Jack, o Estripador: Investigação revela identidade e assassinatos rituais – Parte 1

Nos ajude a espalhar a palavra:

Após uma investigação minuciosa conduzida pelo empresário Russell Edwards, o establishment judaico finalmente teve que admitir que o primeiro conhecido e notório assassino em série moderno, ‘Jack, o Estripador’, era de fato o imigrante judeu da Polônia Aaron Kosminski. O que é digno de nota, no entanto, é que este site há algum tempo mantém material sobre o fato de a mídia e o estabelecimento judaicos terem o poder de trivializar a relevância desse suspeito em particular. Isso é de extrema relevância, dado que muitos recursos na época dos assassinatos foram alocados para investigar especificamente esse suspeito judeu. Um paralelo maciço pode ser feito com os mais notórios criminosos da Inglaterra, os irmãos Kray.

De ascendência judaica, o mainstream estabeleceu que os dois gêmeos eram homossexuais em um relacionamento incestuoso e estavam fortemente envolvidos no escândalo de pedófilos sendo investigado. Um deles tinha um namorado na prisão e “Reggie” foi casado por 8 semanas. A história oficial era que ela cometeu suicídio, mas Reggie admitiu em seu leito de morte que “Ronnie” [Ronald Kray, seu irmão] a havia assassinado por ciúmes. No entanto, esse casal depravado chama a fascinação do público. De fato, o oficial encarregado tinha Kosminski sob vigilância 24 horas e estava inflexível até o túmulo de que ele era o estripador. No entanto, décadas de livros populares, documentários e até filmes sensacionalistas de ‘Jack, o Estripador’ e seus crimes terríveis, rejeitam o judeu Kosminski ou o omitem por se contentar em concentrar a opinião pública em outra direção, mesmo na linha real britânica.

O cientista forense Dr. Jari Louhelainen [esquerda], da Universidade John Moores de Liverpool, e Russell Edwards [direita], executivo de Birkenhead e autor de “Naming Jack The Ripper” [Nomeando Jack, o Estripador]. Foto: Liverpool Echo.
A polícia tinha Kosminski sob custódia. Ele foi identificado em uma formação policial por uma das testemunhas mais importantes, Israel Schwartz, um imigrante judeu da Hungria. Schwartz tinha visto e descrito o assassino. Sua declaração é a seguinte:

“12h45, 30º. Israel Schwartz, da Rua Helen nº 22, Backchurch Lane, afirmou que, a essa hora, ao virar para entre a  Rua Berner com a Rua Comercial e chegar até a porta de entrada onde o assassinato foi cometido, ele viu um homem parar e falar com uma mulher, que estava parada no portão. O homem tentou puxar a mulher para a rua, mas ele a virou e a jogou na calçada, e a mulher gritou três vezes, mas não em voz alta. Ao atravessar para o lado oposto da rua, ele viu um segundo homem acendendo o cachimbo. O homem que jogou a mulher no chão gritou, aparentemente para o homem do lado oposto da estrada, ‘Lipski!’, e depois Schwartz se afastou, mas ao descobrir que era seguido pelo segundo homem, ele correu até a estrada de ferro e o homem não o seguiu.”

No entanto, depois de descobrir que o homem que ele identificou em uma formação policial era judeu, Schwartz se recusou a testemunhar contra ele. Ele alegou que, porque Kosminski era judeu, não teria outro judeu em sua consciência. No entanto, ele não teve problemas em saber que essa criatura estava à solta assassinando mulheres europeias.

No entanto, antes de sua retirada, a declaração de Schwartz forneceu informações importantes.

Uma de uma série de imagens do Illustrated London News de 13 de outubro de 1888 com a legenda geral “Com o Comitê de Vigilância no East End”. Esta imagem específica é intitulada “Um personagem suspeito”, 13 de outubro de 1888. Imagem: Illustrated London News / Wikimedia Commons.

A palavra ‘Lipski’ usada aqui não é descartável. Em 1887, um judeu chamado Israel Lipski foi condenado e enforcado pelo assassinato de Miriam Angel na Rua Batty nº 22 (paralela à Rua Berner). O caso foi controverso devido ao influxo de imigrantes judeus na Grã-Bretanha durante a década de 1880 na medida em que parece que o termo “Lipski” foi usado na vizinhança para insultar os judeus. A polícia esperava que “Lipski” fosse o nome do segundo homem visto por Schwartz, para que ele pudesse ser rastreado e interrogado, mas, no final, Anderson e Abberline concordaram que o nome era mais um insulto do que uma apelação. No entanto, dado que a polícia estava convencida de que o estripador não agia sozinho, o grito de ‘Lipski’ poderia ter sido o assassino indicando a seu cúmplice que outro judeu era testemunha aos seus crimes. Esse enunciado era mais obscuro do que gritar “judeu” e, como se esperava, foi descartado como insignificante. por meio da mídia, toda trama ficou obtusa.

Também deve ser destacado que, durante a década de 1880, a polícia britânica estava investigando atividades políticas subversivas, envolvendo especificamente imigrantes judeus da Polônia e da Rússia. O mainstream sugeriu que Kosminski imigrou para Londres com sua família durante os pogroms russos no início da década de 1880. No entanto, os relatos de ‘pogroms‘ são muito romantizados e os tumultos eclodiram devido à atividade terrorista judaica ilegal acumulada no assassinato do czar Alexandre II por uma terrorista judia chamada Vera Figner.

Receba nossas postagens por e-mail

Os imigrantes que deixaram a Europa Oriental para a Grã-Bretanha continham esses tipos de terroristas. O primeiro-ministro judeu Benjamin Disraeli ainda era primeiro-ministro em 1880 e sua própria “política de raça” desculpou esse influxo de terrorismo judeu e trouxe o monstro Kosminski para a Grã-Bretanha. Em seu livro “Endymion”, publicado em 1880, ele escreveu:

“ninguém tratará com indiferença os princípios da raça. É a chave da história e a razão pela qual a história é tão frequentemente confusa é que foi escrita por homens que ignoravam esse princípio e todo o conhecimento que ele envolve… Linguagem e religião não fazem corrida – só há uma coisa que faz uma raça, e isso, o sangue”.

Benjamin Disraeli (1804 – 1881), 1º Conde de Beaconsfield. Político judeu que se tornou primeiro ministro do Reino Unido no Partido Conservador desempenhando papel fundamental na criação do moderno Partido após o cisma das Leis do Milho de 1846. Embora nascido de pais judeus de família originária da Itália, seu pai o batizou no anglicanismo aos 12 anos. Foi o primeiro e até agora único primeiro ministro da Grã-Bretanha que nasceu em uma família judia. Adam Kirsch, em sua biografia de Disraeli, afirma que seu judaísmo era “o maior obstáculo à sua ambição e seu maior motor”. Uma história apócrifa afirma que Disraeli se converteu ao judaísmo em seu leito de morte. Foto: Photos.com / Jupiterimages

No que se refere à investigação da subversão política, a Grande Sinagoga e o Clube Imperial ficavam perto da Rua Dukee na Praça Mitre, onde Catharine Eddowes [quarta vítima de ‘Jack‘] foi assassinada.

Ambos os locais eram de potencial encontro para comunistas judeus. A União Socialista Hebraica havia sido formada na Rua Gun; Spitalfields, em 1876 e em 1889, após uma marcha da Rua Berner até a Grande Sinagoga, houve um tumulto do lado de fora do Clube Internacional de Educação dos Trabalhadores, perto de onde o corpo de Elizabeth Stride [terceira vítima] foi encontrado.

Testemunha do assassinato de Elizabeth Stride, outro judeu Louis Diemschutz era um comunista comprometido e foi listado como palestrante em um clube de Manchester em 1891, sobre o tema da Comuna de Paris.

Em seu testemunho, Diemschutz afirmou não ter notado a posição das mãos de Elizabeth e, no entanto, em uma entrevista subsequente à imprensa, afirmou que “suas mãos estavam cerradas e, quando o médico as abriu, vi que ela estava segurando uvas em uma mão e doces no outro”. Ele, juntamente com Isaac Kozebrodsky, também testemunha da cena do crime, foi preso em março de 1889 durante o tumulto no Clube Internacional dos Trabalhadores e acusado de agredir um policial. Diemschutz foi condenado a três meses de prisão com trabalhos forçados, além de pagar 40 libras e pagar duas fianças de 20 libras cada, a serem cobradas se ele não mantivesse um bom comportamento por doze meses.

Agora, considerando a atmosfera política subversiva que os imigrantes judeus trouxeram para a Grã-Bretanha, é altamente significativo que o mais infame assassino em série de todos os tempos, hoje conhecido como judeu, tenha sido rotulado como “Jack”, um nome popular inglês. Isso ocultou instantaneamente a verdadeira origem das atrocidades e direcionou suspeitas para um nativo qualquer. O grafite encontrado nos números 108-119  da Wentworth Model Dwellings, por PC Alfred Long em 30 de domingo de 1888, logo após o corpo de Catherine Eddowes, foi localizado a várias ruas de distância na Praça Mitre também foi ligado por pessoas locais a comunidade judaica, então em sérios apuros civis.

Roteiro mostrando os locais dos sete primeiros assassinatos em Whitechapel. Créditos: Levantamento de artilharia, 1894 / Wikimedia Commons.

Apesar do fato de PC Long, o primeiro policial na cena, encontrar um pedaço do avental da Sra. Eddowes imediatamente abaixo da enigmática mensagem que colocou o assassino na cena. Promovido na grande imprensa moderna como contendo “erros de ortografia”, obviamente esperava-se que os nativos com baixa escolaridade fossem responsabilizados. Agora, conhecendo sua herança na realidade, era o próprio assassino judeu Kosminski brincando com nosso instinto empático.

Um paralelo moderno é o judeu que pinta a suástica em sua própria propriedade e capitaliza sobre o efeito. Esta mensagem escrita com giz, intitulada “The Goulston Street Graffiti” [Os grafitis da rua Goulston], são dos homens que não serão responsabilizados por nada. Na verdade, o grafite não contém um erro de ortografia, mas uma referência maçônica e refere-se a um assassinato ocorrido nos tempos antigos – os assassinatos dos pedreiros judeus após a construção do templo. Também é intrigante que o comissário de polícia Sir Charles Warren, em meio a protestos de detetives, tenha ordenado que a mensagem fosse retirada da parede sem tirar fotos.

A imprensa da  época acusou Warren de ser da Maçonaria. Ironicamente, ele não era apenas um entusiasta maçom. Tornando-se o terceiro grão-mestre distrital do arquipélago oriental em Cingapura e o mestre fundador da loja Quatuor Coronati, Warren foi um dos primeiros arqueólogos europeus da Terra Santa bíblica e, particularmente, do monte do templo. O significado é que o assassino obviamente tinha conexões com a maçonaria e, como maçom, o instinto de Warren era proteger um irmão.

Retrato de Charles Warren (1840 – 1927), general dos Royal Engineers do Exército Britânico, com relevantes funções em África e no Sinai. Mais tarde chefe da Polícia Metropolitana de Londres de 1886 a 1888. Foto: Herbert Rose Barraud, Londres, 1890./ Wikimedia Commons.

A exploração constante dessas atrocidades horríveis como obra de um inglês, apesar do fato de o judeu Kosminski sempre ter sido o suspeito mais credível, lança o povo inglês sob uma luz falsa. De fato, apenas uma ou duas semanas após a resolução de um dos casos mais notórios da história, o regime ostensivamente judeu na Europa agora considera as “turnês do Estripador” em Londres bastante desagradáveis, de acordo com uma reportagem do The Telegraph. De fato, agora que a identidade do primeiro serial killer  [assassino em série] moderno foi exposta, a máquina de propaganda judaica é muito menos pronunciada na acusação do assassino, a ponto de esquecer-se de mencionar que o caso foi resolvido. É nesse sentido que novamente se deve questionar por que demorou 126 anos para identificar corretamente o assassino.

A evidência de que eventualmente revelou que o judeu Kominski estava sob custódia policial quando o assassinato ocorreu foi o xale encontrado ao lado do corpo de Catherine Eddowes, ensopado em sangue pelo primeiro policial em cena e removido por ele de lá. No entanto, este xale, embora encharcado de sangue, foi descartado como prova por sua “falta de proveniência”. Apesar dos tremendos avanços da tecnologia e da atenção da mídia em torno desse caso em particular em 126 anos, apenas um teste forense foi realizado. Isso foi foi em 2006 para um documentário do Canal 5 britânico. Dadas as particularidades em torno deste caso, os resultados foram “inconclusivos” indicando uma conspiração de silêncio que permitiu à mídia continuar sua campanha de difamação contra uma comunidade europeia.

Russell Edwards segura o xale de Catherine Eddowes em reportagem para o DailyMail Online. Imagem: Reprodução

Embora fosse o DNA do sangue da vítima e do sêmen do assassino, isolado no xale que identificou Kosminski como o “Estripador”, o xale tem uma implicação muito mais ampla. É modelado com margaridas Michaelmas. Hoje, a festa cristã de Michaelmas é arcaica, mas nos tempos vitorianos era familiar como o dia, quando rendas e dívidas eram debitadas e perdoadas. Havia duas datas para ele: um 29 de setembro, na igreja cristã ocidental e o outro em 08 de novembro, na Igreja Ortodoxa Oriental.

As duas datas coincidiram precisamente com as noites  dos dois últimos assassinatos. 29 de setembro foi a noite em que Elizabeth Stride e Catherine Eddowes foram mortas, e 8 de Novembro foi a noite da final, o mais horrível dos assassinatos, o de Mary Jane Kelly [quinta vítima de ‘Jack’].

Portanto, não pode ser coincidência que o assassinato de Annie Chapman [segunda vítima de de ‘Jack’] em 8 de setembro coincida com as datas festivas do Dia de Nossa Senhora da Natividade do ano litúrgico ortodoxo celebrando o nascimento de Maria e Mary “Polly” Ann Nichols [primeira vítima de ‘Jack’], assassinada no dia 31 de agosto, dia da festa de São Edano de Lindisfarne, conhecido como apóstolo dos ingleses. Edano foi proposto como um possível santo padroeiro do Reino Unido. Aliás 31 de agosto é também celebrado dia da Santa Medianeira ou da Virgem Mediadora.

Mulheres e crianças em Whitechapel em frente a alojamentos comuns, em meados de 1890, período dos assassinatos e perto onde Jack, o Estripador cometeu dois de seus crimes. Créditos: Serial Killers, 1992, Livro / Wikimedia Commons.

A sequência em que ele matou aparece como católica – ortodoxa – católica – ortodoxa, confirmando um cronograma de punição ritual assassino estabelecido para uma mulher cristã europeia. Portanto, aqui temos um caso de um judeu escolhendo especificamente uma mulher cristã europeia étnica em datas religiosas cristãs com o único objetivo de violação sexual, mutilação e assassinato.

É difícil descartar a acusação de assassinato ritual, principalmente quando se considera o impacto histórico.

Guilherme de Norwich  (2 de fevereiro de 1132 – 22 de março de 1144) era um menino inglês cuja morte é atribuída à comunidade judaica de Norwich. É o primeiro caso medieval conhecido de assassinato ritual judaico. A Enciclopédia Católica declara os fatos do caso, conforme relatado por Thomas de Monmouth:

“… O cadáver de um menino mostrando sinais de uma morte violenta foi encontrado em Thorpe Wood [Peterborough, Reino Unido], perto de Norwich. Não foi tocado até a segunda-feira de Páscoa, onde foi enterrado sem nenhuma cerimônia onde estava. Enquanto isso, várias moças e rapazes haviam visitado o local e os judeus eram suspeitos de assassinato devido à natureza das feridas… O corpo era reconhecido como o de William, um aprendiz de curtidor, que com seu mestre fora no hábito de frequentar as casas de certos judeus. A sepultura foi aberta pelo tio de William, o padre Godwin Stuart, o corpo reconhecido, o enterro lido e a sepultura recuperada. Alguns dias depois, o sínodo diocesano se reuniu sob a presidência do bispo Eborard, e Stuart acusou os judeus do assassinato, e ofereceu provar sua acusação por provação. Mas os judeus de Norwich eram os homens do rei e estavam sob a proteção do xerife, que destacou que o bispo não tinha jurisdição no caso. O fracasso em garantir uma condenação contra os judeus parece ter sido em grande parte devido à presença desse forte oficial que possuía o castelo de Norwich. O único resultado da ação de Sturt naquele momento foi garantir o translado do corpo de Thorpe Wood para o cemitério dos monges em 24 de abril.”

O pequeno São Hugh de Lincoln (1246 – 27 de agosto de 1255), também um menino inglês, morreu pelas mãos dos judeus em Lincoln.

Enquanto brincava com seus amigos, Hugh desapareceu. Seus amigos disseram à mãe que o viram pela última vez na casa de um judeu chamado Copin. A mãe de Hugh, Beatrice, foi à casa de Copin e depois descobriu o corpo do filho assassinado no poço da casa do homem. Acusado do assassinato pelos tribunais, Copin confessou o crime e afirmou que era costume dos judeus crucificar uma criança cristã todos os anos. Copin e outros dezoito judeus foram mortos pelo assassinato como consequência. Dizem que vários judeus se reuniram na casa de Copin e torturaram a criança, açoitaram e coroaram-no com espinhos e crucificaram-no na imitação da morte de Jesus Cristo.

São Simão de Trento (1472 – 21 de março de 1475), desta vez um menino de 2 anos da cidade de Trento, Itália. Seu corpo  foi encontrado no domingo de Páscoa de 1475 na adega da casa de uma família judia da cidade. Os magistrados locais prenderam dezoito homens judeus e cinco mulheres judias sob a acusação de assassinato ritual.

São Gavril Belostoksky (1684 – 11 de abril de 1690), um menino bielorrusso de seis anos da vila de Zverki, a 13 km de Zabłudów, Grodno Uezd (atual Polônia). Ele foi sequestrado em sua casa durante a Páscoa judaica. Shutko, um arrendador judeu [arrendatário] levou o menino a Białystok, cutucou-o com objetos pontiagudos e drenou seu sangue por nove dias, depois levou o cadáver de volta a Zverki e o jogou em um campo local. Quando se relaciona isso com a atual quantidade de crianças desaparecidas e / ou contaminadas e a natureza judaica dos elos do escândalo dos pedófilos são inegáveis. Deve-se salientar também que a depravação sexual dos assassinatos do ‘Estripador’ perturbou claramente a polícia e, durante a investigação do assassinato de Annie Chapman, os investigadores queriam interrogar um cabeleireiro chamado “Mary”; um conhecido criminoso sexual.

Fonte: Anti Zionist League

Tradução e organização de Leonardo Campos
Edição e adaptação de André Marques

DISPONÍVEL NA LIVRARIA SENTINELA

Leonardo Campos
Nos ajude a espalhar a palavra:
Gostou do artigo? Você pode contribuir para o site com uma doação:

One thought on “Jack, o Estripador: Investigação revela identidade e assassinatos rituais – Parte 1”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

três × dois =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.