Kerry Bolton: A aliança entre a China e o Sionismo

Nos ajude a espalhar a palavra:

A relação do ESTADO SIONISTA com a China é algo que chamou a atenção do público com um novo documentário chinês sobre Israel, embora a relação entre a China comunista e Israel seja de longa e duração estratégica.

“Walk through Israel – the Land of Milk and Honey” [Caminhe por Israel – a Terra do Leite e do Mel] foi produzida pelos canais de TV nacionais da China em cooperação com as autoridades do Estado de Israel. O título deve ser uma revelação quanto à natureza da série: um dos mitos sustentadores de Israel é que os superiores colonos judeus fizeram a Palestina florescer onde antes era apenas areia ocupada por um bando de farrapos; não importa que a Palestina fosse, antes de ser abençoada pela presença do Irgun, Haganá, Palmach e Stern, uma terra de fartura.

Os relatórios do Diário do Povo do evento de lançamento da série:

Um evento para marcar o lançamento da série de documentários de TV “Walk into Israel – The Land of Milk and Honey”, a primeira série de TV abrangente sobre a civilização judaica e o Estado de Israel produzida pela CCTV, foi realizado no Centro Nacional para Artes Cênicas em Pequim em 29 de julho.

“A série de documentários de TV ‘Walk into Israel – The Land of Milk and Honey’ é a série de TV mais importante já produzida na China sobre Israel e o povo judeu, e oferece ao telespectador uma introdução histórica, abrangente e sistemática à civilização judaica e Israel”, disse Guy Kivetz, Diretor de Comunicações e Diplomacia Pública da Embaixada de Israel em Pequim.

VISITE A LIVRARIA SENTINELA

“Por meio deste programa incrível, que explora e revela as maravilhas do Estado de Israel e as contribuições da Civilização Judaica para o mundo, agora podemos apresentar o Israel real e generoso ao público chinês. Temos certeza de que este programa aumentará a compreensão de Israel na China e, portanto, promoverá ainda mais as relações amigáveis ​​entre os dois povos”, disse ele.

Amos Nadai, Embaixador de Israel na China, fez um discurso durante o evento de lançamento.

Ele disse que “Israel e China são duas grandes civilizações conhecidas por suas contribuições para a humanidade e dois estados modernos que compartilham uma rica história e muitos desafios modernos. Depois de assistir à série de TV, as pessoas podem ter uma melhor compreensão da história e do desenvolvimento da civilização judaica de 4.000 anos, bem como do rápido desenvolvimento do moderno Estado de Israel. Esta série tem o potencial de aumentar o entendimento mútuo e a amizade tradicional entre as nações chinesas e judaicas, promovendo cooperação entre os dois povos e construir conjuntamente um futuro melhor para todos”.

Cerca de 450 pessoas, incluindo o vice-presidente da CCTV, Gao Feng, e diplomatas estrangeiros estiveram presentes no evento. A série de TV HD de 12 episódios agora está sendo transmitida pelo CCTV-2 e será transmitida por outros canais importantes da CCTV no futuro. [1]

Arutz Sheva, reportando sobre o documentário, afirmou:

LEIA MAIS

Os laços entre Israel e a China eram virtualmente inexistentes antes da década de 1980 devido ao apoio da China ao mundo muçulmano e à Organização para a Libertação da Palestina (OLP). As duas nações desenvolveram laços militares na década de 1980 e estabeleceram relações diplomáticas formalmente no início da década de 1990.

O comércio entre os países já ultrapassou US $ 4 bilhões por ano. [2]

Longa história das relações sino-judaicas

A afirmação de Arutz Sheva de que as relações sino-sionistas são algo novo não é precisa. Há uma longa história entre a China maoísta e Israel, com os dois estados emergindo quase ao mesmo tempo e com o mesmo zelo marxista revolucionário. [3] O embaixador de Israel na China, Amos Nadai, foi mais preciso quando se referiu, conforme citado acima pelo Diário do Povo, à “amizade tradicional entre as nações chinesas e judaicas”.

A tradição rabínica afirma uma antiga associação entre “judeus” e a China. Rabino Jacob S. Raisin, escrevendo sobre os judeus chineses, afirmou que “Alguns comentaristas medievais afirmam que quando Isaías [4] previu a restauração da ‘terra de Sinim’ pelos judeus”, ele tinha em mente os hebreus que cruzaram o Jordão e que viajaram pelo Cáucaso, Turquestão e Tibete até o Rio Amarelo. [5]

Durante a década de 1640, houve uma revolta contra a Dinastia Ming, uma dinastia que protegia os judeus. A cidade de Kai-Fung-Foo caiu e sua sinagoga foi destruída (indicando que a revolta era contra a influência judaica). Um “judeu mandarim” chamado Zhao Yingcheng liderou um exército que retomou a cidade e reconstruiu a sinagoga em 1663. Esta história aparece em gravuras na sinagoga e atesta a grande influência política, comercial e militar da comunidade judaica teve na China [6] (a menos que as gravuras sejam uma “falsificação antissemita”).

 

As guerras do ópio anglo-chinesas de 1839 e 1858-60 foram tentativas de expulsar a dinastia Sassoon que controlava o comércio de ópio sob a proteção do Império Britânico. O imperador Manchu tentou impedir o comércio, mas as Guerras do Ópio apenas terminaram em derrota e na extensão do comércio por toda a China.

T.V. Soong [7] chefe do Banco da China de Sassoon, ocupou vários cargos importantes no governo do Kuomintang, incluindo os de Governador do Banco Central da China e Ministro das Finanças (1928–31, 1932–33); Ministro dos Negócios Estrangeiros (1942-1945); Presidente do Executivo Yüan (1945–47) e primeiro-ministro em 1949. Depois de não conseguir reconciliar as facções comunistas e nacionalistas, mudou-se para os EUA.

A irmã de Soong, Soong Ch’ing-ling, tornou-se proeminente na política revolucionária e, em 1914, ela se casou com Sun Yat-sen, o líder revolucionário. Após a morte de Sun (1925), ela foi eleita (1926) para o comitê executivo central do Kuomintang, renunciando em 1927 em protesto contra a expulsão dos comunistas. A eclosão (1937) da Guerra Sino-Japonesa reconciliou-a com o Kuomintang até 1946. A partir de 1949 ela serviu como Vice-Presidente do Governo da China Comunista.

Outra irmã, Soong Mei-ling, casou-se com o sucessor do Dr. Sun, Chiang Kai-shek em 1927. Em 1945, ela se tornou membro do comitê executivo central do Kuomintang. [8]

Quando o Dr. Sun morreu em 1925, os interesses de Sassoon enviaram a T.V. Soong para oferecer a Chiang Kai-shek $ 3.000.000 em dinheiro, a própria irmã de Soong como esposa (embora Chiang já tivesse esposa e família) e a oferta de apoio à presidência da China em sucessão ao falecido cunhado de T.V. Soong. [9]

 

Sob Chiang Kai-shek, refugiados judeus da Alemanha ocuparam cargos de destaque. O Dr. Bernhard Weiss, ex-vice-presidente da polícia de Berlim, presidiu a reorganização da polícia chinesa. A Castilian Jewish Encyclopaedia declara: “Muitos oficiais alemães de origem judaica alistaram-se no exército de Chiang Kai-shek.” Miriam Karnes fundou o batalhão de mulheres chinesas. O general Moshe Cohen organizou o fornecimento para o exército [10].

Relações Sino-Sionistas

Em 2002, Israel e China comemoraram dez anos de relações diplomáticas. Isso é enganoso. A relação remonta aos primeiros dias da fundação de Israel e da China Vermelha. O Diário do Povo relatou:

Israel e China emitiram em conjunto uma lembrança postal na quinta-feira para marcar o 10º aniversário do estabelecimento de relações diplomáticas entre os dois países.

O Ministro da Comunicação de Israel, Reuven Rivlin, disse na cerimônia de emissão em Tel Aviv que estava satisfeito com o fato de Israel e a China terem escolhido um meio postal e filatélico para marcar este importante evento. O ministro disse: “Acredito que os valores comuns que nossas duas antigas nações compartilham, juntamente com a cooperação que estabelecemos em tantos campos, irão garantir que nosso relacionamento continuará a florescer nas próximas décadas.”….

Rivlin acabou de voltar esta semana da China após assinar um acordo para a venda de dois satélites de comunicação para transmissão e telecomunicações para os Jogos Olímpicos de 2008 em Pequim….

O embaixador chinês em Israel, Pan Zhanlin, disse estar muito satisfeito em testemunhar o desenvolvimento significativo das profundas relações entre os dois países. Acrescentou que é uma demonstração da amizade que os dois povos construíram durante os contatos de longa data e as conquistas de cooperação alcançadas nos últimos 10 anos.

Peres disse em sua mensagem, “Israel está cheio de apreço e gratidão pelas relações calorosas e amizade que a China tem expressado ao povo judeu ao longo dos anos”. [11]

O professor Guang Pan descreveu o papel da China no Oriente Médio, dos quais os seguintes são alguns dos fatos salientes em relação a Israel:

Durante o período de 1949-1955, com exceção de Israel, nenhum dos estados independentes do Oriente Médio reconheceu a China Vermelha. Em 1950, a Liga Árabe votou para reconhecer Taiwan, em vez da China Vermelha, como o representante legítimo do povo chinês. Os estados árabes em geral também votaram contra a admissão da China Vermelha na ONU, enquanto Israel apoiava a China. A China se referiu aos líderes do Oriente Médio como “os governantes antirrevolucionários” e “ditadores feudais”. “Mesmo depois da Revolução de julho de 1952 no Egito, Pequim continuou a se referir aos “ditadores militares antirrevolucionários” daquele país … A única exceção a este padrão de condenação foi Israel com seus líderes socialistas. A imprensa chinesa deu as boas-vindas ao estabelecimento do Estado de Israel em 1948 e acusou os britânicos de “agitar” os “governantes antirrevolucionários” árabes para lançar uma guerra antijudaica. Durante as décadas de 1950 e 1960, a China procurou influenciar os estados árabes à medida que eles se distanciavam cada vez mais do Ocidente, devido à postura pró-Israel dos EUA e de outros estados. A partir de meados da década de 1980, a China se apresentou como pró-árabe e antisrael. No entanto, com o rompimento sino-soviético de 1960-61, a atitude da China em relação aos aliados soviéticos, Egito e Síria, esfriou. Uma atitude antirrussa foi a base das relações chinesas durante a década de 1966-76. O professor Guang Pan afirma:

Enquanto uma diplomacia ativa do Oriente Médio se desenvolvia com base em objetivos antisoviéticos, Pequim estabeleceu laços diplomáticos com três países pró-Ocidente entre agosto e novembro de 1971: Turquia, Irã e Líbano. Não restaurou, entretanto, o contato com Israel, por medo de prejudicar as relações com o mundo árabe. No entanto, China e Israel tinham na União Soviética um oponente comum e, ao mesmo tempo, ambos lutavam contra soldados soviéticos – infantaria chinesa na fronteira comum com a Rússia, pilotos israelenses nos céus do Egito e da Síria. Em 1971, Zhou chegou a dizer ao senador Henry Jackson (democrata de Washington) que a China apoiava Israel em seus esforços contra a expansão soviética no Oriente Médio. Depois de 1971, Pequim apoiou Anwar as-Sadat do Egito, Ja’far an-Numayri do Sudão e outros líderes árabes enquanto expulsavam as forças soviéticas de seus países”. [Ênfase adicionada].

De 1977 em diante, a China buscou estabelecer contato com todos os estados do Oriente Médio, culminando no estabelecimento de relações formais com Israel em 1992. [12]

Deve-se ter em mente que, mesmo enquanto a China fomentava relações com os estados árabes, essa estratégia antirrussa estava servindo aos interesses sionistas de oposição à URSS, que se tornara cada vez mais antagônica ao sionismo desde Stalin. Em particular, fontes israelenses estavam secretamente armando a China por meio de Shaul Eisenberg, um agente do Mossad, [13] e “o homem mais rico de Israel”. De acordo com o desertor do Mossad, Victory Ostrovsky, Eisenberg era “o vínculo do Mossad com a China”.

 

Uri Dan, escrevendo no New York Post de 30 de março de 1997, relatou que em 1979 o então primeiro-ministro israelense Menachem Begin obteve a aprovação dos EUA para autorizar Shaul Eisenberg a empreender um acordo de 10 anos de US $ 10 bilhões para modernizar as forças armadas chinesas. “Fortalecendo o contrapeso ao poderio militar soviético”. Dan descreve este acordo como “um dos mais importantes da história israelense” e que “os chineses insistiam em sigilo absoluto”. [14]

O papel de Israel como principal fornecedor de armas para a China, incluindo equipamentos militares sofisticados originários dos EUA, tornou-se um escândalo público em várias ocasiões na última década.

Em 1999, o New York Times relatou: “Israel tem há muito tempo um relacionamento militar estreito e secreto com a China que, dizem os especialistas em armas, resultou em bilhões de dólares em vendas de armas nos últimos anos e levantou uma série de preocupações nos Estados Unidos”. [ 15] Observe que o The Times afirmou que a relação sino-israelense é próxima, secreta e de longa duração.

Elta, uma subsidiária da Indústria Aeronáutica Israelense, projetou o Phalcon, um sofisticado sistema de radar para a Força Aérea Chinesa. [16]

 

Em 1999, Howard Phillips relatou:

Israel é o segundo maior fornecedor da China. Um relatório recente de Kenneth W. Allen e Eric A. McVadon do Henry L. Stimson Center, uma organização de pesquisa em Washington, disse que Israel forneceu à China uma gama de armas – incluindo componentes eletrônicos para tanques, comunicações e equipamentos ópticos, aeronaves e mísseis – durante um relacionamento que começou há pelo menos duas décadas. Relações diplomáticas plenas não foram estabelecidas até 1997.

“Tanto a China quanto Israel parecem obter benefícios militares e políticos com a relação de transferência de armas e tecnologia”, disse o relatório. “Além de buscar dinheiro na China, algumas autoridades israelenses afirmam que a venda de tecnologia militar para a China garantirá o acordo de Pequim de não vender armas específicas aos inimigos de Israel no Oriente Médio.” [17] [Grifo nosso].

Observe acima que o relatório afirma que, embora relações diplomáticas plenas não tenham sido estabelecidas até 1997, uma relação secreta envolvendo armas e transferência de tecnologia vinha acontecendo desde os anos 1970.

Os protestos dos EUA contra a transferência de sistemas militares avançados de Israel para a China soam vazios. Esses protestos tipicamente coxos do principal Estado adulador de Israel do mundo são do tipo típico para consumo público, uma vez que os próprios EUA estavam envolvidos na mesma relação com a China (além de ter aprovado há muito tempo os acordos secretos de armas com Eisneberg) um relatório na época declarando da administração Clinton:

Ao contrário de seus predecessores, democratas ou republicanos, o Sr. Clinton transferiu autoridade legal primária para aprovar licenças de exportação para tecnologia avançada dos EUA do Departamento de Estado preocupado com a segurança para o Departamento de Comércio politicamente consciente com o objetivo de facilitar essas exportações.

O Sr. Clinton também é o primeiro e único presidente a aprovar uma isenção de exportação que autoriza duas empresas – Loral Space and Communications e Hughes Electronics – a transferir segredos tecnológicos em face de uma investigação criminal envolvendo suas supostas violações de exportação anteriores. O Sr. Clinton aprovou pessoalmente a exportação de seus dados relativos à tecnologia de lançamento de mísseis e satélites para a China, apesar das objeções de seu secretário de Estado, o Pentágono e outros. [18]

Depois que um acordo entre China e Israel sobre tecnologia avançada de armas se tornou público e resultou em cancelamento, diplomatas israelenses e chineses se reuniram para superar as dificuldades. Um jornal judeu relatou:

JERUSALÉM – O Ministro da Defesa Binyamin Ben-Eliezer se reuniu com o Embaixador Chinês Pan Zhanlin em Tel Aviv na segunda-feira para discutir o cancelamento da venda do sistema avançado de radar Phalcon por Israel.

Ben-Eliezer avaliou as relações entre os dois países e encobriu o caso. “Temos que ver isso como um incidente dentro da família e não como uma crise entre dois estados”, disse ele a Zhanlin. Ben-Eliezer prometeu trabalhar para fortalecer os laços de defesa com Pequim.

Zhanlin disse a Ben-Eliezer que acredita que a China sabe como superar as dificuldades e estreitar os laços, segundo nota do Ministério da Defesa. A China está totalmente preparada para cooperar com Israel. ”[19] [Grifo nosso].

O negócio só fracassou devido à preocupação pública expressa nos EUA. Observe as relações fraternas expressas entre os dois; “Um incidente dentro da família”.

Em 2009, um novo consulado israelense foi estabelecido em Guangzhou, capital da próspera província de Guangdong, onde muito comércio entre Israel e a China é realizado. [20]

Contra esse pano de fundo das relações sino-israelenses, que um importante documentário chinês sobre as maravilhas e glórias de Israel terá uma exibição tão extensa entre o povo chinês e durante tanto tempo, lançado com muito barulho por líderes israelenses e chineses luminares, parece pertinente perguntar se há grandes desenvolvimentos em andamento no que diz respeito à extensão da colaboração sino-sionista.


Fonte: Kerry Bolton (Website)
Edição para o inglês de Rosemary W. Pennington em 5 de outubro de 2017
Tradução: Nick Clark
Edição de imagens e adaptação deste site


VISITE A LIVRARIA SENTINELA


Notas (do autor)

[1] Liang Jun, “China-made documentary series spotlights Israel,” People’s Daily Online, 30 de julho de 2010. (http://english.peopledaily.com.cn/90001/90782/90873/7087171.html)

[2] Maayana Miskin, “Chinese TV Features Israel, Jewish History,” Arutz Sheva: IsraelNationlaNews.com, 30 de julho de 2010. (http://www.israelnationalnews.com/News/News.aspx/138868)

[3] KR Bolton, “The Red Face of Israel,” Foreign Policy Journal, 2 de agosto de 2010. http://www.foreignpolicyjournal.com/2010/08/02/the-red-face-of-israel/all / 1

[4] Isaías 6:12.

[5] Rabino Jacob S Raisin, Gentile Reactions to Jewish Ideals, (Nova York: Philosophical Library, 1953).

[6] “China,” Jewish Encyclopaedia, (New York, 1903) Vol. IV. Consulte: http://www.jewishencyclopedia.com/view.jsp?artid=461&letter=C

[7] O judaísmo de Soong é assumido pelo fato de que Sassoon “empregava apenas judeus”, de acordo com a Enciclopédia Judaica, 1944.

[8] The Columbia Encyclopaedia, Sixth Edition, 2002 Columbia University Press.

[9] E C Knuth, The Empire of “The City”, (Milwaukee: Knuth, 1946), reimpresso em 1982, sem mais detalhes de publicação, 45, 46, 82.

[10] Castilian Jewish Encyclopaedia, Mexico, 1948, “China”.

[11] “Israel, China Celebrate 10 Years of Diplomatic Ties,” People’s Daily, 25 de janeiro de 2002.

[12] Guang Pan, “China’s Success in the Middle East,” Middle East Quarterly, Vol. IV, No. 4, dezembro de 1997. Guang Pan é professor de ciência política e história no Instituto de Estudos Europeus e Asiáticos em Xangai e diretor da Sociedade Chinesa de Estudos do Oriente Médio, com interesse especial em judeus, no Oriente Médio, e estudos internacionais.

[13] Victor Ostrovsky, By Way of Deception: The Making & Unmaking of a Mossad Officer, (New York: St Martin’s Press, 1990), `26.

[14] Michael Collins Piper, “Chinese Espionage and Israel,” uma carta aberta ao congressista Christopher Cox, 6 de maio de 1999. http://www.mail-archive.com/[email protected]/msg12562.html

[15] “Clinton Administration Presses Israel to Stop Aiding Red China,” New York Times, 11 de novembro de 1999, 1.

[16] “Taiwan em risco de transferência de tecnologia originada nos EUA”, Howard Phillips Issues & Strategy Bulletin, 31 de julho de 1999. Para vários exemplos, consulte: http://www.conservativeusa.org/redchina-military-old.htm

[17] “A cooperação militar israelense-chinesa é ruim para a América”, Howard Phillips, ibid.

[18] Mark Levin, Washington Times, 27 de maio de 1999, A1.

[19] “China, Israel se encontram em sistema de radar frustrado”, Jewishweekly.com, 4 de janeiro de 2002. http://www.jweekly.com/article/full/17020/china-israel-meet-on-foiled-radar -sistema-venda /

[20] Malkah Fleisher, “New Israeli Consulate in China to Boost Partnership, Prosperity”, Arutz Sheva 6 de julho de 2009. http://www.israelnationalnews.com/News/News.aspx/132226

Kerry Bolton
Nos ajude a espalhar a palavra:
Gostou do artigo? Você pode contribuir para o site com uma doação:

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.