Como eliminar uma ameaça política – assassinato por câncer induzido ou ataque cardíaco

Nos ajude a espalhar a palavra:

Em 1975, durante as audiências do Comitê da Igreja, a existência de uma arma secreta de assassinato veio à tona. A CIA havia desenvolvido um veneno que causou um ataque cardíaco imediato na vítima. Esse veneno poderia ser congelado na forma de um dardo e depois disparado em alta velocidade de uma pistola. A arma era capaz de disparar o projétil gelado com velocidade suficiente para que o dardo atravessasse as roupas do alvo e deixasse apenas uma pequena marca vermelha. Uma vez no corpo, o veneno derrete e é absorvido pelo sangue, causando um ataque cardíaco! O veneno foi desenvolvido para ser indetectável por procedimentos modernos de autópsia.

O próprio jornal New York Times, no dia 14 de novembro de 1975 abordou em sua matéria esta audiência, “Você pode dar câncer a uma pessoa?”

Se o câncer em animais puder ser causado pela injeção de vírus e bactérias, certamente seria possível fazer o mesmo com seres humanos! [1]

Em 1931, Cornelius Rhoads, um patologista do Instituto Rockefeller de Pesquisa Médica, propositadamente infecta indivíduos em testes humanos em Porto Rico com células cancerígenas; 13 deles morreram. Embora um médico porto-riquenho mais tarde descubra que Rhoads intencionalmente encobriu alguns dos detalhes de seu experimento e o próprio Rhoads dê um testemunho por escrito afirmando que acredita que todos os porto-riquenhos devem ser mortos, ele posteriormente estabelece as instalações da Guerra Biológica do Exército dos EUA em Fort Detrick, Maryland (origem do vírus HIV / AIDS, vírus da gripe aviária e vírus da gripe suína / A-H1N1) [2], Utah e Panamá, e é nomeado para a Comissão de Energia Atômica dos EUA, onde inicia uma série de experimentos de exposição à radiação em soldados americanos e pacientes de hospitais civis.

A resposta para a pergunta – você pode dar câncer a uma pessoa – é sim. Após quase 80 anos de pesquisa e desenvolvimento, existe agora uma maneira de simular um ataque cardíaco real e de causar câncer a uma pessoa saudável. Ambos foram usados como um meio de assassinato. Somente um patologista muito habilidoso, que sabia exatamente o que procurar em uma autópsia, poderia distinguir um ataque cardíaco ou câncer induzido por assassinato da coisa real.

LEIA MAIS

A morte por ataque cardíaco, aneurisma estourado, de hemorragia cerebral é uma “causa natural”? Não se as agências governamentais tiverem encontrado uma maneira de influenciar sua frequência cardíaca, pressão arterial ou dilatação vascular. Pesquisas neurológicas descobriram que o cérebro tem frequências específicas para cada movimento voluntário chamado de conjuntos preparatórios.

Ao disparar contra o peito com um feixe de micro-ondas contendo os sinais ELF emitidos pelo coração, esse órgão pode ser colocado em um estado caótico, o chamado ataque cardíaco. Dessa maneira, líderes de alto nível de partidos políticos propensos a ataques cardíacos podem ser mortos antes que causem problemas.

Jack Ruby morreu de câncer poucas semanas depois de sua condenação por assassinato ter sido anulada no tribunal de apelações e ele foi condenado a ser julgado fora de Dallas – permitindo assim que ele falasse livremente, se assim o desejasse.

Matt Simmons, especialista na indústria do petróleo, foi assassinado por ter denunciado o acobertamento do derramamento de óleo do Golfo pela administração Obama. O banqueiro de investimentos Matt Simmons, que morreu repentinamente, era um membro da indústria de energia e consultor presidencial, cujo perfil aumentou quando ele escreveu que a Arábia Saudita está ficando sem petróleo e a produção mundial está atingindo o pico. Simmons, 67 anos, morreu em sua casa de férias no Maine. Uma autópsia feita pelo médico legista do estado concluiu que ele morreu de afogamento acidental “com doenças cardíacas como fator contribuinte”.

Seu livro best-seller de 2005, “Twilight in the Desert: The Coming Saudi Oil Shock and the World Economy [Crepúsculo no deserto: o próximo choque do petróleo saudita e a economia mundial], trouxe a ele um público mais amplo. O livro argumentou que a Arábia Saudita exagerou bastante o tamanho de suas reservas de petróleo e que o mundo estava à beira de uma severa escassez de petróleo à medida que os maiores campos de petróleo se esgotavam. Esta revelação é apoiada pelo Irã. O Irã sabe que o suprimento de petróleo no Oriente Médio está secando rapidamente e, por esse motivo, agora está se concentrando na construção de reatores nucleares. Quando o petróleo acabar, o Irã será o único país no Oriente Médio que será auto-suficiente em energia. Todos os outros países do Oriente Médio, incluindo a Arábia Saudita, se tornarão estados empobrecidos do Terceiro Mundo.

O ex-presidente iugoslavo Slobodan Milosevic também foi assassinado. Ele foi encontrado morto no centro de detenção do tribunal de Haia. Milosevic foi acusado de crimes de guerra e crimes contra a humanidade por seu suposto papel central nas guerras na Bósnia, Croácia e Kosovo durante os anos 90. Ele também enfrentou acusações de genocídio durante a guerra da Bósnia de 1992-95, na qual 100.000 pessoas morreram.

Milosevic escreveu uma carta um dia antes de sua morte, alegando que estava sendo envenenado até a morte na prisão. Uma autópsia verificou sua alegação, pois mostrava que o corpo de Milosevic continha um medicamento ineficaz ao medicamento habitual para pressão alta e condição cardíaca, causando o ataque cardíaco que levou à morte.

O ex-agente do MI6, Richard Tomlinson, disse a repórteres que viu documentos em 1992 que discutiam o assassinato de Milosevic por meio de um acidente de carro, em que o motorista ficaria cego por um flash de luz e falhas de freio com controle remoto decretadas para causar o acidente. Exatamente a mesma técnica foi usada de verdade no assassinato da princesa Diana.

Se Milosevic fosse assassinado, quem seria o responsável? OTAN.

Por que OTAN?

Porque, embora o TPIJ (ou ‘Tribunal da Haia‘) se apresente ao mundo como um órgão da ONU, os funcionários da OTAN deixaram claro, em público, que ele realmente pertence à OTAN. A OTAN nomeou os promotores e os juízes que descartaram a investigação de quaisquer acusações de crimes de guerra contra a OTAN. Daqui resulta que Slobodan Milosevic, que era prisioneiro da prisão de Scheveningen do Tribunal de Haia quando morreu, era prisioneiro da OTAN. A OTAN tinha motivos e oportunidades para matá-lo.

Em março de 2002, Milosevic apresentou ao tribunal da Haia controlado pela OTAN documentos do FBI provando que o governo dos Estados Unidos e a OTAN forneceram apoio financeiro e militar à Al-Qaeda para ajudar o Exército de Libertação do Kosovo em sua guerra contra a Sérvia. Isso não foi muito bom para o Pentágono e a Casa Branca, que na época tentavam vender uma guerra contra o terror e se preparavam para justificar a invasão do Iraque.

Slobodan Milošević (1941-2006), figura ainda hoje muito amada e querida na Sérvia, era advogado, banqueiro e político montenegrino na Iugoslávia (que virou Sérvia), presidente do partido da Federação dos Comunistas da Sérvia, presidente da Sérvia (1989-1997) e Iugoslávia (1997-2000). Ele também foi o fundador e líder do Partido Socialista da Sérvia por muitos anos (1990-2006). Em 1999 foi associado com a guerra do Kosovo e acusado de genocídio. Antes da conclusão do julgamento, Milošević morreu em março de 2006 na prisão do chamado “tribunal de crimes de guerra” em Haia. Milosevic queria que políticos ocidentais importantes fossem convocados como um grupo de testemunhas inimigas para seu julgamento. Entre eles estavam Bill Clinton , Madeleine Albright , Tony Blair e Robin Cook. Posteriormente, Milošević foi exonerado por falta de provas. Foto: AFP

Durante o julgamento de Milosevic por crimes de guerra, a OTAN alegou que os sérvios haviam cometido um massacre de civis albaneses na cidade de Racak, no Kosovo. As evidências apresentadas no tribunal mostraram que a alegação da OTAN era uma farsa. Isso é especialmente embaraçoso, porque a alegação de um massacre em Racak foi a desculpa costumeira para que a OTAN começasse a bombardear os sérvios em 24 de março de 1999 (os bombardeios foram feitos pela Força Aérea dos Estados Unidos – autorizada pelo então presidente Bill e Hillary Clinton).

Então a OTAN alegou que os sérvios estavam supostamente assassinando 100.000 civis albaneses. No entanto, a própria perícia da OTAN informou que não conseguiu encontrar sequer um corpo de um civil albanês assassinado pelas forças de Milosevic. O fracasso em encontrar corpos acabou levando à absurda alegação da OTAN de que os sérvios supostamente encobriram o genocídio, movendo muitos milhares de corpos em caminhões congeladores para a Sérvia (enquanto Bill Clinton estava bombardeando o local) sem deixar um único vestígio de evidência. Mas o tribunal de Haia também mostrou que essas acusações são totalmente fraudulentas.

Milosevic fez vários discursos nos quais discutiu como um grupo de internacionalistas sombrios havia causado o caos nos Bálcãs porque era o próximo passo no caminho para uma “nova ordem mundial”.

Durante um discurso no Congresso sérvio de fevereiro de 2000, Milosevic declarou:

“A pequena Sérvia e as pessoas nela demonstraram que a resistência é possível. Aplicado em um nível mais amplo, foi organizado principalmente como uma rebelião moral e política contra a tirania, a hegemonia, o monopolismo, gerando ódio, medo e novas formas de violência e vingança contra os defensores da liberdade entre nações e pessoas, uma resistência que impediria a escalada da inquisição do tempo moderno.

Bombas de urânio, manipulações de computadores, jovens assassinos viciados em drogas e subornados por bandidos domésticos chantageados, promovidos aos aliados da nova ordem mundial, são instrumentos de inquisição que ultrapassaram, em sua crueldade e cinismo, todas as formas anteriores de violência vingativa cometidos contra a humanidade no passado.”

A morte de Milosevic e a responsabilidade da OTAN

As evidências que ligavam Milosevic a genocídios como Srebrenica, em que 7.000 muçulmanos morreram, foram comprovadamente fraudulentas. De fato, Srebrenica era uma “zona segura da ONU”, mas, assim como Ruanda, os soldados da paz da ONU se retiraram deliberadamente e permitiram que o massacre se desenrolasse, depois culpou Milosevic. A exposição de Milosevic do envolvimento da ONU no massacre de Srebrenica foi outra razão pela qual as transcrições do tribunal foram fortemente editadas e censuradas pela OTAN, e outro fator contribuinte para a OTAN assassiná-lo enquanto ele estava sob sua custódia. O Tribunal de Haia da OTAN era claramente um “tribunal canguru” cujo único objetivo foi convencer as pessoas comuns em todo o mundo que a destruição da Iugoslávia pela OTAN era justificada. Uma vez que a OTAN não demonstrou isso em seu próprio tribunal (uma total ausência de evidências tornou isso difícil), de fato, existe um poderoso motivo da OTAN para assassinar Milosevic – para impedir sua absolvição. Desta forma, a OTAN pode continuar alegando que Milosevic era culpado, e ninguém começaria a investigar a montanha de evidências que mostravam que foram os líderes da OTAN (particularmente o presidente dos EUA, Bill Clinton) que cometeram crimes de guerra, crimes contra a humanidade e genocídio na Iugoslávia.

Tantas pessoas foram mortas por câncer em um momento conveniente da história que agora é hora de fazer a pergunta “quem está matando pessoas dando como alvo de câncer ou induzindo um ataque cardíaco maciço?”

Quem encomendou os assassinatos e por quê?

Charles Senseney, desenvolvedor de armas da CIA em Fort Detrick, Maryland, testemunhou perante o Comitê de Inteligência do Senado em setembro de 1975, onde descreveu uma arma de guarda-chuva com dardos envenenados que ele havia feito. Ele disse que sempre foi usado em multidões com o guarda-chuva aberto, disparando pela trama para que não atraísse a atenção. Como estava silencioso, ninguém na multidão podia ouvi-lo e o assassino simplesmente dobrava o guarda-chuva e andava pela multidão. Imagens de vídeo do assassinato de John F. Kennedy mostram esta arma de guarda-chuva sendo usada no Dealey Plaza.

Evidências em vídeo dos eventos de 22 de novembro de 1963 mostram que o primeiro tiro disparado no dia fatídico sempre parecia ter tido um efeito paralítico em Kennedy. Seus punhos estavam cerrados e sua cabeça, ombros e braços pareciam enrijecer.

Charles Senseney testemunhou que sua Divisão de Operações Especiais em Fort Detrick havia recebido atribuições da CIA para desenvolver armas exóticas. Uma das armas era de dardo portátil que podia disparar um dardo venenoso em um cão de guarda para colocá-lo fora de ação por várias horas. O dardo e o veneno não deixavam vestígios para que o exame não revelasse que os cães haviam sido colocados fora de ação. A CIA encomendou cerca de 50 dessas armas e as usou operacionalmente.

Senseney disse que os dardos poderiam ter sido usados para matar seres humanos e ele não podia descartar a possibilidade de que isso tivesse sido feito pela CIA.

Os senadores norte-americanos Frank Church (Democratas – Idaho) e John Tower (Republicanos – Texas) examinam uma arma de dardo envenenado da Agência Central de Inteligência (CIA) que causa câncer e ataques cardíacos, durante a investigação do Comitê Selecionado do Senado dos EUA sobre as tramas de assassinato de líderes estrangeiros em 1975. O presidente da sessão, Frank Church, do Comitê de Inteligência do Senado, exibe uma arma de dardo envenenado em 17 de setembro de 1975, enquanto o co-presidente John G. Tower olha a arma durante a sonda do painel na Agência Central de Inteligência (CIA) em uma audiência em Washington. O comitê também ouviu o diretor da CIA William E. Colby, que disse que 37 venenos letais foram descobertos em um laboratório da agência. Créditos: AP Photo/hlg

Um tipo especial de veneno desenvolvido para a CIA induz um ataque cardíaco e não deixa vestígios de influência externa, a menos que seja realizada uma autópsia para verificar esse veneno específico. A CIA revelou esse veneno em vários relatos no início dos anos 1970. A CIA até revelou a arma que disparou os dardos que induz um ataque cardíaco em uma audiência no Congresso. O dardo desta arma secreta da CIA pode penetrar nas roupas e deixar apenas um pequeno ponto vermelho na pele. Ao penetrar no dardo mortal, o indivíduo alvejado por assassinato pode sentir como se tivesse sido picado por um mosquito, ou talvez não sentisse nada. O dardo venenoso se desintegra completamente ao entrar no alvo.

O veneno letal entra rapidamente na corrente sanguínea causando um ataque cardíaco. Uma vez que o dano está feito, o veneno desnatura rapidamente, de modo que é improvável que uma autópsia detecte que o ataque cardíaco resultou de algo diferente de causas naturais. Um ex agente da CIA divulgou que os dardos eram feitos de uma forma congelada do veneno líquido. [3] Ela revelou que o dardo derreteria dentro do alvo e deixaria apenas um ponto vermelho muito pequeno no ponto de entrada – o mesmo tipo de pequena ferida de entrada encontrada durante a autópsia de John F. Kennedy.

Por mais de 50 anos, assassinatos foram realizados com tanta habilidade que deixaram a impressão de que as vítimas morreram por causas naturais. Detalhes de algumas das técnicas utilizadas para isso foram trazidos à tona em 1961, quando o assassino profissional da KGB, Bogdan Stashinskiy, desertou para o Ocidente e revelou que ele havia realizado com sucesso duas dessas missões. Em 1957, ele matou o escritor emigrante ucraniano Lev Rebet em Munique com uma pistola de vapor venenoso que deixou a vítima morta de um aparente ataque cardíaco. Em 1959, o mesmo tipo de arma foi usada no líder emigrado ucraniano Stepan Bandera, embora a morte de Bandera nunca tenha sido totalmente aceita como sendo de causas naturais.

John Fitzgerald Kennedy (1917 – 1963), ou JFK, político democrata presidente dos Estados Unidos desde 1961 até o assassinato de John F. Kennedy em 1963. Kennedy apoiou o Movimento dos Direitos Civis e mudou a política de imigração, mas a maioria da legislação ocorreu durante a presidência de Lyndon B. Johnson, seu vice. Em 4 de Junho de 1963 um decreto presidencial quase desconhecido, o Decreto Executivo n° 11110, foi assinado com autoridade para essencialmente retirar do Banco Federal Reserve (ou Federal Reserve, ou apenas FED, o Banco Central dos EUA) o seu poder de emprestar dinheiro ao Governo Federal dos Estados Unidos com juros. Em um só golpe, o Presidente Kennedy anunciou que o privado Banco Federal Reserve estaria em breve fora do negócio. Foto: AP

Entre as testemunhas, pessoas importantes e conspiradores que poderiam ter sido eliminados por ataque cardíaco induzido e câncer são: Jack Rudy (morreu de derrame devido a uma forma não diagnosticada de câncer agressivo, apenas algumas semanas depois de concordar em testemunhar perante o Congresso o assassinato de JFK), Clay Shaw [4], J. Edgar Hoover [5], Earlene Roberts (a senhora da terra de Oswald), Marlyn Monroe, Slobodan Milosevic, Kenneth Lay (ex-CEO da ENRON – o maior colaborador de campanhas políticas de George W. Bush e Dick Cheney), Matt Simmons, Mark Pittman (um repórter que previu a crise financeira e expôs os delitos do Federal Reserve. Pittman lutou para abrir o Federal Reserve a mais escrutínio, Elizabeth Edwards [6] foi de repente diagnosticada com câncer enquanto o marido estava fazendo campanha contra Barack Obama e Hillary Clinton pela presidência dos Estados Unidos [7].

Durante um discurso de campanha ao Conselho de Relações Exteriores em maio de 2007, Edwards chamou a Guerra ao Terrorismo de um slogan criado por razões políticas e que não era um plano para tornar os Estados Unidos seguros. Ele foi mais longe para compará-lo a um adesivo de para-choque e que havia danificado as alianças e a posição dos EUA no mundo.


Referências de pesquisa

Press Core. How to eliminate a political threat – assassination by induced cancer or heart attack. Press, Heinous Crimes, World news. 26 abr. 2012. Disponível em https://presscore.ca/political-assassination-by-cancer-or-induced-heart-attack/

Global Research News. CIA Targeted Assassinations by Induced Heart Attack and Cancer: The 1975 Church Committee hearings. Global Research, edit. em 12 mar. 2018. Disponível em https://www.globalresearch.ca/cia-targeted-assassinations-by-induced-heart-attack-and-cancer/5326382

Notas

Acrescentada documentações relacionadas ao tema, para complementar o texto original por parte do autor.

[1] Christiane Dosne de Pasqualini, A. Pavlovsky, C. Vasquez, E. A. D. Holmberg e S. L. Rabasa. Leukemia of Short Latency in Mice Injected with Human Malignant Tissue by Intrasplenic Route (PDF). Cancer Research. DOI: Publicado em Maio de 1965. Disponível em https://cancerres.aacrjournals.org/content/25/4_Part_1/565.short

[2] Nelson Hernandez e Ann Scott Tyson. Army Nearly Done With Probe of Fort Detrick Pathogen Lab. Washington Post, Washington Post Staff Writers, 23 abr. 2009. Disponível em https://www.washingtonpost.com/wp-dyn/content/article/2009/04/22/AR2009042202005.html

[3] CIA secret weapon of assassination Heart Attack Gun, Declassified 1975 New World Order Report – Vídeo Youtube. Disponível em https://youtu.be/BSEnurBApdM.

[4] Goo Chin Info. Clay Shaw. Disponível em http://goochinfo.homestead.com/shaw.html

[5] The Forbidden Know Lege. Hardtruth: Hoover death records. Disponível em http://www.theforbiddenknowlege.com/hardtruth/koover_death_records.htm

[6] Usa Today. Election 2004, 11 abr. 2004. Disponível em https://usatoday30.usatoday.com/news/politicselections/vote2004/2004-11-04-edwards-cancer_x.htm

No hiperlink do Barack Obama na matéria original, a pagina não é encontrada pela Fox News, mas o autor acrescenta uma pagina também da Fox News onde o câncer de Elisabeth retornou de repente em 2007.

[7] Fox News. Elizabeth Edwards’ Cancer Returns, John Edwards Campaign to Continue. Washington, 22 mar. 2007. Disponível em https://www.foxnews.com/printer_friendly_story/0,3566,260301,00.html


CONFIRA NA LIVRARIA SENTINELA

Leonardo Campos
Nos ajude a espalhar a palavra:
Gostou do artigo? Você pode contribuir para o site com uma doação:

2 thoughts on “Como eliminar uma ameaça política – assassinato por câncer induzido ou ataque cardíaco”

  1. Talvez aqui possa ser citada a morte por câncer de Edsel Bryant Ford (filho e herdeiro de Henry Ford). Henry Ford foi um importante impulso no trabalho de demonstrar como o capital internacional escravizava e destrói as nações. Curiosamente, de repente, Henry Ford parece mudar de opinião radicalmente. Isso aconteceu, aproximadamente, quando seu filho foi diagnosticado com câncer. Coincidência? Este assunto merece um estudo. Outro caso mais recente: Hugo Chávez.

  2. A antiga CIA não existe mais desde o assassinato de John Kennedy (quando os EUA começou a ser controlado pela elite judaica). Hoje a CIA é “guarda-costas” da elite judaica a ponto da CIA enviar as (nossas?) informações para o Mossad igual garotos de recado, os EUA não tem mais governo, virou uma filial de Israel.

    A elite judaica sempre foi genocida e psicopata, os judeus banqueiros dos EUA chegaram a emprestar dinheiro para a USSR e a Alemanha antes da guerra, criar “false flags” nos EUA para entrar de graça em guerra com muçulmanos (9/11), eliminaram presidentes (John Kennedy, Romanov, etc), blackmail (caso Epstein), etc.

    Para ter uma idéia depois de matar 26 milhões de pessoas na Rússia, o Berezovsky ainda teve a audácia de roubar bilhões da Rússia e fugir para a Inglaterra. O Putin mandou dar o fim no Berezovsky (e hoje lemos a história invertida – que o Putin é que “manda matar” na Inglaterra).

    A Rússia, China e Irã sabem que vão ser obrigados a reduzir os EUA a pó mais fino que a farinha, a elite judaica só entende o medo e o terror mesmo, é um povo lunático realmente, por isso é tão desesperado para controlar a mídia (esconder a verdade).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezesseis − 5 =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.