Justiça russa autoriza extradição de Eduardo Fauzi para o Brasil

Após um período de quase dois anos, a Justiça da Rússia autorizou a extradição do empresário carioca Eduardo Fauzi, que, no Brasil, é apontado com suspeito de integrar um suposto grupo de pessoas que teria jogado coquetel molotov na sede da produtora Porta dos Fundos, no Rio de Janeiro, há pouco mais de dois anos.

Na ocasião, a produtora havia lançado um “especial de Natal” na Netflix onde retratava uma a imagem caricata de Jesus Cristo como homossexual e envolvido com praticas e linguagem nada respeitosas, ofendendo muitos cristãos no Brasil e gerando bastante polêmica na mídia, redes sociais e diversos meios de comunicação. Após as represálias, os integrantes responsáveis pela produtora, utilizaram do fato do ataque para afirmar que seu “especial” condizia com o direito a “liberdade de expressão” e que não iriam “tolerar a censura”. Nesse momento, os debates entre os discordantes e concordantes girava entorno da pergunta sobre se “liberdade de expressão e censura, mesmo que isso signifique graves desrespeitos e ofensas ao credo da imensa maioria dos brasileiros (cristianismo)?”.

Fauzi tentou recorrer a justiça russa para que não fosse extraditado para o Brasil, solicitando asilo político com base na compreensível afirmação de perseguição política e risco de vida. Tal empreita foi aparentemente negada pela Rússia.

Segundo a mídia brasileira, a defesa de Fauzi disse que aguarda o julgamento de um habeas corpus ainda em janeiro, e que tenta retirar a acusação de terrorismo, para que Fauzi só responda pelos crimes de danos ao patrimônio e incêndio.

Fauzi será obrigado a deixar na Rússia uma esposa e um filho.

Imagem: Arquivo pessoal

Até agora, não recebemos mais informações sobre o caso. Porém, nossa redação estará acompanhando mais notícias

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.