Eduardo Velasco: “Nutrição e degeneração física” — o estudo crucial do Dr. Price

Nos ajude a espalhar a palavra:

“Uma longa experiência cirúrgica mostrou-me conclusivamente que há algo radical e fundamentalmente errado no estilo de vida civilizado, e acredito que, a menos que os costumes dietéticos e sanitários das nações brancas sejam reorganizados, o declínio social e a deterioração da raça são inevitáveis.”

(Sir William Arbuthnot Lane, 1º Baronete, 1856–1943, médico e cirurgião escocês e um dos melhores profissionais de saúde no Reino Unido em seu tempo).

É sabido que a dentição, devido ao milímetro de sua configuração, é uma boa indicação de saúde de um indivíduo: durante os tempos de escravidão, a primeira coisa que era feita antes de adquirir um escravo era verificar o estado de seus dentes, para ver se ele era um indivíduo bem formado e bem alimentado desde a infância. Tradicionalmente, as unidades militares de elite também atribuíam grande importância à saúde bucal, e, até hoje, os indivíduos com dentes saudáveis continuam a ter prioridade como astronautas, pilotos ou mergulhadores. Atualmente, a frequência de cárie e defeitos dentários entre os países mais modernizados é de cerca de 85 a 90%, talvez a condição mais comum. Além disso, há outros problemas, como falta de espaço para os dentes do siso, devido ao subdesenvolvimento da mandíbula, que por sua vez demonstra uma falta de desenvolvimento do esqueleto.

Um dos especialistas que percebeu este fato foi o Dr. Price (1870-1948), dentista e nutricionista estadunidense que ficou chocado com as taxas de deformações dentárias e mandibulares que estavam sendo atingidas em seu país, até o ponto em que era praticamente impossível encontrar alguém com uma dentição normal e bem ajustada.

Chamado “o Darwin da nutrição”, o Dr. Weston A. Price (1870-1948) veio de uma boa linhagem. Ele era o nono de doze filhos, incluindo um inventor, um médico, dois dentistas, um ministro metodista e um agricultor de sucesso. Um sobrinho dele era um famoso escritor e explorador da National Geographic. A família Price pôde traçar sua origem a uma linhagem de nobres celtas centrada na população no País de Gales (Grã-Bretanha), desde pelo menos 230.

Price, muito familiarizado com os benefícios da vida no campo, estava convencido de que estes defeitos dentários não eram genéticos, mas eram devidos a vários hábitos não naturais, especialmente dietéticos, prejudiciais à saúde. Ele considerou os dentes como a linha de frente dos “alertas de saúde” do corpo, que a falta de saúde bucal nos países ocidentais era apenas o começo e que evidenciava um sério problema nutricional e de saúde que ameaçava causar a queda do homem ocidental. Sua busca pela dentição perfeita o levou a realizar um estudo de dez anos, durante o qual ele viajou por áreas isoladas de nosso planeta, com o objetivo de estudar milhares de indivíduos de comunidades “primitivas” que não haviam sido tocado pela civilização industrial —  e às vezes nem pela agricultura.

Os grupos estudados por Price incluíram vilas remotas nos vales suíços, comunidades de herança celta das Hébridas Exteriores, pescadores irlandeses de língua gaélica, povos indígenas das Américas, esquimós, ilhéus melanésios e polinésios, várias tribos africanas, aborígines australianos, maoris neozelandeses, etc. Entre essas pessoas, de composições, dietas e procedências raciais extremamente diversas, o Dr. Price encontrou uma proliferação de arcos dentários completamente perfeitos em sintonia com o plano da Natureza. Isso confirmou suas suspeitas de que, na maioria dos casos, a cárie dentária se devia a deficiências nutricionais (tanto dos pais quanto do indivíduo durante o estágio de crescimento), e não a defeitos genéticos hereditários.

Nativos das ilhas das Hébridas Exteriores, a noroeste da Escócia. Eles são irmãos, porém o da esquerda usa comida moderna e o da direita continua com a dieta tradicional de seus ancestrais. O primeiro possui uma dentição defeituosa e um rosto malformado devido a um subdesenvolvimento esquelético (devido, por sua vez, a uma deficiência ou má assimilação de minerais). O segundo tem um rosto bem formado e dentes perfeitos.
O quadro era semelhante em todas as etnias “primitivas” que o Dr. Price visitou: rostos bem formados, respiração pelo nariz (não pela boca), arcos dentários ajustados com perfeição milimétrica, taxas de cárie inferior a 1%, em resumo: boa saúde. Estes indivíduos têm origens e composição racial muito diversas, mas todos têm em comum a adesão à dieta tradicional de seus respectivos antepassados e são considerados “atrasados”, “subdesenvolvidos” e até “primitivos” pelo mundo moderno. No entanto, nenhum destes indivíduos precisou de creme dental, escovas, antissépticos orais, ortodontia, dentistas ou cirurgiões plásticos para ter uma dentição totalmente perfeita.

Características da dieta tradicional

Price logo percebeu que a perfeição dos arcos dentários era apenas a ponta do iceberg e que a saúde dos indivíduos examinados ia muito além dos dentes. Aqui estão algumas das ideias que ele apresentou sobre dietas tradicionais em seu estudo, “Nutrition and physical degeneration” (1939):

• As análises laboratoriais revelaram que as dietas tradicionais continham quantidades extraordinariamente altas de proteínas e aminoácidos. Todas as dietas tinham, pelo menos, uma fonte de proteína crua e inalterada de carnes, frutos do mar, peixes, ovos de peixe (“caviar”), nozes ou sementes germinadas de alta qualidade. Hoje sabemos que a revolução carnívora é o que nos fez evoluir, desenvolvendo nossos cérebros e nos tornando humanos, tal como vimos em outro artigo.

Receba nossas postagens por e-mail

• As dietas tradicionais fornecem pelo menos quatro vezes a quantidade de vitaminas hidrossolúveis (que se dissolvem na água, como B e C), cálcio e outros minerais, do que as dietas industriais modernas.

• Também fornecem pelo menos dez vezes a quantidade de vitaminas lipossolúveis (que se dissolvem na gordura, como A e D) do que as dietas industriais modernas. Além disso, essas vitaminas eram absorvidas muito melhores graças à abundância de gorduras animais na dieta. As vitaminas lipossolúveis atuam como catalisadores para a absorção de minerais, a produção de testosterona, o melhor uso de proteínas e a construção de tecidos, motivo pelo qual seu efeito mais notável é uma maior corpulência tanto nos ossos quanto nos músculos.

• Alta ingestão (quanto mais alta a temperatura ambiente) de gorduras saturadas de origem animal. Dependendo da área, essas gorduras são provenientes de manteiga, peixe, frutos do mar, órgãos de animais ou óleo de foca, baleia ou fígado de bacalhau. De acordo com etnia e latitude (como regra, mais gordura quanto mais ao norte e mais frio), a gordura constituía de 30 a 80% das calorias da dieta, das quais apenas 5% eram provenientes de óleos poli-insaturados de origem vegetal. O balanço calórico obtido da gordura era principalmente entre ácidos graxos saturados e monoinsaturados. A gordura animal contribuía com vários fatores lipossolúveis, incluindo as vitaminas mencionadas acima e um elemento chamado por Price de “Ativador X”, que agora se acredita ser a vitamina K2.

• As dietas “primitivas” continham quantidades semelhantes de ácidos graxos ômega-6 e ômega-3. Isso contrasta com as dietas modernas, que têm muito mais ômega-6 do que ômega-3. (Atualmente, para obter ômega-3, além de vitaminas lipossolúveis, é recomendável tomar óleo de fígado de bacalhau).

• Também eram ricas em enzimas e bactérias benéficas de vegetais lacto-fermentados, frutas, bebidas, laticínios, carnes e condimentos.

• Os produtos de origem animal, especialmente os de caça, pesca e mariscagem, eram altamente considerados. As carnes de órgãos tinham o maior prestígio, seguidas pelas gorduras e carnes musculares.

• Os métodos de armazenamento e preservação de alimentos dificilmente alteravam o perfil nutricional dos alimentos: enterramento, dessecação, desidratação, congelamento (apenas em climas frios), etc.

• A maioria dos alimentos era consumido cru, malcozido ou cozido de forma extremamente lenta e prolongada, “em fogo baixo”, para que todos os nutrientes fossem mantidos intactos. Um dos métodos observados de cozinhar carne “em fogo baixo” era fazer um buraco no chão, colocar pedras em brasa, cobri-las com grama, colocar a carne por cima, mais grama, cobrir tudo com terra e deixar durante horas.

• Nenhum alimento era refinado, desnaturado, adulterado ou despido de fibras. Isso contrasta com as abominações modernas, como açúcar refinado, xarope de milho com alto teor de frutose, farinha branca, alimentos enlatados ou embalados, leite pasteurizado, homogeneizado ou desnatado, gorduras hidrogenadas ou aditivos químicos.

• Os grupos étnicos que praticavam agricultura o faziam em solos com riqueza mineral natural e não usavam pesticidas ou fertilizantes químicos. Eles também eram muito cuidadosos para não esgotar a riqueza mineral do solo, não o explorando excessivamente através de uma agricultura excessivamente intensiva.

• Havia acesso a fontes de água mineral natural de alto valor ao organismo humano. Não havia contaminação e não havia necessidade de tratar a água com aditivos tóxicos, como cloro ou flúor. Ao contrário da sociedade industrial, a água não era canalizada através de tubos de metal que carregam metais pesados tóxicos para a saúde humana.

• Sementes, grãos de cereais, leguminosas e outros alimentos problemáticos eram colocados de molho, germinados, fermentados ou lavados para neutralizar certos anti-nutrientes naturais (como inibidores de enzimas, taninos e ácido fítico). Somente após essa preparação eles eram considerados aptos para consumo humano.

• Todos os grupos étnicos examinados realizam atividade física intensiva diariamente. Essa atividade podia ocorrer na forma de caça, esportes, trabalho de campo, construção de casas, jogos, danças folclóricas, concursos e competições, viagens nômades e outros.

• Todos os indivíduos passavam boa parte do dia fora de casa, em contato com o ar fresco e a luz solar, e isso tinha um impacto positivo nos níveis de vitamina D, que, por sua vez, tinham um impacto positivo na força esquelética e em outros fatores. Além disso, eles não ficavam o dia inteiro em casa, de modo que estavam desprotegidos contra intempéries.

• Geralmente, os doces, mesmo os naturais, eram comidos com pouca frequência e, quando eram feitos, eram para rituais ou festividades especiais.

• Todos os grupos observavam estágios periódicos de jejum total, durante os quais ingeriram absolutamente nada além de água. Esses jejuns tinham um papel ritual relacionado à purificação e ajudavam a limpar a corrente sanguínea, eliminar toxinas e renovar os tecidos do corpo.

• Importância da alimentação pré-concepcional e pré-natal. Em todas as etnias, foi dada atenção à alimentação de casais jovens durante a “lua de mel”. Tanto para o marido quanto para a esposa, durante a fase de concepção, uma proporção maior de produtos animais ricos em nutrientes (ovos, carne, peixe, marisco, etc.) era reservada para aumentar a vitalidade, a libido, a qualidade do sêmen masculino e as reservas biológicas da mulher durante a gravidez (atualmente sabemos que as reservas de vitamina A no corpo feminino se esgotam durante a gravidez e precisam ser reabastecidas). Esses alimentos também foram considerados importantes para as mulheres durante a gravidez e lactação e, depois disso, para a criança durante os anos de crescimento. Considerou-se que esses processos resultam em crianças fortes, saudáveis e inteligentes.

• Ossos de animais eram usados, geralmente na forma de caldos ósseos ricos em gelatina, o que ajudava o corpo a desintoxicar e fornecia uma grande quantidade de minerais altamente biodisponíveis.

• Todas as mães amamentavam seus filhos e faziam isso por mais tempo do que nas sociedades civilizadas e não tinham problemas na produção de leite materno.

Lições do estudo do Dr. Price

No estudo mencionado, o Dr. Price tirou conclusões interessantes sobre a qualidade biológica dos povos “primitivos”, com o objetivo de melhorar a dieta e a constituição física dos povos “avançados”:

1. Constituição esquelética ideal. Devido à maior contribuição e melhor absorção de vitaminas (especialmente lipossolúveis) e minerais, bem como à alta ingestão de gorduras, a densidade óssea dos indivíduos era muito maior que a de seus compatriotas “civilizados”. Essa densidade óssea se manifestou em um esqueleto mineralizado e mais pesado e em um rosto mais largo. O rosto mais largo, por sua vez, se manifestava em uma mandíbula mais larga e forte, de modo que os dentes não se chocavam e cresciam limpos e retos, com muito espaço para os dentes do siso. Além de formar arcos dentários perfeitos, os dentes eram fortes e desprovidos de cáries e outros defeitos, devido à excelente mineralização. As fraturas ósseas também eram muito raras.

Os números foram retirados de “Paleopathology at the origins of agriculture” (George J. Armelagos e Mark N. Cohen) e referem-se à área do Mediterrâneo Oriental, incluindo Grécia e Turquia. Deve ficar claro que esse quadro, embora dê a impressão de evolução ininterrupta, não reflete invasões, mudanças na composição racial, diversidade étnica ou diferenças de classe social. Por exemplo, a nobreza sempre foi melhor constituída do que o campesinato devido ao seu maior consumo de produtos de origem animal. Os esqueletos das tumbas micênicas na Grécia (1500 a. C.) mostram que a aristocracia tinha uma dieta melhor que a plebe, pois possuíam estatura de 5 a 7 cm mais alta e uma dentição muito melhor formada e com menor índice de defeitos. Além disso, a aristocracia costumava ser de uma composição racial diferente do que o povo. No geral, os termos médios são bastante indicativos e, acima de tudo, é interessante ver como a qualidade de vida, refletida na constituição esquelética, sofreu um colapso absoluto assim que a agricultura foi adotada, atingindo o fundo durante o final do período neolítico e melhorando levemente com o advento dos povos indo-europeus.

2. Índices pélvicos ideais, alta fertilidade. Em geral, as mulheres engravidavam facilmente e davam à luz em alta fertilidade e com pouco sofrimento. Isso concorda com o registro fóssil de caçadores-coletores paleolíticos, que mostra índices pélvicos ideais (proporção da bacia, através do qual se dá à luz). Os problemas reprodutivos (esterilidade, baixa fertilidade, baixa libido, impotência) de mulheres e homens eram praticamente desconhecidos. Uma esquimó do Alasca examinada pelo Dr. Price teve 26 filhos (!). Muitos de seus partos ocorreram durante a noite e ela sozinha era suficiente para dar à luz. Ela nem acordava o marido, mas dava à luz em silêncio e apresentava o novo filho a ele na manhã seguinte. Todos os seus 26 filhos tinham dentições perfeitas.

Esta esquimó [primeira superior a esquerda] tem uma constituição facial sólida e bons dentes, apesar de, devido a um incidente, estar com um dente faltando e outro quebrado. Ela teve 26 filhos, todos com dentes perfeitos. Os esquimós ingerem quantidades recordes de gordura animal de mamíferos aquáticos, como focas, morsas e narval.
3. Harmonia do corpo. Em todas as comunidades estudadas, praticamente não havia homens ou mulheres com cintura mais larga que os quadris, apesar da imensa quantidade de gordura animal saturada (incluindo colesterol) em suas dietas. Isso contrasta fortemente com a sociedade atual, que consome cada vez menos gordura saturada, mas sofre cada vez mais de obesidade, devido ao consumo indiscriminado de amidos concentrados, açúcares refinados, farinhas brancas, adoçantes artificiais e outras substâncias indesejáveis que são gatilhos de insulina.

4. Ausência de doenças degenerativas. Praticamente não havia casos de diabetes, câncer, Alzheimer, obesidade, gota, reumatismo, hipertensão, artrite, várias formas de esclerose, osteoporose, raquitismo, encurvamento da coluna e outros; em contrapartida, havia maior imunidade a doenças infecciosas (como tuberculose). Não havia doenças cardíacas, ataques cardíacos, alergias, asma, dores de cabeça, fadiga muscular, narcolepsia e muitas outras pragas que a sociedade moderna tem por garantida como se fossem normais ou parte da condição humana. Eles também desconheciam os ridículos males psicológicos do mundo moderno, como neurose, histeria, esquizofrenia, anorexia, ansiedade, bulimia, distúrbios bipolares ou depressão, pelos quais tinham uma atitude otimista e confiante em relação à vida. As principais causas de morte eram acidentes e infecções. Esse quadro contrasta com as taxas catastróficas de doenças psicofísicas nas sociedades “modernas”, sociedades que só perduram graças a toda uma indústria farmacêutica focada em prolongar artificialmente a quantidade de vida humana à custa de reduzir drasticamente sua qualidade.

5. Continuidade da tradição ancestral. Para proteger e perpetuar sua herança genética, essas sociedades estavam em posição de instruir suas novas gerações na sabedoria dos antepassados e nos costumes tradicionais. Novamente, isso contrasta com as sociedades “avançadas”, que desarraigaram o indivíduo de sua estrutura ancestral, esvaziando-o de toda tradição e depois infundindo-o com toda uma bagagem de comportamentos artificiais e pré-fabricados que danificam o código genético.

6. O modus vivendi do mundo moderno é prejudicial à espécie. Sob um ponto de vista estritamente sanitário, evolutivo e de qualidade humana, falando exclusivamente da harmonia e saúde física e psicológica, assim como um médico examinaria um paciente, o contato com a civilização foi desastroso para todos os grupos estudados. Price observou que, quando um casal “primitivo” se mudava para um estilo de vida civilizado, eles concebiam crianças com uma configuração esquelética, facial e dentária mais baixa: rostos malfeitos e, portanto, dentes apinhados e/ou mal posicionados devido a mandíbulas muito pequenas, problemas com dentes do siso, narinas pouco desenvolvidas (casos de complicações respiratórias que bloquearam as passagens nasais e forçaram a respirar exclusivamente pela boca), defeitos congênitos, comportamentos erráticos pressupostos por doenças mentais e aumento da suscetibilidade a doenças infecciosas e crônicas. Significativamente, quando esses casais retornavam aos seus costumes ancestrais, os defeitos das crianças deixaram de piorar e as crianças concebidas a partir de então tinham uma constituição física e mental muito melhor.

Hoje, os homens modernos se orgulham de seu estilo de vida, como se tivesse um grande mérito ao apertar um botão no computador. O “mocinho satisfeito” que Ortega y Gasset falou não percebe que o atual modus vivendi quase parece propositalmente planejado para corroer a qualidade biológica do ser humano e deixá-lo doente — sem mencionar o desgaste produzido em nosso planeta. Esta situação não é sustentável e não apenas entrará em crise e colapso como é necessário.

7. Os tipos humanos problemáticos são o resultado da civilização: os estratos sociais mais baixos, os criminosos e grande parte da população carcerária do mundo civilizado têm características faciais que mostram deficiências nutricionais dos pais, especialmente da mãe durante gravidez e lactação, além de uma dieta pobre na infância e adolescência. Esse tipo de característica está aumentando, uma vez que, em condições civilizadas, as ervas daninhas são mais promíscuas e têm uma taxa de natalidade mais alta. Além disso, atualmente, a incompreendida “solidariedade” da civilização ocidental tende a proteger legados genéticos problemáticos. Nas sociedades tradicionais, com os rigores da seleção natural, isso não acontece.

8. Extinção. Para que o homem moderno possa sobreviver a longo prazo, ele deve operar uma revolução alimentar, imitar os rigores do mundo natural e abraçar a sabedoria nutricional do homem “primitivo”. Caso contrário, enfrentará taxas de infertilidade e extinção em constante aumento devido à inaptidão evolutiva. O homem moderno enfrenta a possibilidade de que o instinto humano retorne à superfície e passe do subconsciente para o consciente, pulando todas as barreiras, cortando todos os laços para se manifestar da maneira mais primitiva e reivindicar os direitos que legitimamente lhe pertencem.

O preço de trair os ancestrais e dar as costas à Natureza. Todos estes indivíduos pertencem a grupos étnicos tradicionais que adotaram recentemente a dieta trazida pela sociedade industrializada. Alguns (como os dois africanos no canto inferior esquerdo) trabalham em plantações administradas por ocidentais, outros (como o do canto superior direito, bem penteado, mas com dentes malfeitos) são pessoas que tiveram acesso a uma educação “civilizada”… embora, infelizmente, também tiveram acesso a alimentos “civilizados”. Os resultados são sempre os mesmos: degradação dentária em vários graus (dependendo se a proporção de produtos processados em sua dieta foi maior ou menor), menor estatura, rostos deformados, narinas menos desenvolvidas (chegando a obstrução permanente das passagens nasais, a ponto de não conseguir mais respirar pelo nariz, só pela boca) e uma aparência mais fraca do que seus compatriotas “primitivos”. Quando pensamos que o homem ocidental vive por muitos séculos nesse tipo de dieta, entendemos o imenso dano perpetrado…

Fonte: Europa Soberana

Publicado originalmente em 5 de maio de 2013

Nota: Velasco é apenas um pseudônimo que “pegou” na dissidência brasileira.


CONFIRA NA LIVRARIA SENTINELA

Eduardo Velasco
Nos ajude a espalhar a palavra:
Gostou do artigo? Você pode contribuir para o site com uma doação:

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.