Leônidas: Família – o tijolo da civilização

Nossa civilização está em decadência, o Ocidente está envelhecendo e os ocidentais estão em extinção, esse é o estágio avançado da cultura laica, são destinados a serem suplantados pelos imigrantes. Com mais velhos, menos mão de obra se tem, e isso gera espaço para o imigrante e toda sua cultura vir ao país. Se o imigrante vai absorver a cultura ocidental nunca se sabe, o que se sabe é que ele trará a sua cultura até a nós.
A única ilusão de vantagem se dá pela segurança, pois a velhice representa a perda do poder, e a perda do poder leva à submissão, por isso em países “envelhecidos” é baixa a taxa de criminalidade, afinal é esdrúxulo imaginar sua avó com uma metralhadora assaltando a redondeza. No entanto, é uma desvantagem mascarada de vantagem. Pois na medida em que a segurança civil é melhorada a segurança cultural é seriamente ameaçada.
O culpado disso é o Estado, pois reside no Estado a responsabilidade de manter o coração da civilização (a família) a pulsar de forma satisfatória. Com a decadência da religião e a negligência das autoridades deixou-se de incentivar a formação de família, pelo contrário, só aumentou a dificuldade de realizar isso. Conseguiram esta proeza, com uma política impossível para um casal jovem constituir família, quem ao redor dos seus 18 anos, consegue sustentar uma casa com mulher e dois ou três filhos de forma digna? Com um salário de fome? Impossível. Por isso as poucas famílias que são constituídas são feitas por pessoas mais velhas ao redor dos seus 40 anos, determinadas não pelo amor a família, mas por puramente para combater o medo de morrerem na solidão quando a velhice lhes baterem a porta. Os homens jovens fogem do dever de constituir família, as mulheres estão pensando primeiramente na sua carreira em detrimento de cuidar dos filhos, quando inesperadamente engravidam, aborta-se e com isso o futuro da civilização se esvai a cada dia. Na Europa, por exemplo, aborta-se com a facilidade de quem marca uma consulta no dentista. 

Confira nossa Loja da Livraria Virtual
Aliado a isso, cada dia casa-se menos, cada dia têm-se menos filhos, cada dia divorcia-se mais. Nem um mínimo de esforço é feito para resolver o problema, não é feita uma propaganda para o incentivo da família, não é feito uma medida para tornar isso viável, nenhum meio cultural é usado para o fortalecimento da família, nem sequer as músicas que se ouvem hoje em dia incentivam nada do gênero, pelo contrário, quem constitui família cedo, como é natural na nossa espécie, é visto com desprezo como alguém que comprou a corda para se enforcar.
Não é só propaganda que irá remediar o problema, o problema é sistematizado.
Hoje não há meios se assegurar fidelidade do cônjuge,nem sequer há punição para estes casos, pelo contrário, há o grande estímulo de ao divorciar-se, tomar metade dos bens do outro. Não há meios de assegurar a educação e a lealdade dos filhos, poucos são os que ainda tem respeito pelos pais e avós e sequer dão-lhes atenção,ou melhor, só lhes dão atenção para pedir dinheiro ou outros interesses pérfidos. Isso, aliado ao desestímulo cultural desencoraja qualquer um a ter família. Afinal, qual o sentido de ter de instruir e alimentar os filhos, se estes mesmos não têm pelos pais o mínimo de respeito? Qual o sentido de contrair casamento se inevitavelmente acabará em divórcio e na ruína de um ou de outro? Qual o sentido de tirar comida da sua boca para dar aos filhos, se a sociedade o vê como um coitado em vez de um herói que se sacrifica pela nação?
O fruto desse egoísmo é a evanescência cultural. É claro que o futuro pertence às famílias numerosas, não é atoa que os judeus têm em média 3 filhos por mulher, enquanto que na Europa, mal chega apenas a 1 filho. Os árabes têm filhos às dúzias, como coelhos, se reproduzem e com isso perpetuam seu povo, não se importando com as guerras que travam, pois seu contingente sempre está sendo reposto. Não é necessário muita inteligência para sabermos a quem pertencerá o futuro.
VEJA TAMBÉM:

🔺PIRRO: O PROBLEMA DA IMIGRAÇÃO NO SÉCULO XXI

Outras formas de doação? Entre em contato: osentinelabrasil@gmail.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *