fbpx

O soldado Wesley Soares foi executado por agentes do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope) após 3h30 de negociações. Soares recusou-se a aceitar ordens inconstitucionais contra o cidadão, e se insurgiu contra as ordens restritivas do governador da Bahia Rui Costa (PT).

Soares não era lotado em Salvador, mas em um batalhão da Polícia Militar em Itacaré, no litoral sul do Estado, a 250 km de Salvador.

Segundo a Secretaria de Segurança Pública, o episódio teve início quando o PM começou a atirar de dentro do carro na avenida Sete de Setembro, no centro da capital baiana, e passou a ser alvo de uma perseguição policial. Ele seguiu por quase 5 km até o Farol da Barra, onde desceu do carro e passou a repetir frases e disparar para o alto.

“Comunidade, venha testemunhar a honra ou a desonra de um policial militar do Estado da Bahia” e “Não vou deixar, não vou permitir que violem a dignidade e honra do trabalhador.”

Diversos vídeos do episódio viralizaram pelas redes sociais desde a tarde de domingo (28).

Ele foi levado ferido para o Hospital Geral do Estado (HGE), mas não resistiu aos ferimentos e morreu por volta das 22h30.

Como a narrativa midiática tenta desvirtuar os fatos

Nenhum Black Lives Matter está dizendo que todas as vidas negras importam. Abraçam, sim, a narrativa do policial louco. Apenas aqueles taxados de “nazistas”, “fascistas” e “intolerantes” se compadecem do homem de bem.

A mídia está retratando Wesley  “surtado”, “louco”, numa tentativa de desqualificar o fato de que ele recusou-se a aceitar ordens inconstitucionais contra o cidadão, afirmando que o governo do estado da Bahia apenas cumpre medidas restritivas para combater o coronavírus e que o episódio se tornou parte de uma ofensiva da base bolsonarista que chega a pregar motim contra o governador. Mas a própria mídia precisou admitir que segundo a Polícia Militar, em 13 anos de serviço, ele nunca apresentou comportamentos que sugerissem problemas psicológicos.

As frentes políticas bolsonaristas estão verdadeiramente se utilizando deste fato para autopromoção, uma vez que nenhum político abre mão de suas regalias e privilégios e o próprio Executivo (cujo Bolsonaro ocupa a cadeira de líder) não tem qualquer plano alternativo e nem apresenta qualquer possibilidade de apoio viável, uma vez que a única “preocupação” se resume a salvaguardar os planos de retrocesso econômico e rapinagem bancária do Tesouro Público com Paulo Guedes (um chicagoboy). Mas isso é detalhe, tudo que importa é que o soldado Soares não ficou do lado do lado da classe política e midiática que oprime o povo se utilizando dos eventos da pandemia.

E se ele “surtou”, foi por causa do estado de coisas que a própria mídia e os agentes responsáveis pela promoção de medidas restritivas absurdas e impraticáveis criaram e impuseram para a própria população. Uma verdadeira narrativa terrorista 24 horas por dia na cabeça de todos os cidadãos, com ou sem TV.

Governadores, prefeitos, e toda a classe política vem e vão entre seus mandatos, utilizando-se deles para alcançar seus seus objetivos pessoais enquanto puder, lavando as mãos após sua gestão, deixando para os policiais a imagem de opressores, enquanto apenas o povo permanece segregado, impossibilitado de trabalhar, sendo punido por vender na rua ou ir à casa de amigos e parentes. Para nós, o povo, “O CHORO É LIVRE”, segundo “Maju”, aquela oprimida que ganha salário milionário da Rede Globo.

Como disse Thomas Sankara, “Um militar sem formação política, ideológica, é um criminoso em potencial”. Será que o comandante do Bope, major Clédson Conceição, respaldados pelo governador da Bahia Rui Costa acabaram se tornando? Criminosos em potencial ao cumprirem essas ordens desmedidas?

Veja você mesmo e pergunte-se… vale a pena dizer que o governo está certo e o povo está errado nisso tudo?

A execução de um agente de segurança pública pela própria segurança pública apenas deixa mais escancarado quem de fato está contra o povo e qualquer um que se coloque contra, não importando a patente ou condição.

[AVISO! ESSAS IMAGENS E ÁUDIO PODEM CHOCAR OS MAIS SENSÍVEIS]

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Quer receber nossas notificações?    SIM! Não, obrigado (a)