fbpx

PARA A ALEMANHA, em 1945, o terror internacional soprou do Oriente e do Ocidente. Ninguém que então visse o rosto sombrio da besta jamais seria apaziguado pelos chavões dos anos vindouros: liberdade, igualdade, democracia, a irmandade do homem, direitos humanos.

Revilo Oliver disse que quando ele veio para Washington DC, em 1945, ele estava totalmente confiante de que o povo americano logo expulsaria os traidores do governo, de uma vez por todas; certeza de que, quando descobrissem sobre a traição judaica que os levara à guerra, exigiriam sua justa retribuição.

Oito anos depois, com a queda de Joe McCarthy, Oliver admitiu para si mesmo que sua confiança anterior havia sido totalmente equivocada e ele estava terrivelmente errado.

VISITE NOSSA LIVRARIA

[carousel_slide id=’21180′]

 

Antes da Segunda Guerra Mundial e durante a maior parte de suas lutas, George Patton fora uma pessoa principalmente apolítica. Ele tinha um amor, um interesse, uma vocação: a guerra.

Quando a guerra estourou, ele não a viu como uma forma de derrotar os “maldosos nazistas”, ou libertar os judeus, ou dar um golpe pela liberdade. Ele viu isso como uma maneira de se envolver novamente na única coisa que importava para si, a coisa que o obcecava: a guerra.

O que acordou Patton de seu sono apolítico foi quando ele deu um tapa em um soldado que estava se esquivando do dever. Não tardou e a imprensa já estava retratando-o como um ogro cruel e tirânico. E não demorou muito mais para ele perceber o poder da mídia em moldar os eventos, nem para identificar a mídia como dirigida por judeus.

O General Patton (em pé) conversa com feridos a caminho do Hospital. Unip. Frank A. Reed, East Dephon Mass, 7ª Infantaria, 3ª Divisão, ferido por estilhaços. As vítimas estão esperando para serem evacuadas por via aérea. (Autor Desconhecido/Wikimedia Commons)

Patton desprezava Eisenhower como burocrata e bajulador. E quando Eisenhower impediu Patton de vencer o Exército Vermelho em Berlim, ele mais do que o desprezou. Ele começou a ver que alguma conspiração estava acontecendo. Uma conspiração que se contentou em entregar milhões ao terror implacável dos soviéticos. Uma guerra pela liberdade humana, de fato.

Quando ele finalmente conseguiu chegar a uma Berlim já pacificada, sua educação se tornou completa. Ele viu pela primeira vez que este não tinha sido um jogo de guerra ou uma causa patriótica valente. Isso tinha sido terror internacional.

VISITE NOSSA LIVRARIA

[carousel_slide id=’21180′]

 

A primeira pista para o grau de consciência de Patton foi sua reação aos judeus que viu. Para a maioria hoje, acostumada a 75 anos de propaganda e doutrinação implacáveis, a visão de judeus magros após a guerra provoca uma compaixão enorme e ilimitada. Aqui está a derradeira vítima, eles pensam, o símbolo mais urgente da desumanidade do homem para com o homem.

Patton, que os viu pessoalmente, teve uma reação totalmente diferente. A visão dos judeus “deslocados” o encheu de repulsa, o repeliu profundamente. Ele os considerava subumanos e se opunha ao cuidado e atenção dispensados ​​a eles.

Sua visão do Exército Vermelho também era negativa. Ele os chamou de bárbaros e notou que eles cambaleavam bêbados pela cidade.

General Omar Bradley, General Dwight Eisenhower e General George Patton, todos graduados em West Point, examinam os danos da guerra em Bastogne, Bélgica (National Archives/Wikimedia Commons)

Por outro lado, ele via o povo alemão com enorme simpatia e ficava impressionado com ele. Ele disse que se você convocar dez alemães e dizer a eles para cavar um buraco, quando você voltar em uma ou duas horas, você terá seu buraco.

Era uma pessoa com quem ele poderia fazer negócios. Este era um povo nobre, um povo que valia a pena salvar.

Ele viu imediatamente que havíamos lutado contra o exército errado.

VISITE NOSSA LIVRARIA

[carousel_slide id=’21180′]

 

Ele entendeu o que o Grande Almirante Dönitz, o sucessor de Adolf Hitler como chefe de estado da Alemanha, havia dito antes da rendição do Terceiro Reich. Ele viu que os britânicos e os americanos não lutam pelos interesses de seus próprios povos, mas pela difusão do bolchevismo.

Patton percebeu tardiamente que ele e seus homens não tinham sido a vanguarda da libertação humana, mas foram usados ​​como um instrumento contundente na promoção de uma conspiração criminosa internacional: uma conspiração de judeus, de judeus em cargos importantes no governo americano.

Esse conhecimento, é claro, contrariava a narrativa emergente que estava sendo contada pelos vencedores; contrariava a propaganda de que os judeus foram a única vítima da história (em vez do que realmente foram, os perpetradores de um grande crime). Em suma, esse conhecimento era dinamite. Era um conhecimento que o povo americano precisava obter, mas que, com raras exceções, nunca o conseguiu.

General George Patton interroga um general SS na Normandia, França, 1944 (Wikimedia Commons)

Patton imediatamente quis montar um exército, composto por tropas americanas e alemãs, com ele à frente. Um exército para expulsar os Vermelhos da Europa e de volta para os arredores de Moscou. Uma guerra de verdadeira libertação.

Quando souberam desse plano, os chefes militares olharam para Patton como se ele tivesse três olhos.

Mas, na verdade, era apenas ele quem via com clareza. Só ele não estava escravizado por um inimigo perigoso e traiçoeiro.

Quando Patton ouviu falar dos planos de julgar a liderança alemã por crimes de guerra em Nuremberg, ficou lívido. Isso ia contra todos os valores que ele tinha. Ele não via os alemães como maus de forma alguma, mas sim como o inimigo de honra que ele acabara de derrotar. Julgá-los em uma farsa de um julgamento quase judicial por acusações forjadas – e por “crimes” que nem mesmo existiam em qualquer estatuto ou lei, em qualquer lugar, apenas meses antes – seria um exercício sórdido e desonroso; experimentá-los seria macular a guerra que acabara de ser travada. Isso ia completamente contra o antigo código de guerreiro do qual ele era o principal expoente.

Isso ofendeu seu senso saxão de jogo limpo.

Estava subentendido.

VISITE NOSSA LIVRARIA

[carousel_slide id=’21180′]

 

Ele já havia se manifestado contra os esforços de “desnazificação”; ele não via razão para purgar esse já grande povo de seus melhores homens. Ele sabia que na batalha adiante tais homens seriam necessários.

Se ele tivesse vivido para aprender sobre o Plano Morgenthau para subjugar e desindustrializar a Alemanha, para manter o povo alemão de joelhos, isso teria confirmado o que ele já sabia: que os judeus estavam dirigindo o governo americano, administrando-o para seus próprios propósitos nefastos.

Washington DC passou fora do controle americano.

George Patton tinha enorme prestígio, tremenda coragem, carisma sem fim e uma boca que era irrefreável.

Tivesse a bola de fogo de raiva e “luta” que era George Patton rolado para a América, armado com seu conhecimento recém-adquirido, isso teria sido explosivo.

Mais tarde, ele teria sabido o que McCarthy descobriu: os fatos e detalhes provando que o governo Roosevelt estava crivado de comunistas judeus; os fatos que mostram que os americanos foram traídos pelas pessoas em quem confiavam.

General George S. Patton é homenageado com um desfile por Los Angeles e uma recepção no Memorial Coliseum diante de uma multidão de mais de 100.000 pessoas. Ele falou na frente da prefeitura de Burbank e no Rose Bowl em Pasadena, usando um baú cheio de medalhas e dois revólveres com cabo de marfim (não de pérola, como muitas vezes é afirmado incorretamente). Ele pontua seu discurso com alguns dos mesmos palavrões que usou com suas tropas. Em 9 de junho de 1945 (Wikimedia Commons)

Ele era o único homem que poderia ter feito essas acusações persistirem. Ele era o único homem que poderia ter salvado o povo americano da lavagem cerebral que começou para valer e depois aumentou antes, durante e depois da guerra – lavagem cerebral que retratou Hitler e a Alemanha Nacional Socialista como um mal singular que deve ser destruído e banido, custe o que custar – lavagem cerebral que retratou o rosto sombrio da Besta como a “esperança da humanidade”.

George Patton poderia ter esclarecido as coisas, para uma vantagem incalculável do povo americano.

Como tal, os líderes de nosso governo corrupto e militares sabiam que ele era um perigo: ele poderia ser o responsável por derrubar tudo.

Como tal, eles sabiam que ele tinha que ser eliminado. E então eles o assassinaram.

E então o homem que poderia ter corrigido a história e colocado a América em um curso honroso, esse grande homem, esse herói americano, esse homem a quem todas as honras vão, esse homem nunca saiu vivo.


Fonte: National Vanguard

Texto de Douglas Mercer publicado originalmente em 9 de setembro de 2020 com tradução de Leonardo Campos  


VISITE NOSSA LIVRARIA

[carousel_slide id=’21180′]

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Quer receber nossas notificações?    SIM! Não, obrigado (a)