Hitler vs. Kalergi: A crítica do chanceler alemão à União Europeia

Nos ajude a espalhar a palavra:

Em seu segundo livro não publicado sobre política externa, Adolf Hitler oferece a seguinte crítica ao movimento pan-europeu do conde Richard von Coudenhove-Kalergi, que defendia a unificação pacífica da Europa. Kalergi é um precursor do esforço pós-1945 para integrar o Velho Continente, culminando na União Europeia.

Hitler levanta essencialmente duas objeções:

A ideia de que a Europa possa se unir pacificamente em um estado poderoso é completamente irrealista e, em vez disso, essas tentativas levariam apenas a uma entidade fraca e flácida.

Os próprios europeus são de qualidade racial desigual, enquanto os Estados Unidos da América eram constituídos predominantemente por estoques do noroeste da Europa e, portanto, ainda poderiam dominar a Europa.

Sobre a ideia de confederação pacífica, Hitler escreveu:

“A tentativa de concretizar a ideia pan-europeia através de uma união puramente formal dos povos europeus, sem ser provocada pela força em batalhas de séculos por um poder supremo europeu, levará a uma entidade cuja força e energia serão absorvidas por forças internas. rivalidades e conflitos. Isso aconteceu antes na Confederação Alemã. Até que a questão interna alemã fosse finalmente resolvida pela superioridade prussiana, a nação poderia exercer sua força unida para o exterior…

Se o povo americano cumprir progressivamente a tarefa de colonização interna, a unidade ativista natural, que é inerente principalmente aos jovens, se desviará. A surpresa, no entanto… menos do que tudo seria combatido com séria resistência por um estado pacifista, democrático e pan-europeu confuso. Essa pan-Europa, na visão do maior bastardo do mundo, Coudenhove, teria o mesmo papel em frente à União Americana ou a uma China despertada nacionalmente como o antigo estado austríaco atuou em frente à Alemanha ou à Rússia.” [1]

De fato, a Confederação Alemã era uma associação do século XIX de principados de língua alemã, incluindo a Áustria e a Prússia, que era amplamente impotente. A Confederação, como a União Europeia, teve algum sucesso em abolir barreiras tarifárias, estabelecer uma união aduaneira e formar uma área monetária. A Confederação foi substituída pelo segundo Reich alemão, um verdadeiro estado-nação, após as vitórias de Otto von Bismarck em várias guerras por “sangue e ferro”.

Para Hitler, a unificação europeia só poderia ocorrer como “o resultado de uma luta de séculos”: [2]

“Sabemos por experiência passada que os sindicatos duradouros só podem ocorrer quando os povos em questão são de igual qualidade racial e relacionados, e segundo, quando sua união ocorre na forma do lento processo de luta pela hegemonia. Foi assim que Roma conquistou os estados latinos…” [3]

Eu acrescentaria que os Estados Unidos da América só se tornaram uma grande potência verdadeiramente unida, não através dos elevados debates e Constituição daqueles homens finos e filosóficos de 1787, mas através dos exércitos de Abraham Lincoln, que triunfaram de acordo com a lei da força.

Richard Nicolaus Graf von Coudenhove-Kalergi (1894 – 1972) foi um político, funcionário da UE, publicista, escritor e fundador do movimento pan-europeu, também denominado como Plano Kalergi.Era filho de Heinrich Graf Coudenhove-Kalergi, nobre diplomata do Império Austro-Húngaro e uma japonesa chamada Mitsuko Aoyama. A família Coudenhove-Kalergi tinha ascendência em famílias nobres de diversas origens (flamenga, grega, e polonesa). Doutorado em filosofia pela Universidade de Viena em 1916, criou o movimento Pan-Europa, idealizando o continente formado por uma população uma mistura generalizada de raças cuja administração seria feita pela influente intelectualidade judaica. Kalergi era casado desde 1915 com a atriz judia Ida Roland. Em 1922 tornou-se membro da “Humanitas”, loja maçônica em Viena, e passou a divulgar sua ideias. Em 1947 Kalergi tornou-se secretário-geral da “União Europeia Parlamentar” e em abril de 1970, sugeriu novamente ao presidente do Parlamento Europeu, Mario Scelba, a criação de uma constituinte europeia. Foto: Reprodução

Hitler provavelmente não ficaria surpreso ao saber que a União Europeia está sendo assolada por crises e crises periódicas há décadas e, fora da esfera econômica, não é levada a sério pelas grandes potências do mundo, acima de todos os Estados Unidos [4] e China.

Receba nossas postagens por e-mail

Hitler tem a dizer sobre a política de imigração americana e a heterogeneidade racial da Europa:

“A união americana era… incapaz de fundir pessoas estrangeiras com um sentimento nacional pronunciado ou instinto racial… O fato de a União Americana se sentir um estado nórdico-germânico e de modo nenhum uma mistura internacional de povos pode ser visto da maneira como são alocadas as cotas de imigração para os povos europeus. Escandinavos, ingleses e, finalmente, alemães recebem os maiores contingentes… É uma utopia querer se opor a isso… Estado predominantemente nórdico, com uma coalizão ou pan-Europa européia composta por mongóis, eslavos, alemães, romenos e assim por diante, nos quais tudo, menos os alemães, dominaria, como um fator capaz de resistência. De fato, uma utopia muito perigosa quando se considera que muitos incontáveis ​​alemães veem um futuro cor-de-rosa novamente sem ter que fazer os sacrifícios mais sérios por isso. O fato de essa utopia se originar na Áustria de todos os lugares não carece de um certo elemento cômico. Esse estado e seu destino [a queda da Áustria-Hungria] são o exemplo mais claro da enorme força inerente a tais entidades coladas artificialmente, mas intrinsecamente não naturais.” [5]

O último comentário sarcástico de Hitler mostra novamente quanto suas opiniões foram moldadas pelas falhas do multicultural Império Austro-Húngaro. Mais uma vez, vemos sua propensão ao hipérbole (“mongóis”!).

LEIA MAIS

Talvez Hitler não se surpreenda ao saber que o sul da Europa continua a ter um desempenho econômico baixo em relação ao norte da Europa e a ter uma incapacidade perene de eliminar a “corrupção”. Os americanos podem contestar que irlandeses, italianos e poloneses constituam um contingente assimilado substancial da América Branca que contribuiu para a grandeza nacional.

É de se perguntar o que Hitler pensaria do fato de que, irritantemente, o norte da Europa tenha usado principalmente sua prosperidade e organização social para importar e cuidar de crianças imigrantes do Terceiro Mundo, enquanto hoje são os italianos, poloneses e húngaros que lutam contra o mais para preservar a Europa.

Adolf Hitler (1889 – 1945) nascido também no antigo Império Austro-Húngaro, foi um político alemão líder do NSDAP desde 1921, chanceler desde 1933 e Führer desde 1934 quando passou a ser chefe de governo e chefe de estado até a sua morte em 1945. Lutou pela Alemanha na Primeira Guerra Mundial sendo condecorado com a Cruz de Ferro. Em decorrência do Putsch da Cervejaria em Munique no ano de 1923, Hitler ficou encarcerado por oito meses, período em que escreveu sua autobiografia  Minha Luta (Mein Kampf). Sob sua liderança, o Nacional-Socialismo alemão alcançou a vitória eleitoral em meio a uma tumultuada crise da República de Weimar, estabelecendo o Terceiro Reich. Hitler buscou unificar terras da Alemanha que tinham sido separadas do resto da nação pelo Tratado de Versalhes. A Alemanha conseguiu sair crise e reduzir o desemprego a zero em seu governo, mas seu sistema político-econômico causava ameaça ao domínio dos banqueiros do Ocidente. Criou a Wehrmacht e o serviço militar voltou a ser obrigatório sentindo-se ameaçado por Inglaterra e França. As forças armadas foram modernizadas em virtude da possível eclosão de uma guerra. E foi o que houve. Foto: Getty Images

Finalmente, Hitler tem um comentário extremamente vigoroso sobre a psicologia dos grandes negócios e do globalismo. Este último parece natural se pensarmos em todos os seres humanos como átomos iguais e individuais, mas as diferenças naturais significam que as hierarquias étnicas devem inevitavelmente se formar:

“O movimento pan-europeu baseia-se desde o início no erro básico fundamental de que a qualidade da população pode ser compensada com a quantidade de população. Essa visão completamente mecânica evita completamente as forças que moldam a vida… Essa visão se encaixa tanto com a inutilidade de nossa democracia ocidental quanto com o pacifismo covarde de nossos círculos de grandes empresas. É óbvio que este é o ideal de todos os bastardos inferiores ou mestiços. Da mesma forma, o judeu acolhe particularmente esse conceito: em sua observância consistente, leva ao caos e confusão raciais, à bastardização e à nigerização da humanidade civilizada e, finalmente, a uma deterioração em seu valor racial que o hebreu que se mantém livre dele pode subir gradualmente para ser o mestre do mundo. Finalmente.” [6]


Fonte: The Unz Review: An Alternative Media Selection

Publicado originalmente em 7 de fevereiro de 2020

Notas

[1] Adolf Hitler (trans. Kristina Smith), Hitler’s Second Book (Nova Iorque: Enigma Books, 2003), p. 116-17.

Observação da edição: O escrito “Zweites Buch” [Segundo Livro], publicado extraoficialmente em inglês como “Hitler’s Secret Book” [O Livro Secreto de Hitler] e depois oficialmente como “Hitler’s Second Book” [O Segundo Livro de Hitler], é uma transcrição autobiográfica coeditada com as reflexões de Adolf Hitler sobre a política externa, escrito em 1928, com 197 páginas.

[2] Idem., p. 115.

[3] Idem., p. 114.

[4] Pouparei a você o idioma colorido que as autoridades americanas e europeias usam em particular para qualificar seu relacionamento.

[5] Idem., 117-18.

[6] Idem., p. 114.


CONFIRA NA LIVRARIA SENTINELA

Guillaume Durocher
siga em
Nos ajude a espalhar a palavra:
Gostou do artigo? Você pode contribuir para o site com uma doação:

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.