A Besta Como Santo: A Verdade Sobre “Martin Luther King”

Nos ajude a espalhar a palavra:

Quando os comunistas tomaram mais de um país, uma das primeiras coisas que eles fizeram foi confiscar todas as armas de fogo, para negar ao povo a capacidade física para resistir a tirania. Mas ainda mais insidioso do que o roubo das armas do povo foi o roubo de sua história. Os “historiadores” oficiais comunistas reescreveram a história para adequar-se à atual linha partidária. Em muitos países, heróis nacionais reverenciados foram extirpados dos livros de história, ou suas ações reais foram distorcidas para se adequarem à ideologia comunista, e assassinos e criminosos comunistas foram convertidos em “santos” oficiais. Festas foram declaradas em homenagem aos animais que assassinaram inúmeras nações.

Você sabia que o mesmo processo ocorreu aqui na América?

Todo mês de janeiro, a mídia entra em uma espécie de frenesi quase espasmódico de adulação para o chamado “Reverendo Doutor Martin Luther King Jr.” King teve até um feriado nacional declarado em sua homenagem, uma honra concedida a nenhum outro americano, nem a Washington, nem a Jefferson, nem a Lincoln. (Washington e Lincoln não têm mais feriados – eles compartilham o genérico “Dia do Presidente”.) Um juiz liberal selou os arquivos do FBI de King até o ano de 2027. O que eles estão escondendo? Vamos dar uma olhada neste deus plástico moderno.

Nascido em 1929, King era filho de um pregador negro conhecido na época apenas como “Daddy King” (Papai Rei). Esse Daddy King nomeou seu filho como Michael. Em 1935, “Daddy King” teve uma inspiração para se denominar como o reformador protestante Martin Luther. Ele declarou à sua congregação que doravante eles se refeririam a ele como “Martin Luther King” e a seu filho como “Martin Luther King Jr.” Nenhuma dessas mudanças de nome foi legalizada no tribunal. O nome real do filho do rei “Papai” é até hoje Michael King.

O “Rei” Bruto

Nós lemos em Holiday for Cheater, de Michael Hoffman:

“O primeiro sermão público que King já deu, em 1947, na Igreja Batista Ebenezer, foi plagiado de uma homilia do clérigo protestante Harry Emerson Fosdick, intitulada ‘A vida é o que você faz’, segundo o testemunho do melhor amigo de King naquele tempo, reverendo Larry H. Williams. O primeiro livro que King escreveu, Stride Toward Freedom, foi plagiado de várias fontes, todas não atribuídas, de acordo com a documentação recentemente reunida por eruditos em King, Keith D. Miller, Ira G. Zepp, Jr. e David J. Garrow.

De acordo com The Martin Luther King Papers, na dissertação de King, “apenas 49% das sentenças na seção de Tillich contêm cinco ou mais palavras que eram do próprio King […]”

No Journal of American History, junho de 1991, página 87, David J. Garrow, um acadêmico de esquerda que é simpático a King, disse que sua esposa, Coretta Scott King, que também servia como sua secretária, era cúmplice de suas repetidas fraudes. Lendo o artigo de Garrow, você é levado à conclusão inescapável de que King trapaceou porque ele escolheu para si um papel político no qual um PhD seria útil, e, sem a capacidade intelectual de obter o título de forma justa, foi atrás dele por qualquer meio necessário. Por que, então, pode-se perguntar, que os professores da Crozer Theological Seminary e da Universidade de Boston lhe concederam passar notas e um PhD? Garrow afirma na página 89:

Coretta Scott e Martin Luther King Jr, em 1964. FOTO: Herman Hiller.

“Composições acadêmicas do rei, especialmente na Universidade de Boston, estavam quase sem exceção pouco mais do que descrições resumidas […] e comparações dos escritos de outros. No entanto, os papéis quase sempre recebeu carta graus desejáveis, sugerindo fortemente que os professores de King não esperavam mais […]

Os editores de The Martin Luther King Jr. Papers afirmam que “[…] o fracasso dos professores de King em perceber seu padrão de apropriação textual é algo notável […]”

Mas o pesquisador Michael Hoffman nos diz:

“[…] na verdade, a má conduta dos professores não é nada notável. King era politicamente correto, ele era negro e tinha ambições. Os esquerdistas [professores] estavam felizes em conceder um doutorado para tal candidato, não importa o quanto de fraude estava envolvido. Também não é de admirar que tenha levado quarenta anos para que a verdade sobre o histórico de quase constante pirataria intelectual de King se tornasse pública.

Supostos acadêmicos, que na realidade compartilhavam a visão de King de uma América racialmente mista e marxista, propositalmente encobriram sua trapaça por décadas. O encobrimento ainda continua. Do New York Times de 11 de outubro de 1991, página 15, ficamos sabendo que em 10 de outubro daquele ano, um comitê de pesquisadores da Universidade de Boston admitiu que “não há dúvida de que o Dr. King plagiou na dissertação”. No entanto, apesar de sua descoberta, o comitê disse que “nenhum pensamento deveria ser dado à revogação do doutorado do Dr. King”, uma ação que o próprio cenário mostra, “não teria nenhum propósito”.

Sem propósito, de fato! A justiça exige que, à luz de sua fraude intencional como estudante, os títulos de “reverendo” e “médico” sejam removidos do nome de King.

Crenças Comunistas e Conexões

Bem amigos, ele não é um reverendo legítimo, ele não é um verdadeiro PhD, e seu nome não é realmente “Martin Luther King, Jr.” O que sobrou? Apenas um degenerado sexual, um comunista que odiava os Estados Unidos e um criminoso traidor até mesmo dos interesses de seu próprio povo.

No Dia do Trabalho, 1957, uma reunião especial contou com a presença de Martin Luther King e outros quatro em uma estranha instituição chamada Highlander Folk School em Monteagle, Tenessi. A Highlander Folk School era uma frente comunista, fundada por Myles Horton (organizador do Partido Comunista do Tenessi) e Don West (organizador do Partido Comunista da Carolina do Norte). Os líderes desse encontro com King foram os citados acima, Horton e West, juntamente com Abner Berry e James Dumbrowski, todos membros abertos e reconhecidos do Partido Comunista dos EUA. A agenda da reunião mostra um plano para visitar os estados do sul para iniciar manifestações e tumultos.

De 1955 a 1960, o sócio, conselheiro e secretário pessoal de Martin Luther King era um tal Bayard Rustin. Em 1936, Rustin juntou-se à Young Communist League no New York City College. Condenado por evasão e anti-recrutamento ao serviço militar, ele foi preso por dois anos em 1944. Em 23 de janeiro de 1953, o Los Angeles Times relatou sua condenação e condenação à prisão por 60 dias por perversão obscena e homossexualidade. Rustin compareceu à 16ª Convenção do Partido Comunista, EUA, em fevereiro de 1957. Um mês depois, ele e King fundaram a “Southern Christian Leadership Conference”, ou SCLC, abreviadamente. O presidente do SCLC era o Dr. Martin Luther King, Jr. O vice-presidente do SCLC era o reverendo Fred Shuttlesworth, que também era o presidente de uma frente comunista identificada, conhecida como “Southern Conference Educational Fund“, uma organização cujo diretor de campo, o sr. Carl Braden, foi simultaneamente um patrocinador nacional do Comitê de Fair Play para Cuba, do qual você pode ter ouvido falar. O diretor do programa do SCLC era o reverendo Andrew Young, nos últimos anos o embaixador de Jimmy Carter na ONU e prefeito de Atlanta. Young, a propósito, foi treinado na Highlander Folk School, anteriormente mencionada.

Bayard Rustin [esquerda] ao lado de King. IMAGEM: Monroe Frederick.
Logo após retornar de uma viagem a Moscou em 1958, Rustin organizou a primeira das marchas famosas de King em Washington. O órgão oficial do Partido Comunista, o The Worker, declarou abertamente que a marcha era um projeto comunista. Embora tenha deixado o emprego de King como secretário em 1961, Rustin foi convocado por ele para ser o segundo no comando duma marcha muito maior em Washington, que ocorreu em 28 de agosto de 1964.

O substituto de Bayard Rustin em 1961 como secretário e conselheiro de King foi Jack O’Dell, também conhecido como “Hunter Pitts” O’Dell. Segundo registros oficiais, em 1962, Jack O’Dell era membro do Comitê Nacional do Partido Comunista dos EUA. Ele havia sido listado como membro do Partido Comunista já em 1956. O’Dell também recebeu o cargo de diretor executivo interino das atividades do SCLC para todo o sudeste, de acordo com o St. Louis Globe-Democrat de 26 de outubro de 1962. Naquela época, ainda havia alguns patriotas na imprensa, e a palavra de filiação partidária de O’Dell não passou despercebida.

Jack O’Dell já idoso na atualidade. IMAGEM: Captura de tela do documentário “The Issue of Mr. O’Dell”.

O que King fez? Pouco depois das notícias negativas, King demitiu O’Dell com muita fanfarra. E ele então, sem a fanfarra, imediatamente o contratou como diretor do escritório de novaiorquino do SCLC, como confirmado pelo Richmond News-Leader de 27 de setembro de 1963.

Em 1963, um negro de Monroe, na Carolina do Norte, chamado Robert Williams, fez uma viagem a Pequim, na China. Exatamente 20 dias antes da marcha de King em 1964 em Washington, Williams conseguiu convencer Mao Tse-Tung a falar em nome do movimento de King. Williams também mantinha sua residência principal em Cuba, da qual fazia transmissões regulares para o sul dos Estados Unidos, três vezes por semana, de transmissores de alta potência da AM em Havana, sob o título “Radio Free Dixie“. Nestas transmissões, ele pedia ataques violentos de negros contra americanos brancos.

Durante este período, Williams escreveu um livro intitulado Negroes With Guns (Negros Com Armas). O escritor do prefácio deste livro? Nenhum outro senão “Martin Luther King Jr.” Também é interessante notar que os editores e editores deste livro eram para um homem todos os apoiadores do infame Comitê de Fair Play para Cuba.

O ativista dos direitos civis Robert F Williams e sua esposa, Mabel Ola Robinson, treinam com armas que lhes são oferecidas por Fidel Castro. 1962 I FOTO: Reddit.

Segundo o biógrafo e simpatizante de King, David J. Garrow, “King descreveu-se em particular como marxista”. Em seu livro de 1981, The FBI e Martin Luther King, Jr., Garrow cita King dizendo em reuniões de equipe do SCLC, “[…] nós nos mudamos para uma nova era, que deve ser uma era de revolução […] O todo da estrutura da vida americana deve ser mudada […] Estamos engajados na luta de classes”.

O comunista judeu Stanley Levison pode ser melhor descrito como o “manipulador” dos bastidores de King. Levison, que durante anos esteve encarregado do envio secreto de fundos soviéticos para o Partido Comunista dos EUA, era o mentor de King e na verdade era o cérebro por trás de muitos dos estratagemas mais bem-sucedidos de King. Foi Levison quem editou o livro de King, Stride Toward Freedom. Foi Levison quem também providenciou uma editora. Levison chegou a preparar as declarações de imposto de renda de King! Foi Levison quem realmente controlou as atividades de levantamento de fundos e agitação do SCLC. Levison escreveu muitos discursos de King, que descreveu Levison como um dos seus “amigos mais íntimos”.

FBI: King comprou sexo Com dinheiro do SCLC

Martin L. King [esquerda] e Stanley Levison [direita]. FOTO: Acervo da obra do autor Ben Kamin.
O Federal Bureau of Investigation tinha, por muitos anos, conhecimento das atividades comunistas de Stanley Levison. Foi a associação íntima de Levison com King que provocou o interesse inicial do FBI no líder de movimento.

Para que você não se sinta tentado a acreditar na mentira da mídia controlada sobre “racistas” no FBI estarem em busca de “King”, você deve estar ciente de que o homem mais responsável pela investigação do King no FBI foi William C. Sullivan. Esse descreve-se como um liberal e, diz inicialmente “eu era cem por cento a favor de King […] porque eu o via como um líder eficaz e muito necessário para o povo negro em seu desejo por direitos civis”. A sondagem sobre King não apenas confirmou suas suspeitas sobre suas crenças e associações comunistas, mas também revelou que King era um hipócrita desprezível, um degenerado imoral e um charlatão sem valor.

De acordo com o diretor assistente Sullivan, que tinha acesso direto aos arquivos de vigilância sobre King, aos quais é negado ao povo estadunidense, King desviou ou aplicou incorretamente montantes substanciais de dinheiro contribuídos para o movimento dos “direitos civis”. Ele usou fundos do SCLC para pagar por bebidas alcoólicas e várias prostitutas, tanto negras quanto brancas, que foram levadas aos seus quartos de hotel, muitas vezes de duas em duas, para festas de sexo bêbado que às vezes duravam vários dias. Esses tipos de atividades eram a norma para os passeios de oratória e organização de King.

De fato, um grupo chamado “Museu Nacional dos Direitos Civis” em Memphis, Tenessi, que está exibindo os dois quartos do Motel Lorraine, onde King ficou na noite anterior a ele ser baleado, recusou-se a descrever de qualquer forma os ocupantes desses quartos. Isso – de acordo com o designer de exposições Gerard Eisterhold – estaria “próximo da blasfêmia”. O motivo? “Dr. Martin Luther King Jr.” passou sua última noite na Terra tendo relações sexuais com duas mulheres no motel e fisicamente batendo e abusando de uma terceira.

Sullivan também afirmou que King havia alienado as afeições de numerosas mulheres casadas. De acordo com Sullivan, que em 30 anos com o Bureau tinha visto tudo o que havia para ser visto do lado obscuro da vida, King era uma das apenas sete pessoas que ele já havia encontrado que eram totalmente degeneradas.

Observando a violência que quase invariavelmente assistiu às marchas supostamente “não violentas” de King, a investigação de Sullivan revelou um King muito diferente da imagem pública cuidadosamente elaborada. King recebeu membros de muitos grupos negros diferentes como membros de seu CPPC, muitos deles defensores e praticantes da violência. A única admoestação de King sobre o assunto era que eles deveriam abraçar a “não-violência tática”.

Sullivan também relata um incidente no qual King se encontrou em uma conferência financeira com representantes do Partido Comunista, sem saber que um dos participantes era um infiltrado trabalhando para o FBI.

J. Edgar Hoover pessoalmente providenciou para que informações documentadas sobre as conexões comunistas de King fossem fornecidas ao Presidente e ao Congresso. E informações conclusivas dos arquivos do FBI também foram fornecidas aos principais jornais e serviços de notícias. Mas o povo estadunidense foi informado da verdadeira natureza de King? Não, pois mesmo na década de 1960, a solução estava na mídia controlada e os políticos comprados estavam comprometidos e determinados a impulsionar seu programa de mistura racial nos EUA. King era o homem deles e nada ia atrapalhar. Com algumas poucas exceções, esses fatos foram mantidos longe do povo estadunidense. A máquina de propaganda pró-King prossegue, e até é relatado que uma séria proposta foi feita para acrescentar alguns dos escritos de King como um novo livro na Bíblia.

Senhoras e Senhores Deputados, o propósito deste programa de rádio é muito maior do que provar-lhe a imoralidade e subversão deste homem chamado King.

Eu quero que você comece a pensar por si mesmos.

Eu quero que você considere isto: Quais são as forças e motivação por trás da promoção ativa da mídia controlada na promoção de King?

O que isso diz sobre nossos políticos quando você os vê, quase sem exceção, caindo sobre si mesmos para homenagear King como um herói nacional?

O que isso lhe diz sobre nossa sociedade quando qualquer crítica pública a esse leproso moral e funcionário comunista é considerada motivo para demissão?

O que isso lhe diz sobre a mídia controlada quando você vê como eles conseguiram suprimir a verdade e mostrar uma imagem de King que só pode ser descrita como uma mentira colossal?

Vocês precisam pensar, meus compatriotas americanos. Você precisa desesperadamente acordar.

Fonte: www.revilo-oliver.com

Texto de um discurso dado pelo Sr. Kevin Alfred Strom no programa de rádio nacional, American Dissident Voices.

VEJA TAMBÉM

Craig Bodeker: Uma Conversa Sobre Racismo

Siga em:

Kevin Alfred Strom

Kevin Alfred Strom (1956), estadunidense natural de Anchorage, Alasca, é o atual diretor de mídia da National Alliance e fundador do programa de rádio estadunidense "Dissident Voices".

De família de de ascendência norueguesa, seu pai era daForça Aérea dos EUA servindo no estado do Alasca. Em 1963, a família mudou-se para Washington, DC., onde começou a formação de sua mentalidade política, numa época de alta dos Movimento pelos direitos civis, onde passou a questionar o papel de tais movimentos junto a formças externas e internas como o judaismo internacional e o lobby comunista.

Estudou na George Mason University, em Fairfax, na Virgínia, e acabou se qualificando como engenheiro de rádio , na qual trabalha até hoje.

Saído daSociedade patriótica John Birch Society, por ignorar a questão etnico-racial, juntou-se a William Luther Pierce, em 1982, tornando-se uma posição de liderança junto a National Alliance, de Pierce, fundada em 1974.

em 1991, lança o programa de transmissão semanal American Dissident Voice e 1995, fundou a revista Free Speech para a publicação de textos da National Alliance, tornando-se seu diretor de mídia, com Pierce ainda em vida.

Entre 2005, teve seuNational Vanguard, refundando diversos de seus projetos com o uso da internet.

Strom é pai de três filhos e vive junto de Vanessa Neubauer, membro da National Alliance.

Strom é também editor e administrador do legado científico e literário do professor de Filologia, escritor e lutador da Cultura Branca Revilo P. Oliver (1908-1994).
Kevin Alfred Strom
Siga em:

Últimos posts por Kevin Alfred Strom (exibir todos)

Nos ajude a espalhar a palavra:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.