Prova do Domínio Judaico Sionista na BBC

Nos ajude a espalhar a palavra:

A BBC (Britsh Broadcasting Corporation) é a mais conhecida emissora internacional do mundo e, com mais de 23 mil funcionários, é certamente a maior. É uma emissora de serviço público a qual é possuída pelo governo Britânico; tem uma receita anual de mais de 5 bilhões de libras (8,4 bilhões de dólares), financiada principalmente por um imposto de televisão anual cobrado em todos lares na Grã-Bretanha.

A BBC é supostamente “independente” – mas mostra, conforme um estudo mais aprofundado de seu funcionamento interno, figuras que a controlam e os métodos de doutrinação (agora mesmo em agosto de 2014), que ela é nada mais que outra expressão da propaganda controlada pelo judaísmo supremacistas.

O atual chefe da televisão BBC é o judeu supremacista Danny Cohen – que, antes de sua nomeação para esta posição em abril de 2013, era o controlador da BBC one, o principal canal de televisão no Reino Unido.

Danny Cohen não é apenas um dedicado judeu sionista supremacista, ele é da linhagem da elite judaica que é especialmente honrada por judeus de todo o mundo, e que tem especial status em Israel. Cohen é um “Kohen,” que no plural é Kohanin, os mais reverenciados judeus do judaísmo e de Israel. De fato, embora Israel tenha leis contra casamentos não judaicos, algumas exceções são algumas vezes permitidas para convertidos. Todavia, o Kohanim, enquanto uma elite dos judeus, tem até mesmo provas mais rigorosas de pureza racial de descendência judaica que a elite SS da Alemanha Nacional Socialista.

Em Israel o governo israelense – sobre o controle dos líderes rabinos – não permitirá um Kohen casar-se mesmo com um gentil convertido ao judaísmo! De fato, em Israel um Kohen por lei não pode se casar com qualquer “judeu” que tenha um única gota de sangue não-judaico.

O judeu Danny Cohen – diretor da BBC Television entre 2013 – 2015. FOTO: PA
A matéria acima reproduz o conteúdo de um manual de Oxford sobre a história judaica e a importância do nome Cohen.

Antes de controlar a BBC One, Cohen foi controlador da BBC Three por três anos, entre 2007 e 2010. Ele começou sua carreira de “executivo de televisão” com o canal comercial do Reino Unido Channel 4, onde assumiu vários papéis, incluindo o de Chefe de Documentários, Chefe do Factual Entertainment e Chefe do canal digital channel E4 (“Enterainment 4”).

As “últimas realizações de entretenimento” de Cohen incluem o comissionamento de um número de “shows”, idênticos em conteúdo para todo tipo de lixo produzido por seus correligionários em Hollywood e na TV americana. As criações de TV de Cohen incluem:

Skins: O show retrata os alunos do sexto ano entregando-se em bebidas, drogas, farras e idolatra as famílias disfuncionais, transtornos alimentares e identidade sexual.

The Inbetweeners, que segue um grupo de adolescentes socialmente desajeitados que fazem comentários grosseiros sobre meninas, ficar bêbado, e violar a lei.

Snog, Marry, Avoid, que retrata as chamadas “slap addicts” [obcecadas por maquiagens] que são destituídas de suas maquiagens e recebem, ao invés, ajustes de beleza natural [com muita exposição a fofocas].

Hotter than my Daughter, a qual apresenta pais que pensam que são mais atraentes que seus filhos. Esses shows são tipicamente pré-produzidos (igual as séries americanas “Storege Wars), mas são apresentados como “realidade” e exploram de todas as maneiras as fraquezas humanas reais e imaginárias.

Anthony Reuben, “chefe de estatística” da BBC. Atribuído para “garantir” os “fatos” da emissora… FOTO: Social Science Space

O atual chefe de estatística da BBC é outro judeu supremacista de nome Anthony Reuben. Antes de assumir esta posição chave, Reuben foi um repórter de finanças pessoais no The Money Channel, [foi também] um editor de programas na Reuters Television, produtor de negócios na Sky News, editor na Financial Times Television – e fez seu estágio no Jerusalem Post em Israel.

De acordo com o perfil profissional de Reuben, sua posição como “chefe de estatísticas” foi criado especialmente para ele pelo “BBC Innovation Fund para ser um campeão de robustez estatística através da BBC News.”

Estes são apenas dois da horda de judeus supremacistas na BBC. Existem muito mais, mas para o propósito deste estudo, eles irão servir como exemplos principais de como essa empresa supostamente independente e estatal é manipulada conforme os interesses da conspiração sionista.

O perfeito exemplo do controle supremacista da BBC vem com o bem conhecido e respeitado jornalista financeiro Max Keiser. Contratado para fazer uma série chamada “The Oracle” para a BBC World News, Keiser saiu após dez episódios – por causa do que ele anunciou no Twitter:

“A razão de eu ter saído do meu show da BBC; recebi ordens estritas para não mencionar Israel em qualquer contexto. Esse tipo de censura leva ao #Gaza Horror.”

Em outras palavras, Keiser, que agora trabalha para o canal RT News, foi permitido mencionar qualquer coisa – exceto Israel, e por implicação, judeus e o papel judaico nos escândalos e problemas financeiros mundiais.

Em um segundo Twitter, comentou sobre o mesmo assunto, Keiser disse que a BBC tem uma “política de não expor Israel”.

Ele então ligou a um artigo mostrando que o Governo Britânico estava realmente armando Israel, e colocou a questão “O por quê? Revelado – papel britânico em armar Israel

 Assim, a influência judaica sobre a saída de notícias para o mundo através da principal emissora de TV internacional é tanta que pode censurar os programas dela que ousam mencionar Israel. É preciso lembrar que a maioria das pessoas irão colocar suas carreiras em primeiro lugar, então quando o patrão delas as dão lucrativos programas, dizem a elas para não mencionarem Israel, eles costumam fazer isso para o próprio interesse e auto-preservação. Keiser expôs isto, mas pode-se imaginar quantos outros vão junto com as exigências judaicas.

O segundo exemplo de como a BBC, sobre seus atuais chefes judeus supremacistas, manipulam as notícias em favor de sionistas fanáticos, vem com recente artigo (11 de agosto de 2014) de Anthony Reubens intitulado “Cuidado necessário com as figuras casuais em Gaza” (Caution needed with Gaza casualty figures.)

Como apontado, Reuben é um grande sionista com uma prévia posição nos altos escalões da mídia israelense!

Neste artigo, Reuben tenta criar a impressão de que os relatos das Nações Unidas sobre número de mortes de civis e feridos inocentes – homens, mulheres e crianças – como resultado dos ataques de Israel sobre Gaza são enganosos.

Em uma imagem cuidadosamente escolhida a qual acompanha o artigo, uma foto de uma criança palestina adorna a página do site. Este é um sutil truque psicológico – os judeus supremacistas querem que os leitores associem imagens de crianças palestinas com “estatísticas falsas”, e, assim retiram os judeus racistas de fora do assunto principal.

Para alguém cuja especialidade é supostamente ser um “robusto em estatísticas”, o artigo de Reuben não diz na realidade nada. Nenhum fato produzido, em suma, contradiz a versão oficial da ONU sobre o número de mortos e feridos civis.

Em vez disso, tudo que Reuben faz é fazer comentários sobre como “é difícil dizer com certeza, nesta fase, quão muitos mortos em Gaza são civis e quantos são combatentes” e que “algumas das conclusões a serem desenhadas deles – membros da ONU – podem ser prematuras.”

Reuben não produz quaisquer fatos para apoiar suas reivindicações – e o artigo é obviamente uma tentativa de espalhar desinformação por insinuações – uma tática comumente usada na propaganda supremacista judaica.

Não somente espera Reuben que o título e imagem do artigo criem uma subconsciente associação entre crianças palestinas feridas e mortas e “estatísticas falsas”, mas isso também é uma tentativa de encobrir os crimes de guerra genocidas de Israel em Gaza – e isto, de uma emissora supostamente independente e custeada com fundos públicos.

Na era pré-internet, o público em geral teria sido exposto somente e a propaganda qual supremacistas judeus como Cohen e Reuben teriam difundido.

Não é de admirar, portanto, que os judeus racistas têm sido aptos a terem seus próprios meios de manipular o público, especialmente no Ocidente, durante muitos anos. 99,9 por cento do povo assistindo a TV BBC não tem nenhuma ideia de que o homem que controla tudo isso é um dedicado supremacista judeu. Elas não têm ideia de que quando leem um artigo sobre as estatísticas de Gaza na BBC, que isso foi escrito por um sionista judeu que previamente trabalhou na mídia judaica.

Se esta é a condição dos meios de comunicação do governo atuar, tais como a BBC, qual é a situação nos meios privados, principalmente os centrados em Hollywood, TV e indústria cinematográfica, os quais são possuídos majoritariamente por judeus? Aqui está um artigo do Jewish Times de Los Angeles jactando-se do controle sionista sobre os grandes conglomerados dos meios de comunicação de massa no mundo.

{“Quatro dos cinco maiores gigantes do entretenimento são agora mandados ou possuídos por judeus. A News Corp de Murdoch (em quarta posição) é a única resistência – contudo, Rupert é um pró-Israel como qualquer judeu, somando então.}

Felizmente, no entanto, o advento da internet tem puxado para fora do tapete a exclusividade de informação de baixo dos pés dos judeus supremacistas, tais como Cohen e Reuben.

Uma vez que o muro do silêncio e desinformação é quebrado, a queda do supremacismo judaico não fica muito atrás.

Tradução e palavras entre chaves por Mykel Alexander

Fonte: DavidDuke.com

Fonte da Tradução: World Traditional Front

Publicado originalmente em 13 de agosto de 2014.

David Duke

Dr. David Duke é graduado na Universidade Estadual de Louisiana com bacharelado em História. Ele concluiu seu doutorado na maior universidade da Ucrânia. Tem ministrado palestras em mais de 25 nações e em mais de 250 universidades ao redor do mundo. É um ativista político para a autodeterminação dos americanos de etnia europeia e é assíduo opositor da supremacia judaica o que atraiu antipatia e adversidade da comunidade judaica internacional, resultando em duas tentativas de prisão quando foi convidado a ministrar palestras na República Tcheca e na Alemanha.

Foi eleito como membro da Câmara dos Representantes dos EUA (pelo Estado da Lousiana no mandato de 1989 – 1993), que é uma das duas câmaras do congresso dos EUA.

Entre suas obras estão:

"My Awakening: A Path to Racial Understanding", Free Speech Press, Mandeville, 1998.

"Jewish supremacism: my awakening on the Jewish question", Free Speech Press, Mandeville, 2007.

"The secret behind communism: the ethnic origins of the Russian Revolution & the greatest holocaust in the history of mankind", Free Speech Press, Mandeville, 2013.
David Duke

Últimos posts por David Duke (exibir todos)

Nos ajude a espalhar a palavra:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.