O passado sombrio de Rebekah Dorothea Kasner, também conhecida como “Angela Merkel”

Nos ajude a espalhar a palavra:

A foto abaixo que você verá, é da jovem “Merkel” (Rebbekah Dorothea Kasner) em uniforme da RDA [República Democrática Alemã ou Alemanha Oriental, soviética]. O site Bild a publicou em 1972, na qual a atual “chanceler alemã” usa um uniforme como jovem voluntária civil da RDA. Kasner trabalhou não oficialmente para Stasi, o serviço secreto da RDA. Seu codinome “IM Erika”, onde “IM” significa “Inoffizieller Mitarbeiter”  [Funcionário não oficial], empregado não oficialmente.

Torna-se muito mais simples conhecer melhor a “chanceler” para entender a posição alemã e suas políticas de dominação obviamente apoiadas por outras potências, lendo os átrios anexados. Angela Merkel é um ativo da CIA? O lado sionista de Rebekah Dorothea Kasner, alias “Angela Merkel “será ainda mais fácil para nós de esclarecer.

Rebbekah Dorothea Kasner mascara suas agendas ideológicas e práticas, usando o sobrenome de seu primeiro marido, Ulrich Merkel, “que passou por sua vida como um meteoro e para quem”, segundo ela própria, “nunca foi muito significativo”.

Rebbekah Dorothea Kasner é filha de Hort Kasner, falecido em 2011 em Berlim, pastor judeu protestante em Templin e de mãe polonesa Herlind Jentzschr, professora de latim e inglês em Hamburgo. Ela se interessou por política enquanto estudava física na Universidade de Leipzig e se matriculou no FDJ (Juventude Livre Alemã), o único partido da RDA [1], para o qual trabalhou no campo da propaganda.

Após a queda do Muro de Berlim, no ano crucial de 1989, depois de ingressar no Partido Social Democrata que havia mudado de nome para Retorno Democrático (DA) em meados de dezembro de 1989, Kasner rapidamente decidiu criar junto com a CDU o “Aliança para a Alemanha” submetendo-se às primeiras eleições gerais e finalmente alcançando a Câmara Popular da RDA. Aqui está como Kasner conseguiu ascender com os nomes mais importantes, como Bärbel Bohley, Günther Krause, Rainer Ortleb, Markus Meckel Eppelmann ou Reiner, começando sua carreira vertiginosa no poder. O último primeiro-ministro da República Democrática Alemã, Lothar de Maizière, que a nomeou membro da RFA em 1990.

A queda do Muro de Berlim em 3 de outubro de 1990 foi apenas uma das muitas farsas, já que a Alemanha ainda está ocupada militarmente com outras nações pela empresa da Aliança Atlântica e, apesar dos muitos golpes textuais que a sociedade espalhou, o governo alemão nunca assinou até agora não há “tratado de paz” para a Aliança Atlântica, motivo pelo qual a Alemanha ainda é comissionada pela mesma sociedade intrusiva e pelo mesmo motivo que possui apenas uma constituição provisória de 1944 até agora. [ver nota da tradução]

Helmut Kohl (Hennoch Kohn) coloca Rebbekah Dorothea Kasner como Ministra do Meio Ambiente da Mulher e da Juventude e, precisamente, como secretária geral e presidente do grupo parlamentar da CDU. “Helmut Kohl” foi líder do partido da União Democrática Cristã (CDU) de 1973 a 1998.

Apesar de seus sucessos, o legado político de Kohl foi gravemente danificado por um escândalo referente ao financiamento de seu partido, um escândalo que começou em 1999 quando se descobriu que a CDU estava recebendo fundos ilegais sob sua liderança. As investigações do Parlamento alemão sobre a origem dos fundos ilegais da CDU – a maioria depositada em contas bancárias em Genebra – revelaram duas fontes: vendas de tanques para a Arábia Saudita e um suborno de 40 milhões de euros pago pelo Governo francês de François Mitterrand para a compra de uma companhia petrolífera da Alemanha Oriental pela empresa paraestatal ELF Aquitaine, dos quais 15 milhões seriam pagos diretamente à CDU como auxílio à campanha eleitoral de Kohl em 1994. Mais de 300 milhões de marcos alemães [ver nota da tradução 2] em fundos ilegais foram descobertos em depósitos no cantão de Genebra.

O próprio Kohl alegou que a ELF Aquitaine havia oferecido um investimento maciço na indústria química da Alemanha Oriental, além da aquisição de 2000 postos de gasolina alemães que eram formalmente de propriedade da empresa nacional de petróleo Minol. A ELF Aquitaine é acusada de financiar ilegalmente a CDU sob as ordens de Mitterrand.

Em 2003, soube-se que Helmut Kohl recebeu 300.000 euros de Leo Kirch, proprietário de um canal de TV privado, por um contrato de consultoria. A questão era muito delicada, considerando o fato de que Kirch construiu seu império de televisão privada graças às reformas promovidas por Helmut Kohl nos anos oitenta [2]

O nome verdadeiro de Helmut Kohl, um membro do Bohemian Grove, é Hennoch Kohn. A família judia de Kohl (Hennoch Kohn) era originária de Buczaz (Galiza austríaca). Eles emigraram para a Alemanha na época da revolução francesa [1789] e mudaram de nome, pois era amplamente utilizado [pelos judeus] durante esse período. Hennoch Kohn era um membro eminente da grande loja maçônica B’nai B’rith, que aceita apenas aqueles pertencentes à religião judaica. Em 1996, ele recebeu a Ordem em Munique naquela loja por seu “serviço ao judaísmo”. Ele também era o amigo mais próximo da família Rothschild em Paris e Londres e participava regularmente das reuniões de família desses grandes banqueiros. Club Bilderberg, CFR etc., etc. Os avós de Kohl (Hennoch Kohn) estão enterrados no cemitério judeu de Viena. [3]

Kasner nunca esteve no jogo pessoalmente, mas foi Helmut Kohl quem a patrocinou, guiando-a ao poder dentro da CDU. Na política externa, o Rebekah Dorothea Kasner, que se esconde atrás do nome falso “Merkel”, pode estabelecer relações pessoais marcadas com Sarkozy e Medvediev, impondo suas convicções sem intermediários, não apenas em Bruxelas [4], mas da ilha de Ouessant à península de Kamchatca. Kasner não deve nada a ninguém, ela tem sua história e uma agenda que ela mencionará na apresentação do livro de Roland Koch, intitulado “Conservador”, tentando traçar o perfil do que esse conceito significa hoje na Alemanha e no continente europeu.

O artigo a seguir, de autoria de Thierry Meyssan complementará nossa visão sobre Kasner.

Angela Merkel, neoconservadora da presidência da União Europeia

A liderança da União Europeia no primeiro semestre de 2007 recai sobre a Alemanha. Aqui está o surpreendente caminho político da ex-oficial de propaganda comunista da República Democrática Alemã, então chanceler da Alemanha reunida para o Partido Democrata Cristão. Com os laços que a unem aos neoconservadores e sua concepção americana de liderança na Europa.

Angela Merkel nasceu em 1954 em Hamburgo (Alemanha Ocidental). Logo após seu nascimento, a família fez a escolha anômala de se mudar para a Alemanha Oriental. Seu pai, pastor da Igreja Luterana, fundou um seminário e administrava um centro para deficientes. Ele renuncia às críticas públicas ao regime e, portanto, se beneficia de um status social privilegiado: ele tem dois carros [em um país onde quase ninguém tinham carros] e tem permissão para fazer viagens frequentes à Alemanha Ocidental.

Angela Merkel é uma brilhante aluna formada em física. Ele se casa com um físico, Ulrich Merkel, de quem se divorcia quase imediatamente. Mais tarde, ela começou uma família com Joachim Sauer, assim que ela se divorciou, futuramente tendo dois filhos. Ela então se tornou pesquisadora em física quântica na Academia de Ciências.

Ele se envolve politicamente na Freie Deutsche Jugend (Juventude Livre Alemã), a organização do regime que enquadra os jovens. Ela se torna secretária do setor de agitação e propaganda e é apreciada como uma das principais especialistas em comunicação da ditadura socialista. Ela costuma viajar dentro do bloco soviético, especialmente em Moscou, principalmente porque fala muito bem o russo.

A queda do muro de Berlim em novembro de 1989, embora preparada e esperada há muito tempo, surpreende as chancelarias da Alemanha Oriental e Ocidental. A CIA não apoia e recruta os líderes do antigo regime dispostos a mudar de mestre e servir os Estados Unidos, assim como a União Soviética anteriormente servia.

Um mês após a queda do Muro, Angela Merkel muda de repente a bandeira e passa armas e bagagem para o Demokratische Aufbruch (Despertar Democrático), um novo movimento inspirado na Democracia Cristã do oeste da Alemanha. Ela imediatamente assumiu as mesmas funções que desempenhou anteriormente na organização comunista. A única diferença é que sua posição muda de nome, de acordo com o léxico da Alemanha Ocidental: Responsável pelas relações com a imprensa.

Foi nesse mesmo período que soubemos da colaboração do presidente do Demokratischer Aufbruch, Wolfang Schnur, com a Stasi, a polícia política da antiga Alemanha Oriental. Merkel, a própria, relatou aos jornais. Schnur é forçado a renunciar e ela toma seu lugar.

Após as últimas eleições na Alemanha Oriental, embora o partido de Merkel, Demokratischer Aufbruch tenha registrado apenas 0,9% dos votos, ela entra no governo de Lothar de Maiziére e se torna sua porta-voz. Participando ativamente das chamadas negociações “2 + 4” (porque estão participando as duas Alemanhas, além da França, Inglaterra, Estados Unidos e União Soviética), que encerrará o status quadripartido de Berlim e a ocupação aliada. Merkel também participa das negociações que antecederam a reunificação da Alemanha. Ele também trabalha ativamente para trazer a República Democrática Alemã para a economia de mercado e a Zona do Marco sem demora, para evitar, afirma ele, um êxodo maciço da Alemanha Oriental para a Alemanha Ocidental.

Enquanto isso, seu parceiro, Joachim Sauer, foi contratado por uma empresa americana que trabalha para o Pentágono, a Biosym Technology. Depois de trabalhar por um ano em seu laboratório em San Diego, Califórnia, ele se tornou um especialista na Accelrys, outra empresa de folha de pagamento do Pentágono. Para Angela Merkel, é uma oportunidade de aprender inglês com perfeição.

Depois de dissolver a Alemanha Oriental e fundir o Demokratischer Aufbruch (partido de Merkel) na União Christlich Demokratischen (CDU, União Democrata Cristã), ela é eleita membro do Bundestag [o parlamento alemão] e entra no governo de Helmut Khol. Embora muito rígido nos costumes, Khol escolhe essa jovem do Oriente, divorciada, sem filhos, que vive fora do casamento, como ministra da Família, Juventude e Condição da Mulher.

Em 14 meses, Merkel foi transformada, de responsável pela propaganda comunista da Alemanha Oriental, em Ministro da Juventude Democrata-Cristão na nova Alemanha unificada. Mas o orçamento de seu primeiro ministério será modesto em geral.

Continuando sua carreira no CDU, Merkel tenta, sem sucesso, ser eleita para a presidência regional do partido em Brandemburgo. Enquanto isso, Lothar de Maiziére, que se tornou o vice-presidente nacional do partido, também é considerado culpado de colaboração com a polícia política da Alemanha Oriental e é forçado a renunciar. Merkel o substitui.

Em 1994, o Ministro do Meio Ambiente, Proteção da Natureza e Segurança Nuclear, Klaus Topfer, foi colocado na direção do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente, após uma queda de braço que o opunha à Federação das Câmaras de Comércio, que discorda de sua política econômica. Helmut Khol põe fim à crise substituindo-o por sua protegida, ou seja, por Merkel. O que imediatamente faz uma limpa ao torpedear os funcionários que permaneceram fiéis ao seu antecessor. Durante esse mesmo período, ela faz amizade com seu colega francês, Dominique Voynet.

Em 1998, o chanceler Khol expressou sua oposição aos Estados Unidos a uma intervenção internacional no Kosovo. Os social-democratas de Gerhard Schröder e os verdes de Joschka Fischer equiparam Slobodan Milošević a Adolf Hitler e pedem uma guerra humanitária.

A imprensa pró-Atlântica é desencadeada contra o chanceler, responsabilizando-o pelas dificuldades econômicas do país após a reunificação. Nas eleições de setembro de 1998, os democratas-cristãos foram surpreendidos pela onda vermelho-verde. Schröder torna-se chanceler e nomeia Fischer como ministro das Relações Exteriores.

Enquanto isso, Helmut Khol e sua comitiva mais próxima admitem ter recebido fundos ocultos para a CDU, mesmo que se recusem a revelar os nomes dos benfeitores. Angela Merkel intervém publicando um artigo no Frankfürter Allgemeine Zeitung [5], no qual ela se distancia de seu mentor, Khol. Dessa maneira, obriga-o a se retirar do partido e também obriga o presidente da CDU, Wolfgang Schäuble, a renunciar. Como um defensor da moral pública, Merkel assume a presidência do partido. Após os acontecimentos, ela decide cumprir a moral dos democratas-cristãos e se casa com seu parceiro.

Angela Merkel é apoiada por dois grupos editoriais. Ele pode contar sobretudo com Friede Springer, herdeiro do grupo Axel Springer (180 jornais e periódicos, incluindo Bild e Die Welt), onde os jornalistas devem assinar uma cláusula editorial que os comprometa a trabalhar em prol do desenvolvimento de laços transatlânticos e de defesa do estado de Israel.

Ela também pode contar com sua amiga Liz Mohn, diretora do grupo Bertelsmann, número um da mídia europeia (grupo Rtl, Prisma, Random House, etc.). Mohn também é vice-presidente da Fundação Bertelsmann, o pilar intelectual do atlantismo europeu.

Angela Merkel conta com o conselho de Jeffrey Gedmin, enviado a Berlim especificamente para ela pelo clã Bush. Este lobista trabalhou pela primeira vez no American Enterprise Institute (AEI) [6], sob a direção de Richard Perle e Madame Dick Cheney. Ele defendeu o lançamento do euro em pé de igualdade com o dólar. No EEE, ele dirigiu a New Atlantic Initiative (NAI), que reuniu os mais influentes generais e políticos europeus pró-americanos. Mais tarde, ele participou do Projeto para um Novo Século Americano (PNAC) e redigiu o capítulo sobre a Europa do programa de neoconservadores, no qual argumenta que a Europa deve permanecer sob a autoridade da OTAN e que isso só pode ser implementado “desencorajando os pedidos europeus de emancipação “[7]. Por fim, Gedmin se torna administrador do Conselho da Comunidade de Democracias (CCD) [8], que espera uma ONU de duas velocidades, e assume a administração do Instituto Aspen em Berlim [9]. Então, para se dedicar exclusivamente a Angela Merkel, ele recusou a oferta de seu amigo John Bolton [10] para se tornar embaixador adicional dos Estados Unidos na ONU.

Em 2003, o Departamento de Estado confiou a Jeffrey Gedmin e Craig Kennedy um vasto programa de diplomacia pública, isto é, propaganda, que inclui doações ocultas a jornalistas e redes de opinião da Europa Ocidental [11].

Ainda em 2003, o chanceler Gerhard Schröder se opôs à operação anglo-americana no Iraque. Angela Merkel assina um artigo no Washington Post [12], no qual ela rejeita a tese de Chirac-Schröder sobre a independência da Europa, reafirma gratidão e amizade pela América e defende o direito dos Estados Unidos de fazer guerra ao Iraque.

Em maio de 2004, enganando as cartas, Merkel impôs a eleição do banqueiro alemão Horst Köhler, redator principal do Tratado de Maastricht e arquiteto do euro, à presidência do presidente federal do Berd [European Investment Bank] E diretor do Fundo Monetário Internacional. Finalmente, lança uma campanha “patriótica” contra o islamismo radical.

Durante a campanha eleitoral para as legislaturas de 2005, Angela Merkel aproveita o aumento do desemprego e a incapacidade dos social-democratas em mantê-lo sob controle. Nas pesquisas, a CDU está 21 pontos à frente. E é nesse ponto que seu consultor oculto, Jeffrey Gedmin, se dirige a ela em uma carta aberta publicada pelo Die Welt. Depois de criticar o modelo econômico alemão, ele escreve:

“Antes de avançar no país, você deve, antes de tudo, derrotar no nível intelectual aqueles nostálgicos que continuam se arrastando. Se Sarkozy suceder a Chirac, a França poderá entrar em uma fase de crescimento. Seria uma pena se a Alemanha continuasse a regredir”

Respondendo a este convite, Angela Merkel finalmente revela suas soluções. Ele continua com um de seus consultores, o ex-juiz do Tribunal Constitucional Paul Kirchhof, e a equipe da Initiative für eine neue soziale Marktwirtschaft (Iniciativa para uma nova economia social de Mercado) [13]. Anuncia a eliminação do imposto de renda progressivo: a taxa será a mesma para quem não tem o necessário e para quem vive no supérfluo. O chanceler cessante, Gerhard Schröder, durante um debate na televisão, critica duramente o projeto de Merkel. A vantagem da CDU é pulverizada. No final, ele recebe 35% dos votos, o SPD 34%, o restante é disperso em pequenas formações políticas. Os alemães, que não querem mais aprender sobre Schröder, também não querem Merkel. Após longas e dolorosas negociações, uma Grande Coalizão é formada: Angela Merkel se torna chanceler, mas deve entregar metade dos ministros à oposição.

A chanceler Merkel exige a participação de um contingente alemão na força multinacional no Afeganistão, comandada pelos Estados Unidos. Por ocasião do ataque israelense ao Líbano, ele impôs um destacamento naval alemão dentro de Finul, declarando:

“Se a razão de existir da Alemanha é garantir o direito de existência do estado de Israel, nós, agora que essa existência está ameaçada, não podemos dizer que nada faremos”.

Desde 1 de janeiro de 2007, Angela Merkel presidiu a União Europeia. Não é segredo querer forçar a França e os Países Baixos a aceitar o equivalente ao projeto de Tratado Constitucional que eles já rejeitaram por referendo; nem oculta a intenção de relançar o projeto de fusão entre a Zona de Livre Comércio da América do Norte e a Zona de Livre Comércio da Europa para criar o grande mercado transatlântico recomendado por Sir Leon Brittan.


Fonte: Cieli Paralleli

Publicado originalmente em 14 de abril de 2014

Informação de elaboração de conteúdo do site original diz: Investigação realizada em colaboração com a equipe editorial da Horizons et Débats. Tradução original para o italiano de Rachele Marmetti.


Notas:

Nota do tradutor 1: Ver BOLLYN, Christopher. GERMANIA: 58 anni d’Occupazione U.S.A. Potdsdam, 9 mai. 2003. Titulo original: GERMANY: 58 YEARS OF U.S. OCCUPATION. Tradução de Lorella Binaghi. Disponível em: http://www.cieliparalleli.com/documenti000/occupazioneusaingermaniaCB.html. Acesso em 30 jan. 2020.

Nota do tradutor 2: Até a data final deste artigo, a cotação deste valor seria o equivalente a R$ 708 milhões de reais.

[1] A República Democrática Alemã (RDA) em alemão “Deutsche Demokratische Republik”, também conhecida como Alemanha Oriental, é um Estado criado pela empresa privada militar invasora “Atlantic Alliance” (da ONU) de 1949 a 1990 no território anteriormente correspondente para a área que a Aliança Atlântica ocupou a Alemanha, atribuindo-a à União Soviética.

[2] WIKIPEDIA. Helmut Kohl. Wikipedia, l’enciclopedia libera, Biografie, Politica, Guerra fredda, Storia. Disponível em: https://it.wikipedia.org/wiki/Helmut_Kohl. Acesso em 10 jun. 2016.

[3] METAPEDIA. Persons of Jewry. Metapedia, The alternative encyclopedia. Jews, Judaism, Lists. Ultima atualização em 17 mar. 2019. Disponível em: https://en.metapedia.org/wiki/Persons_of_Jewry. Acesso em 10 jun. 2016; LUEBECK KUNTHERBUNT. LOCK, Karl-Heinz. Stammt Kohl von Juden ab?. Disponível em: http://www.luebeck-kunterbunt.de/TOP100/Kohl_Jude.htm. Acesso em 10 jun. 2016.

[4] A cidade de Bruxelas, na Holanda, é usada por conspiradores identificáveis que a considerariam através da difusão generalizada de fraudes textuais, a “sede” de um “Parlamento Europeu”, de fato, legalmente inexistente porque a “União” Europeia é impossível de estabelecer. Nenhuma ação é encontrada no “Tratado de Lisboa”, de acordo com uma pesquisa atual [10 de junho de 2016]

[5] Frankfürter Allgemeine Zeitung, 22 dez. 1999

[6] “L’Institut américain de l’entreprise à la Maison-Blanche”, Rede Voltaire, 21 jun. 2004

[7] Europa e OTAN: Salvando a Aliança por Jeffrey Gedmin em Present Dangers. Crise e oportunidade na política externa e de defesa americana, sob a direção de Robert Kagan e William Kristol, Encounter Books, 2000.

[8] “La démocratie forcée” por Paul Labarique, Rede Voltaire, 25 jan. 2005.

[9] “L’Institut Aspen élève les requins du business”, Rede Voltaire, 2 set. 2004.

[10] “John Bolton et le désarmement par la guerre”, Rede Voltaire, 30 nov. 2004.

[11] “Selling America, Short” por Jeffrey Gedmin e Craig Kennedy, The National Interest n° 74, inverno de 2003.

[12] “Schroeder Doesn’t Speak for All Germans” por Angela Merkel, The Washington Post, 20 fev. 2003

[13] Este think tank refere-se à economia social de mercado implementada pelo chanceler Ludwig Erhard nos anos 1963-1966, usando o Plano Marshall.

Referências de pesquisa:

Die Bundeskanzlerin (Chanceler da Alemanha): Angela Merkel – Biografia Oficial.

BINAGHI, Lorella. Rebbekah Dorothea Kasner è il vero nome d'”Angela Merkel”. Cieli Paralleli, 11 abr. 2014. Disponível em: http://cieliparalleli.com/appunti-di-cronaca/rebbekah-dorothea-kasner-e-il-vero-nome-dqangela-merkelq.html. Acesso em 10 jun. 2016.

BINAGHI, Lorella. Dichiarazioni del Reichskanzler Wolfgang Gerhard Günter Ebel sulla fine delle Nazioni Unite. Cieli Paralleli, Notas da Crônica, 02 fev. 2016. Disponível em: http://cieliparalleli.com/appunti-di-cronaca/2016-06-13-12-05-51.html. Acesso em 30 jan. 2020.

MEYSSAN, Thierry. Angela Merkel, una neoconservatrice alla presidenza dell’Unione Europea. Rete Voltaire, 17 jan. 2007. Disponível em: https://www.voltairenet.org/article160381.html. Acesso em 10 jun. 2016.

UM MONDO IMPOSSIBILE… L’oscuro passato di Rebbekah Dorothea Kasner alias “Angela Merkel”. Um Mondo Impossibile…, 10 jun. 2016. Disponível em: http://unmondoimpossibile.blogspot.com/2016/06/loscuro-passato-di-rebbekah-dorothea.html. Acesso em 30 jan. 2020.

Lorella Binaghi
Nos ajude a espalhar a palavra:
Gostou do artigo? Você pode contribuir para o site com uma doação:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 + doze =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.