque aconteceu a 13/02/1945, das 22:09 até as 22:35, com cerca de 3.000 bombas convencionais e 400.000 bombas incendiárias.
  • O segundo ataque ocorreu a 14/02/1945 das 1:22 até as 1:54, com cerca de 4.550 bombas convencionais e 170.000 bombas incendiárias.
  • O terceiro ataque a 14/02/1945 das 12:15 até as 12:25, com cerca de 1.500 bombas convencionais e 50.000 bombas incendiárias.
  • O quarto ataque aconteceu a 15/02/1945 das 12:10 até as 12:50, com cerca de 900 bombas convencionais e 50.000 bombas incendiárias.

Um cenário de horror mostrou-se após o quarto ataque: das 1,2 milhões de pessoas que se encontravam em Dresden antes dos ataques, morreram mais de 250.000 – donde apenas 30.000 puderam ser identificadas. Mais de um terço dos prédios foram totalmente destruídos ou gravemente avariados, o centro histórico foi transformado em um monte de entulho.

Até 20 de março de 1945 foram contados 202.041 mortos, principalmente mulheres e crianças. Como não era possível realizar o transporte dos corpos, eles foram incinerados ali mesmo. Nunca na história pessoas foram sacrificadas de forma tão gratuita na condução da guerra. O ataque a Dresden não foi um engano do comando aéreo inglês, mas sim um genocídio planejado, cujo objetivo era quebrar “a moral da população”.

Dresden – um holocausto real

O ataque aéreo dos criminosos de guerra aliados despejou sobre na população civil das cidades alemãs “40.000 toneladas de bombas no ano de 1942, 120.000 toneladas de bombas em 1943, 650.000 toneladas de bombas em 1944 e, nos últimos quatro meses de 1945, mais de 500.000 toneladas de bombas”. Cerca de 500.000 pessoas foram eliminadas “democraticamente” em uma noite

Os alemães devem ser anjos ou santos para esquecer e perdoar o que eles sofreram duas vezes com injustiças e atrocidades em uma geração, sem que eles tenham desafiado os aliados. Se nós norte-americanos fôssemos tratados assim, nossa vingança pelo nosso sofrimento não conheceria fronteiras.” [Reverendo Ludwig A. Fritsch, Ph.D, D.D. emer., Chicago, 1948]

Alemães retirando escombros no centro de Dresden após os ataques na noite do 13/14 de fevereiro de 1945. Arquivo Federal Alemão.

O número de mortos do Holocausto de Dresden é reduzido a algumas dezenas de milhares de exterminados pelos principais profissionais representantes da fábrica de mentiras RFA e pela Indústria do Holocausto. É fato reconhecido, todavia, que durante o inferno de bombas, mais de 12.000 edifícios do centro da cidade viraram pó. Em um momento da guerra, onde juntamente com os 600.000 moradores da cidade, se encontravam enlatados lá mais de 600.000 refugiados de Breslau. Eram acomodados em cada um dos 12.000 edifícios cerca de 50 pessoas. Isso não é contestado – e desses edifícios não sobrou qualquer coisa que se aproveite. As pessoas que ali se encontravam transformaram-se em cinzas sob uma temperatura de 1.600 °C.

Em uma área arrasada de 7×4 km, ou seja, 28 milhões de m², tombaram a cada 1.000m² de 1 a 1,5 mortos, segundo a correta política democrática. Por isso os negadores do Holocausto alemão mencionam desavergonhadamente 35.000 mortos. Em fevereiro de 2005, uma “séria” comissão de historiadores afirmou que morreram somente 24.000 alemães em Dresden. Quando o sistema envia a campo seus historiadores “sérios”, o conhecedor da política da mentira histórica sabe que se trata aqui de comprados especialistas na mentira, os quais devem evitar a todo custo a divulgação da verdade, utilizando para isso as mentiras mais descaradas.

A cifra de 35.000 mortos trata de uma pequena parte das vítimas do Holocausto de Dresden, cujas identidades foi possível determinar. Erhard Mundra, membro da diretoria do “Bautzen-Komitee e.V.”, esclareceu isto em 12 de fevereiro de 1995 no jornal alemão Die Welt, página 8:

“Segundo o comunicado do oficial do Quartel General da área de defesa de Dresden, major da reserva Mathes, naquela época diretor administrativo da cidade Dresden, foram identificados completamente 35.000 mortos, 50.000 parcialmente e 168.000 não puderam ser identificados.”

Todas aquelas pobres crianças, mulheres, idosos e soldados feridos, dos quais a onda ígnea não deixou nem um palmo de cinzas, naturalmente não puderam mais ser identificados. Sobre isso escreveu o falecido ex-chanceler Dr. Konrad Adenauer: O ataque à cidade de Dresden repleta de refugiados resultou, somente em 13.02.1945, em cerca de 250.000 mortos.” [3]

E a cidade Dresden completou em um comunicado:

“Segundo as confirmadas informações do Departamento de polícia de Dresden, foram resgatados os corpos de 202.040 pessoas, na sua maioria mulheres e crianças. Cerca de 30% destes puderam ser identificados. Incluindo os desaparecidos, o número realista de vítimas deve estar entre 250.000 e 300.000…” [4]

Dresden era uma cidade-hospital, sem qualquer peça de artilharia anti-aérea, sem militares e sem qualquer tipo de instalação militar. Dresden servia como receptora dos refugiados do leste. Os telhados eram marcados com a cruz vermelha.

As cidades alemãs se transformaram em super-crematórios

Na noite assassina de 13 para 14 de fevereiro de 1945, o maior criminoso de todos os tempos, Winston Churchill, permitiu que caíssem cerca de 700.000 bombas incendiárias sobre Dresden. Sobre dois habitantes caíram, portanto, uma bomba. Sobre isso escreveu o jornal Welt em 3.3.1995, pág. 8:

“Quando a cidade se transformou em um crematório… Professor Dietmar Hosser, do Instituto para Materiais, Infra-estrutura e proteção ao fogo, Braunschweig, considera provável que a temperatura da superfície tenha atingido até 1.600 °C.”

Dos céus veio a “libertação” mortal

O genocídio do povo alemão exterminou 80% de todas as cidades alemãs com mais de 100.000 habitantes”. O ataque aéreo dos criminosos de guerra aliados despejou sobre a população civil das cidades alemãs “40.000 toneladas de bombas no ano de 1942, 120.000 toneladas de bombas em 1943, 650.000 toneladas de bombas em 1944 e, nos últimos quatro meses de 1945, mais de 500.000 toneladas de bombas”. [5]

Aqui aconteceu a maior parte do Holocausto alemão

As seguintes cidades alemãs foram transformadas em crematório pelos principais criminosos de guerra Churchill e Roosevelt, cujos centros suas bombas trouxeram o dobro de calor análogo ao centro de um crematório: Kiel, Neumünster, Stralsund, Bremerhaven, Emden, Wilhelmshaven, Hamburg, Neubrandenburg, Neustrelitz, Prenzlau, Bremen, Hannover, Rheine, Osnabrück, Hildesheim, Braunschweig, Magdeburg, Berling, Potsdam, Frankfurt/Oder, Bocholt, Münster, Kleve, Wesel, Dortmund, Hamm, Soest, Krefeld, Mönchengladbach, Düsseldorf, Aachen, Düren, Bonn, Köln, Siegen, Koblenz, Trier, Bingen, Bad Kreuznach, Mainz, Worms, Kaiserslautern, Pirmasens, Karlsruhe, Pforzheim, Stuttgart, Freiburg, Friedrichshafen, Ulm, München, Augsburg, Straubing, Heilbronn, Nürnberg, Ingolstadt, Bayreuth, Mannheim, Ludwigshafen, Darmstadt, Offenbach, Hanau, Frankfurt, Gießen, Schweinfurt, Würzburg, Gießen, Kassel, Nordhausen, Merseburg, Leipzig, Chemnitz, Dresden, Eilenburg, Halberstadt, Magdeburg, Gelsenkirchen, Oberhausen, Witten, Duisburg, Hagen, Wuppertal, Solingen, Neuß, Remscheid, Brilon, Aschaffenburg.

Igreja destruída em Dresden. / Arquivo Federal Alemão

Até 31 de dezembro de 1941 foram despejadas 25 até 1.000 bombas sobre: Emden, Bremerhaven, Vegesack, Wilhelmshaven, Cuxhaven, Flensburg, Lübeck, Wismar, Warnemünde, Rostock, Stettin, Osnabrück, Münster, Wesel, Sterkrade, Bottrop, Homberg, Emmerich, Krefeld, M.-Gladbach, Essen,Wanne-Eickel, Gelsenkirchen, Schwerte, Dortmund, Lünen, Kamen, Aachen, Bonn, Mülheim, Koblenz, Frankfurt, Karlsruhe, Stuttgart, München, Nürnberg, Kassel, Paderborn, Soest, Braunschweig, Magdeburg e Merseburg.

1.000 até 3.000 bombas caíram sobre: Duisburg, Mannheim, Hannover, Bremen, Kiel, Hamburg, Berlim e sobre Colônia.

No período de 1º de janeiro de 1942 até 31 de dezembro de 1943, caíram 50 até 50.000 toneladas sobre: M.-Gladbach, Krefeld, Oberhausen, Bochum, Dortmund, Hagen, Wuppertal, Remscheid, Leverkusen, Mülheim, Bonn, Münster, Osnabrück, Emden, Wilhelmshaven, Cuxhaven, Vegesack, Kiel, Lübeck, Rostock, Warnemünde, Stettin, Braunschweig, Münster, Kassel, Leipzig, Mainz, Darmstadt, Saarbrücken, Karlsruhe, Friedrichshafen, Ulm, Munique e Pilsen.

5.000 até 10.000 toneladas sobre: Düsseldorf, Duisburg, Hannover, Bremen, Frankfurt, Nürnberg, Mannheim. 10.000 até 22.000 toneladas sobre: Colônia, Essen, Hamburgo e Berlim.

De 1º de janeiro de 1944 até 5 de maio de 1945, 2.000 até 5.000 toneladas sobre: Cleve, Wesel, Bottrop, Oberhausen, Homberg, M.-Gladbach, Neuss, Düren, Bonn, Castrop-Rauxel, Hagen, Münster, Osnabrück, Wangerooge, Helgoland, Wilhelmshaven, Harburg, Nordhausen, Leuna, Leipzig, Dresden, Bohlen, Chemnitz, Stettin, Magdeburg, Saarbrücken e Munique.

5.000 até 10.000 toneladas sobre: Düsseldorf, Neuss, Homberg, Wanne-Eickel, Frankfurt, Mannheim, Nürnberg, Bremen, Hannover, Braunschweig, Hamburg e Merseburg. 10.000 até 23.000 toneladas sobre: Colônia, Duisburg, Essen, Gelsenkirchen, Dortmund, Kiel, Berlin, Stuttgart e Pforzheim.

Não foram os alemães que começaram

É sempre bom salientar que a Grã-Bretanha e a França é que declararam guerra ao Terceiro Reich em 3 de setembro de 1939, não o contrário. Além disso, deve-se saber também que a Inglaterra iniciou o terror aéreo contra a população civil alemã, apenas dois dias após a declaração de guerra. Em 5 de setembro de 1939, aconteceu o primeiro ataque aéreo sobre Wilhelmshaven e Cuxhaven. Em 12 de janeiro de 1940, o primeiro ataque aéreo sobre Sylt. No dia 25 de janeiro de 1940, comunicado do Alto-Comando alemão sobre a condução da guerra: proibição de ataques aéreos sobre solo inglês, incluindo os portos, com exceção todavia das docas de Rosyth e os ataques na questão das operações com minas. Em 20 de março de 1940, Kiel e Hörnum (Sylt) são atacadas com 110 bombas, incluindo aqui bombas incendiárias. Um hospital foi atingido em cheio. Em abril de 1940, sucederam outros ataques aéreos ingleses sobre locais sem importância militar.

Equipes de socorro resgatam corpos em Dresden, após bombardeio. Bundesarchiv, Bild / Desconhecido.

Em 11 de abril de 1940, depois que Churchill foi nomeado primeiro-ministro, em 10 de maio, sem comunicação pública, ele toma a decisão de iniciar a ofensiva aérea contra a população civil alemã. O relatório do Alto-Comando alemão confirma em 18 de maio de 1940, novamente um ataque aéreo inglês sobre alvo não militar e avisa sobre as consequências. Em 30 de maio de 1940, a Alemanha envia um comunicado à França referente ao tratamento de pilotos abatidos: Documento da crueldade franco-britânica”. Somente agora, em 14/15 de novembro de 1940 é que acontecem os primeiros ataques aéreos alemães sobre a cidade inglesa de Coventry – meses depois do início do terror aéreo britânico contra os alvos civis na Alemanha.

Para o perito em guerra aérea, Sönke Neitzel,todavia, todos os pesados ataques da aviação alemã sobre cidades nos primeiros anos da guerra não foram ataques terroristas, mas sim, pelo menos na origem, ataques contra alvos militares.” [6]

a Inglaterra iniciou seu ataque contra bairros urbanos civis alemães na noite de 10 para 11 de maio de 1940, em Mönchengladbach. A 4 de setembro, o então chanceler do Reich, Adolf Hitler, esclareceu:

“Enquanto o aviador alemão sobrevoa o solo inglês dias após dia, o inglês quase não ultrapassa durante o dia o Mar do Norte. Mas em compensação, eles jogam durante a noite suas bombas a esmo sobre bairros civis, sobre sítios e vilarejos… Durante três meses eu não respondi a este ato, na opinião de que eles fossem parar tal insanidade. O sr. Churchill viu nisso um sinal de nossa fraqueza. Eles irão entender agora quando nós dermos nossa resposta noite após noite, e em intensidade crescente.”

Historiadores: populações da Inglaterra e dos EUA são culpadas pelo genocídio alemão

Na ocasião de uma conferência histórica militar em Freiburg, sob convite do Departamento de Pesquisa da História Militar do exército alemão, em setembro de 1988, historiadores militares americanos, britânicos, alemães, franceses e italianos, abordaram durante uma semana os aspectos da condução da guerra aérea, durante a Segunda Guerra Mundial. O jornal Frankfurter Allgemeine Zeitung, em setembro de 1988, dedicou um artigo com o título “Bombas sobre cidades”, com os resultados desta conferência. Autor deste interessante artigo foi o professor Günther Gillessen. Um dentre os diversos interessantes resultados da conferência histórica foi a conclusão uníssona:

“Impressionante é que o Exército alemão permaneceu dentro da tradicional máxima de condução da guerra até o fim, enquanto as duas democracias ocidentais não se intimidaram em usar a inconsequente tática da revolucionária e radical guerra aérea.”

E ainda mais interessantes conclusões foram indicadas: 

“E não pode-se duvidar que as premissas básicas do Direito de Guerra proibiam a guerra estratégica de bombardeamento total… Os historiadores consideraram as indiferentes guerras aéreas como graves erros, mas não apenas de um brigadeiro, de Sir Arthur Harris, ou do comando de ataque. A responsabilidade atinge todo Alto-comando aéreo britânico, sobretudo a liderança política, principalmente Churchill e Roosevelt juntamente com a maioria de seus povos”.

Churchill queria assar os refugiados alemães

O historiador contemporâneo David Irving citou o criminoso de guerra Churchill em 13 de fevereiro de 1990, na ocasião de uma palestra do 45°ano do extermínio de Dresden, no Palácio da Cultura de Dresden:

“Eu não gostaria de nenhum conselho como nós podemos destruir importantes alvos militares nos arredores de Dresden; eu gostaria de conselhos como nós podemos assar 600.000 refugiados de Breslau em Dresden”.

Assar os alemães não era, todavia, suficiente para Churchill. Na manhã seguinte, ele enviou seus caças para metralhar as mulheres e crianças sobreviventes nas margens do Elba. Churchill queria dentro de seu plano de extermínio sistemático da população alemã, destruir cada casa de cada cidade alemã:

“Se for preciso, nós esperamos poder destruir quase cada casa em cada cidade alemã’… Em março de 1945, quando Churchill duvidava da significância do bombardeamento das cidades alemãs ‘simplesmente com o objetivo do aumento do terror’: O terror continuou.” [7]

A perfeição deste genocídio vindo dos céus é obra de Lindermann, conselheiro de Churchill em todos as questões da aeronáutica. Ele defendia a tese de que a guerra aérea contra a população civil alemã levaria à vitória dos aliados. No início de 1942, ele exigiu do gabinete britânico em um memorando, a intensificação do bombardeamento da Alemanha, sob as seguintes premissas:

“O bombardeamento deve estar orientado contra as casas dos operários alemães. Quando a ofensiva aérea estiver orientada contra as habitações da população civil alemã, então deve ser possível destruir mais da metade das casas em todas as cidades com mais de 50.000 habitantes.”

Escombros de prédio destruído / mulher vítima das bombas aliadas. Bundesarchiv, Bild / Desconhecido.

A 14 de fevereiro de 1942, o governo britânico sob a regência de Churchill aprovou textualmente esta decisão. Como medida inicial, Churchill destituiu o comandante do esquadrão britânico de bombardeios e colocou no cargo o Marschall Arthur Harris. Este recebeu a ordem secreta do comando aéreo: “Foi decidido que seu principal objetivo a partir de agora será a moral da população civil inimiga, principalmente da classe operária.”

Marschall Harris mergulhou de cabeça em sua nova tarefa. A primeira vítima que ele escolheu foi Lübeck, atacada na noite de 28 de março com 243 bombardeiros. Veio então Rostock a 24 de abril. 1765 casas foram arrasadas, mais da metade do centro da cidade foi destruído. Na noite de 30 para 31 de maio de 1942, 900 bombardeiros voaram até Colônia. Antes deles partirem com sua carga mortal, o comandante supremo da Royal Air Force, Marschall Sir Charles Portal, enviou uma nota ao Marschall Harris: “Eu espero, isto está claro, que os alvos do ataque sejam as áreas residenciais…”

Neste ataque foram destruídas 19.370 casas, 469 pessoas morreram, 5.027 ficaram feridas. Bomber-Marschall Harris assegurou sorrindo: “O que a Alemanha recebeu no passado foi apenas uma quirera comparado com o que ela receberá a partir de agora!”

E desta forma uma cidade atrás da outra foi atacada e arrasada.

A elite alemã processa as vítimas

Enquanto os executores de fato começaram a ter certo remorso devido à condução de guerra de extermínio contra a população civil alemã, em março de 1945 como foi aqui mencionado, nada impediu a elite alemã do pós-guerra em premiar este assassino com o “Aachener Karlspreis” [8] pelo Holocausto sobre a Alemanha. O genocida recebeu o “prêmio da paz” daquela cidade que ele planificou com sua guerra de extermínio e cuja população ele deixou queimar uma grande maioria.

Homem carbonizado pelas bombas, Dresden, 1945. / Bundesarchiv, Bild / Desconhecido.

As elites alemãs do organismo de uma modalidade do domínio aliado não se modificaram, eles louvam ainda hoje os assassinos e vilipendiam suas vítimas. O prefeito de Dresden, Ingolf Roßberg, foi até mais longe; na véspera do dia em memória das vítimas do extermínio de Dresden, em 2005, ele desdenhou sobre as vítimas do Holocausto alemão, alegando que o extermínio sistemático conduzido industrialmente das 500.000 pessoas indefesas e a destruição irreversível de obras tombadas, foi correto: Dresden não foi “inocente”, assim seu ataque verbal cheio de ódio pelas crianças assassinadas, assim como mulheres, soldados feridos do hospital e também os animais do zoológico: “60 anos após o bombardeamento com milhares de dezenas de mortos, o prefeito Ingolf Roßberg avisou para não considerar Dresden como ‘cidade inocente’”. [9]

Este tipo de declaração vem do prefeito daquela cidade exterminada, a qual na época recebeu como uma bondosa mãe a torrente de gente, animais e veículos. Ruas e praças estavam lotadas com carroças de refugiados. Terrenos eram transformados em imensos abrigos. 1.130.000 pessoas tinham encontrado acolhimento dentro dos muros desta cidade, quando veio seu fim, quando sua hora tinha chegado. As bombas atômicas para a Alemanha foram os ataques de 13 e 14 de fevereiro de 1945 sobre Dresden. Estes ataques ultrapassam seja na sua destruição ou número de vítimas, os efeitos do lançamento das bombas atômicas em Hiroshima e Nagasaki.

Culpados devem ser encontrados somente entre as vítimas alemãs, não entre os assassinos?

Analogamente ao resultado final, já em 1988, do encontro da comissão histórica, em Freiburg, não são somente os criminosos de guerra Churchill e Roosevelt que levam a culpa pelo Holocausto alemão! Não, também os povos inglês e norte-americano levam sua parcela de culpa por este inimaginável crime da história da humanidade. Sobre isso a revista Der Spiegel Nr. 1 de 1995, pág. 73, escreve: “…cerca de 6 milhões de alemães foram mortos”. Isto não está correto; na verdade foram cerca de 15 milhões de alemães assassinados da forma mais selvagem e brutal possível. Mas mesmo esta revista anti-alemã reconhece a morte de seis milhões de alemães. Porém, a elite alemã só encontra palavras de consolo para os judeus.

O que diz então a grande mídia “livre” da RFA sobre a culpa dos criminosos de guerra aliados pelo genocídio alemão? Ernst Cramer escreveu em 12 de fevereiro de 1995 no jornal Welt, página 9: “Ao lembrar, não se deve mais procurar culpa”. E como via o antigo presidente Roman Herzog à questão da culpa pelo genocídio alemão? Em seu discurso atenuador e ofensivo à memória dos alemães assassinados em 13 de fevereiro de 2008 em Dresden:“Não há sentido algum fazer julgamento sobre isso, se o bombardeamento aéreo, cuja atrocidade ninguém nega, era permitido pela lei da guerra ou não. O que isso nos trás visto ter acontecido há 50 anos”. [10]

Mas quando se trata de enforcar os alemães pelo número majorado das vítimas de Auschwitz em pelo menos 90% (3.500.000 de judeus foram simplesmente inventados e a culpa colocada nos alemães, segundo pesquisa de Fritjof Meyer), as “vítimas” e os mentirosos profissionais então não dizem: “Ao lembrar, não se deve mais procurar culpa”. Não, todos os principais ocupantes das repartições públicas alemãs juram pela “eterna responsabilidade alemã”. Eles falam até sobre a “culpa de responsabilidade” dos alemães ainda não-nascidos!

Dois pesos, duas medidas

Nós recapitulamos: Que as cidades alemãs foram transformadas durante a Segunda Guerra Mundial em crematórios, isso nem os protagonistas duvidam. A tonelagem de bombas que foram jogadas pelos criminosos sobre as cidades alemãs provém da fonte dos inimigos. Como eles teriam o interesse em esconder tais fatos, esta informação é, portanto, crível. Que seis milhões de alemães foram de fato assassinados, até a revista anti-alemã Spiegel confirma – assim como os dados oficiais – e esta cifra foi reduzida em pelo menos 9 milhões. Todavia, permite, ou melhor, sugere que o terror aéreo aliado pouco efeito teve sobre a população civil alemã. Juridicamente, estas mentiras sobre o Holocausto alemão não têm consequência alguma para seus autores.

Os “libertadores” transformam nossas cidades em crematórios

Permanece por toda a eternidade a obrigação de chamar a responsabilidade dos anti-alemães da política e da sociedade por sua difamação das vítimas alemãs: os “democratas”, que “libertaram os alemães de Hitler”, vieram com morte e extermínio sobre o povo. Mais uma vez: Eles assassinaram na noite infernal de Dresden cerca de 500.000 pessoas e destruíram um dos mais belos patrimônios da humanidade, pois Dresden era considerada a Florença do Elba. Mulheres que pariam naquele momento, buscavam desesperadamente pular para fora daquele centro transformado em alto-forno, em busca do ar frio do inverno. Mas, em minutos, mãe e o bebê a nascer viram cinzas de crematório. Milhares atingidos pelas bombas de fósforo buscam sua salvação nos lagos da cidade, mas o fósforo não se extingue com água. Mesmo os animais do Zoológico, sejam elefantes ou leões, todos procuravam a salvação da morte nas fontes d’água. E assim fundiam-se um com o outro, sejam recém-nascidos, mães, idosos, feridos, assim como os inocentes animais do Zoológico. Tudo em nome da “libertação”.

“O extermínio de Dresden foi o resultado de um ódio cego! Bomber Harris: ‘Dresden, tal lugar não existe mais’”. [11]

“O rastro das vítimas das bombas perdeu-se no nada… na tempestade de fogo, as pessoas se transformaram em cinzas… Na área central de Dresden que compreendia cerca de 15 km², onde a tempestade de fogo assolava, não foi poupada uma única casa sequer. Foram despejadas 650.000 bombas incendiárias durante dois dias e duas noites.O asfalto queimava no centro da cidade. O tornado era tão grande mesmo no dia seguinte, que um estudante turco pôde percebê-lo da ponte sobre o Elba: ‘Sobre o Elba havia um forte tornado, provocado pelo incêndio. Nós tínhamos que ir para baixo da ponte e nos segurar na grade, junto ao chão para não ser sugado pelo redemoinho de vento…’ Assim falava Goebbles salientando os 40.000 mortos de Dresden, embora ele tivesse alegadamente um relatório do chefe do departamento de propaganda de Dresden, onde o número situava-se entre 350.000 e 400.000 vítimas… Também depois da guerra, interesses supra-políticos impediram a determinação objetiva do balanço do número de vítimas. Um número grande de vítimas atrapalha a concepção de conciliação… A assertiva parece ingênua, de que a propaganda nazista teria interesse em propagar um número grande de vítimas… Como o objetivo declarado do terror aéreo dos aliados era quebrar a moral da população civil da Alemanha, uma propaganda que trabalhasse com um elevado número de vítimas somente iria aumentar o efeito dos ataques aéreos.” [12] [13]

“Não há dúvidas, Dresden foi a maior catástrofe e tragédia da história européia com centenas de milhares de mulheres e crianças mortas, assim como foram dizimadas estruturas de enorme valor cultural. Durante um congresso de história em Tübingen, em 1988, no qual participaram renomados historiadores da Inglaterra, Eua, França e Alemanha, chegou-se de forma unânime ao seguintes resultados:

– Inglaterra e EUA seguiram a tese do bombardeamento estratégico de cidades, enquanto a Alemanha e a França utilizavam o poder aéreo como uma espécie de artilharia, para dar suporte às tropas terrestres (Blitzkrieg) e escolhiam exclusivamente alvos militares.

– Este foi o motivo que já em 1939 alvos civis na Alemanha foram bombardeados pela RAF. Quando os alemães bombardearam Canterbury e Bath, eles as declararam como retaliação pelo crime dos ingleses segundo a Convenção da Guerra de Den Haag (as armas de retaliação, também conhecidas como armas secretas etc, utilizadas neste momento da guerra foram as V1 e V2. ‘V’ aqui significa Vergeltung, ou seja, retaliação).”

– Guernica, Varsóvia e Roterdão foram todos objetivos militares dentro da área de luta.

– Todos os historiadores foram unânimes em reconhecer que o bombardeamento estratégico de alvos exclusivamente civis, ou urbanos, é totalmente contrário à Convenção de Guerra de Den Haag e trata-se aqui de um crime de guerra.” [14]

“Quando as cidades viraram crematório. Junto ao velho mercado de Dresden, eles encontraram nas escavações dos porões três metros sob o nível da rua, a coloração do calcário de branco bege até vermelho. Algumas partes estão ‘vitrificadas’… O arqueólogo berlinense Uwe Muller: ‘Nós podemos reconhecer disto que as temperaturas chegaram entre 1.300 e 1.400 graus, e reinava a falta de oxigênio… que na superfície tenha reinado temperaturas ainda mais altas de até 1.600 graus… das pessoas sobraram somente as cinzas.’” [15]

Referências de pesquisa:

BERLIN ONLINE. Liebe BerlinOnline-User,. BerlinOnline, Ihr BerlinOnline-Team. Disponível em https://www.berlinonline.de/berliner-zeitung/archiv/.bin/dump.fcgi/2010/0209/meinung/0031/index.html. Acesso em 13 fev. 2020.

DRESDEN-NAZIFREI. Dresden das ewige Trauermärchen. Dresden-Nazifrei, 4 out. 2019. Notícias, Nazis, Pegida; imprensa. Disponível em https://dresden-nazifrei.com/2019/10/04/dresden-das-ewige-trauermaerchen/. Acesso em 13 fev. 2020.

INACREDITÁVEL. Dresden e Auschwitz. Inacreditável, História Geral, 13 fev. 2017. Disponível em http://inacreditavel.com.br/wp/dresden-e-auschwitz/. Acesso em 13 fev. 2020.

INACREDITÁVEL. Dresden – Esquecer jamais. Inacreditável, História Geral, 13 fev. 2017. Disponível em
http://inacreditavel.com.br/wp/dresden-esquecer-jamais/. Acesso em 13 fev. 2020.

INACREDITÁVEL. Dresden – um Holocausto real. Inacreditável, História Geral, 13 fev. 2017. Disponível em
http://inacreditavel.com.br/wp/dresden-um-holocausto-real/. Acesso em 13 fev. 2020.

Livro disponível na livraria sobre o assunto:

A Destruição de Dresden – David Irving

Notas

[1] É claro que Götz Aly, como historiador palaciano, endossa a versão da propaganda de guerra aliada, minimizando o verdadeiro Holocausto cometido pelos aliados. A cifra de 25 mil vítimas refere-se apenas àquelas que puderam ser identificadas!
[2] ALY, Götzy. Mahatma Gandhi ‘was one of Nazis’ greatest friends’ German historian claims. The Telegraph, World News. 4 set. 2009. Disponível em: https://www.telegraph.co.uk/news/worldnews/europe/germany/6140002/Mahatma-Gandhi-was-one-of-Nazis-greatest-friends-German-historian-claims.html. Acesso em 13 fev. 2020.

 

[3] Deutschland Heute, editado pelo Departamento de Imprensa e Informação do governo alemão, Wiesbaden 1955, pág. 154.

[4] Assinado por Hitzscherlich, Referência 0016/Mi, Data: 31.07.1992

[5] Die Welt, 11.2.1995, pág. 1

[6] Darmstädter Echo, 25.09.2004, pág. 4

[7] Die Welt, 11.02.2005, pág. 27

[8] Prêmio Internacional Carlos Magno é um prêmio entregue anualmente pela cidade de Aachen, na Alemanha, a figuras de destaque e mérito no contributo para a União Europeia. Este prestigiado prêmio alemão já foi entregue ao Papa Francisco, a Emmanuel Macron, a Tony Blair, a Angela Merkel e a Bill Clinton.

[9] Die Welt, 12.02.2005, Internet

[10] Frankfurter Allgemeine Zeitung, 14.02.1995, pág. 1

[11] Welt am Sonntag, 05 de maio de 1995, pág. 23

[12] Die Welt, 3 de março de 1995, pág. 8

[13] O número de assassinados em Dresden era tão grande que impeliu Goebbles a declarar oficialmente as perdas em somente 10%. Ele temia que a revelação do número oficial fosse provocar um caos no Reich, um total desmoronamento da moral de resistência, pois esta proporção de assassinato em massa ultrapassava a mais simples capacidade de imaginação.

[14] Göran Holming, major da reserva do exército sueco. SUS, 3 de março de 1995, pág.8.

[15] Die Welt, 3 de março de 1995, pág. 8

Marcelo Franchi
Siga em:
Últimos posts por Marcelo Franchi (exibir todos)
Nos ajude a espalhar a palavra:
Gostou do artigo? Você pode contribuir para o site com uma doação:

One thought on “Dresden: 75 anos de um holocausto alemão”

  1. “A única maneira de se combater uma moral é o modo judeu. Destrua locais sagrados. Mate homens, mulheres e crianças. Eu não acredito na moralidade ocidental” (rabino israelense Marnis Friedman: Haaretz – 9 de junho de 1009) http://2.bp.blogspot.com/-viq8ZN1ip30/U_ozgxI3mVI/AAAAAAAAQuE/uJQ_suzbq08/s1600/1aaaManis1.jpg

    A história é testemunha de que JAMAIS UMA EXPRESSÃO SIMILAR de HITLER ou de UM NACIONAL SOCIALISTA NUNCA foi registrada…

    É ISTO https://www.gosee.de/images/preview/4d/2000×2000-bigclaasen-ritter-stra–e.jpg QUE CHAMAM DE LIBERTAÇÃO? http://4.bp.blogspot.com/-CoT1uyHWpsU/U2qy7dg63QI/AAAAAAAAALU/3t0gG4kGT5s/s1600/dresden-befreiung.jpg

    EM NOME DE QUAL LIBERDADE PROMOVEU-SE TAMANHO FLAGELO? https://www.gosee.de/images/preview/4d/2000×2000-bigclaasen-ritter-stra–e.jpg CLIQUE NA IMAGEM PARA VÊ-LA EM DETALHES https://www.gosee.de/images/content2big/big1988-928-0-1-hermann-claasen-blick-vom-dom.jpg SEMPRE CULPANDO SUAS VÍTIMAS DE SUA PRÓRIA BARBÁRIE https://www.gosee.de/images/content2big/bigdf-ps-0000346.jpg O NAZISMO FOI COMPROVADAMENTE O ÁPICE DO PROGRESSO MORAL, INTELECTUAL, AMBIENTAL E SOCIAL ALCANÇADO PELA HUMANIDADE, NÃO OBSTANTE, ANTAGÔNICO À IDEOLOGIA ESCRAVAGISTA E GENOCIDA – O COMUNISMO https://cdn25.img.ria.ru/images/102296/31/1022963115_0:0:1992:1298_1440x900_80_0_1_826d9beabbdc7516fc5a5ee1c457bfce.jpg.webp

    Satanás, citado por Jesus em João 8:44, como pai de mentirosos e assassinos, sempre se fingirá de mártir para incriminar suas vítimas de sua própria barbárie. https://nationalvanguard.org/2020/02/the-jewish-plot-against-america/#comment-30443

    APÓS A GUERRA OS ALIADOS ASSASSINARAM 9 MILHÕES DE ALEMÃES http://www.renegadetribune.com/wp-content/uploads/2017/01/1hcgv5-1.jpg QUEM SE IMPORTA? ERAM TODOS NAZISTAS http://www.renegadetribune.com/wp-content/uploads/2017/01/german-genocide.png

    Até soldados aliados ficaram enojados com os campos de extermínio de Eisenhower: https://wearswar.wordpress.com/2018/07/20/many-allied-soldiers-despised-the-deliberate-extermination-of-german-pows-few-knew-german-women-children-were-also-being-tortured-starved-in-allied-run-concentration-camps/ A SEGUNDA GUERRA É UMA VESTE DE MENTIRAS E DE MENTIROSOS https://wearswar.wordpress.com/category/german-pows-post-wwii/

    “E SE ALGUÉM TE INDAGAR, ENTÃO DIAGA, NATURALMENTE, QUE NÓS TE LIBERTAMOS” https://volksbetrugpunktnet.wordpress.com/2016/11/07/hillary-clinton-das-wahre-gesicht-der-usa-deutsche-ecke/comment-page-1/#comment-68615

    CHURCHILL, ROOSEVELT, STALIN: https://nationalvanguard.org/wp-content/uploads/2017/04/bloody_yalta.jpg os três capangas dos judeus internacionais https://www.darkmoon.me/2014/devils-cauldron/

    https://www.welt.de/img/geschichte/zweiter-weltkrieg/mobile117325485/0211623117-ci23x11-w960/DWO-Kursk-Aufmarsch-1-NEU-jpg.jpg
    Somente uma pessoa cega poderia deixar de ver que um acúmulo militar de dimensões históricas mundiais estava em andamento. E isso não era para proteger algo que estava sendo ameaçado, mas para atacar o que parecia indefeso … posso dizer isso hoje: se a onda de mais de 20.000 tanques, centenas de divisões, dezenas de milhares de peças de artilharia juntas Com mais de 10.000 aviões, eles não foram impedidos de entrar em ação contra o Reich. A Europa estaria perdida. ”

    O I.G. Os réus de Farben, no entanto, eram culpados de nada mais do que ajudar a defender a Alemanha contra o comunismo soviético e as forças aliadas esmagadoras.

    Os julgamentos de Nuremberg, no entanto, foram uma vergonha para o nosso sistema judicial. Karly Zrake, recém-formada no Programa de Direitos Humanos https://wearswar.wordpress.com/2018/10/02/how-the-nuremberg-show-trials-perverted-justice-then-american-law-schools-a-case-study-of-the-southern-methodist-universitys-nuremberg-attorneys/ Embrey da SMU, descreve seu argumento de uma viagem que explora as lutas dos direitos humanos dos nativos americanos: “Que o vencedor escreva história, tornando nosso dever como advogados DA VDERDADE, fundamento da vida, da justiça, portanto – da paz – compartilhar o outro lado > https://www.osentinela.org/theodore-j-o-keefe/a-libertacao-dos-campos-fatos-a-se-considerar/

    Os julgamentos de Nuremberg http://www.fpp.co.uk/Auschwitz/Dachau/VanRoden1948.html foram uma “celabração com alto grau de linchamento” – Harlan Fiske Stone, presidente da Suprema Corte dos EUA http://www.renegadetribune.com/nuremberg-trials-high-grade-lynching-party-harlan-fiske-stone-chief-justice-u-s-supreme-court/

    A democracia capitalista é tão genocida quanto seu anjo da guarda o comunismo. FOME, Opressão, sub emprego e a miséria inerente a eles, abortos e guerras de pilhagem estão na agenda destas duas ideologias funestas. https://2.bp.blogspot.com/-q7yJWWFv0XI/VeX1U7iUAWI/AAAAAAAANpA/9dNsxs9yt1s/s640/Direita%2Bversus%2Besquerda%2Bno%2Bsistema%2Bzog.PNG

    “Todo sistema marxista absolve criminosos e criminaliza os adversários políticos.” Alexander Solchenizyn https://michael-mannheimer.net/wp-content/uploads/2012/07/Solschenizyn-und-Marxismus.jpg

    A ONU – https://i0.wp.com/die-heimkehr.info/wp-content/uploads/2017/10/UN-Logo-mit-Totenkopf.jpg
    Organização das Nações Unidas desde o início é uma grande farsa, https://fliegende-wahrheit.com/wp-content/uploads/2019/10/Antisemitismus.png porque cada um dos cinco estadoS representadoS no Conselho de Segurança tem o direito de vetar uma sanção que deve julgá-lo-se a si mesmo. Isso significa não mais e não menos do que cada uma dessas grandes potências pode atacar um estado menor e, ao mesmo tempo, impedir qualquer ação contra si mesmo.

    Assim como sucedeu com o Iraque, Líbia e agora a Síria não pode ser comparado com exemplo de Hitler – porque Hitler atacou a Polônia para defender os alemães, conforme registro https://www.wintersonnenwende.com/scriptorium/deutsch/archiv/greueltaten/pgvp000.html + https://nationalvanguard.org/2019/03/the-bromberg-bloody-sunday/

    Assim, a Segunda Guerra Mundial continua apenas contra o Reich Alemão, porque os aliados até hoje não concederam um tratado de paz à Alemanha.

    OS ESCRAVOS DO AMANHÃ https://bildreservat.files.wordpress.com/2017/05/facebook_1495699109743.jpg = todos os apáticos e desinteressados pela história, http://aaargh.vho.org/espa/solavaya.html estes, jamais terão condições de conduzir o destino pelas próprias mãos. https://archive.org/details/LivrosHistoricosBanidos

    “Estas magnânimas palavras distinguem o bem do mal ”:“ Pelos seus frutos os conhecereis. ”Mateus 07:16 https://gutezitate.com/zitate-bilder/zitat-dieses-hochste-wort-wird-gut-und-bose-trennen-an-ihren-fruchten-sollt-ihr-sie-erkennen-ernst-von-feuchtersleben-224246.jpg

    A primeira lei de proteção animal surge no Terceiro Reich Alemão já em 0′ de fevereiro de 1934 https://nationalvanguard.org/2016/06/national-socialism-and-animal-rights/#comment-28619
    Em seis anos, Hitler transformou o colossal desemprego em quase inexistente, fez as primeiras rodovias, a primeira previdência social, as primeiras leis sobre direitos dos animais, o banimento da vivissecção, a primeira campanha anti-tabaco, o primeiro e o último a se libertar dos cartéis bancários internacionais, restaurado respeito saudável pela mulher e pelos valores da família. Pesquisa financiada sobre tecnologias de “energia livre” e liderança em tecnologia. http://www.renegadetribune.com/wp-content/uploads/2017/01/1gtg54.jpg

    “Se amais mais a riqueza do que a liberdade, a tranquilidade da servidão mais que a saudável competição da liberdade, volte para casa em paz.

    Não pedimos seus conselhos ou seus braços.

    Se ajoelhe e lamba as mãos que te alimentaram.

    Que suas correntes se ajustem levemente sobre você e que a posteridade esqueça que vocês foram nossos compatriotas” Samuel Adams http://www.whatdoesitmean.com/index2909pl.htm

    “Três quartos da humanidade podem morrer, se necessário, para garantir o outro quarto para o comunismo.” (VI Lenin)

    “Em princípio, nunca e nunca podemos renunciar ao terror.” (VI Lenin)

    “Nós odiamos o cristianismo e os cristãos. Até os melhores devem ser considerados nossos piores inimigos. Eles pregam o amor ao próximo e a misericórdia, o que é contrário aos nossos princípios. O amor cristão é um obstáculo ao desenvolvimento da revolução. Abaixo o amor ao próximo. O que precisamos é de ódio; somente assim conquistaremos o universo. ”(A. Lunacharsky)

    “Em 1º de maio de 1937, não deveria haver uma única igreja dentro das fronteiras da Rússia Soviética, e a idéia de Deus será banida da União Soviética como um remanescente da Idade Média, que foi usada para a propósito de oprimir as classes trabalhadoras. ”(Joseph Stalin)

    “Nós bolcheviques levaremos a Revolução Social tanto para os Estados Unidos quanto para a Europa. Está vindo sistematicamente, passo a passo. A luta será longa, cruel e sanguinária. . . o que importa a perda de 90% nas execuções se 10% dos comunistas continuarem a continuar a revolução? O bolchevismo não é um seminário para jovens senhoras. Todas as crianças devem estar presentes nas execuções e se alegrar com a morte dos inimigos do proletariado. ”(VI Lenin)

    Muitos livros excelentes contêm evidências semelhantes e conclusivas da verdadeira natureza do comunismo, mas o objetivo deste livro em particular https://witness2history.wordpress.com/chapter-2/ é descrever de forma simples e adequada os antecedentes dos eventos mundiais da época em relação à ascensão e queda do Terceiro Reich.

    Em abril de 1937, o Sr. RA Butler, subsecretário parlamentar da Índia, informou na Câmara dos Comuns que estava disponível aulas gratuitas para estudantes indianos que retornavam à Índia como recrutadores e agitadores bolcheviques contra a Grã-Bretanha.

    A RESISTÊNCIA DE HITLER AO BOLSHEVISMO: https://chicomiranda.files.wordpress.com/2011/09/cm_nazi_posters_15.jpg

    (Condensado do discurso de encerramento de Hitler, no Congresso de Honra de Nuremberg). https://witness2history.wordpress.com/chapter-2/

    “Não negamos a grave preocupação que sentimos ao pensar em outras nações se tornarem vítimas do bolchevismo, contra as quais somos mortalmente ANTAGÔNICOS.

    “Essa nossa inimizade mortal não se baseia em uma recusa obstinada em reconhecer quaisquer idéias que possam ser contrárias às nossas. Mas essa inimizade é baseada em um sentimento natural de repulsa em relação a uma doutrina diabólica que ameaça o mundo em geral e a nós.

    “A primeira fase da luta do nacional-socialismo contra o comunismo não ocorreu na Rússia. O comunismo soviético já tentou envenenar a Alemanha entre os anos de 1918 e 1920, e seus métodos de penetração neste país foram os mesmos de seus esforços militares atuais para aproximar cada vez mais a máquina militar bolchevique de nossas fronteiras.

    “Nós eliminamos o bolchevismo que os sanguinários de Moscou, como Lewin, Axelroth, Neumann, Bela-Kuhn, etc. tentaram introduzir na Alemanha. E é porque vemos diariamente que esses esforços dos governantes soviéticos para se intrometer em nossos assuntos domésticos ainda não cessaram, que somos forçados a considerar o bolchevismo além de nossas fronteiras como nosso inimigo mortal.

    “Lutamos contra o bolchevismo na Alemanha como uma visão de mundo, isto é, como uma forma de filosofia que se esforçou para envenenar e destruir nosso povo. E o bolchevismo continuará sendo combatido se tentar introduzir seus sórdidos métodos espanhóis na Alemanha.

    “O objetivo do bolchevismo não é libertar as nações de suas doenças. Seu objetivo é exterminar tudo o que é saudável e substituí-lo por elementos depravados e degenerados. . . 👇http://i1.wp.com/www.wehuntedthemammoth.com/wp-content/uploads/2015/01/cultural_marxism.jpg

    “. . .nós não queremos uma situação aqui na Alemanha, como na Rússia, na qual 98% das posições-chave oficiais são ocupadas por judeus estrangeiros. Sob nenhuma circunstância queremos que nossa inteligência nacional seja degradada.

    “. . . O comunismo, no entanto, não pode negar que hoje na Rússia 98% de todas as posições oficiais sejam ocupadas por judeus que não só nunca podem ser classificados como membros do proletariado, mas que nunca ganharam um centavo honesto em suas vidas.

    ”. . . lutamos contra o bolchevismo porque seus líderes haviam planejado para nós um matadouro nas linhas russa e espanhola. Essa é a diferença entre as revoluções bolchevique e as nacional-socialistas. Um transforma os países prósperos e pacíficos em um desperdício de ruína e devastação, enquanto o outro reconstrói um país destruído e atingido pela pobreza em um estado economicamente sólido e próspero. ”
    “Acreditamos que é uma tarefa maior colocar 5 milhões de pessoas de volta ao trabalho do que queimar casas e igrejas https://pbs.twimg.com/media/CoW7wlcWEAAKMiN.jpg e permitir que centenas de milhares de trabalhadores e camponeses e outros se matem. Também lutamos contra o bolchevismo por razões econômicas gerais. De tempos em tempos, o mundo ouve fome na Rússia. Desde 1917, ou seja, desde a vitória do bolchevismo, não há fim para essa forma de angústia,

    “Essa mesma Rússia, faminta por quase 20 anos, era um dos países mais ricos em grãos do mundo.

    “Quando comparada à Alemanha, a Rússia possui 18 vezes mais terras por cabeça de população e, no entanto, que forma lamentável de política econômica esse país deve ter para negar ao seu povo uma forma decente de subsistência. Se o bolchevismo na Rússia, no entanto, não conseguir que nove agricultores produzam o suficiente para apoiar pelo menos um não-agricultor, o que teria acontecido na Alemanha, onde dois agricultores e meio produzem o suficiente para apoiar sete e meio não-agricultores ? O que teria acontecido com a Alemanha e toda a sua estrutura econômica se a malversação econômica judaico-bolchevique tivesse sido autorizada a criar raízes aqui?

    “Lutamos contra o bolchevismo porque uma vitória na Alemanha significaria fome para talvez 50% da nossa população. Se a Rússia é incapaz de suportar nem oito pessoas por quilômetro quadrado, na Alemanha sob o regime bolchevique, nem dez milhões teriam o padrão mínimo de vida necessário. Aqui na Alemanha, nossos 68 milhões de pessoas ocupam a mesma área que na Rússia não suportaria mais de 5 milhões.

    “O bolchevismo prega a revolução mundial e usaria os trabalhadores alemães como bucha de canhão para a consecução de seu objetivo. http://www.germanvictims.com/wp-content/uploads/2015/12/jew-driving-slaves.jpg Nós, nacional-socialistas, no entanto, não queremos que nossas forças militares sejam usadas para forçar outras nações a algo que elas não querem. Nosso Exército não jura que levará nossa ideologia nacional-socialista para outras nações.

    “Até agora, os políticos britânicos na Inglaterra não tiveram a oportunidade de aprender o que o comunismo representa em seu país. Mas nós temos. Como sou eu quem lutou contra esse ensinamento judaico-soviético na Alemanha e o excluí, lisonjeio-me por possuir mais compreensão do verdadeiro caráter do bolchevismo do que aqueles críticos de poltrona que, no máximo, leram sobre o assunto um pouco. Hoje, sigo a propagação do veneno bolchevique em todo o mundo com a mesma assiduidade que segui sua trilha venenosa anos atrás na Alemanha, e nunca perdi a oportunidade de alertar o país.

    “Os abomináveis assassinatos em massa de nacionalistas, a queima de vidas de esposas de oficiais nacionalistas depois de embebê-las em gasolina – o revoltante assassinato de crianças em pais nacionalistas como, por exemplo, na Espanha, devem servir de alerta para ajudar a quebrar a resistência de outros países. . . ”(Adolf Hitler)

    “Se meus oponentes internacionais me criticam hoje por ter recusado essa cooperação com a Rússia, faço a seguinte declaração: não rejeito e não rejeitei a cooperação com a Rússia, mas com o bolchevismo, que reivindica o governo mundial.

    “A nação alemã não apenas chorou, mas riu com entusiasmo ao longo de sua vida, e não a vejo mergulhar nas trevas do comunismo internacional e na ditadura do ódio. Tremo pela Europa só de pensar no que aconteceria ao nosso continente antigo e superpovoado se esse conceito asiático de mundo, destrutivo de todos os nossos ideais, tivesse êxito em trazer sobre nós o caos da revolução bolchevique. ”- Adolf Hitler, 7 de março de 1936

    “O bolchevismo transforma campos florescentes em sinistros resíduos de ruínas; O nacional-socialismo transforma um país em destruição e miséria em um estado saudável, com uma vida econômica florescente. ”- Adolf Hitler

    “Desde que lutei contra essas ideias judaico-comunistas na Alemanha, desde que venci e eliminei esse perigo, imagino que possuo uma melhor compreensão de seu caráter do que esses homens que só precisam lidar com isso no campo da literatura. ”(Adolf Hitler)

    https://nationalvanguard.org/wp-content/uploads/2019/03/18960415_antisemitic_political_cartoon_in_Sound_Money-750×548.jpg

    “Charles Coughlin também cometeu o crime imperdoável de se opor à entrada da América na Segunda Guerra Mundial e repetiu e reiterou o que Lindbergh ousou dizer apenas uma vez – ou seja, os judeus estavam empurrando os EUA para um banho de sangue em todo o mundo. Então o que aconteceu? Os verdadeiros inimigos do público o declaravam inimigo do estado e eram poderosos o suficiente para segurar todas as mídias do mundo em suas mãos, a fim de enganar toda a população mundial. ”
    Fonte: https://nationalvanguard.org/2017/02/charles-coughlin-extraordinary-orator/
    https://justice4germans.files.wordpress.com/2015/02/churchill-roast-the-germans.jpg

    A Segunda Guerra Mundial foi essencialmente uma guerra entre as duas ideologias: marxismo e nacionalismo. http://www.dw.com/image/17809166_403.jpg Eles eram dois capítulos do mesmo livro. Eles não eram por princípios elevados ou remover algum governo. https://nationalvanguard.org/2020/02/the-jewish-plot-against-america/#comment-30482 O único objetivo era a destruição física e espiritual do povo alemão. http://www.dw.com/image/17809166_403.jpg

    O FUTURO DA RAÇA JUDAICA É INERENTE AO COMUNISMO INTERNACIONAL https://pp.vk.me/c836424/v836424892/19128/vpTTDGnxWkc.jpg

    Missão cumprida. Mas o Ocidente esfaqueou seu próprio coração e agora está sangrando lentamente. https://nationalvanguard.org/2019/05/sweden-local-activists-celebrate-adolf-hitlers-birth/#comment-28565

    https://1.bp.blogspot.com/-iiL42vZsCmY/U18qdLFNVfI/AAAAAAAABPA/sPXVg7sSCyM/s1600/Chooseyourfuture.jpg
    A história é guiada pelo projeto de Deus, um projeto sempre focado na liberdade e na vida. O destino de uma sociedade sempre depende da atitude adotada diante desse projeto: ou ela terá liberdade e vida, ou produzirá escravidão e morte

    https://uploads.disquscdn.com/images/b197c947a36b01f6a0710fccc24f7d34e0feb92e1455c8fbc8058e4468107337.png

    Os fatos, e não a propaganda, denotam que o Terceiro Reich de Hitler selou o ápice do progresso moral, intelectual, econômico, ambiental e social alcançado pela humanidade http://www.zundelsite.org/archive/news_english/0102_barnes.html
    corroborando a citação em Matthew 7:16 – “Pelos seus frutos os conhecereis”

    A “CHAMA OU BRILHO DEMONÍACO” https://cdn.theatlantic.com/thumbor/bAzx-s21-YK-dz3GNn_Lj61Wr9U=/0x665:5190×3370/960×500/media/img/mt/2017/08/RTS1BG2A-1/original.jpg alegados pelo PAPAGAIO COMUNISTA aqui às 04:02 https://www.youtube.com/watch?v=t75ldUNc2Xw simbolizam e atestam sua autêntica obra: – A LUZ ENTRE TREVAS

    PALAVRAS ENGANAM, MAS AS ATITUDES https://volksbetrugpunktnet.files.wordpress.com/2014/04/kriegsgewinner.jpg SEMPRE EXPRESSAM A VERDADE https://lh5.googleusercontent.com/-dSFQ5SZPXEc/U1KU2l2FHII/AAAAAAACpFY/vgAiQcM3gXY_gJmPcz86peE8JBTcap3UQCL0B/s480-no/1601119_666487076741774_365914159_n.jpg

    “The answer to the JEWISH PROBLEM is simple – keep them out of banking, out of education, out of government” Ezra Pound https://nationalvanguard.org/2019/09/germany-an-economy-for-the-people-instead-of-for-the-parasites/#comment-26389

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.