Guillaume Durocher: Os planos nacional-socialistas para uma Europa unida

Nos ajude a espalhar a palavra:

A Europa é um continente de tal heterogeneidade – seja em termos de estados, idiomas, nacionalidades ou geografia – que ninguém jamais conseguiu organizá-la em um todo geopolítico coerente. Isso apesar da demanda entre estadistas, empresas e até muitos habitantes simples por um espaço europeu pacífico e racionalizado.

O século XIX viu várias tentativas nesse sentido com o Sistema Continental de Napoleão, a construção gradual da Confederação Alemã de uma união aduaneira e sistema monetário para os principados alemães e a pouco conhecida União Monetária Latina. Desde 1945, é claro, vimos o surgimento da União Europeia, com sua moeda e união aduaneira comuns, como uma potência econômica séria.

O Terceiro Reich enfrentou questões semelhantes. Em maio de 1940, logo após a conquista da França por Hitler, havia muitas opiniões diferentes entre os alemães sobre o que deveriam fazer com sua nova hegemonia na Europa Ocidental. Werner Daitz, associado do ideólogo nacional-socialista Alfred Rosenberg e funcionário do escritório de política externa do NSDAP, escreveu um memorando defendendo a criação de uma Comissão do Reich encarregada da unificação econômica da Europa:

“O atual bloqueio [britânico], em particular, tornou inevitável a construção de um Grande Espaço Econômico da Europa continental [Grossraumwirtschaft] sob a liderança alemã como uma medida de autodefesa econômica por parte do continente europeu. A reorganização do continente europeu, este núcleo eterno da raça branca, garantirá assim a recuperação econômica e a independência que são essenciais. Essa cooperação econômica deve seguir o lema: Europa para os europeus…

Se desejarmos garantir a liderança econômica do continente europeu que é absolutamente necessária para fortalecer a economia do continente europeu como a área central da raça branca e que de fato o fará, então, por razões compreensíveis, não devemos proclamá-lo publicamente como um Grande Espaço Econômico Alemão. Por uma questão de princípio, devemos sempre falar da Europa, pois a liderança alemã surgirá naturalmente do peso político, econômico, cultural e tecnológico da Alemanha e de sua posição geográfica.” [1]

Além da lógica racial, encontramos os mesmos argumentos que os eurocratas e as autoridades alemãs atuais podem apresentar. De fato, enquanto a Segunda Guerra Mundial foi basicamente travada para impedir a hegemonia hitleriana / alemã na Europa, o tamanho e os dons naturais da Alemanha a levaram a uma espécie de suave hegemonia dentro da União Europeia: extrair a mineração da Europa Oriental e do Sul da Europa de seu capital humano através fuga de cérebros, protegendo-os como mercados cativos e destinos de terceirização de baixos salários, e desenvolvendo a união monetária da zona do euro de acordo com suas necessidades.

Paris, visita de Adolf Hitler na Torre Eiffel. Depois que a França foi ocupada pela Wehrmacht alemã em junho de 1940, Adolf Hitler visitou Paris. Da esquerda para a direita: o líder do grupo SS Wolff, o arquiteto Hermann Giesler, por trás dele o marechal de campo Wilhelm Keitel, líder do grupo Wilhelm Brückner, o ministro do Reich Albert Speer, Adolf Hitler, atrás dele o ministro Martin Bormann, o escultor Arno Breker e o secretário de imprensa do Reich, Otto Dietrich. Foto tirada em 23 de junho de 1940. Créditos: Bundesarchiv (Allgemeiner Deutscher Nachrichtendienst – Zentralbild, Bild 183)

De fato, “unidade europeia” e “liberdade” do imperialismo britânico, americano e bolchevique eram temas recorrentes na propaganda alemã em tempos de guerra. Na França, a “colaboração” com os alemães – econômicos ou militares – costumava ser justificada em nome da “Europa”, principalmente para os franceses que se ofereceram para lutar na Frente Oriental.

Os alemães nunca tiveram um conceito claro de como eles queriam que a Europa fosse depois da guerra. Na maioria das vezes, qualquer possível “política europeia” foi reduzida à necessidade militar imediata: a necessidade de explorar economicamente as áreas ocupadas e, quando aplicável, de recrutar soldados para o esforço de guerra.

A ampla agenda de Hitler pode ser delineada da seguinte forma: a condição final da Europa seria determinada no final da guerra, presumivelmente com a declaração de um Reich da Grande Germânia e a anexação formal de nações germânicas ocupadas (Dinamarca, Noruega, Holanda, Bélgica), abrindo um longo período de desenvolvimento e guerra étnica contra os eslavos no Oriente. A França e a Rússia nunca poderão se recuperar e novamente ameaçar a Alemanha. Assim, os três objetivos de Hitler seriam alcançados: o povo disperso alemão seria unido e sua segurança garantida, a ameaça do bolchevismo seria aniquilada e um grande império germânico autárquico seria fundado, capaz de contestar a hegemonia global emergente dos Estados Unidos da América. Os detalhes se resolveriam no devido tempo.

As dificuldades da guerra, de certa forma, tendiam a melhorar a política europeia da Alemanha, tornando-a mais realista e conciliatória, principalmente depois de Stalingrado. Isso é evidente, por exemplo, no afrouxamento dos critérios de adesão à Waffen-SS, estendendo-se à maioria das nacionalidades europeias, e até aos tártaros racialmente questionáveis e aos bósnios muçulmanos. O ministro da propaganda, Joseph Goebbels, emitiu diretrizes nesta época proibindo a mídia alemã de fazer comentários depreciativos sobre outras nacionalidades europeias.

A 13ª Divisão de Montanha da Waffen SS Handschar (1ª Croata) foi uma das trinta e oito divisões de exercito parte das Waffen-SS durante a Segunda Guerra Mundial. Foi a maior das divisões SS, com 21 065 homens no seu corpo, composto quase inteiramente de muçulmanos recrutados na Bósnia. Foto: Mielke, verão de 1943. Bundesarchiv (Arquivos federais). Figura 101.Mielke-036-23.

Em março de 1943, o ministro das Relações Exteriores Joachim Von Ribbentrop propôs a criação de uma “Confederação Europeia”, incluindo praticamente todos os estados europeus. O projeto de declaração declara:

2.Os membros da Confederação são estados soberanos e garantem a liberdade e independência política uns dos outros…

4. Os estados da Confederação concluirão uma aliança para a defesa da Europa, cujos planos serão elaborados oportunamente.

5. A economia europeia será organizada pelos Estados membros com base em um plano uniforme, alcançado de comum acordo. As barreiras aduaneiras entre elas serão progressivamente abolidas. [2]

Os possíveis membros da Confederação incluiriam inicialmente “Alemanha, Itália, França, Dinamarca, Noruega, Finlândia, Eslováquia, Hungria, Romênia, Bulgária, Croácia, Sérvia, Grécia e Espanha (? [Sic]). A esses seriam acrescentados quaisquer estados nos territórios ocupados que o Führer desejasse conceder independência.” [3]

Curiosamente, a Holanda e a Bélgica não são mencionadas, o que talvez faça sentido, uma vez que esses eram candidatos não declarados à anexação ao “Reich Germânico Maior”, mas também a Dinamarca e a Noruega.

Na prática, o objetivo da proposta era que a Alemanha se comprometesse a não anexar unilateralmente os países participantes após a guerra, tranquilizando assim a opinião pública em países europeus aliados e neutros. Os vagos compromissos de longo prazo com a união econômica e a aliança militar seriam, talvez, acabados por comitês de diplomatas, como as Comunidades Europeias do pós-guerra.

Ribbentrop assegurou ao Führer:

“Se sempre nomearmos as pessoas certas como nossos representantes nesses estados, pessoas que adotam uma linha dura e, apesar das aparências conciliadoras, seguem intransigentemente o objetivo político concreto, não prejudicamos que algo esteja formando uma confederação. De fato, a formação do Grande Reich Alemão [sic] no final da guerra será uma questão de curso.” [4]

No caso, Hitler não estava interessado e não estava disposto a fazer tal movimento na ausência de uma grande vitória no Eixo (caso contrário, as concessões da Confederação pareceriam, com precisão, uma admissão de fraqueza). [5]

Não obstante a crítica bastante realista de Hitler à pan-Europa de Coudenhove-Kalergi, podemos imaginar que, mesmo no caso da vitória no Eixo, ainda haveria a necessidade de burocratas internacionais trabalharem pacientemente para juntar algo coerente.


Fonte: The Unz Review: An Alternative Media Selection

Publicado originalmente em 7 de março de 2020

Tradução de Leonardo Campos

Notas

[1] J. Noakes e G. Pridham (eds), Nazismo: 1919-1945 , vol. 3: Política externa, guerra e extermínio racial (Exeter: University of Exeter Press, 2001), p. 277-78.
[2] Trevor Salmon e Sir William Nicoll (orgs.), Building European Union: A Documentary History and Analysis (Manchester: Manchester University Press, 1997), p. 23
[3] Noakes, Nazismo , vol. 3, p. 248
[4] Idem. p. 248
[5] Idem. p. 247

Guillaume Durocher
siga em
Nos ajude a espalhar a palavra:
Gostou do artigo? Você pode contribuir para o site com uma doação:

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.