fbpx

Este presente artigo tem a intenção de informar, em caráter histórico, sobre a educação alemã e seus princípios internos com a finalidade de tradução de documento histórico da época. Reproduções em caráter de apologia que contradigam as leis nacionais que regem os princípios legais constitucionais ou penais não são de responsabilidade nossa.

O século XIX testemunhou tanto progresso educacional no domínio do refinamento intelectual que pode ser descrito com justiça como o século da educação.

Traduzido por Christa Savitri

A Alemanha teve um papel importante nesse desenvolvimento, e seu sistema educacional foi universalmente reconhecido como particularmente eficiente. Muitos estrangeiros, portanto, aproveitaram as facilidades educacionais que a Alemanha tinha a oferecer. Se agora virmos que, apesar dessas realizações esplêndidas, o socialismo nacionalista achou que deveria fazer uma mudança radical no sistema de educação, podemos ter certeza de que isso foi feito por razões muito boas.

Há, de fato, duas evidências para mostrar que algo estava errado com a educação. Em primeiro lugar, o alto nível de esclarecimento popular falhou em proteger o povo alemão contra os efeitos venenosos dos ensinamentos marxistas e outras falsas doutrinas. Grandes massas de pessoas foram vítimas deles, enquanto outros setores – mais especialmente os de ensino superior – foram incapazes de tomar uma posição efetiva contra a disseminação do veneno. Se o tivessem feito, os eventos de 1918 e o período subsequente de desintegração e deterioração nacional teriam sido evitados.

Em segundo lugar, um estudo cuidadoso da situação mostra que o povo alemão é sólido e tem tanto sentimento nacional quanto qualquer outro. Consequentemente, a redução temporária de seus altos padrões anteriores não poderia ter sido o resultado de qualquer inferioridade inata, mas a razão deve ser buscada em um sistema falho de educação, que – apesar de suas altas realizações intelectuais – tendia a prejudicar o espírito saudável da nação, as energias dos homens e sua sensatez de julgamento, e ainda, produzir egoísmo e um senso deficiente de solidariedade nacional. Além disso, era óbvio que certos elementos que pretendiam garantir vantagens privadas para si prejudicando as forças saudáveis ​​da nação haviam conseguido alcançar uma proeminência indevida na vida pública.

O NS foi, portanto, compelido a apurar e remover as causas que haviam criado uma condição tão insatisfatória e a abrir novos recursos passíveis de serem usados ​​para uma regeneração, o Líder, em seu livro, indicou claramente o caminho que havia para ser seguido.

Duas causas principais contribuíram para os resultados insatisfatórios.

  1. Embora as capacidades intelectuais dos jovens tivessem sido treinadas de maneira excelente e fossem totalmente qualificados para suas vocações que seriam exercidas posteriormente, a importância do conhecimento por si só foi superestimada, enquanto a educação física e o treinamento do caráter e da vontade tinham sido negligenciados. Falando metaforicamente, os jovens receberam água cristalina para beber, mas os constituintes minerais saudáveis ​​contidos nela foram cuidadosamente removidos primeiro. Essa interferência estava fadada a causar muitos danos à saúde popular.
  2. Excessiva importância foi atribuída ao indivíduo como tal, embora tenha sido quase esquecido que cada indivíduo é ao mesmo tempo um membro de uma comunidade sanguinea, que é apenas nessa capacidade que ele pode aperfeiçoar seus poderes em sua extensão máxima, e que é seu dever trabalhar pelo bem dessa comunidade. Formas naturais da comunidade popular como a família, o clã, a tribo e a nação (naturais porque são baseadas em laços de sangue) ou não receberam a atenção a que têm direito, ou foram desintegradas por um individualismo exagerado ou substituídas por comunidades fictícias artificiais e supranacionais.Tal atitude mental permitiu que os povos estrangeiros e outros animados por motivos egoístas ou por ideias internacionais e anti-nacionais obtivessem uma influência proeminente em todas as esferas da vida nacional e acesso a altos cargos do Estado e assim envenenassem os sentimentos saudáveis ​​da nação por meio de sua política educacional.

É objetivo de toda educação preparar a nova geração para suas futuras funções trabalhistas, como verdadeiros representantes da nação e do Estado, tanto no sentido político quanto no cultural. Seu treinamento, portanto, deve seguir as linhas indicadas. Em conformidade com o ensino de história e as leis das ciências biológicas e sanguíneas, é necessário treinar as faculdades do corpo, do caráter e da vontade tanto quanto as intelectuais. O equilíbrio perdido deve ser restaurado; ou melhor, a coexistência harmoniosa de todas essas faculdades deve ser mantida e desenvolvida em vez de ser destruída. Ser e permanecer forte e saudável tornou-se a lei fundamental que rege a juventude alemã, e é o principal dever dos educadores aplicá-la. Tanta força e saúde, no entanto, é impensável sem clareza sanguínea e a luta por um tipo corpóreo mais elevado.

A obtenção de elevados padrões intelectuais certamente continuará a ser exigida dos jovens; mas eles aprenderão ao mesmo tempo que suas realizações devem beneficiar a comunidade nacional à qual pertencem. Como consequência da demanda assim claramente formulada por leis específicas, professores e alunos estrangeiros tiveram que abandonar as escolas nacionais, e escolas próprias foram fornecidas por e para eles, tanto quanto possível. Dessa forma, os instintos sanguíneos naturais dos meninos e meninas do povo são preservados; e os jovens são conscientizados de seu dever de manter sua linhagem e legá-la às gerações seguintes. Como o mero ensino desses princípios não é suficiente, ele é constantemente complementado, no Estado NS, por oportunidades para o que pode ser chamado de “vida comunitária”. Por esse termo, queremos dizer viagens escolares, acampamentos escolares, “casas” escolares em bairros rurais e aplicações semelhantes do princípio corporativo à vida de escolares e acadêmicos.

A história insiste que toda deterioração da linhagem coincide com o crescimento das grandes cidades, que estas exercem um efeito paralisante sobre a vida comunitária e que a força de uma nação está enraizada em seus elementos rurais. Nosso sistema de educação dá a devida atenção a essas importantes considerações e se esforça para levar os jovens das cidades para o campo, ao mesmo tempo em que imprime neles a conexão inseparável entre a força sanguínea e uma vida saudável ao ar livre.

A reforma sistemática do sistema educacional nacional foi iniciada imediatamente após a chegada ao poder do novo governo, e recebeu um grande estímulo quando, em 1º de maio de 1934, um Departamento Nacional de Educação foi estabelecido.

Os passos que deveriam ser dados consistiam na reorganização interna do ensino escolar de acordo com os princípios acima, novos métodos de formação de professores e uma remodelação dos tipos de escolas existentes.

Para que essas mudanças de longo alcance se materializassem, primeiro os professores deveriam ser capazes de introduzi-las. Desde então, esta tarefa foi assumida pelo Departamento em conjunto com a Associação NS de Professores. Numerosos cursos, acampamentos e comunidades de trabalho foram organizados para fornecer a instrução necessária, que inclui o ensino da filosofia NS, além das disciplinas estritamente educacionais. A execução uniforme deste trabalho foi confiada pelo Departamento ao Instituto Central de Educação e Instrução. Nos dois campos de treinamento mantidos pelo Instituto, educadores proeminentes – tanto homens quanto mulheres – recebem tal instrução por várias semanas de cada vez; e ao deixar os campos, eles são encarregados de disseminar o conhecimento recém-adquirido entre seus colegas por meio de comunidades de trabalho. Além disso, as várias autoridades educacionais frequentemente organizam conferências com o mesmo propósito, enquanto os campos especiais organizados pela Associação dos Professores fornecem instrução nos aspectos políticos do NS.

Esses arranjos têm como objetivo permitir que a geração mais velha de professores aplique em seu trabalho os princípios do NS. O Governo, naturalmente, também introduziu alterações fundamentais nos métodos de formação dos professores mais jovens. Os professores do ensino fundamental são obrigados a frequentar uma das escolas de treinamento (Faculdades para formação de professores), onde recebem instrução em disciplinas científicas e educacionais e onde a vida se baseia nos princípios da camaradagem. A frequência a essas faculdades – a maioria das quais está estabelecida fora das grandes cidades – também é obrigatória para professores de escolas intermediárias e superiores como uma preparação para seus estudos em outras instituições onde recebem o tipo de treinamento especial de que precisam. Esse arranjo garante que certa uniformidade governe o treinamento de professores de todos os tipos. Escusado será dizer que os cursos e os regulamentos do exame de professores, mais particularmente os das escolas superiores, foram revistos em moldes semelhantes.

A reorganização interna do sistema educacional foi introduzida por vários decretos que tratam dos fundamentos. Já em 1933, foi anunciado que toda a educação deveria ser fundada nos princípios das ciências biológicas e sanguíneas, com os quais – de acordo com o desejo do Líder – todos os alunos deveriam ser familiarizados. Regulamentos detalhados foram emitidos para dar efeito prático a este anúncio.

Muitas informações sobre a política educacional do NS podem ser obtidas a partir de uma leitura do chamado Decreto de seleção, que foi emitido pelo Departamento em estreita colaboração com o Conselho de Política Sanguinea do Partido. O decreto enumera as condições que devem ser satisfeitas pelos alunos das escolas superiores no momento da sua admissão e em conexão com os seus resultados. Um controle estrito deve ser exercido para assegurar que todos aqueles que, depois de concluírem seus estudos, têm probabilidade de ascender a posições de liderança na vida, sejam biológicamente saudáveis, valiosos e eficientes. A atenção é dada aos aspectos físicos, éticos, intelectuais e da linhagem, e não se restringe – como até então – apenas ao aspecto intelectual. As demandas agora feitas aos jovens são: aumento das realizações intelectuais; boa saúde física; uma capacidade de resistência; altos padrões éticos; um senso de comunidade e descendência de origem nacional. Uma nação que deseja ver esses ideais realizados deve ter como guias pessoas que possam ser consideradas modelos em todos esses aspectos. Não se segue que os jovens que não possuem boa saúde física devam ser deixados de fora ou impedidos de crescer na vida. Pelo contrário, o Estado NS zela pelos seus interesses; e também deve ser lembrado que, sempre que surge uma questão de incapacidade física, o médico tem uma palavra importante a dizer sobre o assunto.

A aptidão física deve ser assegurada pelo cultivo prolongado de exercícios de ginástica e esportes de acordo com os Regulamentos para Cultura Física em Escolas para Meninos. Este assunto tem recebido a atenção do Governo há vários anos, uma secção especial do Departamento que dá instrução sistemática a professores – especialmente diretores de escolas – de todos os tipos de escolas. O cultivo regular nos campos de treinamento já mencionados dos primeiros esportes, trabalho corporal e exercícios de marcha tem o mesmo propósito.

Uma mudança de longo alcance também foi introduzida no domínio da educação intelectual. No passado, havia uma tendência de enfiar na cabeça dos alunos cada novo acréscimo ao aprendizado, mas agora devem ser impostas restrições a essa tendência. Não é necessário ensinar tudo o que é interessante ou que valha a pena saber. A seleção das disciplinas será orientada pela resposta à pergunta: O que devem ser ensinados aos meninos e meninas para que se tornem membros úteis da comunidade nacional e da vocação ou profissão que possam exercer? É lógico que eles devem se familiarizar com a civilização de seu país e com suas origens, ou – em outras palavras – devem ser ensinados matérias que tenham uma relação direta com a vida e a história do povo alemão e que sejam de real utilidade para eles quando crescerem. A estes deve ser adicionado o conhecimento dos benefícios que a civilização alemã recebeu do contato com outras nações, a extensão desse ensino sendo dependente das necessidades das escolas envolvidas em cada instância.

Os cursos elaborados para todas as categorias de escolas baseiam-se, portanto, no princípio de que deve ser concedido o maior reconhecimento possível à dimensão nacional da educação e às exigências práticas da vida. Assim, o decreto que rege o trabalho docente realizado na  Escola Primária (ou seja, as quatro classes mais baixas do Ensino Fundamental ou  Escola do povo) estabelece que esse trabalho deve começar e centrar-se no conhecimento do bairro de origem das crianças, que os alunos devem adquirir um conhecimento sólido dos rudimentos da fala, escrita e aritmética corretas, e que a devida atenção deve ser dada ao ensino de exercícios físicos, música e treinamento manual. Regras semelhantes foram estabelecidas para outras escolas, cada uma de acordo com seu próprio tipo. As escolas vocacionais rurais, por exemplo, devem concentrar-se na vida e no trabalho da população rural, e as urbanas no artesanato e nas indústrias locais, enquanto as escolas superiores devem agrupar todo o seu ensino em torno dos chamados  disciplinas nacionais (ou seja, alemão, história, geografia, artes plásticas e música). No que diz respeito ao ensino básico, a aplicação do referido princípio resultou na compilação de um Leitor Nacional  constituído por um núcleo obrigatório para todo o país, que é complementado por secções representativas da literatura local dos diferentes distritos.

A introdução das ideias NS em todas as escolas estimulou enormemente suas atividades; e a visão NS uniforme dos professores zela para que as escolas alemãs não se tornem, pela segunda vez, vítimas daquele espírito de desunião que prevalecia durante um período em que a contenda partidária e a falta de princípios criativos prevaleciam na educação. A determinação concentrada da profissão docente e a seleção sistemática das disciplinas ensinadas garantem que a educação intelectual alemã não apenas manterá, mas até mesmo transcenderá seu alto nível atual. No passado, as decisões relativas aos assuntos internos de cada escola eram tomadas por todo o corpo docente reunido em conferência e, portanto, estavam sujeitas a maiorias flutuantes; mas agora que o princípio NS de liderança foi introduzido, a conferência tem funções meramente consultivas, enquanto o poder de tomar decisões é restrito ao líder da escola que sabe que seus superiores, e toda a comunidade, esperam que ele faça de sua escola um modelo de uma instituição educacional nacional conduzida de acordo com os princípios NS.

Também é dever do líder da escola manter contato regular entre sua escola e o andamento dos eventos, para que todas as questões de atualidade que afetam nossa nação recebam atenção no âmbito do trabalho docente. Todas as medidas tomadas pelo povo, representado por seus vigorosos dirigentes NS, a fim de preservar e fortalecer sua existência e status nacional, dizem respeito também às escolas. Isso se aplica, por exemplo, à aviação, à proteção contra ataques aéreos, à política de autossuficiência, ao Plano de Quatro Anos, etc. Os alunos devem ter um interesse ativo em tudo o que é feito pela nação e seus governantes, para que possam perceber que seus próprios destinos são idênticos aos da nação. Isso os capacitará, na vida após a morte, a prestar assistência ativa na modelagem do futuro da nação.

A estrutura externa da educação nacional é tão concentrada e sistemática quanto sua organização interna. Isso explica, inter alia, por que as escolas públicas têm preferência às privadas. Embora seja bem verdade que o Estado NS atribui grande importância à vigorosa iniciativa do indivíduo, ele exige que os desejos especiais do indivíduo se ajustem às necessidades da comunidade. Isso se aplica mais particularmente a todos os assuntos capazes de afetar vitalmente a vida da nação. O Estado deve, portanto, alegar que suas próprias instituições tenham o direito de receber preferência incondicional sobre as estabelecidas por indivíduos ou organizações, especialmente quando houver o risco de que estas últimas não possam ser invocadas incondicionalmente para seguir a orientação dada pelo Estado. Tendo em vista a importância da educação, o Estado deve, portanto, sustentar que as escolas privadas e o ensino privado só se justificam nas localidades cujas necessidades educacionais não podem ser satisfeitas pelas escolas públicas. Além disso, o aspecto confessional deve ser visto como uma questão de importância secundária e não deve mais ser permitido a dividir todos os membros da nação em sua juventude em dois campos diferentes; a imposição de restrições às escolas confessionais privadas tem sido praticada onde quer que seja. É visto que uma provisão eficiente foi feita para escolas administradas publicamente. Isso não afeta a continuidade da existência de instituições privadas como, por exemplo, aquelas do tipo Lietz Landschulheim e outras.

No que diz respeito às crianças com idade inferior à escolar (seis anos), foram tomadas medidas, sempre que necessário, com a criação de creches (para os menores) e jardins-de-infância (para os mais velhos). Eles são conduzidos por professores treinados pelo governo e são em parte de caráter público e em parte de caráter privado. O comparecimento a eles é opcional.

Aos seis anos, as crianças ingressam nas escolas primárias, que – em geral – não são organizadas segundo o princípio misto. Lá eles são ensinados, além da educação genealógica geral, as disciplinas teóricas e práticas que são exigidas para todas as vocações. Escolas especiais são fornecidas para crianças cujas faculdades mentais estão abaixo do normal. Outro tipo de escolas especiais são fornecidos para crianças com desenvolvimento normal que sofrem de deficiências físicas graves (por exemplo, surdos-mudos, crianças cegas, etc.). Professores especialmente treinados ficam encarregados deles enquanto estão lá. A frequência do ensino fundamental é obrigatória por oito anos. Sempre que o número de alunos é muito pequeno para justificar uma série separada para cada ano, várias séries podem ser combinadas, ou meninos e meninas podem ser ensinados juntos.

O reconhecimento do fato de que muitos meninos e meninas de origem sanguínea saudável estão bastante deslocados na atmosfera artificial e doentia de nossas grandes cidades, de modo que suas valiosas faculdades não podem ou se desenvolvem de maneira imperfeita ali, levou-me a apresentar em 1934 um esquema que eu havia muito tempo contemplado. Refiro-me ao que é chamado de  Landjahr. As crianças passam nove meses por ano em um dos  campos Landjahr, onde professores homens e mulheres especialmente adequados são responsáveis ​​por elas. Lá, sua saúde física deve ser promovida; eles devem se familiarizar com todos os aspectos da vida no campo; sua força de vontade deve ser fortalecida; devem ser educados politicamente e experimentar as bênçãos derivadas de uma vida corporativa altruísta. Ao completar o curso Landjahr , as crianças começam a sua formação profissional ou – se forem especialmente talentosas – podem ser admitidas numa  Aufbauschule.

As quatro séries iniciais das escolas primárias são às vezes chamadas de  Grundschule, porque constituem a base para a maioria das escolas superiores. As crianças que não vão ingressar em um destes últimos deixam o ensino fundamental aos 14 anos. Elas são obrigadas a passar os próximos três anos em uma escola profissionalizante do   tipo Berufsschule  ou  Fachschule. Esta parte do sistema educativo passou a ser também tutelada pelo Ministério da Educação, tendo anteriormente (até 1934) sido domínio de vários outros departamentos. Da mesma forma que nas escolas primárias, não são cobradas taxas aos alunos que frequentam o  Berufsschulen. Essas escolas não se destinam, via de regra, a fornecer uma educação geral, embora seus cursos incluam algumas disciplinas que tratam da política nacional. A sua função principal é complementar o trabalho de formação dos jovens para uma determinada vocação. Eles são de muitos tipos diferentes, de acordo com os negócios ou indústrias domiciliadas nas localidades em questão. Essas escolas também foram estabelecidas para trabalhadores juvenis que não são aprendizes de um empregador. O trabalho pedagógico dos  Berufsschulen  não apenas familiariza os alunos com as necessidades práticas de sua vocação, mas também com seus aspectos políticos nacionais. Isso é de particular importância para o tipo agrícola de  Berufsschulen, porque o NS sempre enfatizou o grande valor de uma comunidade agrícola saudável. Assim, as antigas escolas continuadas (Fortbildungssehuln) foram substituídas, exceto por alguns tipos especiais, pelas escolas agrícolas para meninos e pelas escolas de economia rural para meninas.

A participação em uma  Fachschule  é opcional e implica a isenção de participação em uma  Berufsschule . A  Fachschule  fornece um conhecimento mais amplo das matérias ensinadas do que a  Berufssehulen, e as taxas são pagas por seus alunos. Como os  Berufsschulen, existem muitos tipos diferentes deles, mas todos são supervisionados pelo Estado. Os seus alunos, ao saírem, podem continuar os seus estudos em alguma  höhere Fachschule, onde podem qualificar-se para uma carreira universitária ou para algum cargo ou nomeação de liderança.

A frequência aos  Berufsschulen  e  Fachschulen, portanto, coincide com o trabalho prático vocacional dos jovens. As escolas intermediárias (mittlere Schulen) e as escolas superiores (höhere Schulen), no entanto, continuam a educação de seus alunos por mais alguns anos antes de sua escolha de uma profissão e, portanto, são chamadas de escolas de ensino geral (allgemeinbildende Schulen). Aqueles que admitem candidatos depois de terem frequentado a  Grundschule  pelos quatro anos habituais são conhecidos como a  forma grundständige, e aqueles cujos alunos se juntam a eles depois de passarem seis anos nas escolas primárias são chamados de  Aufbauform. A frequência ao  Mittelschulen dura seis ou quatro anos, conforme sejam da  forma grundständige  ou da forma  Aufbau . Destinam-se a meninos e meninas com acentuado dom para o trabalho prático e são diferenciados até certo ponto no campo vocacional ou profissional. As disciplinas obrigatórias ministradas por eles são: o  deutschkundige Fächer, exercícios físicos, ciências naturais, matemática e inglês. Além disso, o francês – mas não o latim –  é uma língua opcional. O exame de despedida costumava ser descrito como  mittlere Reife. Os alunos que desejam continuar seus estudos em um  höhere Schule , devem primeiro passar um exame de admissão para este último. Até aqui, Mittelschulen  só existe na Prússia e em algumas outras partes da Alemanha.

höhere Schulen  teve um desenvolvimento variado desde a fundação do primeiro  Ginásio Humanistisches, há  cerca de um século. Sempre houve dois tipos principais deles: (I) o  humanistische Schulen  ou  Gymnasien , com latim e grego como as duas principais línguas estrangeiras, e (2) o  Realanstalten, onde a atenção foi especialmente concentrada em línguas modernas, matemática e ciências naturais. Como resultado da competição entre eles, um grande número de tipos intermediários também foram estabelecidos, de modo que a desejada unidade de propósito final tornou-se cada vez mais hipotética. Esta desvantagem foi particularmente manifesta em conexão com a ordem do ensino de línguas estrangeiras, de modo que os alunos cujos pais haviam se mudado de uma cidade para outra eram frequentemente incapazes de frequentar uma escola do tipo a que estavam acostumados, o que envolvia muita perda de tempo e esforço.

Por essas razões, o Departamento, depois de um estudo cuidadoso do problema, decidiu introduzir uma reorganização fundamental do ensino superior no semestre da Páscoa de 1937, afetando tanto as escolas masculinas quanto as femininas, tanto do  Grundständige Form  quanto do  Aufbauform . No  grundständige höhere Schule a frequência foi reduzida de nove para oito anos, combinando as suas secções inferior e intermédia e retirando um dos seis anos anteriormente passados ​​nelas, deixando inalterados os três anos da secção superior. Essa redução do tempo escolar foi necessária por razões de política populacional. Não há necessidade de receio de que a qualidade do trabalho feito pelas escolas seja prejudicada, porque a atitude NS uniforme dos professores e a compactação dos cursos de estudo tornam possível tornar o ensino muito mais intensivo e acelerar o progresso.

O ensino de meninos e meninas, embora de valor idêntico, prossegue por caminhos diferentes, o que é necessário porque as respectivas esferas de homens e mulheres na posteridade são igualmente diferentes. Doravante, haverá praticamente dois tipos de  höhere Schulen  para meninos e também para meninas. Para os meninos, existe a  Oberschule  e junto com ela o  Gymnasium, e para as meninas também uma  Oberschule , que se divide (nos últimos três anos de atendimento) em uma seção de economia doméstica e outra de idiomas. Ambas as categorias são complementadas por uma  Oberschule em Aufbauform , que – no caso das meninas –dá destaque à economia doméstica. The  Oberschule para os meninos deve ser considerado como o tipo principal, pois é o que deve ser fornecido em um distrito se houver apenas uma escola superior. Assim, as dificuldades acima referidas quando os pais mudam de uma cidade para outra podem agora ser contornadas com muito mais facilidade. Com exceção de alguns casos excepcionais, apenas um Gymnasium pode ser estabelecido em cidades onde são necessárias mais escolas superiores do que uma.

Visando atender às diferentes preferências e capacidades dos alunos, a seção superior da  Oberschule  é dividida em dois ramos. No ramo da linguagem, é feita provisão para uma segunda linguagem moderna, enquanto atenção comparativamente limitada é dada às ciências naturais e à matemática. No ramo de ciências e matemática, nenhuma segunda língua é incluída, enquanto o principal interesse está centrado nas ciências naturais e na matemática. No  Gymnasium  não há divisão análoga.

O número reduzido de  Gymnasien  se deve ao fato de que o conhecimento das duas línguas antigas não é considerado necessário para a maioria dos meninos e meninas alemães. Isto é comprovado pelo constante declínio do número de alunos que frequentam o antigo  Gymnasien.

Os assuntos comuns a todos os  höhere Schulen  e aos  Mittelschulen  são: o  deutschkundliche Fächer , exercícios físicos, ciências naturais e matemática. O  höhere Schulen, é claro, fornece instrução de mais longo alcance para eles do que os outros; e nenhuma consideração é dada à futura profissão do aluno.

As línguas estrangeiras são ensinadas de acordo com o seguinte plano:

(a)  Oberschule  – Inglês (1ª série), Latim (3ª série), Francês ou alguma outra língua moderna (6ª série).

(b)  Ginásio  – Latim (1ª série), Grego (3ª série), Inglês (6ª série).

As  Oberschulen  para meninas dão instrução nas mesmas disciplinas que para meninos, exceto que acrescentam algumas que são de especial importância para as mulheres, enquanto restringem o ensino de línguas estrangeiras. Assim, nas especializações em línguas inicia-se o inglês no 1.º ano e o francês e o latim no 6.º, enquanto nas de economia nacional na classe superior a única língua estrangeira ensinada é o inglês.

Além desses  grundständige Schulen,  existem os  Aufbauschulen  para meninos e meninas. Naqueles para meninos, o ensino de línguas estrangeiras é iniciado na 1ª, 3ª e 4ª séries, respectivamente (correspondendo às 3ª, 5ª e 6ª séries do  grundständige Oberschule ).

Os  Aufbauschulen  – que foram introduzidos pela primeira vez pelo esquema de reforma das escolas da Prússia em 1925 – têm de cumprir um propósito especial em relação à nossa política populacional. Em muitas partes da Alemanha, existem poucas (se houver) cidades razoavelmente grandes que possuam  grundständige höhere Schulen. Essas partes são habitadas por um tipo particularmente robusto de população intimamente associada ao solo que cultivam. Os NS consideram isso um item importante para neutralizar a tendência entre os camponeses de migrar para as cidades, mas querem que eles garantam posições de liderança. Por essa razão, devem ser-lhes concedidas instalações alargadas para adquirirem uma educação sólida.

Os  Aufbauschulen  destinam-se a auxiliar nessa tarefa. Conseqüentemente, eles estão em sua maioria domiciliados em distritos rurais, e  Schülerheime  está ligada a eles. As crianças em distritos rurais agora podem frequentar a Volksschule local por seis anos e ter a oportunidade de continuar seus estudos por mais seis anos até que possuam as qualificações para estudos universitários. Durante todo esse tempo, eles permanecem em conexão direta com a vida rural.

Schülerheim  não é mais um lugar onde crianças em idade escolar são meramente alojadas e alimentadas, mas uma instituição educacional. Enquanto estão lá, os instintos corporativos das crianças podem ser encorajados por sua associação próxima com seus camaradas, estabelecendo assim as bases para seu senso de comunidade sanguínea.

Objetivos semelhantes devem ser alcançados pelos Cursos Políticos Nacionais de Instrução (Nationalpolitische Lehrgänge) para os alunos das escolas superiores e pela permanência das crianças no  Landheime. Tendo em vista o aumento da demanda de alunos devido à reorganização do ensino superior, os Cursos indicados tiveram que ser suspensos temporariamente, não obstante os benefícios já deles decorrentes. Mais importante, portanto, é a estada das crianças no  Landheime  e nos Albergues da Juventude ( Jugendherbergen). Essas instalações estão abertas a alunos de todos os tipos de escolas. São uma parte essencial do nosso sistema educativo, porque sem eles seria impossível dominar as grandes tarefas que ainda estão por cumprir para que os jovens participem de forma adequada na construção do futuro do país.

O exame final de todas as escolas superiores é denominado  Reifepräfung. Após a aprovação, os jovens são qualificados para serem admitidos em qualquer universidade alemã ou outra instituição de nível universitário e para ingressar em várias profissões, incluindo a de oficiais do exército.

As categorias de escolas superiores foram aumentadas em número desde 1933 pela chamada  Nationalpolitische Erziehungsanstalten. Existem quinze deles na Prússia e em algumas outras partes do país. Seus objetivos educacionais e seus cursos de estudo são os mesmos das outras escolas superiores. Eles são, no entanto, do tipo internato e trabalham em estreita colaboração com a organização dos jovens. Seu objetivo especial é dar um bom treinamento geral aos meninos que já se destacaram por suas capacidades intelectuais, suas proezas físicas e habilidades corporais, sua força de espírito e sua lealdade para com seus companheiros. Essas instituições também estão sob a administração do Departamento de Educação. No início de 1937, o Líder da juventude,  – agindo em cooperação com a Organização da juventude – fundou sete  A.H. Schulen, cujo objetivo específico é treinar meninos para a posição de líderes no Partido. É muito cedo para dar detalhes sobre o seu trabalho e a sua organização, uma vez que existem há pouco tempo.

O terceiro fator educacional, além do lar e da escola, é a Juventude. Foi encomendada pelo Líder para treinar meninos alemães – em estreita colaboração com a casa e a escola – para suas grandes tarefas no futuro. As escolas devem dedicar a maior parte de seu tempo à educação intelectual; e embora, por esse meio e por outros arranjos especiais, eles exerçam uma influência importante na direção indicada, eles têm apenas poucas oportunidades de capacitar seus alunos a cultivar o espírito corporativo além de seus próprios limites. Essa desvantagem deve ser superada pela Juventude. Os jovens de todas as classes e vocações são iniciados por ele no trabalho prático de uma comunidade nacional e devem ser preparados para essa conquista por meio de treinamento físico, ético e político. Embora certa sobreposição fosse inevitável durante os estágios iniciais, é evidente agora que a colaboração dos três fatores está se tornando cada vez mais próxima.

O antigo sistema escolar da Alemanha fez muito. O novo sistema escolar fará mais ainda e tornará os jovens etnicamente sólidos, eficientes e prontos para sacrifícios. Eles considerarão sua nação, sua existência nacional e sua liberdade nacional como seus maiores bens. Eles serão ensinados – em conformidade com o desejo do Líder – que os direitos vitais de outras nações devem ser igualmente respeitados e que a cooperação entre todas as nações é necessária e desejável. Esses objetivos são conscientemente promovidos pelas próprias escolas e por acordos especiais para o intercâmbio internacional de alunos. A organização central para tal intercâmbio é a  Akademischer Austauschdienst, que trabalha em estreita colaboração com o Departamento de Educação, e cujas atividades recebem um estímulo valioso dos esforços bem-sucedidos do Partido para a cooperação internacional. Assim, o apelo dirigido à juventude alemã é:

Ame a sua nação alemã acima de tudo e seja um bom vizinho de todas as nações que desejam viver em paz com a sua.”

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Quer receber nossas notificações?    SIM! Não, obrigado (a)