O Neoliberalismo é Inimigo do Brasil

Nos ajude a espalhar a palavra:

Não é de se espantar que a direita nacional, sintetizada na figura de Jair Bolsonaro, uma vez empossada do poder executivo, tenha descartado de seu discurso qualquer resquício de nacionalismo. Bolsonaro, outrora partidário de valores econômicos relativos a soberania nacional, tão logo lançou sua candidatura, subordinou-se a si e, por conseguinte, o Brasil, aos interesses do grande capital internacional, assimilando a seu programa de governo a pauta neoliberal de Paulo Guedes, chancelado por seus apoiadores bovinos do Movimento Brasil Livre. Aquele mesmo Bolsonaro que nos anos noventa sugeriu o fuzilamento do então presidente Fernando Henrique Cardoso pela privatização da Vale do Rio Doce, agora adere a mesma pauta tucana sob o lema de “privatizar tudo”. Hoje a direita vale-se dos custos e da ineficiência dos órgãos públicos para legitimação de sua pauta econômica, desconsiderando os anos de desmonte empreendidos pelos governos anteriores sobre estas mesmas prestadoras públicas de serviço.

Há que se denunciar o caráter entreguista das privatizações de setores estratégicos para o governo, que sumariza, em última instância, o desejo de vender ao estrangeiro – isto é: Estados Unidos ou China – as riquezas naturais do Brasil sem tampouco eliminar o monopólio, apenas trocando o proprietário nacional por um estrangeiro descompromissado com o bem estar da nação. Ademais, existe um caráter cíclico indissociável de uma possível solução para a crise econômica: os países para os quais se deseja vender as estatais nacionais são os mesmos que, mediante os banqueiros americanistas e sionistas, fazem do Brasil refém de seus juros. Hoje os juros da dívida externa – a qual indubitavelmente já foi paga pela união – cresce à média de dois bilhões por semana. Diante desse cenário, deveria ser impensável subordinar o contribuinte as elites estrangeiras em detrimento de manter boas relações com os países que nos escravizam, mas a convicção do excecutivo nas medidas anti-nacionais que vem sendo empreendidas pelo Ministério da Economia, seguem no sentido da falta de governança sobre os cofres públicos, tornando inevitável, neste contexto de indiferença, o estrangulamento do trabalhador pela “mão invisível do mercado”.

No âmbito internacional, a autonomia nacional inexiste no contexto da exploração financeira dos grandes banqueiros, a qual é geradora de uma pobreza que desampara o povo mediante a dívida pública e a escravização pelo juros. Bolsonaro teria em suas mãos a change de desenvolver um sistema de soberania que rompesse com a finança internacional, com a falsa democracia das elites, mas infelizmente, o eleitorado fiel de o atual governo é composto, em sua maioria, por indivíduos os quais aderiram a mentalidade liberal, à crença racista de que a nação brasileira é incapaz de ser soberana e independente, o que invariavelmente leva a esse desejo de ser subalterno a potências econômicas alienígenas.

Em tempos remotos, o brasileiro médio, hoje adepto do “bolsonarismo”, ainda bradava que “o petróleo é nosso”, “a Amazônia é nossa”, desinteressado pelo discurso populista da privatização e do loteamento do território nacional mediante “concessões”. Contudo, o agravamento da crise econômica suscitou muitos discursos embasados em um liberalismo encarregado em falir a autodeterminação de qualquer poder nacional, subjugando o Estado brasileiro aos desmando dos poderosos, transgredindo a autonomia do governo, as pautas morais e os valores do povo em detrimento da acumulação de capital.

Não existe solução saudável para o problema econômico do Brasil senão o calote direto e deliberado, a exaltação do patrimônio nacional em uma narrativa totalizante que vise libertar o Brasil das algemas econômicas externas, em busca de uma moeda forte sem lastro no dólar, com uma economia que valorize nossas riquezas naturais aliada a um poderio bélico militar condizente com o território nacional. Há que se desenvolver uma espécie de nacionalismo econômico, indissociável da compreensão geral de “nacionalismo”, o qual tenha em vista a assegurar a vigência da autoridade estatal sobre seu próprio mercado e, por conseguinte, sobre suas próprias leis, desgarrado das políticas econômicas neoliberais que nos são impostas pelo NAFTA e pela União Europeia – organizações compostas por países os quais adotam para si um sistema econômico protecionista e regularizado. É preciso por em descrédito a concepção vigente no consciente coletivo de que tudo o que advém da alocação estatal de recursos é necessariamente inferior a administração privada, uma vez que esta última visa, não o serviço, mas o lucro monetário individual.

 

Fonte: Mentes Independentes

Siga em:

Eduardo Salvatti

Eduardo Salvatti em Mentes Independentes
Gaúcho de Porto Alegre (2001), entusiasta da filosofia, católico romano, revolucionário com engajamento social desprendido de pragmatismos.
Siga em:

Últimos posts por Eduardo Salvatti (exibir todos)

Nos ajude a espalhar a palavra:

2 thoughts on “O Neoliberalismo é Inimigo do Brasil”

  1. Estas magnânimas palavras distinguem o bem e o mal: “Pelos seus frutos os conhecereis” Mateus 07:16 https://gutezitate.com/zitate-bilder/zitat-dieses-hochste-wort-wird-gut-und-bose-trennen-an-ihren-fruchten-sollt-ihr-sie-erkennen-ernst-von-feuchtersleben-224246.jpg

    Em toda nação comunista o Coeficiente Gini é elevado, os serviços públicos são precários ou inexistentes e a população carcerária exacerbada. Se a escravidão é o ápice do parasitismo, empiricamente – decorre da mesma fonte que promove o comunismo.

    Lamentavelmente, em, 30 de agosto, há 77 anos atrás o Brasil declarava guerra à Alemanha Nacional Socialista de Hitler – a ideologia da vanguarda, portanto da VIDA, DO NACIONALISMO, DO PATRIOTISMO, DA ECOLOGIA, DA LIBERDADE – ao país que ERA e É a antítese do comunismo/neoliberalista e suas perversões escravagistas.

    O nacional-socialismo foi – e continua sendo – a ideologia mais tradicional e moderna, já concebida pelo homem. É uma ideologia que tem a solução final para a questão existencial do homem, há setenta anos, tão bem quanto hoje. Porque a pergunta permanece a mesma, e a resposta também

    Por trás da propaganda: o que é “nazismo”? https://nationalvanguard.org/2018/09/behind-the-propaganda-what-is-nazism-a-primer-for-brain-dead-journalists/

    https://78.media.tumblr.com/3bf537fad65db4b7e5c8b1337fc09dd2/tumblr_inline_p3df2zcZhI1st39ou_1280.jpg
    O modo de vida Nacional-Socialista https://nationalvanguard.org/2018/09/national-socialism-and-the-laws-of-nature/ é orientado pelo caminho da Honra pessoal e da consciência pelo que é correto e justo. O Nacional-Socialista é um exemplo de pessoa honrada e de nobre espírito. A liberdade espiritual é atingida e as falsas morais são derrubadas. Estamos em busca da criação de um Novo Homem, um Homem livre disposto a perseguir seu próprio destino em rumo à superação pessoal. O Nacional-Socialismo trata-se de uma busca pela EXCELÊNCIA e CRIAÇÃO DE UMA SOCIEDADE MELHOR E MAIS DIGNA.

    Estamos de mãos atadas, presos e reprimidos pelos nossos próprios governos. É impossível a um Nacional-Socialista não revoltar-se contra a atual situação em que o mundo encontra-se e essa REALIDADE ENFERMA. Lutamos para alcançar nossa própria liberdade, a liberdade de controlarmos nosso próprio destino. Estamos em guerra contra o tempo. Você está disposto a encarar o ódio e a perseguição de inimigos e traidores? Está disposto a desafiar a tirania e libertar-se da ESCRAVIDÃO que encaramos? Poderá abrir mão de prazeres fúteis para lutar por algo que acredita do fundo do coração e que sabe estar correto? Pode encarar a vida como uma luta pela nossa própria liberdade? Até quando aceitaremos a repressão e ficaremos calados? É a hora de acordarmos, é hora de fazermos algo! É a hora de levantar e erguer o braço direito! https://66.media.tumblr.com/63ff387267c16cdf63db86e17b722258/tumblr_n729rrkOec1sb7p2jo1_400.gif

    Um povo, uma nação, um líder
    Nacional Socialismo Alemão foi uma “Weltanschauung” ou “visão de mundo” que procurou combinar e preservar a solidariedade racial-étnico-cultural-espiritual-linguística entre o povo alemão como uma nação unificada “o Volk” que está intimamente ligada ao seu próprio solo. https://nationalvanguard.org/2019/06/folk-and-land/ Daí “nacional”. Mas “socialista”, como veremos, nunca deveria ser confundido com a doutrina marxista, mas referindo-se ao verdadeiro e original socialismo alemão antigo. Além disso, o nacional-socialismo era de natureza cristã e central, baseado nos princípios do “Cristianismo Positivo” com foco na FAMÍLIA, na MORAL, VALORES, ÉTICA E PADRÕES COMUNITÁRIOS, através do verdadeiro amor fraternal em ação e ações não apenas a filosofia, e também não o espírito do “igualitarismo” liberal e do “internacionalismo” ou do universalismo comunista. https://nationalvanguard.org/2018/07/the-fraud-of-marxism/

    Construindo o futuro Estado socialista nacional: comunidade popular https://nationalvanguard.org/2018/05/building-the-future-national-socialist-state-folk-community/

    Nacional Socialismo Alemão recriou uma Alemanha para alemães, principalmente, com os alemães no controle, e com cada um comprometido com este “modus vivendi’’, para seus próprios interesses e seu benefício coletivo. Por isso, as palavras do hino alemão “Deutschland Ueber Alles” NUNCA foram sobre “expansionismo” em território estrangeiro, COMO FAZEM HOJE OS QUE ALMEJAM O INTERNACIONALISO E UM GOVERNO MUNDIAL ÚNICO – nem uma política externa agressiva, muito menos qualquer desejo de “dominar o mundo”, mas DEVOÇÃO PATRIÓTICA à terra e ao mundo às pessoas “Das Volk”, com um desejo, se possível, de re-unir as tribos germânicas em um novo Império Alemão. https://nationalvanguard.org/2019/06/the-eternal-laws-of-nature-love-and-national-socialism/ Mas JAMAIS, no entanto, pelo alto preço da guerra que Hitler conhecia muito bem.

    O nacional-socialismo foi uma “revolução” ( porque libertou e melhorou a condição de vida alemã) que se manifestou na esteira da Primeira Guerra Mundial e em resposta aos ditames opressivos do Tratado de Versalhes que haviam sido impostos pelos aliados, resultando em perda de território e de população, e não muito depois disso um afluxo de refugiados alemães oprimidos e aterrorizados dos antigos territórios alemães. Foi também uma resposta ao subsequente advento da República de Weimar, de inspiração liberal-democrática, marxista-socialista, e de todos os males políticos, econômicos, sociais e culturais que se abateram sobre a Alemanha a partir de então. A interferência internacional também levou a profundas divisões políticas internas, caos social e desordem, decadência cultural, o empobrecimento das massas em benefício da minoria, bem como, um estado geral de impotência interna, em termos de poder afetar a mudança e a estabilidade. Mas também um estado de impotência internacional, com perda de soberania e total incapacidade de afirmar e proteger sua soberania em um ambiente europeu hostil.

    “E veja o que os judeus nos fizeram desde a guerra para expressar sua gratidão por terem sido salvos de Hitler! Eles, deliberadamente e com malícia, multiculturalizaram-nos. Eles abriram nossas fronteiras para o Terceiro Mundo. Eles nos deram feminismo, ação afirmativa e rap de gangster. Eles promoveram a homossexualidade como um estilo de vida “normal”. https://nationalvanguard.org/2018/02/our-biggest-mistake-classic-free-speech-broadcast-2002/

    O ANTI GERMANISMO MUNDIAL, QUE COMEÇOU NO FINAL DO SÉCULO XIX E FOI EXACERBADO PELA PROPAGANDA DE ATROCIDADES NO TEMPO DA GUERRA, TAMBÉM ABUNDAVA NO MUNDO. https://verbotenesarchiv.files.wordpress.com/2016/04/treeofjudaism.png

    Esta REVOLUÇÃO(?) começou como um partido político e verdadeiramente um movimento de base, inicialmente com um número muito pequeno de 7 homens, mas cresceu rapidamente ao longo de 13 anos em um ambiente político muito hostil e violento, influenciado por interesses estrangeiros e dominado pelos bolchevistas, ameaçando transformar a Alemanha em um estado de estilo soviético.

    O caos interno e as lutas de classe deixaram o povo alemão em um estado desesperado, e só beneficiaram os interesses internacionais, que lucraram com sua miséria e impotência, eliminando a competição e, além disso, tornando a Alemanha madura para a aquisição bolchevique. OS ALEMÃES alemães médios, no entanto, em sua maior parte, ESTAVAM MUITO CONSCIENTES DO GENOCÍDIO OCORRIDO NA UNIÃO SOVIÉTICA E DO ESTADO POLICIAL TIRÂNICO RESULTANTE, e não queriam participar dele.

    Depois de mais de uma década de luta política com um crescimento constante e um aumento de sua popularidade, combinada com desconfiança e insatisfação com as alternativas, que não conseguiram mudar nada, o Nacional-Socialismo foi finalmente ordenado e realizado de 1933 a 1945, como soberano nacional. sistema partidário no contexto de um novo (Terceiro) Império Alemão. Após as eleições nacionais democráticas de novembro de 1932, o NSDAP finalmente alcançou a maioria, e assim em 1933, o líder do partido (Führer) Adolf Hitler foi nomeado legalmente e devidamente chanceler com um mandato do povo, baseado em um plano abrangente bem divulgado para retificar os problemas políticos, econômicos e sociais, prometendo “Pão e Trabalho”, buscando uma revisão justa do Tratado de Versalhes, mantendo relações pacíficas com os vizinhos de sua Alemanha. https://kopfschuss911.files.wordpress.com/2014/09/versaille3.jpg

    Adolf Hitler https://nationalvanguard.org/2018/08/who-is-hitler/ instituiu o nacional-socialismo como a “doutrina política da comunidade nacional” que é a “Volksgemeinschaft”, e não em nome do poder pessoal, objetivos ou ambições, mas sim de representar e fazer a vontade do povo. Isso significava verdadeira “democracia” e pode essencialmente ser entendido como “governo do povo, pelo povo e para o povo” no vernáculo americano. As necessidades dos alemães médios foram colocadas em primeiro lugar, garantindo sua sobrevivência como nação: um povo único e soberano com direito à autodeterminação; capaz de sustentar-se e preservar-se e de prosperar, livre de dominação estrangeira, ditames internacionais injustos e ameaças livres à sua existência, tanto estrangeira quanto doméstica. Hitler era o líder do partido e líder nacional, daí: Der Fuehrer.

    Mas ele não se colocou acima do povo, como um ditador, como afirmam os historiadores da corte e aqueles com agendas ocultas. ELE REALMENTE REPRESENTOU AS PESSOAS E SEUS INTERESSES, E, O MAIS IMPORTANTE, ELE NÃO FEZ PROMESSAS IMPOSSÍVEIS DE SEREM CUMPRIDAS, portanto, não era um “político” hipócrita.

    Adolf Hitler tinha um plano de ação concreto que foi bem divulgado e ele levou adiante. Ele foi eficaz, e os frutos de seus trabalhos, e os do NSDAP em organizar as massas para ajudar a si mesmos logo nasceram, resultando em uma popularidade cada vez maior, proporcionalmente à sua maior prosperidade e qualidade de vida. https://nationalvanguard.org/2018/05/why-we-continue-to-tell-the-truth-about-adolf-hitler-and-national-socialist-germany/ Assim, ele foi amado pelas massas, como é evidenciado em imagens de vídeo de tantos encontros públicos, mas é claro, não por aqueles com outras agendas e interesses egoístas. Não havia necessidade de outras partes com visões alternativas, doutrinas, filosofias, princípios, etc. Eles estavam felizes e bem servidos. O povo alemão estava mais uma vez no controle de seu próprio destino, tanto individualmente quanto como nação. O que poderia ser mais democrático que isso? E por que aqueles que se chamam “democratas” têm alguma objeção?

    A maioria dos pequenos grupos nacionalistas concordaram em se fundir com o NSDAP após a vitória do NSDAP em 1933. A expressão visível da absorção dos diferentes grupos no grande movimento popular foi a apresentação das bandeiras das várias associações nacionais e do corpo de voluntários em Novembro de 1933.

    (Nota: a palavra alemã para o nacional-socialismo é “Nationalsozialismus” e foi abreviada como NS e não “nazista”)

    Princípios básicos

    As ideias básicas do nacional-socialismo eram orgulho da história e da herança cultural comuns, uma configuração saudável das personalidades individuais, ao mesmo tempo em que geravam e nutriam um espírito de altruísmo nacional, em oposição às ideias liberais e libertárias atomizadas do “individualismo” (que têm sua gênese em Maçonaria, e que o governo Nacional Socialista sempre se opôs, e depois baniu).

    Compare e Contraste:

    O nacional-socialismo contrastava com o socialismo-marxista ou bolchevismo que se baseia na “luta de classes” e a destruição do individualismo e das classes sociais, tornando todos igualmente pobres e sujeitos a uma autoridade suprema do Estado, resultando no menor denominador comum direitos naturais inerentes, e apenas privilégios, na melhor das hipóteses, com a promessa de benefícios que geralmente não são acessíveis, ou que são insustentáveis, e não são propícios à criação de incentivos. Em vez disso, o fator motivador é o medo do “poder do Estado” e da “autoridade do partido” e sua liderança, combinada com uma punição severa para aqueles que não “se dão bem”, muitas vezes arbitrários, com pouca ou nenhuma proteção dos caprichos e mecanismos do Estado policial totalitário. https://nationalvanguard.org/2018/07/alfred-rosenberg-on-the-relationship-of-national-socialism-to-totalitarianism/

    O produto líquido é “aquiescência” e não entusiasmo. O socialismo marxista também não fornece nenhum incentivo natural para a proteção dos recursos e do meio ambiente, emprestando-se ao expansionismo, e isso não faz acepção de estados vizinhos, nem de outras culturas. Além disso, é ateísta, sem respeito pelo Criador, pelo indivíduo, nem pelas crenças e valores de qualquer comunidade religiosa.

    O Nacional-Socialismo era sobre trabalho e iniciativa pessoal, e assumir a responsabilidade, não apenas por si, apenas para benefício próprio, mas também pela comunidade nacional, bem como pelo meio ambiente (isto é, o habitat natural e a sociedade) e, portanto, assegurar a sobrevivência, isto é, a saúde e a prosperidade da nação e da sociedade como um todo, e não apenas a “sobrevivência do mais forte” e a contínua prosperidade dos que já são prósperos, apenas para sua própria vantagem. https://nationalvanguard.org/2018/10/the-national-socialist-lifestyle/

    É necessário que pessoas de todas as classes trabalhem juntas para seus benefícios e interesses comuns e mútuos. O papel do governo era meramente facilitar esse ambiente autossustentável para todos os membros da nação em que todos pudessem viver bem e prosperar, com a demanda e a oferta voltada principalmente para o mercado interno, para os mercados nacionais, necessidades regionais e locais, produzindo e consumindo o que era necessário em casa. Isto significava que a nação tinha menor dependência do mundo exterior para comércio e comércio, era mais independente no mundo, menos sujeita a mercados globais, interesses corporativos e globais, e sem necessidade ou incentivo para expandir, nem coagir e ameaçar outros nações. https://www.gegenfrage.com/banken-militaer-usa/

    https://pp.vk.me/c637825/v637825892/17805/3ZC6rs8vOhM.jpg BANCOS JUDAICOS COM SEUS MÉTODOS ILEGAIS CONTROLARÃO TODA A RIQUEZA AMERICANA. ELES CORROMPERÃO A CIVILIZAÇÃO MODERNA E NÃO EXITARÃO EM LANÇAR TODA A CRISTANDADE EM GUERRA E CAOS PARA ASSUMIREM O DOMÍNIO MUNDIAL.

    Os ideais liberais da franco-maçonaria, em contraste, geram uma “nação de indivíduos” com cada um seguindo seu próprio caminho, com pouca ou nenhuma preocupação com as necessidades daquela comunidade nacional como um todo; a unidade orgânica da qual o indivíduo foi derivado e foi alimentado, com apenas uma noção teórica de um efeito trickle down para os outros. E subjacente a isso, a suposição de que aqueles que se saem bem o fazem legitimamente e ocasionalmente devolvem algo, LEGITIMANDO ASSIM, A ESTRUTURA DE PODER DOS PLUTOCRATAS E OLIGARCAS e SEU grau de poder e influência. https://nationalvanguard.org/2019/06/no-more-jewish-wars/

    Isso geralmente é pensado como “Free Enterprise”, mas é realmente desenfreado – capitalismo de mercado livre de Judeus, e prospera em um sistema de especulação de mercado de ações, acordos de bastidores e manipulação, e especialmente onde o sistema monetário (criação e controle de moeda) está em mãos privadas, combinado com dívida e juros ou “usura”, criando um monopólio, como com o Federal Reserve dos EUA. https://nationalvanguard.org/2019/07/the-jewish-banking-scam/

    Empiricamente, através de um BANCO CENTRAL, gera-se 90% das possibilidades em tornar uma nação comunista” visto que, será ELE que estabelecerá a política monetária sobre juros que quebrará indústrias, gerará desemprego e caos social – condição sine qua non para estabelecimento comunista. O comunismo só consegue florescer em sociedades caóticas. Se o banco central é responsável por 90% do caos em uma nação, os 10% restantes podem ser alcançados através da migração em massa para criar o caos almejado

    OS NACIONAL SOCIALISTAS ALEMÃES SE OPUSERAM A ISSO ESTABELECENDO CONTROLES ESTRITOS SOBRE O BANCO CENTRAL E O MERCADO DE AÇÕES criando e controlando sua própria dívida e moeda livre de juros com base na mão-de-obra e na produção resultante do povo, não no ouro, prata ou outras mercadorias, cujo valor está sujeito a especulação. Eles também impuseram limites aos salários e preços, bem como reduziram as importações e exportações, e impediram que grandes lojas de varejo “grandes caixas” pudessem inundar o mercado com produtos importados baratos criando um monopólio.

    O nacional-socialismo era direitista? Ou de esquerda?

    NEM “direita” NEM “esquerda” em termos de como a maioria das pessoas vê o espectro político, mas sim como uma “Terceira Via” e se via como um movimento nacionalista social popular de base ampla. envolver todas as classes do corpo nacional para o bem maior do povo como um todo, do qual todos se beneficiariam.

    O nacional-socialismo expressou seu compromisso com o povo alemão, CONTRÁRIO a sistemas rivais como o judeo-bolchevique-marxismo e o capitalismo judaico-maçônico-liberal ou o “liberalismo”. https://2.bp.blogspot.com/-q7yJWWFv0XI/VeX1U7iUAWI/AAAAAAAANpA/9dNsxs9yt1s/w800-h800/Direita%2Bversus%2Besquerda%2Bno%2Bsistema%2Bzog.PNG

    Também se opôs a tentativas de interesses judeus internacionais auto descritos de se infiltrar, dominar e dominar o “corpo político” nacional, como foi anteriormente o caso, e foi o caso em outras nações desenvolvidas, criando uma ameaça existencial a nações e povos soberanos. http://politicosdobrazil.com/wp-content/uploads/2015/06/lenin_familia.jpg

    Assim, o Nacional-Socialismo colocou um foco significativo na chamada “Questão Judaica” em relação à vida na Alemanha, especialmente. Isso não era de forma alguma um problema distintamente alemão. Foi falado em muitos países, incluindo Inglaterra e América, e outros países europeus com soluções procuradas.
    https://nationalvanguard.org/2019/02/one-hundred-years-of-national-socialism-1919-2019/
    TODA DOUTRINA SOCIAL QUE VISE DESTRUIR A FAMÍLIA É MÁ E PARA MAIS INAPLICÁVEL QUANDO SE DECOMPÕE UMA SOCIEDADE O QUE SE ACHA COMO RESÍDUO FINAL NÃO É O INDIVÍDUO, MAS SIM A FAMÍLIA. https://centralmatrix.files.wordpress.com/2016/08/frase-toda-a-doutrina-social-que-visa-destruir-a-familia-e-ma-e-para-mais-inaplicavel-quando-se-victor-hugo-148578.jpg

    https://1.bp.blogspot.com/-duQFwr5tcJU/W4eAWFv0k6I/AAAAAAAAJdQ/RYWzC5lWDo8n-hfz-ryUdRgFqZ1rMxEcACLcBGAs/s640/GRAMA%2BVERDE%2BCHESTERTON%2B-%2Bchegara%2Bo%2Bdia%2Bem%2Bque%2Bteremos%2Bque%2Bprovar%2Bque%2Ba%2Bgrama%2B%25C3%25A9%2Bverde.jpg

    Pela lei da natureza – SEMPRE QUE O PIOR CHEGA AO PODER , tudo piora. A verdade não odeia, é odiada; não evita, é evitada; não acusa – revela. https://concisepolitics.files.wordpress.com/2018/09/ezra-pound-hated-wars-of-greed-and-domination-caused-by-lies-propaganda-of-the-rothschilds-crime-syndicate.png

  2. “[…] a convicção do excecutivo nas medidas anti-nacionais que vem sendo empreendidas pelo Ministério da Economia, seguem no sentido da falta de governança sobre os cofres públicos, tornando inevitável, neste contexto de indiferença, o estrangulamento do trabalhador pela ‘mão invisível do mercado’.”

    Repare que uma instituição honesta iria primar pela transparência, mas esse tal ‘mercado’ quase sempre está sob a forma de Holdings e S.A. (sociedade anônima) em que há o sigilo para atuarem os mais alheios interesses ao Brasil.

    Ninguém ou quase ninguém desse anonimato responde por interferências na soberania nacional.

    Que possam existir sigilo em instituições que defendam a soberania de uma nação eu admito, por exemplo nas Forças Armadas, o que não dá para admitir é grupos alheios ao Brasil atuarem sob sigilo, no caso, interferindo na economia e finanças diretamente, e no futuro integral da nação indiretamente!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.