fbpx

Por Senhor B.

A Carta a Gemlich se refere a uma carta escrita por Adolf Hitler 1919 em resposta a um pedido de esclarecimento sobre a questão judaica por parte de Adolf Gemlich Karl Mayr, um soldado do exército alemão. Este documento é tido como o primeiro artigo político de Hitler, segundo o The New York Times.

Contrariamente ao que os jornais e sites como o G1, Isto é ou Estadão estão noticiando aqui no Brasil, a Carta a Gemlich de 1919 não faz qualquer apologia ao Holocausto nem à morte de um só judeu ou estrangeiro. O mais grave é que este documento é utilizado pelos famosos “especialistas em Holocausto” em seus institutos como um tipo de “prova”. Nada mais falso. É dito que Hitler escreveu que “o objetivo do governo deve ser a eliminação total de todos os judeus”: no entanto seja na versão alemã ou inglesa (a mais popular) da carta, esta sentença não existe, ou no melhor dos casos, foi traduzida com total má- fé.

A sentença original é:

Sein letztes Ziel aber muß unverrückbar die Entfernung der Juden überhaupt sein.”

Que em português pode ser traduzido assim:

“Seu objetivo final, entretanto, deve ser sempre a remoção dos judeus em geral.”

Entfernung é um substantivo que significa “afastar” ou “remover” na acepção de “aplicar uma distância” do objeto, “distanciá-lo”, “manejá-lo” espacialmente. Podemos traduzir literalmente como “distanciamento” ou mesmo “remoção”.

Este alarde calunioso é o mesmo que foi promovido pelo Centro de Pesquisas do Holocausto de Washington contra os Diários de Alfred Rosenberg: quem os ler integralmente, como eu os li, não encontrará uma só menção à “extermínio”, “solução final” ou “morte” nem qualquer outra ideia indireta que aponte para tal direção, mas sempre para um remanejamento, expatriação ou locomoção. O que se afasta disso, são palavras dos próprios organizadores que, vergonhosamente, dobram e torcem o texto em suas notas de rodapé – mas não tão intelectualmente ofensiva e editorialmente ridícula quando a edição comentada do Mein Kampf pelo pseudônimo judeu Yoshiyahu Ben Tzion.

Aqui mais uma vez a importância indiscutível de ter acesso às fontes e verificar os dados por si mesmo, como diriam os velhos filósofos, no uso de tua razão. Que “a verdade triunfa” é verdade, mas ela não o fará sozinha, sem espírito e sangue.

Carta para Gemlich, de 16 de setembro de 1919

Caro Herr Gemlich,

Se a ameaça com que os judeus enfrentam nosso povo deu origem a uma hostilidade inegável por parte de uma grande parcela de nosso povo, a causa de tal hostilidade deve ser buscada no claro reconhecimento de que os judeus, como tal, estão deliberadamente ou involuntariamente provocando um efeito pernicioso em nossa nação, mas principalmente nas relações pessoais, na má impressão que o judeu causa como indivíduo. Como resultado, o antissemitismo assume prontamente um caráter puramente emocional. Mas esta não é a resposta correta. O antissemitismo como movimento político não pode e não deve ser moldado por fatores emocionais, mas apenas pelo reconhecimento dos fatos. Agora, os fatos são estes:

Para começar, os judeus são inquestionavelmente uma raça, não uma comunidade religiosa. O próprio judeu nunca se descreve como judeu alemão, judeu polonês ou judeu americano, mas sempre como alemão, polonês ou americano. Os judeus nunca adotaram mais do que a língua das nações estrangeiras em cujo meio vivem. Um alemão que é forçado a usar a língua francesa na França, italiano na Itália, chinês na China não se torna assim um francês, italiano ou chinês, nem podemos chamar um judeu que vive entre nós e que é, portanto, forçado a usar a língua alemã, um alemão. Nem a fé mosaica, por maior que seja sua importância para a preservação daquela raça, o único critério para decidir quem é judeu e quem não o é. Dificilmente existirá uma raça no mundo cujos membros pertençam a uma única religião.

Por meio da consanguinidade por milhares de anos, frequentemente em círculos muito pequenos, o judeu foi capaz de preservar sua raça e suas características raciais com muito mais sucesso que a maioria dos numerosos povos entre os quais viveu. Como resultado, vive entre nós uma raça não-alemã, alienígena, relutante e, na verdade, incapaz de abandonar suas características raciais, seus sentimentos, pensamentos e ambições particulares e, no entanto, gozando dos mesmos direitos políticos que nós. E uma vez que até os sentimentos do judeu são limitados ao reino puramente material, seus pensamentos e ambições estão fadados a ser ainda mais fortes. Sua dança ao redor do bezerro de ouro se torna uma luta implacável por todos os bens que sentimos no fundo do coração não serem os mais elevados nem os únicos pelos quais vale a pena lutar nesta terra.

O valor de um indivíduo não é mais determinado por seu caráter ou pelo significado de suas realizações para a comunidade, mas apenas pelo tamanho de sua fortuna, sua riqueza.

A grandeza de uma nação não é mais medida pelo sol de seus recursos morais e espirituais, mas apenas pela riqueza de suas posses materiais.

Tudo isso resulta naquela atitude mental e naquela busca por dinheiro e o poder para protegê-lo que permitem ao judeu se tornar tão inescrupuloso em sua escolha de meios, tão impiedoso em seu uso de seus próprios fins. Em Estados autocráticos, ele se encolhe diante da “majestade” dos príncipes e usa mal seus favores para se tornar uma sanguessuga para seus povos.

Nas democracias, ele disputa o favor das massas, se encolhe diante da “majestade do povo”, mas reconhece tão somente a majestade do dinheiro.

Ele destrói o caráter do príncipe com bajulação bizantina; o orgulho nacional e a força da nação com o ridículo e a sedução desavergonhada ao vício. Seu método de batalha é aquela opinião pública que nunca é expressa na imprensa, mas que, no entanto, é administrada e falsificada por ela. Seu poder é o poder do dinheiro, que se multiplica em suas mãos sem esforço e indefinidamente por meio dos juros, e com o qual ele impõe à nação um jugo que é tanto mais pernicioso quanto seu brilho disfarça suas consequências trágicas. Tudo o que faz o povo lutar por objetivos mais elevados, seja religião, socialismo ou democracia, é para o judeu apenas um meio para um fim, a maneira de satisfazer sua ganância e sede de poder.

O resultado de sua obra é a tuberculose racial da nação.

E isso tem as seguintes consequências: o antissemitismo puramente emocional encontra sua expressão final na forma de pogroms. O antissemitismo racional, por sua vez, deve levar a uma luta sistemática e legal contra e pela erradicação dos privilégios que os judeus desfrutam sobre os outros estrangeiros que vivem entre nós (Leis Estrangeiras). Seu objetivo final, entretanto, deve ser a remoção total de todos os judeus de nosso meio. Ambos os objetivos só podem ser alcançados por um governo de força nacional e não de impotência nacional.

A República Alemã não deve o seu nascimento à vontade nacional unificada do nosso povo, mas à exploração dissimulada de uma série de circunstâncias que, juntas, se expressam numa insatisfação profunda e universal. Essas circunstâncias, no entanto, surgiram independentemente da estrutura política e estão em ação até hoje. De fato, agora mais do que nunca. Portanto, uma grande parte de nosso povo reconhece que mudar a estrutura do Estado não pode por si só melhorar nossa posição, mas que isso só pode ser alcançado pelo renascimento das forças morais e espirituais da nação.

E esse renascimento não pode ser preparado pela liderança de uma irresponsável influência da maioria por dogmas de partido ou por bordões e slogans internacionalistas de uma imprensa irresponsável, mas apenas por atos determinados por parte de uma liderança de mentalidade nacional com um senso interno de responsabilidade.

Este próprio fato serve para privar a República do apoio interno das forças espirituais de que qualquer nação tanto necessita. Consequentemente, os atuais líderes da nação são forçados a buscar o apoio daqueles que são os únicos que se beneficiaram e continuam a se beneficiar com a mudança da forma do Estado alemão, e que por isso mesmo se tornam a força motriz da Revolução – os judeus. Desconsiderando a ameaça judaica, que é sem dúvida reconhecida até mesmo pelos líderes de hoje (como várias declarações de personalidades proeminentes revelam), esses homens são forçados a aceitar favores judeus para sua vantagem privada e a retribuir esses favores. E o reembolso não envolve apenas satisfazer todas as demandas judaicas possíveis, mas acima de tudo prevenir a luta do povo traído contra seus defraudadores, sabotando o movimento antissemita.

Seu sinceramente, Adolf Hitler.

(Grifo do editor)


Fontes

Musem of Tolerance. Hitler Letter [Original in German]. Disponível em https://www.museumoftolerance.com/assets/documents/hitler-letter-handout-1.pdf. (PDF)

Kurt Bauer. Lehrveranstaltung “Schlüsseltexte und dokumente zur Geschichte des
Nationalsozialismus”. Universität Wien, Institut für Zeitgeschichte, WS 2008/09. Disponível em http://www.kurt-bauer-geschichte.at/PDF_Lehrveranstaltung%202008_2009/02_Hitlerbrief_Gemlich.pdf. (PDF)

Microsoft World Document multimedia. Disponível em http://multimedia.jp.dk/archive/00285/Gemlich_brevet_285325a.pdf.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Quer receber nossas notificações?    SIM! Não, obrigado (a)