fbpx
Leonid Savin: “EUA não têm papel produtivo nas negociações de Viena”

TEERÃ – Repreendendo o papel negativo dos EUA nas negociações de Viena, um analista político russo é de opinião que os EUA estão interessados ​​em manter pressão diplomática contra o Irã.

“Mesmo com o envolvimento da Rússia e da China, existe uma espécie de guarda-chuva do pensamento antigo”, acrescenta Salvin. “É porque a Casa Branca tem uma ideia estereotipada sobre o Irã”.

“Os EUA estão interessados ​​em manter a pressão sobre o Irã usando diferentes ferramentas de diplomacia preventiva”, Leonid Savin disse ao Tehran Times.

 

A seguir está o texto da entrevista

P: Como você avalia as negociações do acordo nuclear de Viena? Você está otimista sobre a remoção das sanções dos EUA ao Irã?

R: Há um problema porque as negociações estão acontecendo de uma maneira antiga, baseada em uma abordagem centrada no Ocidente em geral. Mesmo com o envolvimento da Rússia e da China, existe uma espécie de guarda-chuva do pensamento antigo. Os EUA têm interesse em manter a pressão sobre o Irã, usando diferentes instrumentos da diplomacia preventiva. É porque a Casa Branca tem uma ideia estereotipada sobre o Irã. Acho que é melhor que os EUA sejam excluídos do processo de negociações, mas é quase impossível.

P: Como você vê o papel da Rússia em reviver o acordo nuclear com o Irã de 2015?

R: A Rússia está seguindo o acordo inicial e é garantidora do processo de enriquecimento de urânio em geral. Mas, novamente, há um impacto negativo do envolvimento americano. Pelo menos a Rússia entende bem o que o Irã deseja alcançar e nós dois estamos sob sanções. Portanto, Moscou está interessada em apoiar o Irã para manter sua soberania.

P: Qual é o seu comentário sobre a recente escalada entre a Rússia e os EUA? Biden vai confrontar a Rússia mais diretamente?

R: Por causa do anúncio de novas sanções contra a Rússia pelos EUA logo após a reunião de Putin e Biden, parece que o establishment americano é imprevisível e não há confiança. Os EUA estão interessados ​​em interromper qualquer cooperação da Rússia com países da UE, bem como os laços de Moscou com Pequim. Por outro lado, existem divisões dentro da política dos EUA em muitas questões. Mas de qualquer maneira, os EUA são obrigados a fazer alguma coisa.

 

P: Como você descreve as relações Rússia-EUA? Parceria apesar da rivalidade ou inimizade? Estamos de volta à Guerra Fria?

R: Acho que estamos diante de um novo nível de confronto. É diferente da era da Guerra Fria porque o mundo não é bipolar, mas vai para a multipolaridade.

Para os EUA, é mais difícil influenciar a Rússia e seus próprios parceiros. Mas os EUA ainda têm interesse em ser hegemônico. Então, eles estão enlouquecendo e nutrindo profundo ressentimento contra a Rússia, China, Irã e outros atores que estão interessados ​​em construir uma ordem mundial policêntrica.

LEIA DOIS ARTIGOS DE LEONID SAVIN

 

P: Você acha que os estados asiáticos têm potencial para formar um bloco para conter a influência dos EUA? Parece que a China está ansiosa para formar esse bloco economicamente na Ásia.

R: Claro. Do ponto de vista econômico, mais de 30% do PIB mundial vem da Ásia. O G7 agora vai testemunhar um declínio. Demograficamente, a Ásia também é muito mais populosa do que o Ocidente transatlântico. E o que é importante é que a maioria dos países asiáticos está interessada em um sistema político mais global sem a influência dos Estados Unidos. Portanto, estou otimista quanto ao papel dos países asiáticos, incluindo a Rússia.


Fonte: Tehran Times

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Quer receber nossas notificações?    SIM! Não, obrigado (a)