fbpx

Em artigo do estadunidense Volkish, WOTAN of NASA, Wernher von Braun é reconhecido com o maior gênio científico do século XX, mas que, no entanto, ele seria indiscutivelmente o menos reconhecido e desvalorizado de todos eles. E as razões para isso, seriam hipócritas, senão rancorosas, e perpetradas a mando de pessoas menos qualificadas, apontando para os perpetradores da tecnologia do armamento atômico, utilizado pela primeira vez (conhecidamente) no final da Segunda Guerra Mundial, a “disforia de gênero e os resumos talmúdicos da teoria quântica”, referenciando que von Braun obteve objetivos de engenharia dinâmicos que levaram o homem civilizado a se aventurar dramaticamente no Cosmos projetando os foguetes mais significativos de todos os tempos para a humanidade, do V2 ao Saturno V, para fins militares e exploratórios.

Entretanto, o artigo, como bom norte-americano que é, coloca as contribuições de von Braun como conquistas de toda uma civilização, incluindo seus captores estadunidenses. Mas, até que ponto ele e outros alemães contribuíram para a humanidade, para o sucesso aliado no mundo da Nova Ordem pós-guerra e em que grau estava essa tecnologia se comparada ao avanço da ciência e engenharia alemã até 1945?

Sobre isso, o autor de “Os Discos Voadores de Hitler“, O. D. Lavine, pesquisador por décadas do assunto a partir de um ponto de vista não convencional com a historiografia oficial, concede uma resenha exclusiva sobre o assunto para o site Sentinela.

Expomos aqui a resenha na íntegra do autor para os leitores.


Por O. D. Lavine

Embora a campanha de ocultação histórica já perdure por quase cem anos, ainda se encontram autores com coragem para dizer que no período compreendido entre 1933 e 1945, ocorreu na Alemanha Nacional Socialista, o maior salto tecnológico da humanidade. Neste salto se inclui a criação e utilização dos primeiros foguetes teleguiados e de discos voadores. (Os Discos Voadores de Hitler)

Nos primeiros anos do século XX os pioneiros da aviação tiravam o homem do chão e o faziam viajar pelo ar, realizando o sonho milenar da raça humana. Menos de dez anos depois destes pioneiros – Santos Dumont, irmãos Wright e outros – a humanidade já usava o avião para viajar ou para matar seus semelhantes.

Muitos séculos antes que o voo a motor se tornasse realidade, já existia a técnica de foguetes. Na China antiga, usavam-se foguetes, para diversão, ou para a guerra. Por ser uma técnica de difícil execução e operação, ela foi esquecida durante séculos, até que pioneiros russos, europeus e americanos (Tsiolkovsky, Goddard, Oberth e outros) a “ressuscitaram” no início do século XX, com nova roupagem e principalmente, tecnologia.

Entre estes pioneiros, queremos destacar o professor Oberth e seu discípulo Wernher von Braun.

Von Braun foi quem revolucionou técnica de foguetes e praticamente todo o progresso da astronáutica que temos hoje, devemos ao seu empenho e à suas ideias futuristas. Ele tinha, desde a década de 1930, projetos para colocar o homem no espaço. Planejava viagens à Lua, Marte e outros planetas. Estações espaciais e satélites faziam parte de seus projetos nesta época, porém, uma guerra o forçou a trabalhar para o desenvolvimento do primeiro míssil balístico, a V-2.

Terminada a IIGM, von Braun e milhares de cientistas nacionalsocialistas, foram sequestrados pelos vencedores (Projeto PAPERCLIP, ASLO e outros) e confinados em locais desertos com ordens para “desembuchar” tudo o que soubessem sobre suas especialidades. 

Wernher von Braun (de terno preto, na frente dos oficiais alemães) durante a guerra em Peenemünde, Alemanha, primavera de 1941. Wernher Magnus Maximilian Freiherr von Braun (1912 – 1977) foi um engenheiro e cientista alemão, expert em desenvolvimento de foguetes e exploração espacial. Desenvolveu o míssil balístico PGM-19 Júpiter, o PGM-19 Redstone e teve participação destacada no projeto do primeiro voo com tripulação humana à lua, realizado em 1969 pelos EUA. Imagem: Metapedia

Von Braun permaneceu confinado por dois anos num deserto nos Estados Unidos, saindo apenas para se casar na Alemanha em 1947. Durante anos ele e seus colegas, foram obrigados a trabalhar no desenvolvimento de foguetes balísticos, mesmo contra sua vontade. Durante este tempo, von Braun tentou apresentar ao governo norte-americano (Presidentes Truman/Eisenhower) seus projetos de conquista espacial, porém estes sempre se negaram receber um nazista. Até que em 1957 os comunistas lançaram o primeiro satélite artificial, o Sputnik.

Rapidamente o convidaram para expor suas ideias.

Von Braun salvou o orgulho norte-americano em apenas cinco meses, tempo que levou para colocar o primeiro satélite no espaço. Iniciava-se ali a corrida espacial.

Talvez as pessoas não se deem conta do atraso que representou para o progresso humano essa sanha belicista dos governantes comuno-liberais do pós-guerra. Os velhos amigos da democracia, que provocaram a maior guerra jamais vista, agora lutavam pelo domínio sobre outros povos e do espaço, ou seja, faziam exatamente aquilo de que acusaram a Alemanha nacional socialista querer fazer.

Doze anos depois de primeiro satélite, o visionário von Braun colocou o homem na Lua. Alguns anos depois, a Terra era circundada por Estações Espaciais e, dezenas de milhares de satélites, coisas já imaginadas por ele há mais de trinta anos.

Se hoje temos incríveis avanços tecnológicos acessíveis à maioria da população mundial, devemos a este visionário e pioneiro do espaço. 

Porém, mesmo estes avanços que a tecnologia de foguetes e a visão futurista de von Braun propiciaram à humanidade, são pouco, diante de outras tecnologias que foram inventadas e desenvolvidas por cientistas alemães durante o período compreendido entre 1933/1945. Esta tecnologia – que alguns autores chamam “tecnologia de ficção científica”, tal era seu avanço para a época – formou a base de toda nossa vida atual e futura. 

Embora alguns poucos e desconhecidos autores se esforcem para manter von Braun sob os holofotes da história como merece, notasse outros tentando minimizar seus feitos sob alegação de que era um SS e um nazista. Mas também há quem o considere o maior gênio científico do século XX. Nós achamos que maiores gênios foram os cientistas que desenvolveram os discos voadores nazistas e desapareceram junto com eles quando terminou a guerra. Esta sim é uma tecnologia de ficção científica, pois embora algumas

“teorias da conspiração” aludam que certos países disponham da tecnologia dos óvnis, até agora nada disso foi comprovado. A tecnologia de foguetes é exatamente o oposto da que se imagina seja a dos óvnis. Aquilo que disse o cientista nazista – também sequestrado pelos norte-americanos e “espremido” para que revelasse e entregasse todas suas descobertas e invenções – Victor Schauberger: A implosão contra a explosão. Implosão supõe-se seja a técnica utilizada pelos óvnis, já explosão, é característica dos foguetes, pois para se colocar alguns quilos no espaço, gastam-se milhões de quilos de combustível com um ruído ensurdecedor e fumaça avistada a dezenas de quilômetros. Já um disco voador, não emite sons nem fumaça. Voa em qualquer direção em altíssima velocidade, faz curvas em ângulo reto e para instantaneamente, enquanto um foguete só anda em linha reta e quando acaba o combustível se precipita em direção ao solo. 

Ao retornar das férias nas Bahamas, o Dr. von Braun fez uma brincadeira de mau gosto com seus associados, usando barba. Da esquerda para a direita, os modelos nos fundos são de um Juno II, Mercury-Redstone, Mercury-Atlas, Gêmeos-Titã II, Saturno I Bloco I, Saturno I Bloco II e Saturno IB. Créditos: Wikimedia Commons

Porém, von Braun como um gênio da astronáutica, colaborou com todo seu conhecimento para o progresso a humanidade e muito daquilo que utilizamos diariamente é resultado dos inventos necessário para colocar o homem no espaço sideral. Mesmo que alguns autores insinuem, ele não tinha conhecimento da tecnologia de discos voadores, apenas se manifestou em algumas ocasiões sobre a possibilidade de vida fora da Terra.

Como dissemos no início, diversos foram os cientistas que pesquisaram sobre foguetes, porém, foi Wernher von Braun e seus colegas da SS que levaram o homem ao espaço, e propiciaram a criação de quase toda nossa tecnologia atual.

Infelizmente para o mundo, a “tecnologia de ficção científica” – da implosão, dos discos voadores – desapareceu com aqueles que a desenvolveram. “Sobrou” para a humanidade a técnica menor da explosão, cujo maior expoente foi Wernher von Braun. 

O. D. Lavine

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Quer receber nossas notificações?    SIM! Não, obrigado (a)