Yad Vashem afirma que esses judeus foram assassinados pelos nazistas. Mas alguns estão vivos e dando palestras sobre o “Holocausto”

Nos ajude a espalhar a palavra:

O Yad Vashem, de Israel, é amplamente considerado a autoridade na história e na lembrança do “Holocausto”. A organização afirma ter milhões de documentos e testemunhos provando que 6 milhões de judeus foram assassinados durante a Segunda Guerra Mundial.

Milhões de nomes de judeus individuais que supostamente foram mortos são comemorados no “salão de nomes” [1] do museu, que pode ser pesquisado pelo público no formulário do banco de dados da Shoah Victims [Vítimas do Holocausto]. Uma resposta comum aos desafios revisionistas é apontar para isso e dizer “para onde eles foram?”

De acordo com a página:

“O Yad Vashem, juntamente com seus parceiros, coletou e registrou os nomes e detalhes biográficos de milhões de vítimas de perseguição sistemática antijudaica durante o período do Holocausto (Shoah). Quase quatro milhões oitocentos mil dos seis milhões de judeus assassinados pelos nazistas e seus cúmplices são comemorados aqui. Este banco de dados inclui informações sobre as vítimas da Shoah: aqueles que foram assassinados e alguns cujo destino ainda não foi determinado.

Os nomes de mais de um milhão de vítimas permanecem desconhecidos – e o tempo está se esgotando. É nosso imperativo moral coletivo persistir em nossos esforços para recuperar seus nomes e restaurar suas identidades.” [2]

Após um estudo pequeno e randomizado dos arquivos do Yad Vashem, o National Justice pode relatar que, após uma pesquisa de aproximadamente 15 sobreviventes famosos do Holocausto, cinco são listados como tendo sido explicitamente assassinados, em alguns casos várias vezes.

Esta é apenas a ponta do iceberg. Muitos sobreviventes do Holocausto usam nomes como Joe, Fred e Henry – provavelmente não são os que foram designados no nascimento. Muitas mulheres mudaram seus nomes através do casamento. Outros mudaram seus nomes, especialmente aqueles que se mudaram para Israel ou para os EUA após a guerra.

No entanto, mesmo com tudo isso em mente, os resultados são chocantes.

Dario Gabbai

Dario Gabbai [3], que morreu em março de 2020, ficou famoso por afirmar ter sido um Sonderkommando [4] que ajudou a abastecer judeus em Auschwitz. Ele foi exposto por Dean Irebud [5] em 2012 como uma fraude.
Gabbai, nascido em Tessalônica, Grécia, 1922, está listado nos arquivos do Yad Vashem como tendo sido “assassinado” em Auschwitz três vezes [6].

Benjamin Lesser

Benjamin Lesser [7] é o fundador da Fundação Memorial do Holocausto de Zachor. Lesser afirma ter sobrevivido a Auschwitz, Buchenwald e Dachau, e atualmente percorre o país contando histórias do Holocausto. Ele tem sido destaque na mídia.

Segundo sua biografia, ele nasceu em Cracóvia, Polônia, 1928.

No arquivo das vítimas de Shoah, ele também é listado como “assassinado na Shoah“. [8] A fonte usada pelo banco de dados é o testemunho de outra bem conhecida “sobrevivente” chamada Rachel Verderber, que aparece no arquivo!

Josef Salomonovic / Salomonowicz

Josef Salomonivic / Salomonowicz [9] (ortografia polonesa) é outra personalidade da mídia do Holocausto. Ele diz que foi enviado para Auschwitz. De acordo com seu testemunho, os nazistas mataram todas as crianças que ele conhecia, exceto ele. Mais tarde, oficiais nazistas assassinaram seu pai injetando fenol em seu coração e depois provocaram Josef, de 6 anos, com a seringa.

Em sua biografia, ele diz que nasceu em 1938 e residia no gueto de Lodz, na Polônia. Ele também é listado [10] como tendo sido “presumivelmente assassinado” – duas vezes. Existem várias entradas adicionais para um Josef Salomonowicz no gueto de Lodz, nascido na mesma época, que também pode ser ele.

A fonte citada? Um censo de judeus que moravam em Lodz fornecido ao Yad Vashem por um grupo chamado “Organização de ex-residentes de Lodz em Israel”.

Margit Buchhalter Feldman

Margit Feldman (née Buchhalter), outro sobrevivente do “Holocausto” famoso o suficiente para ser comemorado pelo governador de Nova Jersey, Phil Murphy, faleceu no mês passado de Coronavírus, conforme noticiado pela NBC News. [11]

Buchhalter sustentou ao longo de sua vida que ela foi capaz de sobreviver a Auschwitz e Bergen-Belsen apenas mentindo [12] para os nazistas sobre a sua idade (18, em vez de 15). Seus pais eram Joseph e Theresa Buchhalter.

Ela nasceu na Hungria e residiu lá durante a Segunda Guerra Mundial. Seu destino é registrado como “assassinado”, a fonte sendo uma “lista de judeus assassinados dos livros de Yizkor”.

Yitzhak Arad / Izak Rudnicki

Izak Rudnicki [13], nascido na Polônia em 1926, é um historiador e sobrevivente do “Holocausto” que mudou seu nome para Arad depois de se mudar para Israel.

Apesar de ter atuado como diretor do Yad Vashem por 21 anos (1972-1993), Arad / Rudnicki está listado em seus arquivos como tendo sido assassinado no Holocausto. Mais uma vez, uma lista aleatória de judeus nos guetos é usada como evidência.

Imperícia histórica

A julgar por esta pequena amostra de judeus famosos, esta é apenas a ponta do iceberg.

Além da desonestidade de alegar que todos os judeus de um registro de reclusos ou de guetos foram mortos a tiros ou gaseados (em alguns casos várias vezes), o Yad Vashem não parece ter pressa de excluir o nome de seu ex-diretor de seus registros de vítimas.

Segundo o museu, 6 milhões de judeus morreram, 4,8 milhões estão registrados nesse banco de dados e 2 milhões são lembrados em seu salão de nomes. Quantos judeus visitaram apenas para ver seus próprios nomes entre os falecidos?

O aspecto mais insensível dessa farsa é que há judeus que procuram neste arquivo parentes apenas para descobrir que foram assassinados, quando na verdade eles ainda podem estar vivos.

Mas o fato de que judeus que dedicaram suas vidas ao ativismo e à “educação” do Holocausto não se preocuparam em remover seus próprios nomes dessa lista supostamente sagrada de vítimas de genocídio sugere que mais pessoas podem estar envolvidas nessa fraude do que as pessoas que dirigem o Yad Vashem.

Fonte: National Justice

Eric Striker. The Yad Vashem Claims These Jews Were Murdered By The Nazis. They’re Actually Alive and Giving “Holocaust” Lectures. National Justice, Current Events, 7 de maio de 2020. Disponível em https://national-justice.com/yad-vashem-claims-these-jews-were-murdered-nazis-theyre-alive-and-giving-holocaust-lectures

(*) As imagens usadas neste artigo são print screens de telas de autoria do artigo de National Justice.

Notas:

[1] Raffi Berg. The Holocaust: Who are the missing million?. BBC News, Jerusalém, 24 abr. 2017. Disponível em https://www.bbc.com/news/world-middle-east-39062221

[2] Yad Vashem. The Central Database of Shoah Victims’ Names. Disponível em https://archive.fo/sDmFt

[3] Archive.today – capture webpages: Wikipedia, the free encyclopedia. Dario Gabbai. Disponível em https://archive.fo/ZxzDK (Link direcionado para https://en.wikipedia.org/wiki/Dario_Gabbai)

[4] Nota da tradução: Sonderkommandos era a denominação dada a grupos de pessoas que atuavam em campos de concentração à mando das guarnições nacional-socialistas.

[5] Denier Bud. Auschwitz—The Surprising Hidden Truth. CODOH, Documentaries, 01 abr. 2012. Disponível em https://codoh.com/library/document/1527/en/

[6] Yad Vashem. The Central Database of Shoah Victims’ Names. Disponível em https://archive.fo/eNzc0

[7] Zachor: Holocaust Remembrance Foundation. About the founder. Disponível em https://archive.fo/99WO9

[8] Yad Vashem. The Central Database of Shoah Victims’ Names. Disponível em https://archive.fo/mxo9Q

[9] Sturat Dowell. ‘They were throwing children into fiery pits – it still gives me sleepless nights.’ Survivors recall horrors of Auschwitz. The Frist News, History, 27 jan. 2020. Disponível em https://www.thefirstnews.com/article/they-were-throwing-children-into-fiery-pits–it-still-gives-me-sleepless-nights-survivors-recall-horrors-of-auschwitz-10085

[10] Yad Vashem. The Central Database of Shoah Victims’ Names. Disponível em https://archive.fo/ZoQaL

[11] Corky Siemaszko. Holocaust survivor who shared her story with students dies from coronavirus: Margit Buchhalter Feldman died two days and 75 years after she was liberated from the Bergen-Belsen concentration camp in Germany. NBC News, Coronavirus, 16 abr. 2020. Disponível em https://www.nbcnews.com/news/us-news/holocaust-survivor-who-shared-her-story-students-dies-coronavirus-n1185701

[12] Timothy Bella. Holocaust survivor dies of coronavirus 75 years after she was liberated from concentration camp. Seattle Times via The Washington Post, Nation & World, 17 abr. 2020. Disponível em https://www.seattletimes.com/nation-world/holocaust-survivor-dies-of-coronavirus-75-years-after-she-was-liberated-from-concentration-camp/

[13] Wikipedia, the free encyclopedia. Yitzhak Arad. Disponível em  https://en.wikipedia.org/wiki/Yitzhak_Arad

Eric Striker
Nos ajude a espalhar a palavra:
Gostou do artigo? Você pode contribuir para o site com uma doação:

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.