A Arte da Guerra: Trinta mil soldados vindos dos EUA na Europa, sem máscara

Nos ajude a espalhar a palavra:

Os Estados Unidos executam uma manifestação da sua força, ao organizar a maior transferência de tropas para a Europa, no quadro dos exercícios Defender Europe 20. Este país, que sacrificou, há alguns anos, os seus soldados nos ensaios nucleares sem os informar, não irá tomar as devidas precauções para salvaguardá-los perante a atual epidemia de coronavírus.

Os Estados Unidos subiram o alerta do Coronavírus para a Itália, do nível 3 [evitar viagens não essenciais], elevando-o para 4, para a Lombardia e Veneto [não viajar], o mesmo que para a China. A American Airlines e a Delta Air Lines suspenderam todos os voos entre Nova Iorque e Milão. Os cidadãos dos EUA que vão à Alemanha, Polônia e outros países europeus, no nível de alerta 2, devem “adotar precauções acrescidas”.

Há, no entanto, uma categoria de cidadãos dos EUA isentos dessas normas: os 20.000 soldados que começam a chegar dos Estados Unidos aos portos e aeroportos europeus para o exercício Defender Europe 20 [Defensor da Europa 20], o maior destacamento de tropas estadunidenses, na Europa, nos últimos 25 anos. Compreendendo os que já estão presentes, participarão em abril e maio, cerca de 30.000 soldados estadunidenses, apoiados por 7.000 dos 17 países membros e parceiros da OTAN, entre os quais, a Itália.

Receba nossas postagens por e-mail

A primeira unidade blindada chegou do porto de Savannah, nos EUA, ao de Bremerhaven, na Alemanha. Em resumo, chegam dos USA a 6 portos europeus (na Bélgica, Holanda, Alemanha, Letônia, Estônia) 20.000 peças de equipamentos militares. Outras 13.000 peças são fornecidas pelos depósitos pré-posicionados pelo US Army Europe [Exército dos EUA, na Europa], principalmente na Alemanha, Holanda e Bélgica. Tais operações, informa o US Army Europe, “requerem a participação de dezenas de milhares de militares e civis de muitas nações”.

Contêineres e veículos aguardam transporte em navios comerciais para a Europa em apoio ao Defende Europe 20 no porto de Beaumont, Texas, em 18 de fevereiro de 2020. Exército dos EUA / Kimberly Spinner

Chega, ao mesmo tempo, dos Estados Unidos a 7 aeroportos europeus, o grosso do contingente dos 20.000 soldados. Entre estes, 6.000 da Guarda Nacional, provenientes de 15 Estados: Arizona, Flórida, Montana, Nova Iorque, Virgínia e outros. No início do exercício, em abril – comunica o US Army Europe – os 30.000 soldados estadunidenses “espalhar-se-ão por toda a região europeia” para “proteger a Europa de qualquer ameaça potencial”, com clara referência à “ameaça russa”.

O General Tod Wolters – que comanda as forças estadunidenses, na Europa e, ao mesmo tempo, as forças da OTAN como Comandante Supremo Aliado na Europa – assegura que “a União Europeia, a OTAN e o Comando Europeu dos Estados Unidos trabalharam em conjunto para melhorar as infraestruturas”. Isto permitirá que os comboios militares se movam rapidamente, ao longo de 4.000 km de rotas de trânsito. Dezenas de milhares de soldados atravessarão as fronteiras para realizar exercícios em dez países. Na Polônia chegarão a 12 áreas de treino, 16.000 soldados USA com cerca de 2.500 veículos. Os pára-quedistas USA da 173ª Brigada, estacionados em Veneto e os italianos da Brigada Folgore, estacionados na Toscana, irão à Letônia para um exercício conjunto de lançamento de bombas.

O Defender Europe 20 está a ser efetuado para “aumentar a capacidade de instalar rapidamente uma grande força de combate dos Estados Unidos na Europa”. Portanto, desenvolvem-se com horários e procedimentos que tornam praticamente impossível sujeitar dezenas de milhares de soldados às regras de saúde do Coronavírus e impedir que, durante os períodos de descanso, entrem em contato com os habitantes. Além do mais, o US Army Europe Rock Band realizará uma série de concertos gratuitos na Alemanha, Polônia e Lituânia, que atrairão um grande público. As 30.000 tropas que “se espalharão pela região europeia” estão, de fato, isentas das normas preventivas sobre o Coronavírus que se aplicam aos civis. Basta a garantia dada pelo US Army Europe de que “estamos a monitorar o Coronavírus” e que as “nossas forças estão de boa saúde”.

Os veículos de combate de infantaria M2 do exército dos EUA Bradley estão alinhados antes do carregamento na American Roll-On Roll-Off Carrier Endurance, saindo para o DEFENDER-Europe 20 em 5 de fevereiro de 2020, em Savannah, Geórgia (Fonte da imagem: US Army / Pfc Carlos Cuebas Fantauzzi, 22º destacamento de assuntos públicos móveis)

Ao mesmo tempo, é ignorado o impacto ambiental de um exercício militar de tal envergadura. Participarão tanques USA Abrams, pesando 70 toneladas e com armadura de urânio empobrecido, que consumem 400 litros de combustível por 100 km, produzindo forte inquinamento para obter a potência máxima.

Em tal situação, o que fazem as autoridades nacionais e as da União Europeia, o que faz a Organização Mundial da Saúde? Além de tapar a boca e o nariz, colocam a máscara sobre os olhos.

Fonte: Oriente Mídia

Publicado originalmente em 19 de março de 2020

DISPONÍVEL NA LIVRARIA SENTINELA

Manlio Dinucci
Nos ajude a espalhar a palavra:
Gostou do artigo? Você pode contribuir para o site com uma doação:

One thought on “A Arte da Guerra: Trinta mil soldados vindos dos EUA na Europa, sem máscara”

  1. A Europa rejeitou a Rússia, agora não pode reclamar.

    Vai virar África a força.

    A França já está virando África, a França antiga está igual a seleção de futebol deles.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.