fbpx
Julius Evola sobre o pensamento de Juan Donoso Cortés

Junto com o Conde Joseph de Maistre e o visconde Louis de Bonald, Juan Donoso Cortés, o marquês de Valdegamas, faz parte da tríade de grandes pensadores contrarrevolucionários do século XIX, cuja mensagem ainda é atual. Na Itália, os aspectos dos ensinamentos de Donoso Cortés que são mais importantes aos nossos olhos são pouco conhecidos.

A tradução italiana de seus Ensaios sobre o Catolicismo, Liberalismo e Socialismo foi recentemente republicada. Embora esse texto fosse considerado sua obra principal, esse não é o lugar para acrescentar seus pontos de referência mais valiosos; o livro está bastante cheio de considerações muitas vezes tediosas e típicas da “teologia leiga”, que se baseiam fortemente nos dogmas, ideias e mitos do catolicismo, o que não altera o fato de que várias de suas posições poderiam ser encaradas numa estrutura mais ampla que é “tradicional” no sentido mais elevado. O que se deve guardar desse livro é principalmente a ideia de uma “teologia das correntes políticas”: Donoso afirma que há inevitavelmente uma dimensão religiosa oculta (ou antirreligiosa, “diabólica”) em várias ideologias além dos aspectos externos, puramente sociais, que gozam de uma espécie de primazia aos olhos da maioria dos especialistas de hoje.

 

Mas as lições do Ensaio são muito menos importantes do que as de outros escritos de Donoso, especialmente os seus dois famosos discursos para o Parlamento espanhol, que contêm análises históricas e prognósticas de lucidez quase profética. Os movimentos revolucionários de 1848 e 1849 alarmaram Donoso. Ele previu um processo fatal de nivelamento e massificação social apoiado pelo progresso tecnológico e o desenvolvimento das comunicações. Donoso chegou a fazer a extraordinária previsão (no tempo em que foi formulada) de que a Rússia (então monarquia) e não a Inglaterra (que foi acusada de exportar a subversão inerente ao liberalismo) seria o centro da subversão ao vincular o socialismo revolucionário à política russa (uma previsão que se realizou apenas em nosso tempo com o advento do comunismo soviético). Nesse ponto, Donoso concordava com o grande historiador Alexis de Tocqueville, que em seu ensaio A Democracia na América tinha visto a Rússia e a América como os principais centros dos processos de subversão.

Donoso pressentia a aceleração dos acontecimentos, a aproximação do momento das “negações radicais” e das “afirmações soberanas” (llega el dia de las negaciones radicales y de las afirmaciones soberanas); o momento que tudo que fosse considerado progresso no campo tecnológico e social só pode favorecer. Ele também adivinhou que a massificação e a destruição de velhas articulações orgânicas levariam a formas de centralização totalitárias.

Para Donoso, a situação parecia tão ruim que as soluções eram dificilmente possíveis. Donoso notou o declínio da era do legitimismo monárquico, porque “não há mais reis; nenhum deles tem coragem de ser rei, a não ser pela vontade do povo.” Além disso, segundo Maistre, ele sustentava que a essência da soberania, da autoridade do Estado, é o poder de decisão absoluta, sem qualquer autoridade superior, de maneira análoga à infiabilidade papal. É por isso que ele rejeitava o parlamentarismo burguês e o liberalismo, a “classe que discute” – que não pode se levantar para igualar a situação no momento decisivo.

Nesse contexto, porém, Donoso também reconhecia o perigo que um novo tipo de cesarismo, no sentido deletério do poder sem limites nas mãos de particulares sem qualquer legitimidade superior, exercido não sobre um povo, mas sobre as massas anônimas. Ele previu a chegada de um “plebeu de grandeza satânica”, que agirá em nome e causa de um soberano que não é desse mundo. Mas como qualquer conservadorismo legitimista parecia não possuir mais força vital, Donoso buscou um substituto que pudesse ser usado para barrar o caminho das forças e poderes que emergiam das profundezas. Assim, ele se tornou o defensor da ditadura como a ideia contrarrevolucionária e a antítese da anarquia, do caos e da subversão – mas apenas como último recurso ou por falta de algo melhor. Mas ele também falou sobre uma ditadura coronada. A expressão, sem dúvida, é forte; implica a ideia antidemocrática “decisionista”. Reconhece a necessidade de um poder que decide de forma absoluta (que para Maistre é atributo essencial do Estado), mas no plano de uma dignidade superior, como indica o adjetivo coronada.

No entanto, é verdade que qualquer concretização dessa teoria encontra dificuldades óbvias. No tempo de Donoso, as tradições dinásticas ainda existiam na Europa, e a teoria em questão só poderia ter sido aplicada se um dos representantes dessas tradições tivesse revivido a velha máxima rex est qui nihil metuit (“o rei é aquele que nada teme”). Certas formas de constitucionalismo autoritário, por exemplo, a Alemanha de Otto von Bismarck, poderiam assumir a mesma forma. Mas num sistema onde as tradições dinásticas foram depostas ou desapareceram, não é fácil encontrar um ponto de referência concreto para reforçar a dignidade da “ditadura”, que é o que Donoso explicitamente chamou de seus objetivos, vendo-o como uma solução política.

 

Além disso, hoje parece bastante claro, pois vimos o próprio nascimento de regimes autoritários para conter a desordem e a anarquia, embora no modelo dos “regimes de coronéis”, que geralmente carecem da dimensão superior da contrarrevolução.

Donoso soube colocar problemas de fundamental importância na maneira grávida, prevendo com precisão as situações em processo de amadurecimento. Problemas, porém, que o decorrer do tempo torna cada vez menos suscetíveis a soluções verdadeiras, aquelas que correspondem a afirmações soberanas em oposição a negações radicais. Donoso morreu em 1853 com apenas 44 anos. Mas ele conseguiu decifrar completamente os terríveis presságios representados pelas primeiras crises europeias em 1848 e 1849, muito antes de suas consequências gerais se tornarem realmente visíveis.

Apesar do interesse que despertou durante sua vida, poucos anos depois de sua morte, Donoso foi praticamente esquecido na Europa, e seu nome foi adicionado à esplêndida tropa de dissidentes do século 19 que foram submetidos a uma conspiração de silêncio. Apenas os eventos mais recentes voltaram a chamar a atenção para ele. Num livro excelente, Donoso Cortés n gesamteuropäischer Interpretation [“Donoso Cortés: A Pan-European Interpretation“] (1950), Carl Schmitt enfatizou que das duas correntes antagônicas do tempo de Donoso – revolução socialista e contrarrevolução – a primeira experimentou desenvolvimentos sistemáticos subsequentes enquanto o último não.

A observação de Schmitt foi feita em 1950. Mas, desde então, a situação mudou felizmente, com a formação do direito intelectual e a renovação da ideia de tradição. E hoje Donoso Cortés é fonte de úteis temas de reflexão na eventualidade do próprio momento de decisão absoluta de que falou.


Fonte: Julius Evola, “Donoso Cortés,” em Explorations: Men and Problems, tradução. Philippe Baillet (Puiseaux: Pardès, 1989). Traduzido para o inglês por Greg Johnson e adaptado para o português por Fylliphe Magalhães.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Quer receber nossas notificações?    SIM! Não, obrigado (a)